A DIPLOMACIA DOS PETRODÓLARES: RELAÇÕES DO BRASIL COM O MUNDO ÁRABE (1973-1985), ANDREW PATRICK TRAUMANN

PDF: A DIPLOMACIA DOS PETRODÓLARES: RELAÇÕES DO BRASIL COM O MUNDO ÁRABE (1973-1985), ANDREW PATRICK TRAUMANN

ANDREW PATRICK TRAUMANN
A DIPLOMACIA DOS PETRODÓLARES:
RELAÇÕES DO BRASIL COM O MUNDO ÁRABE (1973-1985)
ASSIS
2007ANDREW PATRICK TRAUMANN
A DIPLOMACIA DOS PETRODÓLARES:
RELAÇÕES DO BRASIL COM O MUNDO ÁRABE (1973-1985)
Dissertação apresentada á Faculdade de Ciências e Letras de
Assis – UNESP – Universidade Estadual Paulista, para obtenção
do título de Mestre em História. Área de Conhecimento: História
e Sociedade.
Orientador: Prof. Dr. Clodoaldo Bueno
Assis
2007Dedico este trabalho primeiramente a
Deus, e também a meus pais, irmãos, ao
meu excelente orientador Clodoaldo
Bueno, ao professor e amigo Francisco
Ferraz e, por ultimo, mas não menos
importante, à Andréa e Murillo por todo
o apoio que me foi dado desde o inicio
desta dissertação.RESUMO
Este trabalho trata das relações entre o Brasil e o Mundo Árabe, especialmente depois da
primeira crise do petróleo, em 1973. Diante da disparada do preço do petróleo, o Brasil
passou a intensificar o seu intercambio diplomático e comercial com os países árabes no
intuito de suavizar os efeitos da crise. De forma inédita e adotando uma política externa
pragmática baseada no interesse comercial do país, o governo Geisel incrementou as relações
do Brasil com o Oriente Médio e norte da África. Nesta busca por novos aliados, destacou-se
o Iraque. A amizade Brasil-Iraque começou com a prospecção de petróleo e a descoberta pela
Petrobrás do poço iraquiano de Majnoon, um dos maiores do mundo, e também pela
construção de estradas e ferrovias.
PALAVRAS CHAVE: Brasil, Geisel, Política Externa, Mundo Árabe, Crise do
Petróleo, Iraque.ABSTRACT
This work deals with the relations between Brazil and the Arab World, especially after the
First Oil Crisis of 1973. To face the fast rise of the oil prices, Brazil started to intensify
diplomatic and commercial affairs with the Arab countries in intention to reduce the effects of
the crisis. Adopting a new and more pragmatic foreign politics, based in the commercial
interest of the country, the Geisel government developed the relations of Brazil with the
Middle East and North of Africa. In this search for new allies, Iraq was distinguished. The
Brazil-Iraq friendship started with the prospection of oil and the discovery by Petrobras, of
the Iraqi well of Majnoon, one of the greatest of the world, and also the building of roads and
railroads in that country..
KEY WORDS: Brazil, Geisel, Foreign Affairs, Arab World, Oil Crisis, Iraq.SUMÁRIO
INTRODUÇÃO ……………………………………………………………………………………….. .9
1 O BRASIL E O MUNDO ÁRABE
1.1OS PRIMEIROS CONTATOS ………………………………………………………………………17
1.2 A C RISE DO P ETRÓLEO : A NTECEDENTES H ISTÓRICOS ………………………………………26
1.3 B LOCOS ECONÔMICOS Á RABES ………………………………………………………………………. 37
1.4 O B RASIL E A A RÁBIA S AUDITA ……………………………………………………………………… 47
2 POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA (1973-1985)
2.1 ANTECESSORES DE GEISEL……………………………………………………………………52
2.2 GEISEL E O “PRAGMATISMO RESPONSÁVEL”…………………………………….64
2.3 FIGUEIREDO E O “UNIVERSALISMO”……………………………………………………81
3 BRASIL E IRAQUE: UMA RELAÇÃO ÍNTIMA………………………………………………89
CONSIDERAÇÕES FINAIS………………………………………………………………………………107
FONTES E BIBLIOGRAFIA……………………………………………………………………………..109LISTA DE SIGLAS
AAEM:
Acordo de Associação Euro-Mediterrânea
ABRAS:
Associação Brasileira de Supermercados
AEB:
Associação de Comércio Exterior do Brasil
AIEA:
Agência Internacional de Energia Atômica
ALBRÁS:
Alumínio Brasileiro S/A
ALCA:
Área de Livre Comércio das Américas
ANBA:
Agência de Notícias Brasil – Árabe
ARAMCO:
Arab American Company
AVIBRÁS:
Aviação Brasileira
BRASPETRO:
Petróleo Brasileiro S/A
CACEX:
Consultoria e Acessoria de Comércio Exterior
CCA:
Conselho de Cooperação Árabe
CCAB:
Câmara de Comercio Árabe Brasileira
CCG:
Conselho de Cooperação do Golfo
CEPAL:
Comissão Econômica para a América Latina
CIEF:
Centro de Investigação Sobre Economia Financeira
CNEN:
Conselho Nacional de Energia Nuclear
CSN:
Conselho de Segurança Nacional
DOP:
Departamento de Oriente Próximo
DSN:
Doutrina de Segurança Nacional
EMBRAER:
Empresa Brasileira de Aeronáutica S/A
ENGESA:
Engenheiros Especializados S/A
ESG:
Escola Superior de Guerra
UE:
União Européia
EUA:
Estados Unidos da América
FMI:
Fundo Monetário Internacional
FNLA:
Frente Nacional de Libertação de Angola)
GAFTA:
Zona Árabe Ampliada de Livre Comércio
GATT:
Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio
ICAO:
Conselho da Organização da Aviação Civil Internacional
IMBEL:
Indústria de Material Bélico
IMO:
Organização Marítima Internacional
INTERBRÁS:
Petrobrás Comercio Internacional S/A
IPC:
Iraq Petroleum Company
ISEB:
Instituto Superior de Estudos Brasileiros
ISO:
International Organization for Standardization
MCTR:
Regime de Controle de Tecnologia de Mísseis
MERCOSUL:
Mercado Comum do Sul
MPLA:
Movimento Popular de Libertação de Angola
MRE:
Ministério das Relações Exteriores
NIOC:
National Iranian Oil Company
NSG:
Grupo de Supridores Nacionais
OAPEP:
Organização Árabe dos Países Exportadores de Petróleo
OEA:
Organização dos Estados Americanos
OLP:
Organização para Libertação da Palestina
ONU:
Organização das Nações Unidas
OPEP:
Organização dos Países Produtores de Petróleo
PETROBRÁS:
Petróleo Brasileiro S/A
PIB:
Produto Interno BrutoPNB:
PND:
PNEMEM:
SECEX:
TNP:
UFPE:
UMA:
UNITA:
URSS:
ZLC:
Produto Nacional Bruto
Plano Nacional de Desenvolvimento
Políticas Nacionais de Material de Emprego Militar
Secretaria do Comercio Exterior
Tratado de Não-Proliferação Nuclear
Universidade Federal de Pernambuco
União do Maghreb Árabe
União Nacional pela Total Independência de Angola
União das Repúblicas Socialistas Soviéticas
Zona de Livre Comércio9
INTRODUÇÃO
Segundo Jean-Baptiste Duroselle 1 , a política externa de um país é
sempre reflexo de sua política interna. Existem atos de política interna pura que não
interferem de forma alguma na relação de um país com seus vizinhos, mas há, via
de regra, uma supremacia do âmbito interno sobre o externo, ou seja, a maneira de
lidar com as demais nações depende sobremaneira de seus interesses e
necessidades naquele momento histórico.
As relações entre o Brasil e os países árabes, são um bom exemplo
disso. O período militar no Brasil marcou uma guinada na política externa brasileira.
Os primeiros presidentes, Castelo Branco e Costa e Silva, insatisfeitos com a política
de seus antecessores Jânio Quadros e João Goulart, vista pelos militares como
governos demasiado abertos a causas terceiro-mundistas e socialistas, retomam a
tradicional posição brasileira de alinhamento com os EUA. Contudo, no final de
1973, a economia mundial sofreria um duro golpe, que forçaria o Brasil a mudar sua
estratégia.
A OPEP (Organização dos Países Produtores de Petróleo)
aumentou o preço do produto em 28%, eliminou os privilégios das grandes
companhias ao utilizar um sistema de preço único e condicionou a venda de petróleo
ao país consumidor ao seu apoio às causas árabes, em especial à questão
palestina, sob pena de embargo. Imediatamente, EUA, Europa e Japão procuram
soluções internas para a crise, enquanto aos países subdesenvolvidos restava
sangrar suas divisas para pagar pelo produto e tentar incrementar seu comércio com
os principais centros mundiais, medida praticamente inviável devido as medidas
protecionistas dos países mais avançados.
Neste novo contexto, o Brasil, através do Ministro das Relações
Exteriores Antonio Francisco Azeredo da Silveira, redefine as premissas da inserção
do país no sistema mundial, abandonando o alinhamento com os norte-americanos
e aproximando-se do Terceiro Mundo. Os dois últimos presidentes militares, Ernesto
1
DUROSELLE, 2000, p.5710
Geisel e João Figueiredo, adotam uma política externa marcada pelo pragmatismo,
identificando-a principalmente com o comércio e com o interesse imediato do Brasil,
aproximando-se assim de países atraentes do ponto de vista econômico. A partir
daí, o Brasil passa a dividir suas relações bilaterais em setores: havia o grupo da
América Latina, o das nações africanas de língua portuguesa e os países árabes
produtores de petróleo.
Seguindo a política do então Ministro do Planejamento Delfim Netto,
de que era preciso exportar para importar, o país acreditava ter encontrado uma
saída para atravessar esta crise sem maiores danos: vender produtos brasileiros as
nações
árabes,
subitamente
enriquecidas
com
petrodólares.
As
relações
diplomáticas intensificam-se: entre 1974 e 1977, dez embaixadas árabes foram
abertas no país. O Brasil enviou ao mundo árabe igual número de embaixadores,
estabelecendo ainda relações diplomáticas com o Sultanato de Omã, em caráter
cumulativo com a embaixada brasileira na Arábia Saudita. No período de 1969 a
1984, o Brasil interage como nunca com os países árabes, firmando acordos
culturais com o Egito e Arábia Saudita, comerciais com o Iraque, de tráfego aéreo
com o Marrocos, e marítimo com a Argélia, o que barateava bastante os custos de
transportes para ambos os lados.
A importância dada à região foi tamanha, que o Itamaraty
desmembrou o DOP, (Departamento de Oriente Próximo, Ásia e Oceania), em DOP
I e DOP II, e um intenso intercâmbio diplomático entre os países.
Os
principais
produtos
brasileiros
exportados
eram
frangos
congelados, grãos, carros e eletrodomésticos. O governo criou interlocutores como a
Interbrás, que esclarecia ao investidor interessado nas características do mercado
árabe, especialmente sobre os problemas de burocracia. Além disso, o Itamaraty,
juntamente com o Ministério de Minas e Energia e o de Indústria e Comércio, passou
a promover produtos nacionais nas principais feiras árabes 2 .
A idéia era passar a imagem de que o Brasil teria tudo o que se precisasse,
não apenas manufaturados, mas também implementos agrícolas, insumos e cereais.
Porém, as empresas brasileiras de uma forma geral, não se encontravam
preparadas para vencer a concorrência internacional nem estavam familiarizadas
2
SILVA, 1988, p.4511
com as peculiaridades do mercado árabe, sendo que apenas a Construtora Mendes
Júnior e a Volkswagen conseguiram consolidar sua presença no mundo árabe.
Entre os países árabes com os quais o Brasil estabeleceu relações
comerciais destacava-se o Iraque. Durante muitos anos, este foi um dos principais
parceiros do Brasil, tanto em termos comerciais, quanto em políticos e militares. Em
1980, as compras brasileiras em Bagdá representavam 17,45% do total das
compras brasileiras no exterior, e sempre esteve entre o primeiro e o terceiro maior
fornecedor externo do país. No período de 1979 a 1989 o Brasil importou, em média,
dois bilhões de dólares por ano, o que demonstra a extrema dependência do Brasil
em relação ao fornecimento de petróleo e a importância do Iraque na garantia deste
fornecimento 3 . O Iraque vendeu milhões de barris de petróleo ao Brasil sem exigir
maiores garantias, e muitas vezes preferindo o Brasil em detrimento de países
desenvolvidos 4 . Esta era a forma de o governo de Bagdá retribuir o fato do país ter
sido um dos primeiros países do mundo a reconhecer a nacionalização do petróleo
iraquiano num período em que o país encontrava-se sob ameaça de embargo.
Outro motivo que levou a tal favorecimento foi o fato do governo de
Saddam Hussein apreciar a postura brasileira de não-interferência nos assuntos
internos do Iraque, o que geralmente não ocorria quando Bagdá negociava com o
chamado Primeiro Mundo. Em contrapartida, o Brasil vendeu ao Iraque alimentos
congelados, automóveis e armamentos pesados como lança-foguetes, mísseis e
tanques. No campo político, os dois países trilharam caminhos semelhantes,
especialmente nas décadas de 1970 e 80. Buscaram alternativas ao alinhamento
com as duas superpotências (EUA e URSS) e tinham planos de tornarem-se países
hegemônicos em suas respectivas regiões.
Este episódio ilustra a idéia de que as necessidades de um país no
contexto interno refletem-se no externo, ou seja, a necessidade brasileira por
petróleo fez com que toda uma política tradicional fosse modificada para atender a
interesses imediatos do país. Este conceito origina-se na raison d’état. Idealizada
na França, a razão de Estado privilegia os interesses do Estado Nacional,
independentemente dos meios aplicados para tal objetivo, ou seja, descarta-se
qualquer tipo de freio moral ou ético, como já aconselhara Nicolau Maquiavel. No
3
4
MONTENEGRO, 1992, p.28
ATTUCH, 2003, p.0412
século XIX, Bismarck batizou essa prática como realpolitik, ou a prática política a
partir de cálculos individuais e egoístas de cada Estado.
O pragmatismo do governo brasileiro também serve para ilustrar o
pensamento de outro historiador, o francês Pierre Milza 5 . Segundo ele, em seu texto
intitulado “Política interna e Política Externa”, a ideologia nem sempre é posta em
prática no plano externo. Justificativas de longo prazo podem avalizar decisões das
mais contraditórias, como no exemplo que o autor usa acerca da venda de carvão
da URSS para a Espanha de Franco.
