AÇÃO DA PRÓPOLIS DE APIS MELLIFERA ASSOCIADA AO FLUORETO DE SÓDIO NO PROCESSO DE REMINERALIZAÇÃO DE MANCHAS BRANCAS E SOBRE A MICROBIOTA CARIOGÊNICA: ESTUDO IN SITU; de ALESSANDRO DIOGO DE CARLI

PDF: AÇÃO DA PRÓPOLIS DE APIS MELLIFERA ASSOCIADA AO FLUORETO DE SÓDIO NO PROCESSO DE REMINERALIZAÇÃO DE MANCHAS BRANCAS E SOBRE A MICROBIOTA CARIOGÊNICA: ESTUDO IN SITU; de ALESSANDRO DIOGO DE CARLI

ALESSANDRO DIOGO DE CARLI
AÇÃO DA PRÓPOLIS DE APIS MELLIFERA ASSOCIADA AO
FLUORETO DE SÓDIO NO PROCESSO DE REMINERALIZAÇÃO DE
MANCHAS BRANCAS E SOBRE A MICROBIOTA CARIOGÊNICA:
ESTUDO IN SITU
CAMPO GRANDE
20101
ALESSANDRO DIOGO DE CARLI
AÇÃO DA PRÓPOLIS DE APIS MELLIFERA ASSOCIADA AO
FLUORETO DE SÓDIO NO PROCESSO DE REMINERALIZAÇÃO DE
MANCHAS BRANCAS E SOBRE A MICROBIOTA CARIOGÊNICA:
ESTUDO IN SITU
Tese apresentada ao Programa de Pós-
graduação em Saúde e Desenvolvimento na
Região Centro-oeste da Universidade
Federal de Mato Grosso do Sul, para
obtenção de título de Doutor.
Orientador: Prof. Dr. Paulo Zárate
CAMPO GRANDE
20102
FOLHA DE APROVAÇÃO
ALESSANDRO DIOGO DE CARLI
AÇÃO DA PRÓPOLIS DE APIS MELLIFERA ASSOCIADA AO
FLUORETO DE SÓDIO NO PROCESSO DE REMINERALIZAÇÃO DE
MANCHAS BRANCAS E SOBRE A MICROBIOTA CARIOGÊNICA:
ESTUDO IN SITU
Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação
em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-
oeste da Universidade Federal de Mato Grosso do
Sul, para obtenção de título de Doutor.
Resultado________________
Campo Grande (MS), 13 de agosto de 2010.
BANCA EXAMINADORA
____________________________________________
Prof. Dr. _____________________________________
Instituição: ___________________________________
____________________________________________
Prof. Dr. _____________________________________
Instituição: ___________________________________
____________________________________________
Prof. Dr. _____________________________________
Instituição: ___________________________________
____________________________________________
Prof. Dr. _____________________________________
Instituição: ___________________________________
____________________________________________
Prof. Dr. _____________________________________
Instituição: ___________________________________3
DEDICATÓRIA
Para dedicar uma conquista desse valor, vou me apoiar em ombros de
gigantes. Escolhi gigantes da música e da literatura.
Dedico
esse
trabalho,
primeiramente,
a
minha
esposa
Melina:
acompanhaste a edificação desse momento. Estiveste e vivenciaste junto a mim
todas as etapas desse processo. Acho que estou entendendo o sentido do
casamento e, posso dizer, do amor: ―…se você pensa em mim, se você me
abraça, a vida é gratia plena, a vida é cheia de graça…‖ (George Israel e Paula
Toller, 2005).
Dias atrás, li esse verso de Vinícius de Moraes: “Eu, muitas noites, me
debrucei sobre o teu berço e verti sobre o teu pequenino corpo adormecido as
minhas mais indefesas lágrimas de amor, e pedi a todas as divindades que
cravassem na minha carne as farpas feitas para a tua” . Logo, lembrei dos meus
pais: Waldemar e Therezinha, que há 49 anos se dedicam à construção (e
reconstrução) de uma união plena, acreditando indubitavelmente no valor da família.
Qualquer palavra que eu escreva não será suficiente para expressar a gratidão e a
admiração que tenho por vocês. Obrigado por todo amor, atenção, proteção e
confiança que sempre dedicaram a mim. As ―farpas‖ vieram, e, sem dúvida, virão.
Aprendi com vocês o valor da verdade e de nunca esquecer ―de quem realmente eu
sou e de onde eu vim‖. Por me ensinarem (e por terem me proporcionado) viver com
dignidade e liberdade, dedico-lhes esse trabalho e todo meu amor.
À minha irmã, meu cunhado e meus lindos sobrinhos, por acreditarem em
mim, e por configurarem parte essencial da minha felicidade.4
AGRADECIMENTOS
À Melina, amada esposa e grande incentivadora de todas as minhas
conquistas.
A minha prima Profa. Ms. Grasiela De Carli, colega de profissão e de sonhos,
pelas opiniões sensatas, críticas e pontuais, essenciais para a realização desse
trabalho.
À Cirurgiã-dentista Vanessa Hoffmann, pela colaboração com a confecção
dos dispositivos palatinos.
Aos voluntários que participaram do experimento, pela seriedade e
comprometimento com a realização do estudo.
Aos professores Cibele Bonfim de Rezende Zárate, Valéria Rodrigues de
Lacerda e Edílson José Zafalon, colegas da disciplina de Odontologia em Saúde
Coletiva da FAODO / UFMS, pelo excelente convívio e espírito colaborativo. Somos
uma equipe (de amigos!).
Aos amigos Prof. Dr. Key Fabiano de Souza Pereira, e Prof. Dr. Danilo
Matias Guerisoli, pelas contribuições para a realização desse trabalho.
À Profa. Dra. Rosana Mara Giordano de Barros, Diretora da FAODO-UFMS,
pela excelente receptividade que dispensou a mim quando iniciei minhas atividades
docentes na FAODO e por tudo que fizestes para a materialização de uma grande
conquista da minha vida. Serei eternamente grato.
À Fundect, pelo fomento à pesquisa.
Finalmente, faço um agradecimento especial ao meu amigo Prof. Dr. Paulo
Zárate Pereira, por ter resgatado em mim o sentimento de confiança nas
verdadeiras amizades. Como professor e orientador (desde o Mestrado), foste
sempre preocupado em fazer o melhor, o que, na minha prática docente, implicou
uma ―criticidade objetiva e construtiva‖ e isso, é parte essencial da consolidação do
meu caminho na docência, também pela inspiração em seu legado. És como um
irmão para mim, tu sabes! Gratidão imensa, sempre.5
Sim. A vida é muito oriental.
Só algumas pessoas escolhidas pela fatalidade do acaso
provaram da liberdade esquiva e delicada da vida.
(Clarice Lispector, Água Viva)6
RESUMO
De Carli AD. Ação da própolis de Apis mellifera associada ao fluoreto de sódio
no processo de remineralização de manchas brancas e sobre a microbiota
cariogênica: estudo in situ. Campo Grande; 2010. [Tese – Universidade Federal
de Mato Grosso do Sul].
A associação da própolis ao fluoreto tem apresentado resultados promissores nos
ensaios in vitro e in vivo para o controle da cárie. O objetivo desse estudo foi
verificar o efeito de um extrato etanólico de própolis 5% (EEP 5%) associado ou não
ao fluoreto de sódio (NaF 0,05%) sobre o biofilme cariogênico e os processos de
desmineralização-remineralização do esmalte. Realizou-se estudo in situ de duas
fases de 14 dias cada; na Fase 1, os voluntários utilizaram dispositivos palatinos
contendo 6 blocos de esmalte, que foram submetidos ao desafio cariogênico (DC)
com sacarose 20%/8 vezes ao dia. Na segunda fase, os voluntários foram divididos
em grupos experimentias: (1)DC+Controle; (2) DC+NaF 0,05%; (3)DC+EEP 5%;
(4)DC+EEP 5%+NaF 0,05% ; e (5)DC+Flúor Fosfato Acidulado. Ao final de cada
fase, foram realizadas as análises microbiológica do biofilme e da microdureza do
esmalte em corte transversal. No grupo 4 houve diferenças estatisticamente
significativas em relação a todos os grupos e entre as fases, tanto para as variáveis
ganho mineral e recuperação da microdureza, quanto na supressão das contagens
bacterianas. Concluiu-se que a associação EEP 5%+NaF 0,05% foi o tratamento
mais efetivo para o controle do biofilme cariogênico e reequilíbrio mineral.
Palavras-chave: Streptococcus mutans, placa dentária, cárie dentária.7
ABSTRACT
De Carli AD. Action of Apis mellifera propolis associated to sodium fluoride in
the remineralization process of white spots and on the cariogenic microbiota:
in situ study. Campo Grande; 2010. [Thesis – Federal University of Mato Grosso do
Sul].
The association of propolis to fluoride has presented promising results on in vitro and
in vivo essays for caries control. The objective of the present study was to verify the
effect of a 5% propolis ethanol extract (EEP 5%) associated to 0.05% sodium fluoride
(NaF 0.05%) on the cariogenic dental biofilm and the demineralization-
remineralization processes of the enamel. A 2-phase, 14 days each, in situ study was
performed; on Phase 1, the volunteers wore palatal devices containing 6 enamel
blocks, which were submitted to cariogenic challenge (CC) with 20% sucrose 8 times
a day. During Phase 2, volunteers were divided in 5 experimental groups treated as
follows: (1) CC+control; (2) CC+NaF 0.05%; (3) CC+EEP 5%; (4) CC+EEP 5% +
NaF 0.05% and (5) CC + acidulated phosphate fluoride. At the end of each phase,
the microbiologic analysis of biofilm and microhardness of transversal sections of the
enamel were performed. Group 4 presented statistically significant differences when
compared to the other studied groups and among the phases, regarding mineral gain
and microhardness recover, as well as bacteria supression. It could be concluded
that the association of EEP 5%+NaF 0.05% was effective in controlling cariogenic
biofilm and mineral reequilibrium.