No caso do Brasil, percebe-se claramente que a ideologia militar de
alinhamento aos norte-americanos em nome da chamada “Segurança Nacional” foi
abandonada devido a necessidades urgentes do país, mudando sua linha de política
externa, aproximando-se de países árabes, inimigos políticos e, por vezes militares,
de Israel, um dos maiores aliados dos EUA. Assim sendo, a relação bilateral com o
Iraque, pode ser traduzida como uma reação de ordem prática, em que o Brasil,
tentando compensar sua carência de poder resultante da falta de petróleo define
uma estratégia de acordos de longo prazo. Claro que esta mudança em relação ao
Oriente Médio foi apenas uma parte de um projeto maior que era o “pragmatismo
responsável”.
A política exterior de um país representa a visão de mundo de seu
governante, seus interesses e prioridades. Segundo Paulo Fagundes Vizentini é a
interação, conflitiva ou cooperativa, entre nações que chamamos de política
internacional. À clássica pergunta: ”quem formula a política externa?”, a resposta é
múltipla: depende da conjuntura e dos interesses que estão em jogo 6 .
No caso específico do nosso trabalho, a escassez de antecedentes
dificulta a escolha de um modelo mais apropriado ao tipo de análise proposto, pois é
muito mais comum entre os interessados nas relações internacionais, o estudo da
atuação dos países hegemônicos, e, eventualmente sua interação com Estados
periféricos. Mas poucos são os que se dedicam à análise das relações entre dois
países periféricos, no âmbito denominado “relações Sul-Sul.” Por isso o realismo
clássico, elaborado no século XX, por E.H. Carr (Vinte anos de Crise) e Hans
Morgenthau (A Política entre as Nações) 7 , não será predominante em nossa
5
MILZA, 1996,p.130
VIZENTINI, 2005,p.15
7
PECEQUILO, C. S., 2004,p.115
613
abordagem, pois este privilegia a questão da potência hegemônica, que não está no
âmago do nosso trabalho.
Esta escolha, no entanto, não significa que pretendemos ignorar
modelos mais abrangentes de estudos das relações bilaterais entre Estados.
Pretendemos incorporar elementos do realismo estrutural ou neo-realismo, surgido
na década de 1970, quando se propõe que as relações entre diversos Estados
soberanos sugerem uma interdependência, especialmente na busca por recursos
naturais valiosos.
As características geográficas e físicas de cada país o fariam mais
ou menos sensível e vulnerável à escassez de determinados recursos, o que guiaria
sua política externa. Diante do cenário atual de globalização em que o mundo cada
vez mais se divide em blocos econômicos regionais, o fortalecimento das relações
“Sul-Sul” surge como uma alternativa, objetivando a sobrevivência no mercado
frente às políticas protecionistas dos países desenvolvidos. Mais do que uma revisão
do realismo clássico, trata-se de uma alternativa às abordagens liberais que
ganhavam cada vez mais espaço. Um dos grandes teóricos do neo-realismo é
Kenneth Waltz 8 , que compara a estrutura e a motivação dos Estados com o mercado
econômico. Segundo Waltz 9 , assim como no livre mercado diferentes empresas
competem entre si pela sobrevivência, os Estados também se constituiriam em
unidades autônomas que interagem entre si buscando unicamente a defesa de seus
interesses, e sem poder contar com ninguém a não ser com si mesmos. Contudo,
nesta disputa individual, há um fator que faz com que os Estados não se agridam
indiscriminadamente: o controle da tecnologia nuclear para fins bélicos. O chamado
“equilíbrio do terror”, apesar de levar à contenção mútua, devido às catastróficas
conseqüências advindas de um ataque nuclear leva também a embates entre as
potências nucleares por zonas de influência, e eventuais intervenções militares em
pontos estrategicamente importantes do globo.
Outro aspecto importante nas relações externas lembrado por
Milza 10 é o ambiente doméstico, ou seja, a maneira como o cidadão médio vê a si
mesmo e aos outros, seus valores, ideologia, estruturas econômicas e sociais, etc.
Contudo, muitas vezes na História, sobretudo em regimes autoritários o imaginário
8
Idem,p. 132.
Ibidem,p.133.
10
MILZA, 1996,p.137.
914
cultural de um povo e suas impressões do outro são manipulados para fins políticos.
Segundo Duroselle 11 , muitas vezes os governantes apelam para simplificações
grosseiras para serem mais bem compreendidos pelas massas. Tais simplificações
podem criar ou aumentar o grau de perigo que podem oferecer supostos ou
declarados inimigos, utilizando-se a propaganda para a prática de perseguições
políticas, religiosas, étnicas ou até mesmo a guerra.
Todavia, com a popularização da mídia nas últimas décadas do
século XX, a população fica mais bem informada sobre o que acontece no mundo e
toma consciência de que os atos de seu governante no âmbito externo influenciarão
seu dia a dia. Nos EUA foi a vinculação pela mídia das pesadas baixas sofridas
pelos norte-americanos no Vietnã que levou a opinião pública norte-americana a
pressionar o governo pelo fim da guerra.
Contudo, no caso do nosso trabalho, a mídia, devido principalmente
à censura vigente no período militar não podia discordar abertamente da política
governamental. Nem tampouco poderia tentar promover um debate sobre
determinado tema e, portanto, o ambiente, ou apoio interno apontado por Milza
como um dos fatores preponderantes na condução das relações internacionais de
um país, surgia mais dos efeitos da propaganda do governo do que de uma
discussão mais ampla na sociedade da época.
De acordo com Cristina Pecequilo 12 , as Relações Internacionais são,
por definição, uma mescla do conhecimento de diversas áreas do saber,
destacando-se a Ciência Política, a Economia, a História e o Direito. É uma
disciplina que empresta seus conceitos de outras, sendo formada por uma variedade
complexa e abrangente de matérias. Segundo Pecequilo, os detratores da disciplina
a acusam de ser apenas uma colcha de retalhos, devido à sua inevitável
fragmentação. Contudo, esta falta de unidade deve ser entendida como um trunfo da
disciplina uma vez que permite a compreensão do objeto de estudo segundo
diferentes prismas, de uma forma abrangente. O conhecimento é construído e
sustentado por diversas dimensões, não se focando em uma só área. Há também
um diferencial raramente visto em outros ramos do conhecimento. As Relações
Internacionais possuem um pluralismo teórico que possibilita a construção de
conceitos adequados a produzir interpretações científicas da realidade internacional.
11
12
DUROSELLE, 2000,p.84
PECEQUILO, 2004,p.1915
Discursos diferentes do predominante não são invalidados, pelo contrário, coexistem
com ele, não gerando necessariamente uma substituição de paradigmas.
Como é definida pelos acontecimentos que procura explicar, a
disciplina mantém-se em permanente processo de questionamentos e busca de
respostas. A despeito dos avanços tecnológicos dos países desenvolvidos, boa
parte do mundo passa por grande instabilidade social, envolvida em disputas
territoriais, por recursos naturais e até a própria sobrevivência de determinados
grupos sociais. Neste quadro, o intercâmbio entre profissionais das Relações
Internacionais e da História passa a ser cada vez mais importante, pois os primeiros,
ao analisarem conjunturas dinâmicas e cenários mundiais passíveis de modificar-se
em apenas um dia, fornecem subsídios para que os historiadores possam,
futuramente, fazer suas análises com o distanciamento que o tempo permite.
Em suma, o que se pretende aqui é fazer uma síntese explicativa
das relações entre o Brasil e o Mundo Árabe, como essas relações se
desenvolveram,
quais
foram
suas
intenções
iniciais,
suas
vantagens
e
desvantagens. Analisaremos os reflexos da aproximação com países não-ocidentais
e muitas vezes aliados da então URSS, ou então inimigos declarados de Israel,
principal parceiro dos EUA no Oriente Médio. Pretendemos analisar também se
essas relações justificaram-se para o Brasil do ponto de vista econômico e
diplomático. Escolhemos o recorte temporal que vai de 1973 a 1985 por dois
motivos: o período inicial explica-se pela eclosão da Crise do Petróleo e o final pelo
fim do regime militar e pelas semelhanças entre a política de Figueiredo e de seu
antecessor Ernesto Geisel em relação ao Oriente Médio. No caso específico do
Iraque, em alguns momentos a pesquisa extrapola o recorte temporal proposto, pois
o comércio com este importante produtor de petróleo permaneceu relevante até
1989.
Trata-se de uma pesquisa de cunho bibliográfico, em que foram
pesquisadas as fontes possíveis dentro da escassa bibliografia sobre as relações do
Brasil com o Oriente Médio. Isso nos levou a consultar obras de jornalistas como
Leonardo Attuch. Mesmo sabedor das limitações das fontes jornalísticas, e não
endossando muitas das opiniões do autor, muitas vezes o pesquisador se vê
obrigado a recorrer às mesmas, obviamente com as devidas ressalvas. Todavia, é16
importante ressaltar que este autor já tem certa experiência de pesquisa nas
relações entre mídia e noticiário do Oriente Médio 13 .
Na primeira parte deste trabalho analisaremos o contexto histórico
que levou á Crise do Petróleo no Oriente Médio e as relações do Brasil com o
Mundo Árabe, de uma forma geral. A segunda parte é dedicada à política externa
brasileira e o debate dentro do regime diante da mudança de rumo adotada com o
“pragmatismo responsável”. Já no capitulo final é feita uma análise da relação do
Brasil com seu mais importante parceiro árabe, o Iraque.
13
Disponível na Internet em: http://www.uem.br/~urutagua/005/17pol_traumann.pdf Acessado em:
12/11/2006.17
1 O BRASIL E O MUNDO ÁRABE
1.1 OS PRIMEIROS CONTATOS
Na segunda metade do século XIX, o Império Otomano que, além de
outros, incorporava os estados árabes do Oriente Médio e parte da África,
encontrava-se em estado de desintegração. O chamado “Gigante Enfermo”
agonizava, e seu colapso total ocorreu ao final da Primeira Guerra Mundial.
Obviamente, toda a região dominada pelos turcos sentiu os efeitos de tantas
mudanças. Entre 1859 e 1869 foi construído o Canal de Suez, dando fim ao controle
do comércio de caravanas entre sírios e libaneses que levavam seda e especiarias
para a Europa 14 . A própria indústria da seda encontrava-se em crise já há algum
tempo, devido a pragas e a competição com transportes mais rápidos que
barateavam os produtos chineses e japoneses. Concomitantemente, uma explosão
demográfica entre a população cristã do atual Líbano, que tradicionalmente habitava
as montanhas fez com que estes descessem às planícies em busca de espaço e
trabalho, entrando em atritos com os drusos. Os cristãos, em sua maioria, grego-
ortodoxos e maronitas, logo se organizaram politicamente, o que desagradou de
sobremaneira os drusos. O drusos então se aliam aos otomanos, obtendo armas
para combater os “invasores”. Os otomanos já se encontravam em dificuldades
desde que a Grécia, então província otomana, não só tornou-se independente, mas
incentivou levantes em todo o Império, especialmente nas áreas gregas da Tessália,
Trácia e Macedônia, o que colocava os otomanos sempre em luta, e em diferentes
fronts, ora na Palestina, ora nos Bálcãs ou ainda no norte da África. Esta aliança
com os drusos dava aos otomanos um auxiliar, pelo menos em uma parte do
império. No entanto, já estava claro que o declínio definitivo do gigante era uma
questão de tempo.
Já naquela época havia na região onde hoje é o Líbano, grande
número de missionários cristãos, na sua maioria norte-americanos, que trabalhavam
14
AL-SAFI, 1993, p.15818
com a população cristã árabe, informando-os sobre a vida na Europa e na América.
Todavia, ainda não eram muitos os que tentavam a imigração. Apenas em 1860, um
ano de repressão particularmente brutal por parte dos otomanos, é que o fluxo
imigratório se torna mais intenso 15 . Os destinos principais sempre foram, primeiro os
EUA, e depois, caso o candidato não obtivesse o visto, Argentina, Brasil e demais
países latino-americanos. Os libaneses já tinham um apreço especial pelo Brasil,
devido à viagem que D. Pedro II realizara ao Líbano em 1876. O imperador era um
grande admirador da cultura árabe, chegando inclusive a aprender o idioma, e a
fundar uma igreja ortodoxa em Alexandria, no Egito.
O pesquisador norte-americano Clark Knowltown, em estudo sobre a
imigração árabe no Brasil, fez levantamento estatístico indicando que em 1871, dois
imigrantes com passaporte turco entraram no país seguido por outros oito em 1872,
vinte e um em 1874, quinze em 1877, seis em 1880 e trinta e oito em 1881. Porém,
segundo o diplomata saudita Mansour Saleh Al-Safi, que cita tal pesquisa em seu
livro Arábia Saudita: Política Externa e Aspectos de sua Relação com o Brasil,
Apenas em 1892 as autoridades brasileiras começaram a registrar
corretamente as nacionalidades, Aparecendo naquele ano 93 sírios como
imigrantes e 196 outros em 1895. Até o final do século, 2.110 imigrantes do
Oriente Médio tinham chegado ao Brasil, quer fossem eles registrados como
“turcos”, ou sírios, libaneses, armênios, egípcios, marroquinos e argelinos,
16
chegando aquele autor ao total de 106.184 imigrantes de 1871 a 1942.
Contudo, não devemos depositar confiança absoluta nestes dados,
pois é fato bem conhecido que não só árabes viviam sob domínio turco e, portanto,
outras etnias também portavam o passaporte turco. Muitos judeus vieram para o
Brasil com tal documento, o que fez com que o povo os confundisse, e que a
comunidade árabe tivesse que sofrer com a pecha muitas vezes imputada aos
judeus de “assassinos de Jesus”.
A propósito, o elemento religioso é muito importante para
entendermos a imigração árabe. No final do século XIX, ela era quase toda cristã.
Vivendo em países onde eram minorias, sentiam-se atraídos por países que
unissem
o
Cristianismo
como
religião
majoritária
e
a
possibilidade
de
enriquecimento. Por volta de 1890, o número de cristãos já era grande o suficiente
para que se fizesse necessária a presença de padres do rito maronita e da Igreja
15
16
AL-SAFI, 1993, p.159
Ibidem, p.160.19
Ortodoxa. E em 1896, um rabino sírio viria para fundar a primeira sinagoga carioca.
Os muçulmanos árabes só fundariam a primeira mesquita quase cinco décadas
depois, embora o Islã já tivesse chegado ao Brasil no final do século XVII, através
dos escravos malês.
Com o colapso do Império Otomano, e a região ficando sob o
mandato oficial da Liga das Nações, a imigração deixa de ter caráter provisório.
Abandonam o sonho de retornar ricos à sua terra e passam a buscar um lar
definitivo na América. Os novos imigrantes encontravam os pioneiros já
estabelecidos no comércio atacadista. Estes forneciam-lhes mercadoria e know-how
para trabalhar na nova terra.
Além de sírios e libaneses, houve outra imigração, bem mais
recente, a dos palestinos, ocorrida a partir da década de 1970, portanto pouco após
a ocupação dos territórios palestinos por forças israelenses, e de distúrbios
ocorridos na Síria e no Líbano. Embora este movimento de refugiados palestinos já
existisse desde a criação de Israel, em 1948, é depois da Guerra dos Seis Dias,em
1967, que se intensifica. Muitos desses palestinos fixaram-se em São Paulo, Porto
Alegre e especialmente no Distrito Federal.
Entre os imigrantes do século XX, estavam professores, jornalistas,
escritores, etc. Durante o Estado Novo, surgiu uma associação de escritores árabes
chamada “Nova Andaluzia”, que teve que ser extinta devido à política de caráter
xenófobo do governo Vargas. Também na vida pública os árabes destacaram-se.
Nomes como o de Francisco Rezek, Antonio Kandir, Espiridião Amin, José Richa,
dentre outros, surgiram na política nacional e demonstram a mobilidade social que o
imigrante árabe obteve no Brasil. Com um segmento populacional tão significativo,
composto por imigrantes bem sucedidos nos negócios e na política, é natural
observar que o Brasil mantém relações comerciais com o mundo árabe desde o
aparecimento das nações árabes modernas. Segundo Al-Safi 17
No séc. XIX o Brasil já havia instalado um consulado honorário no Egito.
Mesmo antes do aparecimento do petróleo como produto exportado por
países árabes, o mundo árabe como um todo, só pela sua dimensão
geográfica e pela sua população, mereceu atenções especiais do Brasil
desde 1924, quando este estabeleceu relações diplomáticas com o Egito.
O mundo árabe ocupa um território de 12.911,94 milhões de
quilômetros quadrados, e cerca de trezentos milhões de habitantes estendendo-se20
por 85% da faixa entre o Mediterrâneo, Golfo Pérsico, Mar Vermelho e Mar da
Arábia (os outros 15% são ocupados por Irã e Israel). Divide-se em duas subáreas:
a primeira, chamada Maghreb (Ocidente), compreende o norte da África, ou seja:
Marrocos, Tunísia, Líbia e Argélia. A segunda, denominada Macharek, (Oriente),
inclui Egito, Kuwait, Iraque, Jordânia, Líbano, Síria, Iêmen, Emirados Árabes Unidos,
Sudão e Arábia Saudita. 18
Após o estabelecimento de relações diplomáticas com o Egito, os
próximos países com quem o Brasil estreitou os laços foram Líbano (1946), e Síria
(1952). Estas eram justificadas pela grande colônia sírio-libanesa presente no país,
a qual tinha estabelecido canais de comércio e exportação com seus países de
origem, através de contatos de parentesco e amizade. Para se ter uma idéia, em
1968, cerca de 60% das exportações brasileiras ao mundo árabe eram dirigidas ao
Líbano.
Em 1961, o Brasil estabelece relações com Marrocos, Tunísia e
Argélia. Esta decisão foi muito criticada na época, devido à sua falta de sentido
prático. E realmente, após seis anos, não havia sido constatada nenhuma relação
comercial entre o Brasil e estes países norte africanos. O Brasil importava
relativamente muito (5% de suas importações, basicamente fosfato, petróleo e
potassa), e exportava pouco, criando assim um déficit em sua balança comercial.
Dentro da ótica comercial brasileira, no entanto, o Iraque era
considerado comercialmente mais interessante do que o grupo formado por Síria,
Líbano e países do Maghreb. A Arábia Saudita também foi encarada como parceira
em potencial, tendo o Brasil iniciado contatos preliminares com os sauditas em 1967.
As primeiras tentativas de ingresso do Brasil nos mercados árabes
não foram bem-sucedidas, devido ao desconhecimento mútuo entre economias e
culturas tão distintas 19 . Ambos os lados demonstravam interesse em incrementar o
comércio, mas a conexão entre os setores técnicos e produtivos não era eficiente.
Segundo Al-Safi 20 , na década de 1970,havia três boas razões para o Brasil querer
ingressar no mercado árabe:
a) Ter acesso a um mercado maior que o brasileiro tanto em
população quanto em poder aquisitivo.
17
AL-SAFI, 1993, p.171
AL-SAFI, 1993, p.174.
19
MAJZOUB, 2001, p. 61-62
1821
b) Por ser um mercado supridor dos minerais que o Brasil precisava
como petróleo, potassa e fosfato a preços que eram de três a cinco vezes inferiores
ao mercado interno brasileiro.
c) Acesso direto ao mercado de capitais dos países produtores de
petróleo.
Obviamente que antes da década de 1970,já era importante
preencher
este
último
quesito.No
entanto,a
crise
o
transformou
numa
necessidade.Foi proposto um programa para criar incentivos que rompessem aquele
imobilismo: a criação de transações diretas tanto de venda quanto de compra,
evitando intermedários e com a finalidade de estimular a criação de escritórios
brasileiros naqueles países, assim como a criação de firmas locais brasileiras; o
estabelecimento de empresas brasileiras em zonas francas árabes, como: Tanger,
Bizerta, Port Said e Beirute, e a criação de linhas de crédito para importação e
exportação.
Mas já era consenso a idéia de que o conhecimento mútuo por meio
da diplomacia era a melhor tática. A princípio, o Brasil estabeleceu representação
em Tunis, que respondia também pelo Marrocos, Argélia, Líbia e obviamente a
própria Tunísia; Cairo que alcançava Egito, Sudão, Kuwait e Iêmen; Beirute que
abrangia Líbano, Chipre, Jordânia, Síria, Arábia Saudita e Iraque; e Karachí, que
abrangia os Emirados Árabes Unidos, Catar, Bahrein, Omã e Paquistão. Na época
foram propostos também cursos de comércio exterior a serem ministrados no
Itamaraty voltados para o mercado árabe, similares a outros já existentes nos EUA e
Europa.
Em 1968, o Brasil deu início às relações diplomáticas com a Arábia
Saudita, ficando a embaixada brasileira no Líbano encarregada de responder pelas
ligações com Riad. Em contrapartida, as relações diplomáticas sauditas com o Brasil
e América Latina eram administradas desde sua embaixada em Washington (EUA).
No entanto, em 1973, foi decidido que os dois países trocariam embaixadores, tendo
o Brasil enviado como seu primeiro representante o embaixador Murilo Gurgel
Valente nesse mesmo ano. Em 1974, o governo saudita enviou a Brasília o
embaixador Mamoun Kabbani. No final de 1973, seria instalada em Bagdá a
embaixada brasileira, que daria novo dinamismo nas relações Brasil-Iraque. No ano
20
AL-SAFI, 1993, p.175.22
seguinte desenvolver-se-iam as relações entre Brasil e Argélia, com a entrada da
Braspetro no país e o inicio da exploração do petróleo argelino, além do incremento
das relações na área dos transportes. No ano de 1974, os maiores movimentos
comerciais foram atingidos no intercambio com a Argélia e a Líbia, cujo montante
chegou a cerca de US$325 milhões, no entanto a balança comercial com este último
era muito desequilibrada a favor do país africano. Este déficit cresceu nos anos
seguintes e chegou em 1977, a quase três bilhões de dólares em favor dos árabes.
Portanto, a aproximação com os países árabes, ao contrário do que muitos pensam,
teve seu inicio com Médici e não com Geisel.Tal aproximação encaixava-se
perfeitamente no tipo de relação Sul-Sul pretendido por Médici.
Mas obviamente foi Geisel que, devido à crise do petróleo, estreitou
os laços comerciais com os países da região. Na época,a OPEP dividiu os países
em amigos ou não da causa palestina, para não sofrer os efeitos do embargo o país
precisava estar no primeiro grupo. Enquanto Médici posicionava-se de forma no
mínimo ambígua em relação à resolução 242 da ONU que ordenava a retirada
israelense dos territórios palestinos ocupados, o ministro Azeredo da Silveira, numa
recepção ao ministro de negócios estrangeiros saudita Omar Al-Sakkaf, posicionou-
se de forma inequívoca a favor da causa palestina e, em 1974, chegaria a fazer um
discurso pró-palestino na XXIX Assembléia Geral da ONU. Em seu pronunciamento,
Azeredo da Silveira afirmou que 21
[…]A objeção à guerra de conquista é uma constante na História do Brasil e
um preceito em nossa Lei Fundamental. Consideramos absoluto o direito á
integridade territorial e à obrigação de respeito à soberania. Em
conseqüência, acreditamos que a desocupação doa territórios ocupados é,
insofismavelmente, parte integrante da solução do conflito.
Assim, o governo brasileiro aceitava os direitos do povo palestino a
autodeterminação e soberania como único caminho para uma paz duradoura na
região. Na XXXI Assembléia Geral da ONU, o Brasil votou a favor de uma solução
negociada entre árabes e israelenses, tendo como base a carta da ONU 22 .
No entanto, em outubro de 1975, o Brasil causou desconforto entre
norte-americanos e sionistas em geral ao votar na ONU condenando o sionismo
como uma forma de racismo. De acordo com o presidente Ernesto Geisel,
Não aceitei uma forma evasiva que a diplomacia usa. O Itamaraty, quando
estava convicto do voto que devia proferir, mas sentia que com ele iria
21
22
Apud. PASSOS, 1988, p.87.
MIYAMOTO, 1985, p.193.23
desagradar aos Estados Unidos ou a outro país importante, adotava a
política de abstenção, se abstinha de votar. Não aceitei isso, dizendo que
era uma covardia. Se o Brasil tem uma opinião, ele tem que defender o seu
ponto de vista e votar de acordo com a sua convicção. Estou convencido
até hoje de que o sionismo é racista. Não sou inimigo dos judeus, até
porque em matéria religiosa sou muito tolerante. Mas como é que se
qualifica o judeu, quando é que o indivíduo é judeu? Quando a mãe é judia.
O judaísmo se transmite pela mãe. O que é isso? Não é racismo? Não é
uma raça que assim se perpetua? Por que eu não posso declarar isso ao
mundo? O que tem isso de mau? Contudo nosso voto provocou uma
23
celeuma danada.
Apesar desta forte declaração pessoal de Geisel, segundo Miyamoto
e Gonçalves 24 , naquela conjuntura, do ponto de vista estritamente político, o Brasil
não poderia ter se posicionado de outra forma, devido à crise do petróleo e ao fato
de que o Brasil chegava ao final do “milagre econômico”, necessitando, portanto,
implementar suas relações com os países árabes. Da mesma forma, o Itamaraty
desaconselhou o governo a adquirir o míssil israelense Gabriel. Contudo, de acordo
com Walder de Góes 25 , a decisão de votar favoravelmente a tal resolução foi
precipitada. Azeredo consultara Geisel sobre qual posição tomar e o presidente
recomendara o voto favorável. Quando se deu conta do equívoco político que tal
atitude representava tentou recuar, mas a forte reação do Departamento de Estado
Norte-americano mexeu com os brios do governo brasileiro, que optou por manter o
voto.
Na Resenha de Política Exterior do Brasil o chefe da delegação
brasileira viu a necessidade de se explicar. Justificou que o Brasil nada tinha contra
os judeus ou o judaísmo e reconhecia Israel como estado independente. No entanto,
não admite que este reconhecimento esteja baseado na aceitação de idéias
sionistas e como, mesmo o sionismo não é unanimidade entre os judeus, não se
pode confundir anti-sionismo com anti-judaísmo 26 . Em relação aos palestinos,
apesar da permissão de abertura de um escritório da OLP em Brasília, não foi
conferido a este o status diplomático, por não se tratar de país independente e
mesmo com a intervenção do vice-presidente iraquiano, este era um pedido que
não podia ser atendido 27 .
23
Apud. D’ARAÚJO. e CASTRO, 1997, p.341-342.
MIYAMOTO e GONÇALVES, 1993.p.34
25
GÓES, 1978 p.30.
26
VIZENTINI, 2002, p.248
27
MIYAMOTO, p.271
2424
No aspecto comercial, o intercambio continuou intenso. Em 1979, o
ministro do petróleo do Iraque Tayej Abdul Karim solicitou uma intensificação nas
relações e garantia o fornecimento de petróleo em qualquer circunstância. No ano
seguinte, seria criada a Comissão Mista Brasil-Iraque e um acordo de cooperação
nuclear 28 . Neste mesmo ano, o embaixador iraquiano Faid Maki Ahmed anunciou
que o Iraque daria preferência á importação de produtos brasileiros, desde que de
qualidade comprovada, mesmo que o preço estivesse um pouco acima do da
concorrência.
Em 1982, o ministro Saraiva Guerreiro foi á Arábia Saudita
realizando a primeira visita oficial de um chanceler brasileiro aquele país. Alguns
meses antes o ministro do petróleo saudita, sheikh Yamani, havia sido condecorado
com a Grã-Ordem do Cruzeiro do Sul demonstrando a importância que os árabes
tinham na época já que esta é a principal condecoração nacional, sendo outorgada
apenas a Chefes de Estado e na despedida de embaixadores que serviram no Brasil
29
. Contudo, o déficit na balança continuou, até porque, obviamente, é gritante a
diferença de valores entre os produtos que o Brasil exportava – notadamente grãos
e manufaturados e o petróleo e fosfato importados. Além disso, os árabes preferiam
investir seu dinheiro em mercados mais seguros e de retorno mais rápido, como
EUA e Europa.
Na sua busca por petróleo, o Brasil tentou também obter o
fornecimento por parte do Irã. Em outubro de 1977, o general Araken de Oliveira foi
a Teerã visando a um acordo sobre a área que a Braspetro explorava na fronteira
com o Iraque em regime de contrato de risco. As negociações já corriam há algum
tempo entre a Mobil Oil (associada à Braspetro) e a National Iranian Oil Company
(NIOC). Porém, no meio do contrato, o Irã simplesmente decidiu aumentar os
impostos e royalties a serem pagos. Por isso, em 1978, a Braspetro decidiu por
desativar prematuramente suas explorações no Irã e concentrar esforços no Iraque,
aliás, o único país que garantiu ao Brasil o suprimento de petróleo 30 .