Key-words: Streptococcus mutans, dental plaque, dental caries8
LISTA DE TABELAS
Tabela 1 – Média (± DP) de UFC dos diferentes microrganismos conforme o
grupo e fase experimentais. …………………………………………………….30
Tabela 2- Média (± DP) da microdureza do esmalte em corte transversal
conforme a profundidade, grupo e fases experimentais………………31
Tabela 3- Média (± DP) do ganho mineral (GM) e recuperação da microdureza
do esmalte (RM) conforme a profundidade e grupos experimentais 329
LISTA DE FIGURAS
Figura 1 – Critérios de inclusão e exclusão………………………………………………23
Figura 2 – Dispositivo palatino………………………………………………………………..24
Figura 3 – Desenho do estudo……………………………………………………………….25
Figura 4 – Blocos de esmalte preparados para o ensaio de microdureza…….28
Figura 5 – Shimadzu Micro Hardness Tester HMV-2………………………………….28
Figura 6 – Correlação linear entre a microdureza do esmalte (50μm de
profundidade) e microrganismos testados (Teste de Correlação
Linear dePearson)…………………………………………………………………3310
LISTA DE ABREVIATURAS, SIGLAS E SÍMBOLOS
% porcentagem
μg micrograma
μm micrômetro
ATF aplicação tópica de flúor
BMECT valor baseline da microdureza do esmalte em corte transversal
C
controle
CBM concentração bactericida mínima
CEP comitê de ética em pesquisa
DC
desafio cariogênico
DES desmineralização
DF
dentifrício fluoretado
DNF dentifrício não-fluoretado
DP
desvio padrão
EEP extrato etanólico de própolis
F-ATPase flúor ATPase
FFA flúor-fosfato-acidulado
g
grama
GM ganho mineral
GTF glicosiltransferase
HB higiene bucal
M1 análise microbiológica na Fase 1
M2 análise microbiológica na Fase 2
MECT
microdureza do esmalte em corte transversal
MECT 1 microdureza do esmalte em corte transversal na Fase 1
MECT 2 microdureza do esmalte em corte transversal na Fase 2
mg miligrama
mL mililitro
mM mili Mol
MSB mitis salivarius bacitracina
NaF fluoreto de sódio
oC graus Celsius
pH potencial hidrogeniônico11
ppm parte por milhão
RE remineralização
RM recuperação da microdureza
tt
trans-trans
UFC Unidades formadoras de colônia12
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO………………………………………………………………………………….13
2 REVISÃO DA LITERATURA………………………………………………………………16
3 OBJETIVOS……………………………………………………………………………………..22
4 MATERIAL E MÉTODO……………………………………………………………………..23
4.1 Tipo de Estudo………………………………………………………………………………23
4.2 Desenho experimental……………………………………………………………………23
4.3 Obtenção do EEP…………………………………………………………………………..26
4.4 Análise microbiológica do biofilme cariogênico……………………………..27
4.5 Análise da microdureza do esmalte em corte transversal……………….27
4.6 Análise estatística…………………………………………………………………………29
5 RESULTADOS………………………………………………………………………………….30
6 DISCUSSÃO…………………………………………………………………………………….34
7 CONCLUSÃO……………………………………………………………………………………38
REFERÊNCIAS……………………………………………………………………………………3913
1 INTRODUÇÃO
A cárie dentária permanece sendo, no campo da saúde bucal, um dos
principais problemas de saúde pública, apesar do declínio nas últimas décadas, pois
ainda é prevalente para alguns grupos, o que pode ser devido ao fato de que, em
escala global, somente uma parcela da população se beneficia dos métodos de
prevenção e controle (NATIONAL INSTITUTE OF HEALTH, 2001; MARSH, 2003;
MARTHALER, 2004; FEATHERSTONE, 2009).
Desde a década de 60, a cárie é considerada uma doença induzida pela
presença de biofilme, fator crítico para o seu desenvolvimento em humanos (LÖE,
1969). Estudos iniciais indicaram especificidade bacteriana envolvida nesse
processo, relacionando os Streptococcus mutans a sua etiopatogenia (IKEDA et al.,
1973; LOESCHE et al., 1976; MINA; LOESCHE, 1977; DUCHIN; VAN HOUTE,
1978; LOESCHE; STRAFON, 1979; VAN HOUTE, 1980) e os Lactobacilos à sua
progressão (LOESCHE, 1986).
A evolução dos experimentos evidenciou que o desenvolvimento da cárie é
relacionado a uma multiplicidade de fatores que são capazes de modificar o
ecossistema oral, concedendo aos microrganismos odontopatógenos a oportunidade
de dominar a microbiota nos sítios que favoreçam tal situação. Por esse parâmetro,
a cárie dentária poderia ser entendida não somente como uma doença infecciosa e
multifatorial, mas como um evento essencialmente oportunista (LANG et al., 1987;
BUISCHI et al., 1989).
Nesse sentido, nos anos 90, destacaram-se estudos que propuseram a
evidência de que eventos ecológicos referentes ao biofilme dental implicariam maior
ou menor cariogenicidade deste, o que ficou conhecido como Hipótese da Placa
Ecológica (MARSH, 1991; MARSH, 1994). Assim, o excesso de açúcar oriundo da
dieta poderia levar à produção de ácidos causando uma mudança no ambiente bucal
(de um pH neutro para um pH ácido), situação que incita trocas ecológica na
microbiota residente dominada por Streptococcus sanguis e Streptococcus oralis
(relacionados ao processo de remineralização-RE), por outra em que predominam
os estreptococos do grupo mutans
e lactobacilos, que são acidúricos e
acidogênicos e, portanto, cariogênicos (os quais favorecem o processo de
desmineralização-DES), levando aos estágios iniciais e de desenvolvimento da
doença cárie, respectivamente, se não controlados.14
Quando o controle mecânico do biofilme é falho, favorecendo o acúmulo
deste em sítios de estagnação, a formação de um biofilme potencialmente
cariogênico é favorecida, e as espécies microbianas como os Streptococcus mutans
e Lactobacilos são ecologicamente selecionadas, passando a dominar o
microambiente bucal (MARSH,1991), fato que expõe o indivíduo a uma situação de
risco de cárie exacerbado (desafio cariogênico), implicando o surgimento de
manchas brancas ativas na superfície do esmalte, as quais são o primeiro sinal
clínico da doença, cujos controle e inativação são exequíveis (BACKER-DIRKS,
1966; MALTZ et al., 2003).
Nessa situação, indica-se o controle químico (adjuvante) do biofilme dental, a
fim de auxiliar o paciente na realização de uma higienização bucal compatível com
níveis clínicos salutares (ADDY, 1986).
Classicamente,
os fluoretos e
a
clorexidina
foram
utilizados
como
antimicrobianos para o controle químico do biofilme dental. Entretanto, com o
crescente interesse por produtos naturais desde a década de 90, a própolis passou
a ser objeto de estudos, principalmente devido a sua capacidade antimicrobiana
(BRUMFITT et al., 1990; WOISKY et al., 1994).
A utilização de Extratos Etanólicos de Própolis (EEPs) no campo da
Cariologia tornou-se factível quando estudos iniciais abordaram sua atividade sobre
a inibição de microrganismos relacionados à cárie dentária (IKENO; MIYASAWA,
1991; GEBARA et al., 1996; STEINBERG et al.,1996; OTA et al., 1998; KOO et al.,
2000ab; KOO et al., 2003; KOO et al., 2005; ALMEIDA et al. 2006) e sobre o
processo de formação do biofilme cariogênico / fatores de virulência bacteriana que
influenciam na cariogenicidade deste (PARK et al., 1998 ; KOO et al., 2000abc; KOO
et al., 2002ab; ALMEIDA et al.,2006).
Evidências indicam que o fluoreto de sódio (NaF) é eficaz no processo de
remineralização de lesões de cárie incipiente (FEATHERSTONE, 1999; CURY;
TENUTA, 2009; FEATHERSTONE, 2009). Diante disso, pensou-se na hipótese de
combinar os EEPs ao NaF para verificação da possibilidade da utilização dessa
associação na dinâmica do processo de desmineralização-remineralização do
esmalte (processo DES-RE).
As terapias de associação (combinatórias) verificaram o efeito de
EEPs
isoladamente ou associados ao fluoreto de sódio sobre a recuperação da
microdureza superficial do esmalte (GIAMALIA et al., 1999; ZÁRATE-PEREIRA,15
2003) e na remineralização de manchas brancas (ZÁRATE-PEREIRA, 2003; DE-
CARLI, 2007 ), tendo em vista a sinergia entre um comprovado agente
remineralizador (NaF) e um potente composto antibacteriano de origem natural e
sem relato de toxicidade (EEP).
Todos esses resultados direcionam para a possibilidade do uso dos EEPs no
tratamento de cárie. Porém, frente ao alto desafio cariogênico, o NaF pode não ser
suficiente para controlar a doença cárie; daí a necessidade de desenvolvimento de
agentes químicos de controle do biofilme dental que sejam seguros para o uso e
cuja ação seja sinérgica ou complementar à do fluoreto (OGAARD et al., 1994;
FEATHERSTONE, 2009; ten CATE, 2009).