Em 1978, a exemplo do que aconteceu com o Iraque, a Volkswagen
vendeu 15 mil automóveis à Argélia em troca de fosfato. No mesmo ano mais 17 mil
veículos seriam trocados por petróleo. A Braspetro iniciou seus trabalhos em
28
Ibidem, p.213
Ibidem, p.214
30
VIZENTINI, 2002. p. 254.
2925
território argelino no mesmo ano produzindo cerca de 2000 barris/dia no campo de
Ras Tounb. Com relação à vizinha Líbia, o enorme déficit na balança comercial fez
com que o Brasil tentasse incrementar seu comércio com aquele país vendendo-lhes
carros de combate. A Líbia adquiriu quatrocentos carros em 1976,mas dois anos
depois novas negociações chegaram a um impasse devido à recusa do Itamaraty
em abrir um Centro Cultural Líbio no Brasil e um similar brasileiro no país liderado
por Muammar Kadafi.
Em 1979, começa o conflito Irã-Iraque, o que leva o Brasil a nova
crise devido à importância iraquiana no fornecimento de petróleo. O Brasil então
recorre ao FMI, para renegociar sua dívida, fazendo com que a política externa
brasileira estivesse mais nas mãos do ministro da fazenda Delfim Netto que no
Itamaraty. Contudo, desta vez o abalo não tenha sido tão forte devido a uma política
de diversificação dos fornecedores no âmbito externo e de um programa de redução
do consumo e de busca de fontes alternativas no interno.
Embora as intensificações dos contatos tenham aumentado a
balança comercial durante o período 1968-1978, esta sempre foi desfavorável ao
Brasil, na ordem de 900 milhões a US$ 1,30 bilhões de dólares. Todavia, logo
ambos os países encontraram o produto que muito interessava aos sauditas e que
podia equilibrar a balança comercial: armas e equipamentos militares.
Segundo Al Safi 31
Entre as armas brasileiras que os sauditas buscavam, estavam os blindados
fabricados pela ENGESA, como o Cascavel e o anfíbio Urutu, já vendidos
para mais de 30 países. […] No entanto, o astro maior do arsenal brasileiro
era o tanque de guerra pesado “Osório”, que estava sendo oferecido para
testes no deserto saudita, e que eventualmente venceria uma concorrência
internacional com ampla vantagem à frente de todos os seus concorrentes.
Fazia parte do acordo também, a venda de aviões de treinamento e
observação. A imprensa brasileira previa uma venda no valor de US$4,5 bilhões. Foi
a primeira negociação desse tipo entre países do terceiro mundo, e representou o
auge das relações entre os dois países.
31
AL-SAFI, 1993, p.20926
1.2 A C RISE DO P ETRÓLEO : A NTECEDENTES H ISTÓRICOS
Após a queda do Império Turco 32 ocorrida no final da Primeira
Guerra Mundial (1914-1918), os árabes, liderados por Lawrence da Arábia, lutaram
ao lado dos britânicos para livrarem-se do jugo turco, acalentando sonhos de
independência. Porém, a decepção foi grande. Ao final da Primeira Guerra, a região
ficou oficialmente sob mandato da Liga das Nações, embora sob forte influência do
colonialismo anglo-francês. A França dominou Síria, Líbano e norte da África,
enquanto a Inglaterra dominou o Iraque, a Jordânia (então chamada Transjordânia)
e a Palestina. Os árabes,ao contrário do que imaginavam, não estavam livres, mas
apenas submetidos a um novo senhor.
Após a Segunda Guerra (1939-1945), o colonialismo perde fôlego, e
muitos
países,
especialmente
os
da
África
e
Oriente
Médio
tornam-se
independentes. Como nestes últimos haviam-se descoberto imensas reservas de
petróleo, esta região torna-se importantíssima para o abastecimento mundial,
fazendo com que as ex-metrópoles mantivessem um controle econômico destes
novos países por meio do monopólio da exploração de seu petróleo. Os países
produtores da região, com pouco conhecimento técnico, capital, e, sobretudo
carentes de uma consolidação de sua independência nada podiam fazer.
Conseguem, contudo, chegar a um razoável estágio de autodeterminação na
década de 1950.
Anteriormente, mais precisamente no ano seguinte à fundação da
Arábia Saudita em 1932, a Standard Oil Company of Califórnia fez proposta para a
exploração de seu território. Porém, somente após o término da II Guerra Mundial é
que as atividades de prospeção puderam ser realizadas com força total. Em 1947,
surgiu a ARAMCO (Arab American Company), consórcio da britânica Socony
Vacuum Oil Company, da Standard, da Texas e da New Jersey Oil Company. Esta
concessão que vigorará até 2012, abrange uma área de 600.000 quilômetros
quadrados 33 . Em 1949, novos poços foram descobertos, aumentando a produção de
20.000 para 500.000 barris por dia.
32
33
HOURANI, 1994, p.318-319
HOURANI, 1994, p.4327
Contudo as relações entre o governo e a Aramco estavam
estremecidas, pois Riad ganhava somente vinte e um centavos de dólar por barril,
enquanto o lucro da Companhia era de US$1,10 34 . Em 1950, contudo foi firmado um
acordo em que o governo e a companhia dividiam os lucros pela metade. Este
acordo transformar-se-ia num padrão no mundo todo dali por diante. Este novo
contrato não prejudicou a ARAMCO, pois as taxas pagas aos sauditas foram
denominadas “impostos internos” e eram deduzidos dos impostos norte-americanos,
fazendo com que a empresa praticamente não pagasse mais taxas aos EUA. O
apoio do governo norte-americano a essas negociações, no entanto, demonstrou
vontade política de Washington para que as companhias petrolíferas fossem bem
sucedidas.
Em 1953, o recém-empossado rei Saud tentou tomar o controle
sobre o transporte do petróleo, criando a Saudi Arabia Tankers Company, em
conjunto com o armador grego Aristóteles Onassis. No entanto, a ARAMCO recorreu
no Tribunal Internacional de Arbitragem de Genebra e venceu.
Estas derrotas, contudo, não abalaram o sentimento nacional e
tornou importante na região o conceito de Terceiro Mundo: um bloco de países em
desenvolvimento que não desejava se submeter a influência norte-americana ou
soviética. Porém, mesmo sem apoiar explicitamente a URSS, muitos países árabes
adotaram ideais socialistas, como o controle dos recursos pelo governo e no
interesse da sociedade, comandado pelo Estado, que seria também um grande
provedor de serviços sociais. O principal centro dessa atividade foi o Egito
35
.
Historiadores egípcios passaram a analisar a história do país sob um viés marxista,
baseado na luta de classes. No Oriente Médio de uma forma geral, a descolonização
fez com que o poder fluísse para as mãos das elites locais, mais preocupadas em
manter a estrutura social vigente do que em diminuir o fosso de desigualdade entre
as classes.
Grupos que misturavam religião, nacionalismo e ideais de justiça
social surgiram no Egito, Síria e Sudão. Grupos socialistas passaram a
desempenhar um papel significativo na oposição aos governantes, especialmente no
Iraque, no Sudão e no Egito, que mobilizaram a classe operária. Na Síria surge o
Ba’th (Ressurreição), cujo discurso intelectualizado era dirigido principalmente aos
34
35
LACKNER, 1982, p.39
LACKNER, 1982, p.40728
cristãos das classes mais elevadas. O principal teórico do Ba’th foi Michel Afleq, um
cristão sírio que acreditava numa única nação árabe, vivendo num único país.
Apesar de não ser muçulmano, costumava usar o exemplo do profeta Muhammad
na unificação dos árabes como uma prova da exeqüibilidade do projeto.
Porém, foi uma conferência internacional que mudou a forma de os
países em desenvolvimento se relacionarem com o Primeiro Mundo. A Conferência
de Bandung na Indonésia procurou colocar em prática a idéia de uma aliança Sul-
Sul. Convocada por cinco países e contando com a participação de outros vinte e
quatro, marcaram presença na conferência nomes importantes e polêmicos do
século XX, como o primeiro-ministro chinês Chou En Lai, o líder egípcio Gamal
Abdel Nasser, o primeiro-ministro indiano Jawaharlal Nehru, entre outros.
Em Bandung surge o embrião do Movimento dos Não-Alinhados,
formalizado em 1961 e o Grupo dos 77 criado dois anos depois 36 . Nesta conferência,
conhecida como “o lugar em que nasceu o Terceiro Mundo”, foram debatidas e
aprovadas as seguintes idéias publicadas posteriormente em seu relatório final:
a) A importância da cooperação econômica e da implementação de
programas de desenvolvimento econômico, a proposta de um fundo das Nações
Unidas para as economias em desenvolvimento, a necessidade de estabilização no
preço das commodities e das moedas de pagamento, a idéia de políticas comuns
referentes ao petróleo, apontado como embrião do que viria a ser a OPEP.
b) A importância da cooperação cultural e do respeito às culturas
dos países subdesenvolvidos.
c) A defesa dos Direitos Humanos e da autodeterminação dos
povos.
d) Exigência do fim do colonialismo.
e) Defesa da implementação de Resoluções da ONU sobre a
questão Palestina 37.
A partir da década de 1950, o Ba’th assumiu feições mais próximas
ao socialismo e espalhou-se além das fronteiras sírias, tendo suas idéias
influenciado o Líbano, a Jordânia e principalmente o Iraque, onde um braço do
partido foi fundado, embora depois uma dissidência tenha tomado o poder e este se
manteve como Ba’th apenas nominalmente. Segundo Tarek Aziz, ex-ministro das
36
37
Disponível na Internet em: www.vermelho.org.br, acesso em 02/05/2006.
Idem.29
Relações Exteriores do Iraque, o golpe na Síria em 1966 fez com que o Ba’th local
se tornasse um partido militar, diferente do seu homônimo iraquiano, fundado por
Michael Afleq e cuja ala civil, incluía o próprio Aziz e Saddam Hussein . Esta
circunstância tornaria qualquer plano de reunificação do partido particularmente
difícil 38 .
O partido também foi decisivo na fundação da República Árabe
Unida, criada em 1958 e dissolvida três anos depois. Mas, o maior ideólogo da união
árabe foi sem dúvida o líder egípcio Gamal Abdel Nasser. Antes dele, os líderes
daquele país viam-se como oriundos de outra herança cultural. Nasser não apenas
inseriu o Egito no mundo árabe, como se auto-intitulou seu líder natural 39 .
O presidente egípcio acreditava na força do Estado no controle da
economia e numa distribuição de renda mais justa. Buscava-se um “socialismo
árabe”, definido como um sistema em que a sociedade gravitasse em torno do
governo que, por sua vez, defenderia os interesses de todos. Nasser promoveu
maior igualdade de oportunidades para homens e mulheres, limitou a jornada de
trabalho, criou o salário mínimo e ampliou os serviços de saúde. Mas fracassou na
tentativa de unificar as forças políticas do mundo árabe, pois não havia um canal de
comunicação para as massas. Seu discurso era de mão-única, assumindo uma
postura paternalista frente ao povo, como se conhecesse exatamente suas
reivindicações e não precisasse ouvir seus anseios.
Mesmo com as reformas já citadas, Nasser não conseguiu escapar
de uma saraivada de críticas, principalmente dos marxistas, que repudiavam a não
aceitação das diferenças de classe e pelos membros da Irmandade muçulmana, que
acusavam o líder egípcio de utilizar o discurso islâmico apenas para manipular as
massas. Entre alguns países islâmicos, entretanto, Nasser era a voz dissonante.
Países como Arábia Saudita, Turquia, Irã e Paquistão posicionaram-se francamente
em favor do status quo e contra a sua proposta independente e pan-arabista.
Quando Nasser passou da teoria à prática e nacionalizou o Canal de Suez, França e
Grã-Bretanha, contando com o auxilio de Israel tomaram Gaza e a Península do
Sinai. A guerra de 1956, só terminou com o envio de forças da ONU e com a
intervenção soviética, que ameaçava entrar no conflito do lado árabe. Mesmo com o
38
39
DENAUD, 2003, p.24-28.
DE CHANCIE, 1988, p.7130
fracasso, o Egito de Nasser se tornaria o líder do mundo árabe com o apoio
soviético, enquanto os EUA ficariam do lado israelense. O Oriente Médio entrava na
esfera da Guerra Fria,definitivamente 40 .
Durante toda a década seguinte, o nasserismo, como ficou
conhecido, guiou as políticas do mundo árabe, alimentando o sonho de uma nação
árabe com a auto-estima restabelecida e tomando um lugar de destaque no mundo.
Passaram a integrar a ONU e a participar de diversos organismos internacionais, o
que levou a um amadurecimento da identidade nacional de cada país e de seu papel
no novo cenário que se descortinava.
Esta conscientização política e econômica dos países produtores de
petróleo coincidiu com um revigoramento do nacionalismo na estrutura da indústria
internacional de petróleo, abalada pelas recentes intervenções no Oriente Médio,
que visavam a garantir o controle do suprimento de petróleo, como a incursão anglo-
franco-israelense contra o Egito em 1956, numa represália à nacionalização do
Canal de Suez, promovida por Nasser 41 .
Devido à sua liderança, Nasser sofreu também toda sorte de
pressões em relação a seu papel na causa palestina. O Mundo Árabe acreditava
que se alguém podia fazer algo pelos palestinos, este alguém era Nasser. E ele
tentou, fechando o Golfo de Ácaba aos israelenses. O contra-ataque do estado
judeu, porém, foi devastador. No que ficou conhecida como a Guerra dos Seis Dias,
Israel não só destruiu a frota de aviões egípcios ainda no chão como ocupou o
Monte Sinai, as Colinas de Golã e Jerusalém Oriental 42 .Como se não bastasse o
impacto psicológico de ver os locais sagrados islâmicos ser ocupados por Israel,
tudo o que restava da Palestina árabe (faixa de Gaza e Cisjordânia) encontrava-se
sob ocupação.
Daí em diante, o cenário do conflito mudou: cresceu entre os
palestinos a crença de que só podiam contar consigo próprios e que, portanto, não
deveriam mais esperar pela ajuda de algum país árabe salvador. Tal expectativa se
confirmou quando o sucessor de Nasser, Anwar Sadat, selou um acordo de paz com
Israel e os países do golfo passaram a silenciar sobre a questão 43 .
40
Disponível na Internet em www.historia.uff.br/nec, acessado em 02/05/2006.
MARINHO, p.81
42
HOURANI, 1994, p.414
43
Ibidem, 414
4131
A ONU aprovou, em 1967, a resolução 242 que ordena a retirada
dos territórios ocupados, jamais obedecida por Israel e fonte de acalorados debates
já que é praticamente consenso entre os moderados de ambas as partes que a
eventual criação de um estado palestino dar-se-á nestes territórios atualmente sob
ocupação. A auto-estima árabe ficou ainda mais abalada e após serem derrotados
militarmente por Israel quatro vezes, surgiu entre os árabes a consciência de que a
Idade de Ouro do Islã só poderia ser restabelecida se estes desistissem de imitar as
ideologias ocidentais, e se voltassem para a sua própria que, afinal, teria origem
divina: o Islã. Seria o inicio de um movimento mundialmente conhecido como
fundamentalismo islâmico 44 .
Outra intervenção marcante do Ocidente foi a invasão anglo-
americana no Líbano e na Jordânia logo após a Revolução Iraquiana de julho de
1958, liderada por Abdul Karim Al-Qasim, que derrubou uma monarquia fantoche
pró-ocidental. O novo governo republicano, no entanto, herdou uma burocracia
pesada e uma economia completamente estagnada. Pelo menos 85% da população
era iletrada, os técnicos eram poucos e raros e a educação superior apenas
começava a surgir 45 . Todavia, as potências ocidentais consideravam o Iraque o mais
estável aliado do ocidente na região. Tal estabilidade, contudo, não era natural, mas
mantida por mais de 18.000 policiais que patrulhavam Bagdá, pela censura e
perseguição política 46 .
A ditadura local só era considerada progressista porque desde sua
instalação sempre atendeu os interesses das grandes multinacionais petrolíferas da
região. A massa iraquiana, que começava a clamar pela nacionalização da principal
riqueza do País, percebia como o mesmo processo ocorrido no Irã cinco anos antes
havia beneficiado seu vizinho e desejava usufruir o desenvolvimento econômico que
os royalties do petróleo poderiam trazer. Nasce uma conscientização de que os
países produtores possuíam anseios em comum e que, se trabalhassem unidos,
poderiam, obter resultados melhores do que assumir uma atitude de confronto com
as potências.
Na América Latina,a Venezuela passa a exigir maior participação do
governo no lucro das concessionárias estrangeiras, baixando um imposto adicional,
44
HOURANI, 1994, loc. cit.
O’CONNOR, p.340.
46
O’CONNOR, loc. cit.
4532
introduzindo na indústria petrolífera um conceito que transformaria as relações entre
ambos: a divisão igualitária do governo no lucro das companhias. A aceitação
dessas novas condições veio, no entanto, devido a vantajosas compensações como
a revalidação das concessões por mais quarenta anos.
O primeiro país a realmente utilizar o sistema 50-50 foi a Arábia
Saudita. O acordo foi vantajoso para a ARAMCO norte-americana, pois ficou
estabelecido que a parte paga ao rei Ibn Saud fosse dedutível do imposto de renda,
fazendo com que o fisco norte-americano deixasse de recolher mais de US$ 44
milhões de dólares, ficando para o consumidor final o ônus da negociação. Em
seguida, Iraque, Kuwait, Bahrein e Catar adotaram a divisão igualitária dos lucros,
que, em pouco tempo foi instituída como fórmula padrão para negociações. Todavia,
o acordo mais vantajoso para os países produtores ainda estaria por vir. A Agip,
estatal italiana, que esteve perto de fechar suas portas em meados da década de
1940 por não conseguir encontrar petróleo em solo italiano
nem no exterior,
convocou, numa última tentativa, o comissário Enrico Mattei, que fez então
propostas de associação com países como Egito e Irã, mas em vez de propor o já
instituído acordo 50-50, idealizou um esquema de 75-25 em favor do país produtor.
As condições eram inéditas para os países produtores (para se ter uma idéia no
inicio do século XX, o Irã recebia apenas 16% dos lucros 47 ).
A proposta consistia no seguinte: o presidente do Conselho de
Administração seria italiano, enquanto os cargos diretivos seriam divididos
igualmente entre iranianos e italianos. Os cargos técnicos seriam preenchidos
prioritariamente por iranianos, enquanto a mão de obra braçal seria totalmente
iraniana 48 .Estes acordos geraram uma verdadeira revolução nas relações entre
países produtores e as principais empresas do ramo petrolífero, conhecidas como as
Sete Irmãs: a) Socal.
b)Texaco.
c) Esso.
d)Mobil (membros da ARAMCO, na Arábia Saudita).
e) Gulf Oil, no Kuwait.
f) British Petroleum, no Irã, Iraque e Kuwait.
g)Royal Dutch Shell, em Omã, no Irã e no Iraque.
47
48
KINZER, 2004.
MARINHO, p. 10733
A partir de então os prazos de exploração passaram a ser menores,
as áreas menos extensas, prioridade no emprego de nativos, participação
obrigatória do governo hospedeiro em todas as fases de produção, enfim, criava-se
uma relação menos inspirada em resquícios do colonialismo e mais em um sistema
de parcerias.
A conscientização dos países produtores da importância de seu
produto para a economia mundial levou à criação, em outubro de 1960, da OPEP, a
Organização dos Países Exportadores de Petróleo. Seus membros fundadores
foram a Arábia Saudita, Irã, Kuwait, Iraque e Venezuela. Nos anos seguintes
ingressaram na organização o Catar, a Indonésia, a Líbia, Abu Dhabi (um dos atuais
Emirados Árabes Unidos), Bahrein, Argélia, Nigéria, Equador e Gabão. Para ser
admitido como membro-fundador ou membro integral (os que ingressaram depois) o
país em questão deveria exportar mais de 150 mil barris por dia e possuir interesses
semelhantes aos dos demais membros 49 .
Os principais objetivos da OPEP eram defender de forma
coordenada e unificada os interesses dos países produtores, garantir a estabilização
dos preços do petróleo, assegurar receitas estáveis aos países produtores assim
como a garantir o suprimento regular aos países consumidores e garantir aos
produtores um justo retorno do capital investido 50 .
A
princípio,
as
companhias
petrolíferas
simplesmente
não
reconheceram a autoridade da OPEP como representante dos países produtores e
resistiram o quanto puderam para aceitar suas resoluções como base para
negociações.
Porém, em 1965,ao transferir sua sede de Genebra para Viena, a
organização obteve do governo austríaco o reconhecimento oficial da OPEP como
entidade internacional, assim como o Conselho Econômico da ONU, o que forçou as
grandes companhias a considerarem a organização.
A indústria petrolífera passava naquele momento por um momento
crucial. As necessidades energéticas aumentavam continuamente devido a um
grande crescimento industrial, ocorrido em níveis acima dos esperados, da escassez
de gás natural nos EUA e do relativo abandono das minas de carvão na Europa.
Pelo lado da oferta a crescente onda de nacionalização na Argélia e no Iraque, a
ruptura do oleoduto Transarábico na Síria, que prejudicou enormemente as
49
50
MARINHO, p.116.
Ibidem, p.117.34
exportações sauditas e o fechamento contínuo do Canal de Suez, levou a uma
redução das quantidades disponíveis.
No Iraque, Qasim, que genuinamente pretendia melhorar as
condições de vida de seu povo, mas que não conseguiu cumprir as promessas de
desenvolvimento social, tentou demagogicamente a última cartada através da
nacionalização do petróleo, eliminando qualquer traço da existência da IPC, a Iraq
Petroleum Company, símbolo maior das práticas imperialistas inglesas.
Segundo
Marinho 51 ,nem
o
assassinato
de
Qassim,nem
as
retaliações das companhias expropriadas desviariam o Iraque da politização do uso
de seu petróleo.Em 1967, o governo iraquiano promulgava a lei que expropriava da
IPC as áreas antes exploradas por esta e repassando estes direitos à recém-criada
Companhia Nacional Iraquiana de Óleo (INOC). Assim, estava aberto o caminho
para que o Iraque negociasse contratos com a ELF francesa e a Braspetro, o braço
internacional da Petrobrás. A partir de 1970, a torneira do petróleo que fluía no
mercado internacional estava finalmente sob o controle real de um governo árabe.
Naquele mesmo ano, na XXI Conferência da OPEP, foi formulada a
resolução XXI/120 um marco no relacionamento entre a entidade e as companhias
internacionais. Os principais pontos desta resolução foram:
a) A uniformidade nos preços de referência de todos os países
membros a partir do preço mais alto vigente, no caso o da Líbia, levando em conta a
qualidade e localização geográfica de cada país.
b) A eliminação de qualquer tipo de desconto.
c) A elevação do percentual do imposto sobre a renda de 50% para
55%.
d) O aumento geral dos preços de referência e a indexação destes
aos preços industriais mundiais, para que o poder de compra de equipamentos dos
países produtores fosse estabilizado.
Após alguma resistência, as majors, com apoio do governo norte-
americano, concordaram em elevar os preços assinando em fevereiro de 1971, o
Acordo de Teerã. Após a conclusão deste acordo, que englobava apenas os países
do golfo, as atenções se voltaram para a Líbia e seu líder Muammar Kadafi, que
51
MARINHO, p.131.35
recusou um acordo global e preferiu negociar separadamente com cada companhia
interessada.
Depois do Acordo de Trípoli foram negociados acordos separados
com Arábia Saudita e Iraque, relativos à produção destes países que seria
exportada a partir do Mediterrâneo oriental. O ministro do petróleo saudita, sheikh
Yamani, negociando em nome do Golfo, criou o conceito de “participação” e
conseguiu em 1972 um acordo, que lhes dava imediatamente controle sobre 25% da
ARAMCO, que, aumentando 5% ao ano, chegaria em 1983 aos 51% almejados 52 . O
acordo mantinha o controle operacional e a parte burocrática nas mãos das
companhias o que claramente demonstra que o país queria apenas aumentar sua
participação nos lucros e não realmente se envolver em todo o trabalho de
prospeção e venda. O Kuwait recusou-se a assinar o acordo alegando que este não
representava uma mudança estrutural entre o país produtor e a companhia
petrolífera.
Em contrapartida a todos esses exaustivos acordos as companhias
petrolíferas obtiveram a garantia de que não haveria modificações substanciais nos
mesmos pelos cinco anos seguintes. Contudo, a estabilidade almejada por ambos
os lados não duraria muito.
Em 1968, foi criada a OAPEP (Organização Árabe dos Países
Exportadores de Petróleo). Esta “mini-OPEP” fundada pela Arábia Saudita, pela
Líbia pré-Kadafi e pelo Kuwait tinha como simples objetivo maximizar suas receitas
petrolíferas, sem nenhuma conotação política. O Iraque havia recusado a ingressar
no grupo, por considerá-lo uma “coligação de reacionários” 53 .
A ascensão ao poder de Kadafi, no entanto, afrouxaria as condições
de entrada no clube, o que permitiu o ingresso da Argélia, Abu Dhabi, Catar, Bahrein
e Dubai (atualmente parte dos Emirados Árabes Unidos).Em 1971,sob pressão de
líbios e argelinos são admitidos Síria e Iraque. O ingresso deste último levaria a
definitiva politização do petróleo árabe. Mas o estopim para a crise foi a aprovação,
pelo congresso norte-americano do envio de US$2,2 bilhões de dólares em ajuda
financeira à Israel na guerra do Yom Kippur, em 1973.Para os árabes,
especialmente os sauditas, que sempre se esforçaram para ter as melhores relações
possíveis com os Estados Unidos, o ato foi um ultraje.
52
53
MARINHO, p.47
MARINHO, p.15236
O desgaste entre árabes e norte-americanos já vinha desde
1971,quando o presidente Nixon suspendeu a conversibilidade do dólar em ouro,
desvalorizando a moeda, o que prejudicaria de sobremaneira os países membros da
OPEP, cujos preços eram cotados em dólar. Uma ajuda militar de tal monta ao maior
inimigo dos árabes, que ainda não haviam digerido a derrota em 1967 foi a “gota
d’água”.
A 17 de outubro de 1973 era declarado embargo contra os países
que apoiassem Israel na ocupação de territórios palestinos. Os produtores
comprometeram-se a reduzir sua produção em um milhão de barris por dia todos os
meses, até que o exército israelense se retirasse da Cisjordânia e da Faixa de Gaza.
O embargo era atenuado ou agravado de acordo com sua posição política: o país
consumidor poderia ser considerado amigo, neutro ou inimigo.
Na ocasião, houve uma massiva campanha anti-árabe na mídia
norte-americana para mostrar os árabes como milionários chantagistas que sequer
sabiam o que fazer com tanto dinheiro e, gananciosos, queriam ainda mais, gerando
aumento nos preços que prejudicava o trabalhador médio norte-americano
54
.Décadas de exploração do mundo árabe, lucros estratosféricos das companhias
às custas da mão de obra local que trabalhava em regime de semi-escravidão foram
solenemente omitidos, assim como os lucros das companhias norte-americanas com
o aumento dos preços.
As companhias petrolíferas não demonstraram muita resistência ao
embargo, repassando os aumentos (que chegaram a 70%) ao consumidor final,
obtendo assim lucros exorbitantes 55 .Em novembro, 25% da produção havia sido
cortada, levando o Japão e grande parte da Europa a um acelerado processo
recessivo. Segundo Marinho, o sistema de isenção dos “paises amigos”,foi
manipulado pelas companhias petrolíferas,que garantiam o suprimento com a
condição que estes reajustassem os preços a níveis estratosféricos.Tal dado
demonstra, claramente,que os cortes não estavam surtindo o efeito político
esperado 56 .Diante destes efeitos não desejados, a OPEP, por recomendação
saudita, decidiu não realizar o corte de 5% para europeus e japoneses que estava
54
MARINHO, p.52
Ibidem, p.154
56
MARINHO, p.155
5537
programado para o mês de dezembro. No final daquele mês, a OPEP decidiu, num
gesto simpático, incluir Japão e Bélgica na lista dos países amigos.
Entretanto, o uso do petróleo como arma política foi perdendo a
força com o cessar fogo entre egípcios e israelenses mediado pelo Secretário de
Estado norte-americano Henry Kissinger. Contudo, se o embargo não atingiu seu
objetivo principal, que era a retirada das tropas israelenses dos territórios palestinos,
ao menos teve o inegável mérito de chamar a atenção da opinião pública mundial
para a questão palestina e as condições em que estes vivem sob ocupação
israelense.