Embora a associação NaF+EEPs tenha sido avaliada, mais estudos são
necessários para confirmar os resultados, especialmente com a própolis sul-mato-
grossense, ainda não avaliada sob esse aspecto, comparando-a ao NaF e também
ao flúor fosfato acidulado (FFA), o que justifica a realização deste ensaio.
O objetivo desse trabalho foi verificar, in situ, o efeito do EEP 5% isolado e
associado ao NaF 0,05%, sobre o processo de desmineralização-remineralização do
esmalte (processo DES-RE) e sobre a microbiota cariogênica.
A hipótese testada é a de que a associação EEP+NaF seja capaz de controlar
a cárie dentária em situações de risco à doença.16
2 REVISÃO DE LITERATURA
Um estudo clássico da década de 90 demonstrou a eficácia da própolis no
processo inibitório do crescimento da microbiota cariogênica e da atividade das
enzimas glicosiltransferases (GTF), especificamente nos estreptococos do grupo
mutans, os quais são fortemente associados ao início do processo da doença cárie,
sugerindo a atividade anticariogênica da própolis (IKENO; MIYASAWA, 1991).
Em experimento realizado in vitro, avaliou-se a ação antimicrobiana de
substâncias naturais sobre Streptococcus mutans e Streptococcus sobrinus, dentre
elas a própolis, comprovando sua ação antibacteriana, e também a capacidade de
inibir a adesão bacteriana desses microrganismos, o que sugeriu a possibilidade do
uso desta substância no controle do biofilme bacteriano bucal (GEBARA et al.,
1996).
Os efeitos antibacterianos da própolis e do mel foram investigados in vitro. Em
baixas concentrações de mel, houve o aumento do crescimento bacteriano, e em
concentrações acima de 4,16%, observou-se a redução deste; em concentrações
baixas de própolis, não houve alterações significativas no crescimento bacteriano,
mas, à medida que se aumentou a concentração, o padrão de crescimento foi
alterado, obtendo-se a inibição completa na concentração de 0,4% de própolis. No
estudo in vivo, os voluntários bochecharam 5mL de mel durante 4 minutos, quando
se observou uma redução de 60% e 40% na contagem de bactérias totais viáveis, e
de 58% e 54% na contagem de Streptococcus mutans, respectivamente, dez
minutos e uma hora após os bochechos. Em relação à própolis, a solução
bochechada pelos voluntários foi de 0,2%, durante 1,5 minutos, observando-se
redução de 38% na contagem de totais viáveis e 42% na contagem de
Streptococcus mutans, após 10 minutos da realização do bochecho (STEINBERG et
al.,1996).
A GTF é a responsável pela síntese de glucanos a partir da sacarose, que
são essenciais para o metabolismo das bactérias componentes do biofilme
cariogênico. Em um estudo que comparou amostras de própolis de vários estados
brasileiros em relação a sua capacidade antibacteriana e de inibir a enzima GTF,
concluiu-se que todas as amostras testadas inibiram o volume da produção de GTF
por Streptococcus mutans, merecendo destaque as amostras do Rio Grande do Sul
(inibição=30,5%) e do Mato Grosso do Sul (inibição= 19,4%), cujos halos de inibição17
para Streptococcus mutans foram de 3,0mm e 1,5mm, respectivamente (PARK et al,
1998).
Ao abordarem a atividade antimicrobiana da própolis (nas concentrações de 1
a 10mg/mL) sobre bactérias recém-isoladas da cavidade bucal, observou-se
evidente atividade antibacteriana dessa substância sobre todas as cepas testadas,
na seguinte ordem de sensibilidade: Streptococcus mutans > Lactobacillus sp. >
Staphylococcus aureus > Staphylococcus epidermidis, indicando a possibilidade de
utilizá-la frente a infecções oportunistas causadas por esses microrganismos e
também na clínica odontológica, com a finalidade de controlar a atividade de cárie
(OTA et al., 1998).
A associação de própolis 5% acrescida de NaF 0,05% e deste isolado, foram
avaliados sobre a redução de estreptococos do grupo mutans em pacientes com
atividade de cárie. Foram realizados bochechos durante 15 dias; no final desse
período, observou-se que a solução de própolis acrescida ao fluoreto reduziu os
níveis salivares desses microrganismos em cerca de 66,93%, o que não foi
observado no grupo de voluntários que bochecharam apenas o fluoreto de sódio
0,05% (controle). Decorridos 15 dias após o último bochecho, os níveis salivares
desses microrganismos tenderam aos valores iniciais (ZÁRATE-PEREIRA, 1999).
No mesmo ano, estudou-se a microdureza do esmalte submetido à própolis.
No estudo in vitro, os blocos de esmalte foram imersos, durante uma hora, em
soluções de própolis a 0,4%, 1,0% e 2,0%. Verificou-se que houve aumento na
microdureza (remineralização) dos espécimes na ordem de 8,24%; 26,9% e 53,65%,
quando submetidos soluções de 0,4%; 1,0% e 2,0%, respectivamente (GIAMALIA et
al., 1999).
Os EEP oriundos dos Estados de Minas Gerais e Rio Grande do Sul foram
averiguados quanto a sua capacidade de inibir a GTF-B (responsável pela síntese
de glucanos insolúveis); GTF-C (sintetiza glucanos solúveis e insolúveis) e a GTF-D
(que sintetiza glucanos solúveis) obtidas em duas versões: GTF purificada em
solução e GTF adsorvida à superfície de blocos de esmalte dentário cobertos por
saliva. Os EEP das duas regiões apresentaram atividade inibitória a todas as GTFs
em solução (75-95%) e adsorvidas ao esmalte (45-95%), quando concentradas entre
0,75% e 3,0 mg/mL (KOO et al., 2000a).
Em estudo in vitro que comparou o efeito de uma nova variedade de própolis
oriunda da Bahia (na concentração de 50μg/mL) em relação à própolis de Minas18
Gerais (400μg/mL) sobre os estreptococos do grupo mutans (EGM), verificou-se que
ambas demonstraram atividade contra esses microrganismos, porém, a amostra
baiana apresentou melhores resultados no que se referiu à inibição do crescimento
dessas bactérias, aderência celular e síntese de glucanos insolúveis (KOO et al.,
2000b).
A comparação in vitro da atividade antimicrobiana da própolis 10% e da
Arnica Montana na mesma concentração, contra patógenos orais, demonstrou que a
própolis teve capacidade inibitória significativa para todos os microrganismos
testados, com ação similar em relação à aderência bacteriana e à síntese de
glucanos insolúveis, comportamento não observado nas amostras de arnica (KOO et
al., 2000c).
Koo et al. (2002a) avaliaram o efeito de um colutório à base de própolis 20%
no acúmulo de placa e na formação de polissacarídeos insolúveis. Os voluntários
que fizeram o uso do colutório sob desafio cariogênico (obtido através de bochechos
de sacarose 20%, durante 5 vezes ao dia) obtiveram significativos menores índice
de placa e concentração de polissacarídeos insolúveis presentes no biofilme quando
comparados ao grupo placebo.
Os efeitos dos componentes encontrados na própolis (flavonóides e derivados
do ácido cinâmico) oriunda do Rio Grande do Sul, foram testados sobre o
crescimento de Streptococcus mutans e na atividade da GTF em solução e em
superfície de hidroxiapatita coberta por saliva. Dentre esses compostos, os
flavonóides (apigenina 135μg/mL e tt-farnesol 14-28 μg/mL), se comportaram como
potentes inibidores da GTF e do crescimento bacteriano, respectivamente (KOO et
al., 2002b).
Ao analisarem a ação de dois componentes da própolis (apigenin e tt-
farnesol), sobre o desenvolvimento de cáries em ratos, observou-se que a
associação desses componentes obteve efeito cariostático. O apigenin demonstrou
ser o primeiro agente cariostático natural, devido a sua habilidade em inibir a GTF,
diminuindo a síntese de glucanos em níveis até então não observados. Esses
compostos agem nos fatores de virulência das bactérias e/ou em seu metabolismo
cariogênico, e quando associados ao uso de fluoretos, podem aumentar o efeito
destes no equilíbrio do processo de desmineralização/remineralização do esmalte
dental (KOO et al., 2003).19
Um estudo in situ que avaliou a ação da própolis de Apis mellifera 5%
associada ao NaF 0,05% no desenvolvimento da cárie dentária e na formação do
biofilme dental, evidenciou que houve significativa redução das contagens
microbianas na ordem de 75,5%; 50,0%; 46,5% e 36,6%, para a população de
estreptococos totais, estreptococos do grupo mutans, lactobacilos e total de
bactérias viáveis, respectivamente, quando expostos a esse composto. Além disso,
verificou-se a redução da perda mineral nas lesões de cárie que foram submetidas à
terapia de associação, sob desafio cariogênico (ZÁRATE-PEREIRA, 2003).
A influência de dois importantes componentes da própolis – apigenin e tt-
farnesol – associados ao fluoreto, sobre o controle do biofilme cariogênico, foi
novamente investigada por KOO et al. (2005). O estudo demonstrou que a
associação aumentou as propriedades anti-cárie do fluoreto pela ação sinérgica dos
componentes. Em geral, os biofilmes expostos a essa combinação desenvolveram
menores biomassa e quantidade de glucanos insolúveis e polissacarídeos
intracelulares
em
relação
aos
biofilmes
tratados
com
essas
substâncias
isoladamente. Para os autores, a combinação desses agentes com o flúor pode
representar uma utilidade potencial e um enfoque alternativo para as atuais
estratégias quimioterápicas, com vistas à prevenção da doença cárie, pela redução
da expressão de virulência dos Streptococcus mutans, sem necessariamente
suprimir a flora bacteriana oral residente.