Numa breve conclusão, pode-se afirmar que crise de 1973
dificilmente teria ocorrido sem a existência de alguns fatores: o fervor nacionalista de
Iraque, Argélia e Líbia, encabeçados por Kadafi, a decidida liderança da Arábia
Saudita, maior produtora mundial de petróleo em colocar o embargo em prática e
obviamente, a extraordinária capacidade da OPEP de abarcar dentro de sua
organização as mais díspares tendências ideológicas sem perder, contudo a
uniformidade em suas decisões. Estes elementos fizeram daquele ano um marco na
relação
entre
países
produtores
e
companhias
petrolíferas,
sepultando
definitivamente a relação servil em que os países árabes eram colocados frente às
potências ocidentais numa espécie de resquício do colonialismo. Isto evidenciou o
surgimento de um novo e importante ator no cenário das relações internacionais, a
OPEP, que, em plena guerra fria conseguiu com que reivindicações de um grupo de
países do chamado terceiro mundo fossem atendidas.
1.3 BLOCOS ECONÔMICOS ÁRABES
No atual estágio da globalização, muitos países em desenvolvimento formaram
blocos regionais com o intuito de, unidos, fortalecerem-se nas negociações, e com
os países árabes não foi diferente. A Liga dos Estados Árabes é composta de 22
países, entre eles a Palestina, que é considerada país independente pelos demais
integrantes da entidade. Os países da Liga, somados possuem cerca de 270
milhões de habitantes e uma renda per capita média de US$2.182 dólares.38
Apesar de compartilharem a mesma cultura, idioma, e muitas vezes,
religião, há uma disparidade econômica muito grande entre os países de idioma
árabe, cuja renda per capita pode variar de US$ 260 (Sudão), a US$17.400
(Emirados Árabes, a nona maior renda per capita do mundo). Há países com mais
de 60 milhões de habitantes (Egito), e outros com menos de um milhão (Catar). A
associação foi criada em 1945, para estreitar os vínculos existentes entre seus
membros e coordenar políticas e atividades, o que fazem através de agências
especializadas como a de defesa e cooperação econômica, ciência e tecnologia,
desenvolvimento agrícola, etc. Conta com escritórios de representação em países
europeus, China e Estados Unidos.
O PIB dos 22 países, em 2000, de acordo com a publicação “World
in Figures – 2003” somava US$ 655 bilhões 57 . Suas exportações, em 2003, foram
estimadas em US$ 235 bilhões, das quais US$ 2,36 bilhões absorvidas pelo Brasil.
Nesse mesmo ano, as importações de US$ 173 bilhões, contaram com US$ 2,75
bilhões de origem brasileira.
Em termos de Brasil, o comércio com os 22
correspondeu a 3,76 % do total que exportou, e a 5,60 % do que importou. Do ponto
de vista dos 22 mercados, o Brasil constitui, quer como comprador, quer como
vendedor, um cliente que atua na periferia das transações, sendo que, na qualidade
do primeiro, as operações não foram além de 1,15 % do que exportaram para o
mundo. Na qualidade do segundo, suprimos não mais do que 1,59 % do que
adquiriram. A balança comercial com tais parceiros gerou em 2003 um saldo de
US$ 45 milhões a favor do Brasil. No ano anterior, havia sido US$ 240 milhões 58 .
Segundo classificação do Fórum de Pesquisa Econômica para os
Países Árabes e norte da África, os países destas regiões podem ser divididos em
quatro categorias: Produtores de Petróleo Misto; Conselho de Cooperação do Golfo
(CCG); Economias Diversas (ED), e Produtores Primários (PP). Um exemplo da
diversidade econômica da região é que, enquanto os produtores primários da região
respondem por 12% da população e 2% do PIB, o Conselho de Cooperação do
Golfo responde por 7% da população e 29% do PIB; as Economias Diversificadas,
por 48% da população e 28% do PIB; e os Produtores de Petróleo Misto por 21% da
população e 24% do PIB. Já há algum tempo, os países árabes vem tentando
unirem-se em blocos para se fortalecerem no mercado internacional.
57
58
Cf. FERREIRA-LOPES, p.22
Ibidem, p.2339
A primeira tentativa nesse sentido foi a assinatura do Tratado para
Defesa e Cooperação Econômica Conjunta, em 1950, por Egito, Jordânia, Líbano,
Síria, Arábia Saudita e Iêmen. Seus principais objetivos eram liberar o mercado (por
meio da redução tarifária), o capital e a mão de obra entre os países participantes.
Em 1964, houve uma segunda tentativa de integração regional, com a criação do
Mercado Comum Árabe, composto por Egito, Jordânia, Marrocos, Síria e Kuwait. Os
principais objetivos deste acordo eram abolir as restrições tarifárias e não-tarifárias
por um período de dez anos, estabelece uma tarifa interna comum e unificar as
políticas e a legislação econômica. Em 1981 foi estabelecido o já citado Conselho de
Cooperação do Golfo (CCG), formado por Arábia Saudita, Catar, Kuwait, Bahrein,
Omã e Emirados Árabes Unidos, com o objetivo de unificar as forças políticas,
econômicas e militares da região.
Este bloco surgiu de uma necessidade real: a auto-proteção, já que
estes países possuem, em conjunto, a maior parte das reservas petrolíferas
mundiais, mas são militarmente muito fracos. Outras organizações como a UMA
(União do Maghreb Árabe), formada pelos países islâmicos do norte da África e a
CCA (Conselho de Cooperação Árabe), formado por Egito, Jordânia, Iraque e
Iêmen, resultaram em redundantes fracassos, aliás, como todas as organizações
citadas com exceção do CCG
59
. Constituem mercados de ótima liquidez, sendo
amplas as possibilidades de negócios que oferecem no setor de compras e no de
serviços, como construção civil.
Exportaram US$ 163 bilhões, em 2002, e
importaram US$ 89 bilhões. Apesar de o Brasil, a exemplo do que se verifica na
Liga Árabe, ser superavitário nas transações com o grupo: US$ 1,44 bilhão de
exportações, em 2003, e US$ 988 milhões de importações, saldo, portanto, de US$
456 milhões, ainda é marginal a posição brasileira, no intercâmbio. Em relação às
correntes brasileiras de comércio, com efeito, as vendas correspondem a algo em
torno de 2 % do que o Brasil exporta para todo o mundo e a menos do que isso do
que dele importa.
Vários fatores são considerados essenciais para o êxito da
associação que se formou entre os seis. São países de língua comum, o árabe,
uma religião,o islamismo, protagonizam as mesmas condições históricas e
geográficas que lhes deram origem, possuem um bem comum, o petróleo, a fonte de
59
Cf. FERREIRA-LOPES (inédito), p.2640
energia por excelência do mundo, sobretudo a partir da Segunda Guerra,
estruturam-se, na política, como governos unitários fortes, com o propósito de
reduzirem o nível de dependência do petróleo e, na economia, aplicando um sistema
baseado na liberdade de ação da empresa privada, sem mecanismos restritivos à
concorrência, ao investimento, ao comércio e ao consumo. Tem, por outro lado, a
consciência de que o petróleo só se torna riqueza a partir do momento em que é
extraído das entranhas da terra e, portanto precisam da ajuda externa para a
prospeção do produto.
Na década de 1990, foi celebrado um acordo entre países europeus
e árabes, e depois entre os próprios árabes. O primeiro tipo é conhecido como
Aaem’s (Acordo de Associação Euro-Mediterrânea). São acordos recíprocos de
criação de Zonas de Livre Comércio entre europeus e árabes de forma individual.
Até 2001, Argélia, Tunísia, Egito, Marrocos e Jordânia e Autoridade Palestina já
haviam concluído tais acordos. Líbano e Síria estão em processo adiantado para o
estabelecimento de acordos similares 60 .Estes acordos, porém, cobrem apenas
produtos industriais. Os instrumentos de liberalização incluem a redução geral de
tarifas e a adoção de regras básicas de competição da UE. Os países árabes
fizeram estes acordos por temerem a exclusão da parceria com a União Européia
que vem se aproximando dos países que faziam parte do bloco comunista. Como
fatores positivos aos países árabes podemos citar a transferência de tecnologia,
know-how, alianças comerciais e investimentos estrangeiros diretos. Como
negativos, a desigualdade entre os mercados, já que as empresas européias de
exportação podem facilmente assumir o comando de suas similares nos países
árabes. O segundo tipo é o GAFTA (Zona Árabe Ampliada de Livre Comércio),
criado por iniciativa da Liga Árabe, tem por objetivo criar uma ZLC (Zona de Livre
Comércio) até 2007.
Nesse
estágio
de
integração
regional,
os
países-membros
concordariam em remover todas as barreiras tarifárias e não-tarifárias no mercado
mútuo, mas cada país é livre para manter suas tarifas externas para outros países.
Estabelecido em 1998, o GAFTA é menos ambicioso e mais prático que seus
predecessores, por incorporar compromissos específicos, e um calendário para uma
60
OMAR, 2001, p.12841
redução da tarifa linear progressiva e automática no prazo de dez anos, a 10% ao
ano.
Além disso, os países-membros puderam retirar alguns produtos da
redução tarifária pelo prazo de três anos. O estabelecimento de relações bilaterais e
a formação de grupos econômicos árabes, visa fortalecê-los, possibilitando maior
poder de negociação no mercado, ainda mais levando-se em consideração que
estes são os principais produtores da mais valiosa commodity do mundo, ou seja, o
petróleo. Os árabes possuem as maiores reservas de petróleo e ocupam uma das
áreas mais estratégicas do mundo no que diz respeito a riquezas naturais, e, por
isso, foram por diversas vezes alvo de potências hegemônicas.
Segundo Jeffery Schott, em seu artigo “Blocos Comerciais e o
Sistema de Mercado Mundial”, publicado em The World Economy, em 1991, há seis
condições básicas para a sobrevivência de qualquer bloco comercial . 61
a)
Os Estados-Membros devem ter níveis quase equivalentes de
PIB per capita, e as normas de consumo devem ser da mesma ordem. Se assim não
ocorrer, os vendedores de mercadorias baratas podem prejudicar os mercados
locais de países com melhor poder aquisitivo.
b)
Devem compartilhar uma situação geográfica comum e de uma
interligação entre as redes de transporte e comunicação.
c)
Deve haver o compromisso mútuo de supressão de barreiras
não-tarifárias e outras políticas estatais.
d)
Os países-membros devem possuir indústrias capazes de
participar ativamente do mercado interno do parceiro, e deve levar benefícios a
todas as partes envolvidas.
e)
É preciso haver um compromisso político com a organização
regional do mercado, ou seja, acordos peculiares ao grupo para que este realmente
funcione.
f)
Deve haver um Estado dirigente do bloco que, com o poder de
suas instituições financeiras, controle suas políticas fiscais e monetárias.
Para que estas condições se apliquem ao mundo árabe, no entanto,
seria necessário que os vinte e um países, tão heterogêneos política e
economicamente, se subdividissem em pequenos blocos mais semelhantes entre si.
61
Apud OMAR, 2001, p.13042
Segundo o embaixador José Ferreira-Lopes, um caminho seria a criação de um
bloco com países do Golfo (como já existe), um com o Maghreb menos Egito, um
com o Cham (Síria, Líbano, Palestina, Iraque e Jordânia), e um com Egito, Sudão e
Somália. Grupos assim atenderiam a todas as condições colocadas e teriam
melhores chances de serem bem-sucedidos.
Na situação atual da GAFTA, a moeda de cada um dos países
membros foi vinculada ao dólar norte-americano, cuja desvalorização era
desconhecida, o que, em princípio, fortalecendo a moeda local, desencorajava o
surgimento de outros produtos nacionais na pauta de exportação. O problema foi
solucionado com a concessão de subsídios que eram alimentados pelos saldos dos
respectivos balanços de pagamentos e não por meios inflacionários. Essa política
permitia a concorrência com produtos estrangeiros em outros mercados e no próprio
país, que não desejava criar barreiras alfandegárias, para não só evitar a inflação via
importação, como possibilitar reexportações para outros mercados da área. As
guerras Irã-Iraque, a primeira do Golfo e a iniciada em 2003, não têm impedido que
sejam alcançados os objetivos de integração embutidos no GCC, como idealizados
em 1981.
No período áureo da cotação do petróleo, os seis constituíram
fundos de investimentos, para o aproveitamento de oportunidades de lucros no
exterior.
Esses fundos são administrados, via de regra, por ex-operadores de
grandes bancos europeus, sobretudo britânicos, normalmente aposentados, que, em
troca de remuneração vantajosa e de um sem número de “fringe benefits”, aceitam a
tarefa de criar fontes de recursos independentes da renda gerada no segmento
petrolífero.
O Kuwait, antes de sofrer a invasão iraquiana, contava com um
fundo de US$ 100 bilhões para aplicação externa, que lhe rendia algo em torno de
US$ 10 bilhões, anualmente. O mesmo se verifica com o fundo dos Emirados, de
US$ 150 bilhões, relevante fonte de recursos, paralela à das vendas de seu principal
produto de exportação. Estimam-se em US$ 300 bilhões o criado pela Arábia
Saudita. Esses três fundos podem explicar os índices relativamente baixos de
expansão, registrados pelos três países, respectivamente, 2,5 %, 2,0 % e 2,0%, no
período 1980-2001, que se fez antes referência. A exemplo do que ocorreria com
países latino-americanos, depara-se com uma portentosa massa de recursos43
nacionais, cuja aplicação tem destino extra fronteira e não nas próprias economias
que os geraram. 62
No caso árabe, os referidos fundos são muito bem administrados,
com princípios rígidos de gerenciamento, que impedem, por exemplo, inversões,
numa empresa estrangeira, superiores a 5% de seu capital registrado, por melhor
que seja o índice de lucratividade que ofereça.
Como os preços do petróleo não ofereciam perspectivas favoráveis
a seus produtores, verificou-se uma mudança de diretrizes, no que tange à política
destinada a diversificar a economia do grupo. O emprego de tarifas, não só como
barreira protetora, mas também como fonte geradora de recursos, passou a ser
considerado o elemento preferencial para a expansão doméstica do GCC, de
proteção a suas indústrias nascentes.
Todos os seis membros são muito bem dotados de sistemas de
comunicações e rodoviários modernos. As estradas contam com pista dupla entre
as principais cidades, que são bem traçadas, seguindo normas urbanistas
prevalecentes nos países do primeiro mundo.
Os planos relacionados com a criação de uma indústria bélica
regional não estabelecem a adoção de equipamentos padronizados.
Cada país
pode adquirir ou fabricar aquilo que considere mais adequado à defesa de seu
próprio território.
Outra instituição importante é a Organização dos Países Árabes
Exportadores de Petróleo (OAPEP), com um PIB estimado em US$ 533 bilhões, em
2000, para os dez países que a integram, assim distribuído, na seguinte ordem
decrescente, em bilhões de dólares: Arábia Saudita, 173; Egito, 99; Emirados
Árabes Unidos, 66; Argélia, 53; Líbia, 40; Kuwait, 38, Iraque, 24; Síria, 17; Catar, 14;
e Bahrein, 8 bilhões. O Brasil foi deficitário, em US$ 276 milhões, no intercâmbio
com o grupo, em 2003. 63
A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) foi
criada, em Bagdá, em 1960, com o propósito de promover os interesses dos países
produtores. Só ia fazer valer sua força, no entanto, como já foi visto no dia 17 de
outubro de 1973, quando a Arábia Saudita, junto com alguns de seus parceiros,
impôs o embargo aos países aliados de Israel. Numa primeira etapa, as cotações
62
63
Cf. FERREIRA-LOPES, p.38.
Cf. Idem, p. 39.44
se elevaram de US$ 4,90 para US$ 8,25. Chegariam a mais de US$ 40,00. Na
época, houve quem vaticinasse US$ 100,00 para o fim do século passado, com
base, igualmente, em estatísticas que focalizavam o esgotamento das reservas. O
problema, porém, acabou por revelar-se menos de insuficiência do que de
concentração das fontes. A Arábia Saudita, com metade, e com mais quatro de
seus vizinhos, possuindo dois terços da disponibilidade mundial do hidrocarboneto,
contam, além do mais, com o menor custo de exploração do mundo.
Os que temem um novo embargo, diante da repetição do mesmo
cenário político a cuja formação se vai assistindo, no conflito Israel-Palestina,
semelhante ao que se formou há trinta anos, pregam medidas drásticas para reduzir
a demanda, o que, na prática já vem ocorrendo, pois o modelo econômico dos
países desenvolvidos de hoje, pende menos para o segmento industrial do que para
a tecnologia da informação e serviços, que, tipicamente, requerem muito menos
insumos energéticos. Os mais otimistas situam seus horizontes de ansiedade em,
no máximo, duas décadas, pois vislumbram a utilização de novos tipos de
combustível a partir do hidrogênio e do próprio etanol, mais limpos, mais bem
distribuídos, e não poluentes. Os onze integrantes da OPEP, que contavam, em
2000, com um PIB total de US$ 829 bilhões, são os mesmos da OAPEC, exceto
Síria e Egito, mas incluindo a Indonésia, a Nigéria e a Venezuela. Com aquele
grupo, diferentemente do ocorrido com este, as relações comerciais apontaram um
resultado positivo de US$ 302 milhões.
Caberiam, em relação à Liga Árabe, (com a qual, conforme já
assinalado, o Brasil conseguiu obter um saldo de US$ 45 milhões em 2003, sendo
que havia obtido US$ 240 milhões um ano antes), algumas observações, no que se
referem ao intercâmbio comercial do Brasil com alguns dos países que a compõem.
A Argélia se sobressai, pelo elevado superávit que mantém nas contas com o Brasil:
US$ 960 milhões, em 2003, contra US$ 927 milhões, em 2002, o que correspondeu
a quase cinco vezes o déficit brasileiro com a Arábia Saudita. Em 2001, havia sido
US$ 1,033 bilhão. O principal componente da pauta de importação brasileira, no
caso, é o petróleo. A Argélia, no entanto, importou gama expressiva e variada de
produtos, no valor de quase US$ 10 bilhões, no ano seguinte, e a participação
brasileira foi ínfima, não chegando nem mesmo a 1%. Com o Egito, o Brasil obteve
um superávit expressivo, no valor de US$ 427 milhões, só ultrapassados pelo obtido
com os Emirados Árabes Unidos·. O Iraque, não obstante as dificuldades por que45
passa sua economia, conseguiu acumular um saldo a seu favor de US$ 238
milhões. Já constituiu, antes da Primeira Guerra do Golfo, um excelente cliente de
manufaturados brasileiros.
Segundo o ex-embaixador do Brasil nos Emirados
Árabes, José Ferreira-Lopes, ao ser perguntado sobre quais as táticas comerciais
que o Brasil deve utilizar para reduzir seu déficit,
[…] não se deve atirar para todos os lados. Há que se proceder a uma
seleção de países, em função de sua afluência, liquidez internacional,
atitude em relação aos negócios, barreiras impostas à importação de bens e
serviços, tradição de pagamentos, postura ética, etc. Em seguida, se
ordenariam as pesquisas de mercados, projetando-se os produtos
tradicionalmente adquiridos de fora e os que se ofereceriam como
potenciais, por tal se entendendo os que o Brasil já exporta para outros
mercados ou poderiam vir a ser exportados.
As Monarquias Petrolíferas do GCC, por exemplo, preencheriam,
praticamente, todos os requisitos de seleção. São, no entanto, somente seis
dos 22 integrantes da Liga Árabe, que se caracteriza pela marcante
desigualdade entre eles existente, o que os inabilita, em sua maioria, a uma
participação maior nas correntes do comércio internacional. Além da
grande liquidez de que estão dotados os importadores dos países do Golfo,
há ambiente propício à realização dos negócios e poucas barreiras ao
comércio importador. Trata-se de clientes que adquirem, praticamente, de
tudo do exterior. Quanto a produtos, pode revelar-se conveniente não
oferecer itens que, eventualmente, possam ter aplicação alternativa, como a
bélica, por exemplo, no caso de aviões, pois a lembrança da Engesa ainda
é negativamente viva, em especial em Dubai, cujo mandatário, da família
Maktoum, desempenha funções semelhantes ao de um Ministro da Defesa.
A oferta de serviços, no entanto, mereceria atenção especial, sobretudo no
campo da construção civil.
A Argélia, especificamente, que acumula saldos vultosos no intercâmbio
com o Brasil, não oferece os mesmos tipos de vantagens encontrados em
entendimentos com outros parceiros nossos da área. O diálogo, com efeito,
com o referido país, não se reveste da mesma fluidez que nos beneficia nas
trocas com os Emirados, para citar somente um integrante de uma
associação que nos é extremamente salutar. Por não contarem com a
mesma afluência dos sauditas ou kuwaitianos, os argelinos deveriam ser
objeto de um plano de ação especial, por parte de nossos empresários.
64
Dos US$ 10 bilhões que importam somente parte ínfima cabe ao Brasil. ”
Para o Iêmen houve apenas exportações em 2003, num total de
US$ 105 milhões. Nada foi importado. Com o Marrocos, um intercâmbio de
elevadas cifras. O Brasil obteve um superávit de US$89 milhões em 2002, mas
reduzido, drasticamente, a US$ 25 milhões ano seguinte. Com a Síria foi obtido,
igualmente, um saldo positivo de US$ 56 milhões. Com o Líbano, foram US$ 48
milhões, e com a Tunísia, US$ 14 milhões.
64
(Informação verbal) em entrevista realizada pelo autor em 11 de junho de 2004.46
Com
base
neste
intercâmbio
e
nessa
relação
globalização/regionalização, a pergunta que se faz é: quais são os riscos e as
apostas para o mundo árabe diante desse processo? Será que o Mundo Árabe está
pronto para esta tendência baseada na economia de mercado, modelo adotado pelo
Brasil? Algumas medidas vêm sendo tomadas como reformas econômicas para que
as discrepâncias entre os países sejam minimizadas, diversificação da economia,
ênfase na produção de produtos para exportação e maior liberdade à iniciativa
privada.47
1.4 O B RASIL E A A RÁBIA S AUDITA
Como foi dito anteriormente as relações diplomáticas foram
estabelecidas em 1968. Enquanto o Brasil relacionava-se com Riad a partir de
Beirute, os sauditas relacionavam-se com o Brasil por meio de sua embaixada em
Washington.
Em 1973, ambos os países decidiram trocar embaixadas. No ano
seguinte, o Ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, Omar Al-Sakaf
visitou o Brasil. Durante esta visita foram discutidos projetos comuns tanto na área
política, quanto econômica. Sete pontos foram considerados prioritários:
a) Suprimento de bens e serviços á Arábia Saudita.
b) Suprimento de petróleo saudita ao Brasil.
c) Intercâmbio tecnológico.
d) Assistência técnica.
e) Associação de capitais privados e públicos de sauditas e
f) Cooperação financeira entre os dois países.
g) Intercâmbio cultural 65 .
brasileiros.
A 02/04/1975 foi assinado um acordo de cooperação econômica e
técnica entre os dois países. Neste acordo ambos comprometeram-se a cooperar
entre si, especialmente no setor agrícola e de transportes.
Segundo Al-Safi,
“Neste acordo as partes se propunham a desenvolver cooperação técnica e
econômica em espírito de mútua colaboração. Acordaram ainda, em tomar
medidas necessárias em vários campos de atividades, como no
desenvolvimento da indústria agrícola e pequenas indústrias
manufatureiras, e no desenvolvimento dos transportes aéreos e marítimos
mediante o estabelecimento de companhias conjuntas e/ ou mistas.
Foi acordado ainda promover a cooperação técnica entre os cidadãos
(inclusive entidades jurídicas) dos dois países, de acordo com as leis
vigentes em cada um dos países, dando ênfase especial ao
estabelecimento de empreendimentos e companhias e/ ou mistas, inclusive
estimulando o investimento de cada país no território do outro. […] as partes
contratantes acordaram em tomar medidas para incentivar a cooperação
técnica, o intercâmbio de informações científicas e tecnológicas, inclusive
facilitando as várias formas de cooperação técnica entre os dois países. E
com esta finalidade foi decidido estabelecer uma comissão mista, bem
como vários grupos de trabalho devendo a Comissão reunir-se
65
FERREIRA-LOPES (inédito) p.17848
alternadamente uma vez por ano ou periodicamente quando julgado
66
necessário.”
No entanto, esta comissão citada acima só se reuniu quatro anos
depois em 1979. Do lado brasileiro estava Marco Azambuja, responsável pelo
departamento de África, Ásia e Oceania do MRE. Pelos sauditas estava Abdullah
Alireza, vice-ministro de Assuntos Econômicos e Culturais do MRE saudita. Para a
delegação brasileira o mais importante era equilibrar a balança comercial entre os
dois países, já que na época o Brasil importava US$1,2 bilhão de dólares anuais em
petróleo e derivados e exportava apenas US$20 milhões. Naquele ano, a Arábia
tornou-se a principal fornecedora do Brasil, representando 34,4% no valor total das
importações brasileiras de petróleo bruto, a frente do Iraque (29%), Kuwait (10,1%),
Líbia (7,5%) e Irã (5,4%). Em 1974, o Brasil havia sido o principal consumidor de
petróleo saudita na América Latina e o sétimo mundial.
Em 1976, o Ministério das Relações Exteriores encomendou ao seu
Departamento de Promoção Comercial, um perfil econômico-comercial da Arábia
Saudita. Era interessante informar-se sobre um país que vinha crescendo num ritmo
impressionante naqueles anos, embora fosse de conhecimento geral que esta
pujança devia-se quase que única e exclusivamente ao petróleo, que correspondia a
85%do seu PIB. Sabia-se também que a ARAMCO era responsável por 96% da
prospeção, e que a taxa de emprego vinha crescendo a taxa de 6% ao ano não só
por causa do petróleo, mas também devido à agricultura e obras de engenharia civil.
As principais conclusões do relatório foram as seguintes 67 .
a)
Em 1975, o continente americano importou 15,9% do total das
exportações sauditas. Destes, o Brasil era então responsável por 3,7%.
b)
De acordo com a CACEX e o CIEF, o intercambio comercial
Brasil-Arábia Saudita registrou um valor de US$990,3 milhões em 1975, um
decréscimo de 17% em relação a 1974, que por sua vez havia sido 347,9% superior
a 1973.
c)
As exportações brasileiras tiveram um crescimento gigantesco:
de US$96 mil em 1971 para US$14,4 milhões em 1975, ou seja, 161,8% superior a
1974. Ainda assim a Arábia Saudita figurava apenas em quarto lugar na lista
brasileira de exportações para o Oriente Médio, ficando atrás de Irã, Iraque e Síria.
66
67
AL-SAFI, 1993,.p.178-179
DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO COMERCIAL DO MRE, 1976, p.1-3249
d)
No período compreendido entre 1971-1975, exatos 93,5% do
que o Brasil importou restringiu-se a petróleo e derivados.
e)
Os principais produtos exportados para a Arábia Saudita em
1975 foram:
– Açúcar refinado (36,1%).
– Extrato de tomate (21,8%).
– Frango Congelado (8,8%).
– Caminhonetes pesadas (6,1%)
– Automóveis de passeio (4,7%)
– Rolos compressores (1,9%)
– Refrigeradores elétricos (1,7%)
– Geléias de frutas (1,6%)
– Furgões e similares (1,5%).
Contudo, quando o Brasil despertou para as possibilidades do
mercado saudita, percebeu que dificilmente entraria no mercado interno local como
havia entrado nos demais mercados árabes, pois os sauditas acreditavam piamente
na livre concorrência, com intervenção mínima do Estado ao contrário do que ocorria
com outros parceiros como Líbia e Iraque. Isto significava que o Brasil teria que
concorrer diretamente com europeus e norte-americanos. Ocorreu uma desastrada
tentativa de ingressar no mercado de azulejos e louças sanitárias que malogrou
devido a péssima qualidade dos produtos. Situação semelhante ocorreu com
laminados e compensados de madeira brasileiros.
Para ajudar a equilibrar a balança comercial o governo saudita
realizou uma pesquisa e por fim encontrou algo que pudesse lhes interessar: armas.
Foram vendidos aviões Embraer 11M e tanques X-142
68
.Os EUA, líderes deste
mercado na Arábia Saudita, tentaram por várias vezes colocar obstáculos à entrada
brasileira no mercado. Contudo, devido ao desconhecimento acerca de como se
fazem negócios nessa área, a compra de armas, sigilosa no mundo todo foi
amplamente divulgada pela mídia brasileira, o que melindrou muitos compradores
sauditas. Na década de 1980 o superávit a favor dos sauditas já chegava a US$6
bilhões, pois devido a guerra Irã-Iraque, o Brasil teve de procurar mercados
alternativos de abastecimento.