O apigenin é considerado um potente inibidor da atividade das GTF, afeta o
acúmulo de Streptococcus mutans pela redução da formação de glucanos insolúveis
e pelo aumento do conteúdo de glucanos solúveis da matriz de polissacarídeos nos
biofilmes in vitro. Evidenciou-se a influência do apigenin na expressão dos genes gtf
B, C e D de Streptococcus mutans, a qual pode ser induzida pela sacarose,
revelando que, na presença desse composto, a expressão de gtf B e C diminuiu
mais que 50% e quando houve a adição de sacarose, nenhum efeito foi observado
no perfil de expressão desses genes. Em contraste, a expressão do gtf D foi
aumentada. Nesse estudo, ficou claro o efeito do apigenin na expressão dos genes
envolvidos na síntese de polissacarídeos extra-celulares (PECs), indicando que esse
flavonóide possui características terapêuticas únicas, pois afeta a atividade e a
expressão
das
enzimas
GTF,
sem
desencadear
efeitos
antibacterianos,
característica que pode ser responsável pelas suas propriedades anti-cárie (KOO et
al., 2006).20
No mesmo ano, foram averiguadas a influência do EEP 5% sobre biofilmes de
Streptococcus mutans e no desenvolvimento de cárie em ratos expostos ao alto
desafio cariogênico pela ingestão de dieta cariogênica e água acrescida de sacarose
5%. Os dados do estudo indicaram hipóteses pelas quais o EEP utilizado possa ter
exercido efeito cariostático: a redução da acidogênese pelo biofilme estreptocócico;
a inativação do sistema F-ATPase de translocação de prótons e a inibição da
síntese de glucanos insolúveis pelas enzimas GTF. A perturbação desses fatores de
virulência, que são críticos aos Streptococcus mutans, particularizou a utilização da
própolis na concentração empregada a fim da obtenção de efeito cariostático, sem
que a viabilidade da microflora residente fosse afetada (DUARTE et al., 2006).
Com o objetivo de se avaliar a ação de uma solução antisséptica de EEP a
6,25% e de clorexidina 0,12% (controle positivo) sobre o Índice de Higiene Oral
Simplificado (IHO-S), Índice de Sangramento Gengival (ISG) e na contagem de
Streptococcus mutans, verificou-se uma redução de 72,3% e 75,3% nos níveis
salivares de Streptococcus mutans, utilizando-se o EEP e o controle positivo,
respectivamente, após 24 horas do término da realização dos bochechos. Após 21
dias, as contagens de Streptococcus mutans estavam próximas aos valores iniciais
para ambas as soluções. Em todas as contagens bacterianas realizadas não foram
observadas diferenças estatisticamente significativas na atuação das duas soluções.
A análise do ISG revelou uma redução significativa no incremento da doença pela
utilização do EEP; comparando-se os valores do IHO-S prévio e posterior aos
bochechos, notou-se que a solução de própolis não promoveu redução significativa
nesse índice, quando comparada com a solução de clorexidina. Concluiu-se que a
solução empregada reduziu significativamente os níveis salivares de Streptococcus
mutans e atuou sobre as condições gengivais, podendo ser indicada como agente
de controle químico terapêutico do biofilme dental (ALMEIDA et al., 2006).
Em um ensaio clínico duplo cego randomizado, a efetividade da associação
de um EEP 5% ao NaF 0,05% foi testada sobre a contagem dos níveis salivares de
Streptococcus mutans, o acúmulo de biofilme dental e a quantificação das manchas
brancas ativas. Os voluntários (n=97) foram
divididos em dois grupos que
receberam aplicações tópicas consecutivas dos géis experimentais (uma vez por
semana, durante 4 semanas). Após 24h e 15 dias do término das aplicações, novas
contagems de Streptococcus mutans foram realizadas. Decorridas 48h após a última
aplicação tópica, mensurou-se o acúmulo do biofilme dental. Revelou-se o teor dos21
géis experimentais, verificando-se que o Gel A constituía-se de EEP 5% associada
ao NaF 0,05%, e o Gel B possuía somente o EEP 5%. Os resultados obtidos
demonstraram a superioridade do Gel A em relação ao Gel B, com diferenças
estatisticamente significativas entre os géis testados, principalmente no que se
referia à diminuição dos níveis salivares de Streptococcus mutans e à inativação de
manchas brancas. Concluiu-se que a associação foi eficaz na redução dos níveis
salivares de Streptococcus mutans, eficiente na remineralização de manchas
brancas e reduziu significativamente o acúmulo de biofilme (DE CARLI, 2007).
A utilização de flavonóides específicos encontrados na própolis foi
mencionada como estratégia para aumentar os efeitos biológicos dos fluoretos sobre
o biofilme dental, constituindo uma terapia alternativa contra o biofilme cariogênico
(KOO, 2008; KOO; JEON, 2009). Nesses dois estudos, os autores evidenciaram que
em concentrações baixas, a associação do apigenin (1mM), tt-farnesol (5mM) e do
fluoreto (250 ppm) foi capaz de afetar a patogenicidade de Streptococcus mutans
em biofilmes, através da inibição da síntese de glucanos insolúveis pela redução da
atividade das glicosiltransferases B e C; pela modulação da expressão de gene gtf B
e C em nível transcricional; por perturbar a variação do pH através da membrana
celular e pela inibição da síntese e acúmulo de polissacarídeos intracelulares. Desse
modo, essa terapia combinatória atuou sobre fatores de virulência críticos dos
Streptococcus mutans e, claramente, aumentaram as propriedades cariostáticas do
fluoreto, sem alterar a microbiota residente.22
3 OBJETIVO
Verificar o efeito de um Extrato Etanólico de Própolis isolado e associado ao
fluoreto
de
sódio, sobre
a
microbiota
cariogênica
e
nos
processos
remineralização e desmineralização do esmalte dentário, sob desafio cariogênico.
de23
4 MATERIAL E MÉTODO
4.1Tipo de estudo
Esse estudo foi do tipo experimental, cego (na análise microbiológica e da
microdureza em corte transversal) e randomizado.
4.2 Desenho experimental
Após a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da UFMS (protocolo no
1393; ANEXO A) e assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido
(APÊNDICE A), 30 voluntários (cujos critérios de inclusão/exclusão estão listados na
Figura 1) integraram esse estudo.
Critérios de Inclusão
Critérios de Exclusão
1) Idade entre 18 e 40 anos. 1) Estar em tratamento odontológico.
2) Presença de, no mínimo, 28 dentes. 2) Ser alérgico a algum
produto/medicamento utilizado na
pesquisa.
3) Ausência de atividade das doenças cárie e
periodontal.
4) Realização de higiene bucal ao menos 2
vezes ao dia.
5) Concordância dos voluntários em não
utilizarem outros produtos para o
controle químico do biofilme dental
durante o período experimental.
3) Alterações anátomo-patológicas da
mucosa oral ou presença de agravos
sistêmicos com manifestações orais.
4) Utilização de bochechos ou géis
fluoretados / antimicrobianos até 14
dias prévios ao início da utilização dos
aparelhos palatinos, e entre as fases do
estudo.
6) Fluxo salivar estimulado >0,7mL/min.
5) Gestantes/ Lactantes.
7) Ausência de patologia sistêmica.
8) Ter acesso à água fluoretada.
6) Utilização de antibióticos até 3 meses
prévios ao início do experimento.
7) Desordens alimentares.
Figura 1 – Critérios de inclusão e exclusão
Os blocos de esmalte (n=540) foram obtidos a partir de terceiros molares
humanos totalmente inclusos e extraídos por indicação clínica. Após a exodontia, os
dentes foram estocados em solução de formaldeído 2% (pH 7,0) pelo período
mínimo de um mês (WHITE, 1987). Secções foram realizadas nas faces vestibular e
lingual dos molares, utilizando-se discos diamantados dupla face (KG). No final, os
espécimes obtidos apresentaram dimensões de 3x3x3 mm (CURY et al., 2000),24
aferidos com paquímetro (Starret, modelo 727). Até o momento de sua utilização, os
mesmos foram mantidos em água deionizada. Destes, foram sorteadas 180
unidades para a obtenção dos valores baseline da microdureza e os restantes foram
randomicamente destinados aos dispositivos palatinos.
Para a confecção dos dispositivos intrabucais, os voluntários foram moldados
com alginato (Jeltrate® Plus TM ) e os modelos vazados em gesso pedra (Herodent).
Sobre os modelos, os dispositivos foram confeccionados em resina acrílica
quimicamente ativada (OrtoClas, artigos odontológicos clássicos Ltda, Brasil).
A fixação dos blocos de esmalte nos dispositivos foi realizada com cera
utilidade (Epoxiglass Ind. Com. de Produtos Químicos, Brasil). Em seguida, os
mesmos foram cobertos com uma tela plástica, a qual foi posicionada a 1mm destes,
a fim de propiciar o acúmulo do biofilme (BENELLI et al., 1993; CURY et al., 1997).
Os voluntários utilizaram aparelhos palatinos contendo 6 blocos de esmalte
dental humano durante 24 h diárias (Figura 2 – A, B e C).
Figura 2 – Dispositivo palatino
(A – Blocos de esmalte inseridos e fixados com cera; B – Blocos recobertos com tela plástica; C –
Posicionamento do dispositivo palatino in situ).
Esse estudo in situ foi constituído de duas fases de 14 dias cada, conforme
estudo de Paes Leme et al. (2004). Os blocos de esmalte foram submetidos ao25
desafio cariogênico (DC) e tratamentos, de acordo com o grupo experimental ao
qual pertenciam: (1) DC+Controle (C); (2) DC+NaF 0,05%; (3) DC+EEP 5%; (4)
DC+NaF 0,05% + EEP 5%; (5) DC+Flúor-Fosfato-Acidulado 1,23% (FFA ), conforme
o desenho do estudo (Figura 3).
Seleção dos blocos de
esmalte
(n=540)
Seleção dos
voluntários
(n=30)
Distribuição randômica
em 5 grupos
experimentais
Baseline da MECT
(n=180 blocos)
FASE 1 (14 DIAS)
DC em todos os
grupos
HB com DNF
Confecção dos
aparelhos palatinos
(n=360 blocos)
HB com DF
ANÁLISES
M1
MECT1
Wash out
(10 dias)
FASE 2 (14 DIAS)
Grupo 1 (n=6) → DC+C
HB com DNF
Grupo 2(n=6) →DC +NaF 0,05%
Grupo 3 (n=6) →DC+EEP 5%
Grupo 4 (n=6) →DC+ NaF 0,05% + EEP 5%
Grupo 5 (n=6) →DC+FFA (1,23%)
ANÁLISES
M2
MECT2
Estatística
Figura 3 – Desenho do estudo
MECT: microdureza do esmalte em corte transversal; MECT1:microdureza do esmalte em corte
transversal na Fase 1; MECT2: microdureza do esmalte em corte transversal na Fase 2; M1: análise
microbiológica na Fase 1; M2: análise microbiológica na Fase 2; DC:desafio cariogênico; HB:
higiene bucal; DNF: dentifrício não fluoretado; DF:dentifrício fluoretado; C: controle; EEP: extrato
etanólico de própolis; FFA:flúor fosfato acidulado.
Durante o experimento, os voluntários realizaram higiene bucal (HB) com
dentifrício não-fluoretado (DNF), exceto os do grupo 1, que utilizaram dentifrício26
fluoretado (DF) durante a Fase 2. O DC consistiu em se gotejar sacarose 20%, 8
vezes ao dia (CURY et al., 2000) sobre os blocos de esmalte fixados nos
dispositivos palatinos durante as fases experimentais. Ao final da Fase 1, os blocos
de esmalte foram removidos e realizou-se a análise microbiológica do biofilme
cariogênico e a mensuração da microdureza em corte transversal. Após o período
wash out (10 dias), iniciou-se a Fase 2, em que novos blocos de esmalte foram
submetidos ao DC e aos tratamentos de cada grupo experimental. Novamente,
realizou-se análise microbiológica e da microdureza em corte transversal.
Nos grupos 2, 3 e 4, duas gotas das soluções-teste foram gotejadas sobre os
blocos de esmalte após a última higienização bucal diária, e no grupo 5, foi realizada
Aplicação tópica de flúor (ATF) com FFA 1,23% após a última higienização bucal do
7° e do 14° dia.
4.3 Obtenção do EEP
A Concentração Bactericida Mínima (CBM) do EEP foi obtida pela técnica da
diluição. O ensaio demonstrou que o extrato foi bactericida na concentração de 1%,
enquanto nos tubos controle não foi verificado efeito antibacteriano. Devido às
características inerentes ao meio bucal, optou-se pelo uso do extrato na
concentração 5 vezes superior à CBM (ZÁRATE-PEREIRA, 2003).
Para a preparação da solução, utilizaram-se 892g de própolis (tipo verde),
originada da espécie botânica Baccharis dracunculifolia (alecrim do campo), a qual,
até a preparação dos extratos, foi armazenada em sacos plásticos hermeticamente
fechados, sob temperatura de 4oC. Após trituração manual, foi acrescentado etanol
PA (CHEMCO, Brasil) e a solução levada ao ultrassom (THORNTON T14, USA)
para extração de seus constituintes. Procedeu-se a filtragem em papel absorvente e
acrescentou-se etanol PA (CHEMCO, Brasil) de forma a cobrir o precipitado, sendo
novamente levado ao ultrassom. Esse processo foi repetido 5 vezes e o precipitado
obtido foi levado ao rotaevaporador (FISATOM, USA) para remoção do etanol,
obtendo-se o extrato etanólico bruto da própolis (EEBP), com massa de 405g. A
este, foi acrescentado hexano para separação da parte apolar da polar, a qual
contém os constituintes moleculares de classe antimicrobiana – flavonóides e
terpenos. Foi preparada uma solução com água destilada e álcool de cereais PA27
(80:20), acrescentando 50g de própolis (somente com a porção polar) em 1000mL
dessa solução, obtendo-se o EEP 5 %.
4.4 Análise microbiológica do biofilme cariogênico
Ao final de cada fase, doze horas após a última exposição às soluções, a tela
que cobria os blocos de esmalte foi removida. O biofilme acumulado foi retirado com
bolinhas de algodão autoclavadas e as mesmas transferidas para tubos de ensaio
contendo 3mL de meio de transporte VMGA III, após a liquefação deste em estufa
(37°C, 30 minutos).
Após homogeinização, realizaram-se diluições seriadas em água peptonada
até 10 -3 de cada uma das 6 amostras de biofilme coletadas de cada voluntário.
Alíquotas de 0,1mL de cada diluição foram inoculadas em mitis salivarius agar
(Difco; Sparks, Md., USA) para contagem de Streptococcus totais; mitis salivarius
agar (Difco; Sparks, Md., USA) acrescido de 0.2 unidades de bacitracina/mL (GOLD
et al., 1973) para contagem de Streptococcus mutans; ágar Brucella suplementado
com 5% de sangue desfibrinado de carneiro, hemina (5μg/mL) e vitamina K
(2,5μg/mL), para contagem de microrganismos totais viáveis; e ágar SL Rogosa
(Difco; Sparks, Md., USA) para determinação das UFC de lactobacilos. Após a
incubação (37°C, 48 horas), efetuaram-se as contagens das UFC características
(UFC/mg de biofilme), com auxílio de microscópio esteroscópico (INALH ® , México).
4.5 Análise da microdureza em corte transversal
Após a remoção dos blocos dos dispositivos palatinos, estes foram embutidos
em suportes plásticos com resina quimicamente ativada, de modo que uma das
faces laterais ficasse exposta (Figura 4), possibilitando a realização do ensaio de
microdureza em corte transversal. Com esse intuito, os espécimes foram levados à
politriz (Struers), onde foram polidos com discos de lixa d’água (granulações 120,
240, 600 e 1200), sob refrigeração. Em seguida, o polimento final foi realizado, com
a utilização de discos de feltro com 3μm e 1μm de granulação, durante 1 minuto
(ZÁRATE-PEREIRA, 2003).28
Figura 4 – Blocos de esmalte preparados para o ensaio de microdureza
Para a obtenção dos valores baseline e após cada fase experimental, a
microdureza de cada bloco dos 5 grupos foi mensurada a 50, 100 e 150μm da
superfície, com um penetrador de diamante para dureza Knoop, em microdurômetro
(Shimadzu Micro Hardness Tester HMV-2, Shimadzu Corporation – Figura 5). Em
cada profundidade, foram realizadas 3 edentações (9 por bloco), com o penetrador
paralelo à superfície externa do esmalte e carga de 25g/5 segundos (CURY et al.,
2000).
Figura 5 – Shimadzu Micro Hardness Tester HMV-2
(Fonte: Shimadzu Corporation)29
4.6 Análise estatística
A comparação entre as fases 1 e 2, em relação à análise microbiológica e à
microdureza foi realizada por meio do teste t-Student pareado. O teste ANOVA de
uma via e o pós-teste de Tukey foram utilizados para a comparação entre os grupos
experimentais em relação às variáveis dependentes, ganho mineral e recuperação
da microdureza. A correlação linear entre os microrganismos pesquisados e a
microdureza do esmalte foi verificada pelo teste de Correlação Linear de Pearson. A
análise estatística foi realizada utilizando o software SigmaStat (versão 2.0),
considerando, na comparação entre fases e grupos experimentais, nível de
significância de 5%.
Para o cálculo do Ganho Mineral (GM) e da Recuperação da Microdureza
(RM) foram utilizadas as seguintes fórmulas, respectivamente:
GM = (100[MECT2 – MECT1 ])
MECT1
RM= (100[MECT2 – MECT1 ])
(BMECT- MECT1)
Onde:
MECT1 = valor da microdureza do esmalte em corte transversal na Fase 1.
MECT2 = valor da microdureza do esmalte em corte transversal na Fase 2.
BMECT = valor baseline da microdureza do esmalte em corte transversal, por
profundidade.30
5 RESULTADOS
A Tabela 1 demonstra a análise microbiológica do biofilme bacteriano dental
nas diferentes fases experimentais do estudo.
Tabela 1- Média (± DP) de UFC dos diferentes microrganismos conforme o grupo e
fase experimentais
Fase
Variável
Controle 66,14±3,96b 53,36±2,57a 0,003
NaF 0,05% 72,50±2,01a 54,44±1,16a <0,001 EEP 5% 71,47±1,78a 39,89±0,36b <0,001 70,25±0,67ab 23,67±1,28c <0,001 71,00±4,00a 44,00±1,12b <0,001 0,006 <0,001 Controle 82,58±3,87a 71,08±1,41a 0,001 NaF 0,05% 86,33±8,54a 53,78±2,12b <0,001 EEP 5% 85,64±2,51a 41,55±1,78c <0,001 NaF 0,05% + EEP 5% 85,70±4,22a 18,59±0,76d <0,001 FFA 83,84±3,08a 19,20±1,33d <0,001 0,667 <0,001 Controle 40,25±0,62a 35,22±0,96a <0,001 NaF 0,05% 39,83±0,65a 34,06±0,83a <0,001 EEP 5% 39,56±0,85a 24,89±0,58c <0,001 NaF 0,05% + EEP 5% 40,56±1,62a 15,14±1,01d <0,001 FFA 39,75±0,74a 27,03±1,35b <0,001 0,398 <0,001 Controle 120,78±1,38a 113,03±1,92a <0,001 NaF 0,05% 120,08±1,26a 104,58±0,83b <0,001 EEP 5% 120,78±1,10a 89,89±0,34c <0,001 NaF 0,05% + EEP 5% 120,20±1,24a 66,64±2,94d <0,001 FFA 120,28±0,87a 90,25±1,43c <0,001 0,754 <0,001 p (2) p (entre fases) 2 FFA p (1) 1 NaF 0,05% + EEP 5% p (1) P Grupos (entre grupos) (2) (2) (2) (entre grupos) (entre grupos) (entre grupos) Valor descritivo para o teste t de student pareado; (2 ) Valor descritivo para o teste ANOVA (Uma Via) e Pós-Teste de Tukey; abcd= letras diferentes (diferença significativa) e letras iguais (ausência de diferença significativa); UFC: unidades formadoras de colônias; SM: Streptococcus mutans; ET: estreptococos totais; LB: lactobacilos; MTV: microrganismos totais viáveis.31 Os dados apresentados na Tabela 1 revelam o melhor desempenho da terapia de associação na supressão das contagens bacterianas de SM, LB e MTV (p< 0,001). Para a diminuição dos níveis de ST, a terapia de associação foi efetiva e semelhante à do FFA (p< 0,001). Os valores da microdureza do esmalte em corte transversal nas diferentes profundidades estão representados na Tabela 2. Tabela 2- Média (± DP) da microdureza do esmalte em corte transversal conforme a profundidade, grupo e fases experimentais Fase Profundidade p(1) Grupos 1 Baseline 2 (entre fases) 376,19±2,52a Controle 198,08±0,23b 208,58±2,41f <0,001 NaF 0,05% 197,00±1,25b 295,31±1,76e <0,001 EEP 5% 197,39±2,15b 309,81±0,40d <0,001 NaF 0,05%+EEP 5% 196,53±4,00b 364,86±1,26a <0,001 FFA 196,31±3,81b 324,83±3,37c <0,001 <0,001 <0,001 50m p (2) (entre grupos) Baseline 354,12±14,26a Controle 240,78±1,12b 233,31±0,64c <0,001 NaF 0,05% 241,64±0,76b 301,20±0,98b <0,001 EEP 5% 240,72±1,54b 300,39±0,47c <0,001 NaF 0,05%+EEP 5% 240,55±1,64b 339,22±1,44a <0,001 FFA 240,92±1,63b 303,81±5,46b <0,001 <0,001 <0,001 100m p (2) (entre grupos) Baseline Controle 341,72±1,90a 262,25±1,68bc 252,45±1,88d <0,001 NaF 0,05% 262,64±1,84b 250,36±2,42d <0,001 EEP 5% 262,95±3,42b 260,89±0,95b 0,291 261,22±5,38bc 294,64±4,74b <0,001 258,70±4,68c 261,89±1,88c 0,207 <0,001 <0,001 150m NaF 0,05%+EEP 5% FFA p (1) (2) (entre grupos) Valor descritivo para o teste t de student pareado; (2) Valor descritivo para o teste ANOVA (Uma Via) e Pós-Teste de Tukey; abcd= letras diferentes (diferença significativa) e letras iguais (ausência de diferença significativa).32 Na Tabela 2, evidenciou-se, em relação aos valores baseline, a diminuição da microdureza do esmalte na Fase 1 e aumento desta na Fase 2 (p<0,001) principalmente aos 50 e 100m de profundidade, com destaque para o efeito da terapia combinatória inclusive aos 150m de profundidade (p<0,001). A Tabela 3 apresenta os dados sobre o ganho mineral e recuperação da microdureza dos blocos de esmalte. A Figura 6 representa a relação entre a microdureza do esmalte (50μm superficiais) e os microrganismos avaliados. Tabela 3 – Médias e desvios - padrão do ganho mineral (GM) e recuperação da Microdureza do esmalte (RM) conforme a profundidade e grupos experimentais Variável Profundidade Grupos Controle 50m 5,89±1,34e NaF 0,05% 49,91±1,65d 54,86±1,19d EEP 5% 56,97±1,86c 62,87±0,60c NaF 0,05%+ EEP 5% 85,72±4,03a 93,69±0,76a FFA 65,51±2,37b 71,46±0,90b <0,001 <0,001 Controle -3,10±0,62c -6,60±1,40c NaF 0,05% 24,65±0,60b 52,95±0,96b EEP 5% 24,79±0,82b 52,61±0,74b NaF 0,05%+EEP 5% 41,02±0,72a 86,89±1,15a FFA 26,12±3,06b 55,50±5,31b <0,001 <0,001 Controle -3,74±1,03c -12,39±3,56c NaF 0,05% -4,67±1,04d -15,57±3,72d EEP 5% -0,77±1,62bc -2,81±5,43bc NaF 0,05%+EEP 5% 12,84±3,38a 41,21±8,04a 1,26±2,11b 3,57±6,31b <0,001 <0,001 p 150m (1) (entre grupos) FFA p (1) RM (%) 5,30±1,21e p (1) (entre grupos) 100m GM (%) (1) (entre grupos) Valor descritivo para o teste ANOVA (Uma Via) e Pós-Teste de Tukey; abcd= letras diferentes (diferença significativa) e letras iguais (ausência de diferença significativa).33 Na Tabela 3, observou-se que, em todas as profundidades do esmalte testadas, a associação NaF 0,05% + EEP 5% foi a mais efetiva tanto no que se refere ao GM quanto à RM (p<0,001). A verificação da interferência da inibição do biofilme com o reequilíbrio mineral é demonstrada no gráfico de Correlação Linear. Figura 6 – Correlação linear entre a microdureza do esmalte profundidade) e microrganismos testados (50μm de34 6 DISCUSSÃO Esse estudo foi capaz de simular a dinâmica do processo DES-RE, o que foi verificado pela redução da microdureza do esmalte em corte transversal nas três profundidades avaliadas (50, 100 e 150μm), quando este foi submetido ao desafio cariogênico (Tabela 2). A análise microbiológica do biofilme cariogênico (Tabela 1) demonstrou que, entre as Fases 1 e 2, houve diminuição significativa nas contagens de todos os microrganismos pesquisados, sendo as diferenças entre os grupos evidenciadas na seguinte ordem: NaF 0,05%+ EEP 5% > EEP 5% > FFA > NaF 0,05% > controle.
Essa ordem somente foi invertida para os estreptococos totais, observando-se: NaF
0,05%+ EEP 5% > FFA
> EEP 5% >NaF 0,05% > controle. Esses resultados
reiteram que os EEP são eficientes antibacterianos (IKENO; MIYASAWA, 1991;
GEBARA et al., 1996; STEINBERG et al.,1996; OTA et al., 1998; KOO et al.,
2000ab; KOO et al., 2003; KOO et al., 2005; ALMEIDA et al. 2006) e que a sua
associação ao NaF 0,05% potencializa essa característica (KOO et al, 2003; KOO et
al., 2005; DUARTE et al., 2006; KOO, 2008; KOO; JEON, 2009), tendo em vista que
houve diferença significativa entre o grupo das soluções associadas em relação aos
grupos que as utilizaram separadamente. É importante destacar que, nos blocos
que receberam NaF 1,23% (grupo 5), as contagens bacterianas foram superiores
em relação às do grupo 4 (NaF0,05%+EEP5%), provavelmente devido a algum
efeito sinérgico oriundo dessa associação, tendo em vista a característica
cariostática do primeiro.
Pela análise do esmalte (Tabela 2), verificou-se aumento no valor da
microdureza na Fase 2 e entre os grupos, em todas as profundidades do esmalte, o
que concorda com estudos prévios (GIAMALIA et al., 1999; ZÁRATE-PEREIRA,
2003). Esse aumento foi mais evidente nos 50μm superficiais, profundidade em que
houve diferença significativa entre todos os grupos e entre as duas fases, com
melhor desempenho da solução de NaF0,05%+EEP5%, seguida do FFA, EEP5%,
NaF0,5% e controle. Tanto nos 50 quanto aos 100μm, a exposição à terapia de
combinação proporcionou o retorno da microdureza a valores muito próximos aos do
baseline dessa variável nas respectivas profundidades, o que demonstra a
efetividade relevante dessa associação no que se refere ao reequilíbrio mineral do
esmalte. Assim, a presença constante do NaF 0,05% (tendo em vista que, durante o35
experimento, as aplicações dessa solução foram diárias) e em baixos níveis no
ambiente bucal, promoveu a precipitação de minerais na superfície externa do
esmalte de maneira ininterrupta (FEATHERSTONE, 1999),
em adição à ação
bactericida do EEP5%, explicaria seu efeito otimizado em relação, principalmente ao
FFA e, também, às outras soluções.
Em relação ao ganho mineral (GM) e recuperação da microdureza (RM),
ambos demonstrados na Tabela 3, observou-se diferença estatisticamente
significativa entre todos os grupos experimentais, destacando-se o efeito da terapia
de associação (NaF0,05%+EEP5%) em todas as profundidades do esmalte, o que é
explicado pelo fato de que os componentes encontrados no EEP têm ação sobre
fatores de virulência das bactérias cariogênicas que interferem tanto em seu
metabolismo quanto na formação do biofilme dental (KOO et al., 2002; KOO et al.,
2003; KOO et al., 2005; KOO, 2008; KOO; JEON, 2009), causando alterações na
estrutura e na fase líquida deste, implicando comprovada diminuição no número de
UFC/mg placa e, possivelmente, uma maior difusão das soluções antimicrobiana e
remineralizante, de modo a reequilibrar o processo DES-RE na interface biofilme-
esmalte, favorecendo a remineralização (representada pelo GM e RM).
O paradigma do processo de cárie compreende esta como uma doença
biofilme-dependente. Há que se considerar que houve correlação linear significativa
entre o aumento da microdureza do esmalte e a diminuição da quantidade de todos
os microrganismos presentes no biofilme pesquisado (Figura 6), e não somente das
bactérias cariogênicas. Nesse caso, a correlação linear foi negativa, evidenciando
um perfil inversamente proporcional entre o valor da microdureza obtido após os
tratamentos e o número de microrganismos presentes no biofilme. Dessa forma,
infere-se que a ação dos agentes de controle químico do biofilme utilizados nesse
estudo foi devida à desorganização da biomassa microbiana como um todo, e não
como resultado do efeito dos agentes sobre microorganismos cárie específicos.
Esses achados sustentam a idéia de que, em situações de alto desafio/risco
cariogênico, os fluoretos, quando utilizados isoladamente para o reequilíbrio do
processo DES-RE, podem não desempenhar sua função de maneira otimizada
(OGAARD et al., 1994; FEATHERSTONE, 2009; ten CATE, 2009), o que é
compensado pela utilização da terapia de combinação (KOO et al., 2003; KOO et al.,
2005; DUARTE et al., 2006; KOO, 2008; KOO; JEON, 2009). Nesse sentido, a
possibilidade de utilizar baixos níveis de fluoreto adicionados a antimicrobianos que36
não suprimam a microbiota residente, como é o caso da associação abordada nesse
estudo (pois a ação foi menor nos microrganismos totais viáveis), seria um grande
avanço no que se refere à minimização do risco de intoxicações/fluorose e de trocas
ecológicas bacterianas indesejáveis no ambiente bucal, o que concorda com estudo
prévio (KOO et al., 2005).
Durante a fase 2, o grupo 1 realizou higiene bucal com dentifrício fluoretado
(DF). A introdução dessa variável no desenho do estudo visou a elucidar o quanto a
mesma interfere no processo DES-RE e nas contagens microbianas em estudos in
situ. Verificou-se que não houve diferença significativa entre esse grupo e o grupo 2
(NaF 0,05%) para as contagens de Streptococcus mutans e lactobacilos, enquanto
que, em relação à microdureza, ocorreu efeito similar entre os mesmos grupos
somente aos 150μm de profundidade, em que os valores praticamente equivaleram.
Desse modo, embora a utilização do DF represente a realidade do paciente, e,
independentemente de estar ou não realizando controle químico adjuvante do
biofilme cotidianamente, provavelmente o dentifrício utilizado seja fluoretado, nos
estudos in situ, não recomendamos sua utilização nos grupos experimentais (mas
somente no grupo-controle e durante a Fase 2), a fim de evitar mascaramento dos
resultados.
Em relação às terapias de combinação (associativas), mais estudos são
necessários para a elucidação de seu mecanismo de ação específico (em nível
bacteriano e no processo de desorganização do biofilme dental) e de seu efeito em
aspectos microscópicos qualitativos e quantitativos relativos ao processo DES-RE.
Além disso, a determinação da citotoxicidade, da mutagenicidade, da atividade
inflamatória e de efeitos adversos de agentes bioativos específicos encontrados nos
EEP (apigenin e tt-farnesol), os quais já tiveram sua eficácia comprovada contra
microrganismos cariogênicos e no controle da cárie dentária, em experimentos in
vitro e com modelos animais, seria útil para a generalização desses agentes em
ensaios clínicos com humanos, o que representaria importante avanço, tendo em
vista uma maior especificidade, padronização e controle das soluções testadas.
Embora todas as soluções testadas tenham sido efetivas no controle do
processo DES-RE e na supressão dos microrganismos avaliados, a terapia
combinatória (EEP 5% + NaF 0,05%) apresentou o melhor desempenho em relação
às variáveis testadas.37
Os resultados desse experimento representam significativo avanço no que se
refere à possibilidade de utilização dos EEPs para o controle da doença cárie, tanto
em parâmetros microbiológicos quanto em aspectos físicos inerentes ao processo
DES-RE. Nesse sentido, por se tratar de um estudo in situ, o qual tem a premissa de
simular os eventos ocorridos no ambiente bucal, o fato de que a terapia de
associação obteve o melhor desempenho dentre todas as substâncias testadas
torna-se mais relevante ainda, principalmente como uma alternativa à utilização do
FFA.
Embora haja necessidade de mais estudos nesse campo, como a realização
de ensaios semelhantes que utilizem microscopia de luz polarizada, microscopia
confocal e microrradiografias, acreditamos que há suporte biológico e físico para que
os EEPs (ou, futuramente, algum agente bioativo específico dos EEPs) sejam
utilizados para o controle de lesões incipientes de cárie.38
7 CONCLUSÃO
Baseado nas condições experimentais desse estudo, concluiu-se que a
associação do EEP 5% ao NaF 0,05% é efetiva no reequilíbrio do processo DES-RE
e na supressão da microbiota cariogênica, mostrando-se superior às demais
soluções avaliadas.39
8 REFERÊNCIAS 1
Addy M. Plaque control as a scientific basis for the prevention of dental caries. J R
Soc Med Suppl 1986; 79(14):6-10.
Almeida RVD, Castro RD, Pereira MSV, Paulo MQ, Santos JP, Padilha WWN. Efeito
clínico de solução anti-séptica a base de própolis em crianças cárie ativas. Pesq
Bras Odontoped Clin Integr 2006; (1):87-92.
Backer-Dirks O. Post eruptive changes in dental enamel. J Dent Res 1966;
3(Suppl):503-11.
Benelli EM, Serra MC, Rodrigues AL Jr, Cury JA. In situ anticariogenic potencial of
glass ionomer cement. Caries Res 1993;27:280-4.
Brumfitt W, Hamilton-Miller JMT, Franklin I. Antibiotic activity of natural products:
1.Propolis. Microbios 1990; 62:19-22.
Buischi Y, Axelsson P, Barbosa MFZ, Mayer MPA, Prado MCQB, Oliveira LB.
Salivary Streptococcus mutans and caries prevalence in Brazilian schoolchildren.
Community Dent Oral Epidemiol 1989; 17:28-30.
Cury JA, Rebello MAB, Del Bel Cury AA. In situ relationship between exposure and
the composition of dental plaque. Caries Res 1997;31:356-60.
Cury JA, Rebelo MA, Del Bel Cury AA, Derbyshire MTVC, Tabchoury CP.
Biochemical composition and cariogenicity of dental plaque formed in the presence
of sucrose or glucose and fructose. Caries Res 2000; 34:491-97.
Cury JA, Tenuta L. Enamel remineralization: controlling the caries disease or treating
early caries lesions? Braz Oral Res 2009; 23(1):23-30.
De Carli AD. Capacidade antibacteriana da própolis de Apis mellifera associada ao
fluoreto de sódio no controle do biofilme dental [Dissertação]. Campo Grande:
Faculdade de Odontologia Prof. Albino Coimbra Filho – Universidade Federal de
Mato Grosso do Sul; 2007.
Duarte S, Rosalen PL, Hayacibara MF, Cury JA, Bowen WH, Marquis RE, et al. The
influence of a novel propolis on mutans streptococci biofilms and caries development
in rats. Arch Oral Biol 2006; 51:15-22.
Duchin S, van Houte J. Relationship of Streptococcus mutans and lactobacilli to
incipient smooth surface dental caries in man. Arch Oral Biol 1978; 23 (9):779-86.
Featherstone JDB. Prevention and reversal of dental caries: role of low level fluoride.
Community Dent Oral Epidemiol 1999; 27:31-40.
________________________________________
1
De acordo com o International Comitte of Medical Journal Editors, 1979 (Estilo Vancouver).
Abreviaturas de periódicos de acordo com Base de Dados MEDLINE40
Featherstone JDB. Remineralization, the natural caries repair process—the need for
new approaches. Adv Dent Res 2009; 21:4-7.
Gebara ECE, Zardetto CGDC, Mayer MPA. Estudo in vitro da ação antimicrobiana
de substâncias naturais sobre S.MUTANS e S.SOBRINUS. Rev Odontol Univ São
Paulo 1996; 10(4):251-6.
Giamalia I, Steimberg D, Grobler S, Gedalia I. The effect of própolis exposure on
microhardness of human enamel in vitro. J Oral Rehabil 1999; 26 (2):941-3.
Gold OG, Jordan HV, Van Houte J. A selective medium for Streptococcus mutans.
Arch Oral Biol 1973; 18:1357-64.
Ikeda T, Sandham HJ, Bradley Jr EL. Changes in Streptococcus mutans and
lactobacilli in plaque in relation to the initiation of dental caries in negro children. Arch
Oral Biol 1973; 18: 555-66.
Ikeno K, Miyazawa C. Effects of propolis on dental caries in rats. Caries Res 1991;
25:347-51.
Koo H, Jeon JG. Naturally occurring molecules as alternative therapeutic agents
against cariogenic biofilms. Adv Dent Res 2009; 21:63-8.
Koo H, Rosalen PL, Cury JA, Ambrosano GMB, Murata RM, Yatsuda R. Effect of a
new variety of Apis mellifera propolis on Mutans Streptococci. Curr Microbiol
2000b;41:192-3.
Koo H, Gomes BPFA, Rosalen PL, Ambrosano GMB, Park YK, Cury JA . In vitro
antimicrobial activity of propolis and Arnica montana against oral pathogens. Arch
Oral Biol 2000c; 45:141-8.
Koo H, Cury JA, Rosalen PL, Ambrosano GMB, Ikegaki M, Park YK. Effect of a
mouthrinse containing selected propolis on 3-day dental plaque accumulation and
polysaccharide formation. Caries Res 2002a; 36:445-8.
Koo H, Pearson SK, Scott-Anne K, Abranches J, Cury JA, Rosalen PL, Park YK,
Marquis RE, Bowen WH. Effects of apigenin and tt-farnesol on glucosyltransferase
activity, biofilm viability and caries development in rats. Oral Microbiol Immunol 2003;
17:337-43.
Koo H, Schobel B, Scott-Anne K, Watson G, Bowen WH, Cury JA, Rosalen PL, Park
YK. Apigenin and tt-farnesol with fluoride on S. mutans biofilm and dental caries. J
Dent Res 2005; 84(11):1016-20.
Koo H, Seils J, Abranches J, Burne RA, Bowen WH, Quivey Jr RG. Influence of
apigenin on gtf gene expression in Streptococcus mutans UA159. Antimicrob Agents
Chemother 2006; 50(2): 542-6.41
Koo H, Rosalen PL, Cury JA, Park YK, Bowen WH. Effects of compounds found in
propolis on Streptococcus mutans growth and on glucosyltransferase activity.
Antimicrob Agents Chemother 2002b; 46(5):1302-9.
Koo H, Smith AMV, Bowen W, Rosalen PL, Cury JA, Park YK. Effects of Apis
mellifera propolis on the activities of streptococcal glucosyltransferases in solution
and adsorbed onto saliva-coated hydroxyapatite. Caries Res 2000a; 34:418-26.
Koo H. Strategies to enhance the biological effects of fluoride on dental biofilms. Adv
Dent Res 2008; 20:17-21.
Lang NP, Hotz PR, Gusberti FA, Joss A. Longitudinal clinical and microbiological
study on the relationship between infection with Streptococcus mutans and the
development of caries in humans. Oral Microbiol Immunol 1987; 2:39-47.
Löe H. A review of the prevention and control of plaque. In: McHugh W D. Dental
plaque. Edinburgh: Livingstone; 1969.
Loesche WJ, Straffon LH. Longitudinal investigation of the role of Streptococcus
mutans in human fissure decay. Infect Immun 1979; 26(2):498-507.
Loesche WJ. Chemoterapy of dental plaque infections. Oral Sci Res 1976; 9: 65-
107.
Loesche WJ. Role of Streptococcus mutans in human dental decay. Microb Rev
1986; 50(4):353-80.
Maltz M, Barbachan e Silva B, Carvalho DQ, Volkweis A. Results after two years of
non-operative treatment of occlusal surface in children with high caries prevalence.
Braz Dent J 2003; 14(1):48-54.
Marsh PD. Are dental diseases examples of ecological catastrophes? Microbiol
2003;149(2):279-94.
Marsh PD. Microbial ecology of dental plaque and its significance in health and
disease. Adv Dent Res 1994; 8(2):263-71.
Marsh PD. Sugar, fluoride, pH and microbial homeostasis in dental plaque. Proc Finn
Dent Soc 1991; 87:515-25.
Marthaler TM. Changes in dental caries 1953–2003. Caries Res 2004;38:173–81.
Minah GE, Loesche WJ. Sucrose metabolism in resting-cell suspensions of caries-
associated and non-associated dental plaque. Infect Imunn 1977; 17(1): 43-54.
National Institute of Health. Diagnosis and management of dental caries throughout
life. NIH Consensus Statement 2001;18:1-30.
Ogaard B, Seppa L, Rolla G. Professional topical fluoride applications- clinical
efficacy and mechanism of action. Adv Dent Res 1994; 8(2):190-201.42
Ota C, Valente PHM, Unterkircher CS, Shimizu MT. Atividade da própolis sobre
bactérias isoladas da cavidade bucal. Lecta 1998; 16(1):73-7.
Paes Leme AF, Dalcico R, Tabchoury CPM, Del Bel Cury AA, Rosalen PL, Cury JA.
In situ effect of frequence sucrose exposure on enamel demineralization and on
plaque composition after APF application and F dentifrice use. J Dent Res 2004;
83(1):71-5.
Park YK, Koo H, Abreu JAS, Ikegaki M, Cury JA, Rosalen PL. Antimicrobial activity
of propolis on oral microorganisms. Curr Microbiol 1998;36:24-8.
Steinberg D, Kaine G, Gedalia I. Antibacterial effect of propolis and honey on oral
bacteria. Am J Dent 1996; 9(6):236-9.
ten Cate JM. The need for antibacterial approaches to improve caries control Adv
Dent Res 2009; 21:8-12.
van Houte J. Bacterial specificity in the etiology of dental caries. Int Dent J 1980;
30(4):305-26.
White DJ. Effects on subsurface lesion: F uptake, distribution, surface, hardening and
remineralization. Caries Res 1987;21: 126-40.
Woisky RG, Giesbrecht AM, Salatino A. Atividade antibacteriana de uma formulação
preparada a partir de própolis de Apis mellifera L. Rev Farm bioquím Univ S Paulo
1994; 30(1):19-21.
Zárate-Pereira P. Análise da atividade de bochechos contendo fluoreto de sódio
0,05%; fluoreto de sódio 0,2% e própolis 5% acrescida de fluoreto de sódio 0,05%,
sobre níveis salivares de estreptococos do grupo mutans em pacientes cárie-ativos
[Dissertação de Mestrado]. São Paulo: Faculdade de Odontologia da USP;1999.
Zárate-Pereira P. Estudo in situ sobre a ação da própolis de Apis mellifera no
desenvolvimento da cárie dentária e na formação do biofilme dental [Tese de
Doutourado]. São Paulo: Faculdade de Odontologia da USP;2003.43
APÊNDICE A – Termo de Consentimento Livre e Esclarecido
UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL
Faculdade de Odontologia Professor Albino Coimbra Filho
CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO
1.TÍTULO DA PESQUISA:
Ação da Própolis de Apis mellifera associada ao Fluoreto de Sódio no processo de
Remineralização de Manchas Brancas e sobre a Microbiota Cariogênica: Estudo in
situ.
2. RESPONSÁVEL:
– A presente pesquisa constituirá a tese de doutorado do pesquisador Alessandro Diogo
De Carli, sob orientação do Professor Dr. Paulo Zárate Pereira.
3. OBJETIVOS:
– Verificar as alterações promovidas na composição do biofilme cariogênico sobre a
superfície do esmalte decorrentes das ações químicas das substâncias testadas e seu efeito
sobre a remineralização de manchas brancas.
4. PROCEDIMENTOS A SEREM REALIZADOS:

O voluntário será submetido a uma anamnese e um exame clínico.
– O estudo compreende duas fases: experimental e clínica. A fase experimental será
realizada no laboratório de microbiologia da UFMS. Na fase clínica, os voluntários usarão
um dispositivo intrabucal por 14 dias, 24h/dia, onde será gotejada sacarose 20% sobre
blocos de esmalte fixados no dispositivo 8 vezes/dia. Em uma outra etapa, os voluntários
procederão de maneira similar à fase anterior, sendo que, após a última higienização bucal
diária, serão gotejadas duas gotas da substância-teste sobre cada bloco de esmalte,
também durante 14 dias. O gotejamento, tanto da sacarose quanto das substâncias teste,
deve ser realizado fora da boca do voluntário. Após o término de cada etapa, será feita a
coleta do biofilme para análise microbiológica e da microdureza do esmalte.
5. RECOMENDAÇÕES:
– Nenhum tipo de colutório ou medicamento antimicrobiano poderá ser utilizado durante
o experimento.
6. RISCOS:
– Não há evidência científica de efeitos colaterais relatados pela literatura frente à
utilização dessa metodologia. Porém, caso o voluntário perceba ou suspeite de algum sinal
ou sintoma, deverá comunicar o responsável pela pesquisa imediatamente.44
7. PRINCÍPIO DA AUTONOMIA:
– Fica o voluntário livre para desistir de participar do trabalho de pesquisa, em qualquer
fase de seu desenvolvimento;
– Compromete-se o responsável pela pesquisa de que a participação do voluntário seja
inteiramente espontânea, livre de qualquer tipo de coação, comércio ou instrumentos
semelhantes.
8. BENEFÍCIOS:
– Os voluntários terão seu risco de cárie diagnosticado e segundo o qual receberão
orientações para o seu controle (informações sobre dieta e higienização) e proservação.
9. COMITÊ DE ÉTICA:
– Em caso de dúvidas sobre aspectos éticos e direitos dos voluntários, procurar: Comitê
de Ética da UFMS no fone (67) 3345-7313 ou (67) 3345-7187; Orientador (67) 9984-0804;
Pesquisador (67) 81236797.
AUTORIZAÇÃO
Eu,_______________________________________________,
documento
RG
o
n _________________________________,
residente
à
rua______________________________________,bairro______________, no município
de_______________________ Estado____ , DECLARO estar ciente das condições do
trabalho de pesquisa, Ação da Própolis de Apis mellifera associada ao fluoreto de
Sódio no processo de Remineralização de Manchas Brancas e sobre a Microbiota
Cariogênica: Estudo in situ, de responsabilidade do pesquisador Alessandro Diogo De
Carli, no qual participo como voluntário, assumindo as responsabilidades previstas e
comprometendo a seguir todas as recomendações.
______________________ , ________de __________de 2009.
_______________________________
Assinatura do Voluntário45
ANEXO A – Aprovação do Comitê de Ética46