68
DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO COMERCIAL DO MRE, 1976, p.19550
Em maio de 1981, uma missão de empresários liderada por Ismael
Abu Dawood veio ao Brasil e, se não efetuou grandes negócios, deu uma grande
lição ao empresariado brasileiro: profissionalizar-se, cumprir as regras mais
elementares do comércio internacional como a regularidade dos transportes, o
cumprimento dos prazos de entrega e freqüência de mercado. O ano de 1981 foi um
ano agitado nas relações entre os dois países: naquele ano além da missão
Dawood, vieram ao Brasil o ministro da indústria e eletricidade saudita Ghazi Al-
Gosaibi, o presidente do Fundo de Desenvolvimento da OPEP, e o príncipe Saud Al-
Faiçal Ibn Abdul Aziz Al-Saud, Ministro dos Negócios Estrangeiros. A visita deste
último era motivada pela intenção de desenvolver um projeto nuclear pacífico em
conjunto com o Brasil. A Arábia havia tentado levar este projeto adiante juntamente
com o Canadá, que não aceitara por pressão dos EUA. Os norte-americanos
alegavam preocupar-se com a possibilidade desta tecnologia ser transferida para o
Paquistão, cujo projeto nuclear era financiado pelos Saud. Nesta visita foi assinado
um Acordo Básico de Cooperação Científica e Técnica. Em seguida o Brasil enviou
a Jeddah, o presidente do Banco Central, Geraldo Langoni e o Ministro da Fazenda
Ernane Golvêas na expectativa de que as exportações brasileiras pulassem de
US$160 milhões para US$650 milhões de dólares em 1984. 69
Em 1982, veio ao Brasil, o ministro do petróleo saudita Ahmed
Yamani, presidente da OPEP. Sua posição fez com que sua visita fosse cercada de
expectativas. Esta visita, porém, foi considerada mais diplomática do que de
negócios, embora estivesse na sua agenda a questão do reequilíbrio da balança. O
ano de 1984 foi o ápice das relações entre os dois países, com a vinda da missão do
Ministro da Defesa, o príncipe Sultan Bin Abdul Aziz, que visitou a indústria bélica
brasileira e gostou do que viu. Segundo analistas, a escolha do Brasil como parceiro
comercial foi feita devido a influência do lobby judaico em Londres que impedia os
EUA de vender para a Arábia Saudita as armas que estes procuravam. O lança-
foguetes Astros II, e o tanque Osório de eficiência comprovada na guerra Irã-Iraque,
foram os principais itens negociados. A reação dos países desenvolvidos não
tardou. França e EUA acusaram o Brasil de praticar dumping na venda de armas na
Europa e EUA. Brasília alegava por sua vez que todo o material brasileiro à venda
no mercado resultara de pesquisas e eram versões melhoradas do Astros II e do
69
DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO COMERCIAL DO MRE, 1976, p.202.51
Osório. Em 1987, o Brasil desenvolveu o Osório EE-TI, que apesar de vencer todas
as provas de tiro, de rapidez na areia e outras, foi rejeitado. O governo de Riad seu
a cedendo a pressões, decidiu por ficar com o concorrente norte-americano M-1
Abram.
Ao contrário do que a imprensa brasileira alardeou a venda de
armas não eliminou o desequilíbrio na balança. Em março de 1986, o ministro Abreu
Sodré empreendeu viagem à Arábia Saudita com o declarado propósito de obter
informações sobre as possibilidades de empresas brasileiras de engenharia no país
para a construção de pólos petroquímicos.
Os jornalistas que acompanharam a chamada missão Abreu Sodré,
alertaram o público brasileiro para as principais dificuldades que seriam encontradas
no intercâmbio entre os dois países. Entre elas o fato de que a Arábia Saudita não
era mais um país de dinheiro fácil desde a queda do preço do petróleo, que o
mercado saudita era capitalista, competitivo e sofisticado com pouco espaço para
produtos brasileiros, que as oportunidades de emprego para brasileiros estava
praticamente limitadas a prática do futebol e, por fim,que a rigidez religiosa do país
poderia dificultar muito a adaptação de trabalhadores brasileiros 70 .
A criação da OPEP, e o embargo imposto por esta organização foi
um marco nas relações entre o Terceiro Mundo e os países desenvolvidos.
Influenciados pelas idéias da Conferência de Bandung, os países árabes
conseguiram uma clara demonstração do poder que os primeiros poderiam ter se
trabalhassem de forma coordenada. Antes do embargo, os países árabes haviam
tentado dois caminhos para negociar seu petróleo com as companhias estrangeiras:
o primeiro mais conciliatório, como fez a Arábia Saudita que obteve a maioria das
ações da ARAMCO ou mais agressivo, como a nacionalização pura e simples,
realizada pelo Iraque em 1958.
Comercialmente, os árabes vêm tentando se unir em blocos desde a
década de 1950, mas devido a disparidade de desenvolvimento sócio-econômico
entre os membros, somente o Conselho de Cooperação do Golfo (CCG),não por
acaso o mais homogêneo,foi bem sucedido.É ilusório crer numa “União Árabe”,por
se tratar de países com nível de desenvolvimento muito desigual.Porém,utilizando
70
AL-SAFI, 1993,.p.21352
os critérios estabelecidos por Schott poderiam ser criados três ou quatro blocos no
norte da África e Oriente Médio,com maiores possibilidades de sucesso.
2
POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA (1973-1985)
2.1 ANTECESSORES DE GEISEL
A política externa do governo Geisel representou o auge das
relações pragmáticas e focadas no interesse comercial brasileiro. Portanto, não se
tratou de uma inovação revolucionária. Em diferentes graus, vários governos
anteriores a Geisel pautaram sua política externa no aumento das exportações e
conseqüente busca de mais divisas. A título de ilustração faremos agora uma breve
retrospectiva dos antecessores do governo Geisel, a começar por um cuja política
externa mostrou-se bastante parecida com o “Pragmatismo Responsável”: a PEI, ou
Política Externa Independente,estabelecida nos governos Jânio Quadros e João
Goulart. Esta política partia de uma visão global, embora sem descuidar do regional,
buscando um caminho independente no contexto da Guerra Fria. A PEI não assumia
compromissos com norte-americanos ou soviéticos e procurava simplesmente obter
vantagens para o Brasil, às vezes até se aproveitando da bipolaridade como meio de
barganha. As principais características da política externa do ministro Afonso Arinos
era o alargamento dos horizontes de suas relações que não se restringiriam mais
aos EUA e a Europa Ocidental somente, a isenção de compromissos ideológicos, a
ênfase na divisão norte-sul e não leste-oeste, ampliação das relações internacionais
com objetivos puramente comerciais e adoção férrea dos princípios de
autodeterminação dos povos e não-intervenção 71 .Para Jânio Quadros tratava-se de
uma política que visava defender os direitos do Brasil, sem recorrer a alinhamentos.
Contudo, em artigo publicado na Revista Brasileira de Política Internacional e mais
tarde na norte-americana Foreign Affairs, Jânio faz um alerta (que muitos
interpretaram como chantagem),de que cabia às grandes potencias ocidentais
provar que o capitalismo também poderia cumprir as promessas de desenvolvimento53
do comunismo.Em outras palavras,o presidente afirmava que,se não houvesse
cooperação entre países capitalistas desenvolvidos e subdesenvolvidos,alguns
poderiam optar pelo comunismo 72 .Manter relações equânimes tanto com leste como
com
oeste,era
uma
maneira
eficiente
de
aproveitar
todo
o
potencial
brasileiro.Afinal,o Brasil não era signatário de nenhum tratado que o forçasse a
intervir no conflito entre norte-americanos e soviéticos,e a inclinação natural do país
era atuar pela paz e pelo relaxamento da tensão internacional 73 .Tal postura sofria
influência da Conferência de Bandung,que pregava uma via alternativa,fora da
bipolaridade da Guerra Fria.Esta linha de pensamento em que os Estados agem a
principio em beneficio próprio era uma crítica ao alinhamento aos norte-americanos
desenvolvido no ISEB (Instituto Superior de Estudos Brasileiros),órgão engajado na
criação de uma ideologia nacional-desenvolvimentista 74 .Também foram importantes
na formulação da PEI,as teses da CEPAL (Comissão Econômica para a América
Latina),órgão subordinado ao Conselho Econômico e Social da ONU.Surge o
paradigma do “globalismo”,que se contrapunha ao “americanismo”,cuja idéia central
era que a aproximação com Washington aumentaria o poder de um país.Segundo o
“globalismo” ,a diversificação de parcerias aumentaria o poder de barganha de um
país,inclusive com os EUA 75 .
Uma das marcas da política externa do governo Jânio foi a
aproximação com o continente africano. Foram abertas novas embaixadas e
acordos culturais foram selados. Porém, na diplomacia, não demonstrou coerência
com seu discurso anti-colonialista e pela autodeterminação e absteve-se de votar
pela independência de Angola na ONU, devido a compromissos anteriores com
Portugal. Outro episódio que marcou o governo Jânio foi a recusa em apoiar a
intervenção norte-americana a Cuba em 1961,quando o governo Kennedy tentou
derrubar o regime de Fidel Castro,usando refugiados do regime de Fulgêncio
Batista. Em reunião com o presidente argentino Arturo Frondizi em abril de 1961,
Jânio chegou a propor a criação de um bloco neutralista no Cone Sul, proposta essa
prontamente rejeitada pelo líder argentino, contrário ao afastamento com os EUA.
71
BUENO, 1992, p.280
QUADROS, 1961, p.154
73
Idem. (p.155)
74
http://www2.mre.gov.br/acs/diplomacia/portg/h_diplom/pd020.htm acessado em 09/12/2006.
75
Idem.
7254
O governo de Jânio Quadros foi marcado pela ambigüidade.
Conservador no plano interno, ousado no plano externo, o presidente tomou atitudes
que agradou a setores esquerdistas, como o apoio a revolução cubana e ao
reatamento com a URSS, mas desagradou a UDN que o havia apoiado nas
eleições.A falta de apoio do Congresso que o levaria a renúncia também pode ser
atribuída a PEI que desagradava lideranças conservadoras como Carlos Lacerda 76 .
Com o fim precoce do governo Jânio, o vice-presidente João Goulart
assume e indica San Tiago Dantas, como novo Ministro das Relações Exteriores. As
principais características da gestão Dantas a frente do MRE foram: a independência
na escolha das alternativas internacionais, tendo como suporte básico o interesse
nacional; o principio da não intervenção e da autodeterminação dos povos e ainda a
procura pela expansão de mercados em prol do desenvolvimento nacional. Dantas
não só manteve as diretrizes básicas de seu antecessor como tornou-se um dos
principais ideólogos da PEI.Manteve uma postura de considerar exclusivamente os
interesses nacionais e na igualdade sem alinhamento a blocos.Manifestou-se a favor
de uma aproximação maior com a Argentina e o restabelecimento de relações com
países socialistas,embora isto não significasse,segundo suas palavras,simpatia ou
sequer tolerância a regimes alternativos á democracia ocidental 77
Em janeiro de 1962, OEA (Organização dos Estados Americanos)
propôs a expulsão de Cuba da organização devido ao rompimento do governo
revolucionário de Fidel Castro com os compromissos democráticos firmados pelo
país em cinco ocasiões anteriores ao regime comunista lá instaurado. Para Dantas,
contudo, isolar o regime cubano apenas o empurraria ainda mais para a órbita
soviética.Como acreditava piamente no sistema democrático,o governo brasileiro
tinha esperanças de que a neutralização do regime cubano,mas sem isolamento
total,poderia atrair o país para a abertura democrática.Apesar da proposta
brasileira,Cuba foi excluída da OEA.Brasil,Argentina,Chile,Bolívia,Equador e México
abstiveram-se de votar 78 .
No governo João Goulart, finalmente foram restabelecidas as
relações com a URSS. Foi a execução de um projeto que já vinha desde o governo
de Juscelino Kubitchek, que reatara relações comerciais com aquele país. Portanto,
76
BUENO, 1992. (p.293)
Idem. (p.296)
78
Ibidem. (p.305)
7755
a normalização das relações diplomáticas nada mais era do que um passo adiante
no projeto do governo de ampliação de mercados para o Brasil. Aqueles que
apoiaram a aproximação citavam o fato da URSS representar um mercado
gigantesco, repleto de oportunidades comerciais, mas os críticos da idéia lembravam
que as importações de produtos brasileiros pelos soviéticos eram insignificantes e
que seus produtos eram de qualidade duvidosa.
Apesar das semelhanças é um equívoco ver a política externa de
Jânio Quadros e João Goulart como uma unidade. No primeiro, o Brasil barganha e
“ameaça” os EUA com o não-alinhamento. Já no segundo é dada maior ênfase no
desenvolvimento econômico em detrimento de questões ligadas as relações leste-
oeste. Goulart acabou deposto, mas o modelo do “globalismo” não estava esgotado,
sendo retomado por Geisel anos mais tarde.
Após o Golpe de 1964, em que os militares chegaram ao poder, houve
uma mudança drástica na política externa brasileira. Se no breve período de Jânio
Quadros e João Goulart, o Brasil aproximou-se do movimento dos não-alinhados, o
primeiro presidente militar, Castelo Branco, influenciado pelas teorias da ESG
(Escola Superior de Guerra),optou por alinhar-se aos EUA e abraçou a luta contra
o “perigo comunista”. Em seu governo houve o reconhecimento da liderança norte-
americana em nível continental.Porém, segundo Shiguenoli Miyamoto o alinhamento
automático é um mito. Mesmo no discurso de julho de 1964 quando Castelo Branco
afirmou que o Brasil fez uma opção pelo sistema democrático ocidental ele
ressalvava que
[…] a nossa independência se manifestará na aferição de cada problema
especifico, estritamente em termos de interesse nacional, com margem de
aproximação comercial técnica e financeira com países socialistas desde
79
que estes não procurem invalidar nossa opção básica .
No mesmo discurso o presidente reconhecia os EUA como
representantes da democracia e dos valores da civilização ocidental, mas que o
alinhamento só ocorreria se não houvesse choque com os interesses brasileiros 80 .
Seu Chanceler, Vasco Leitão da Cunha já havia muito antes de Azeredo da Silveira
afirmado de que o Brasil deveria “exportar ou morrer” e que o interesse comercial
deveria estar acima de qualquer tipo de diferença política ou ideológica.
79
80
Apud: MIYAMOTO, 1985 p.138
MIYAMOTO e GONÇALVES, 1991, p.2256
Apesar do mito do alinhamento automático, é fato que o governo
militar logo demonstrou estar em sintonia com os norte-americanos, rompendo
relações com Cuba, aceitando fazer participar da invasão da República Dominicana
em 1965 e apoiando a criação da Força Interamericana de Paz, cuja função seria
intervir em países onde surgissem focos revolucionários 81 .
Desde o principio o governo Castelo Branco identificou sua política
externa priorizando a América Latina, seguida do restante do continente americano.
Um dos pilares teóricos da política do primeiro governo foi a Escola
Superior de Guerra. A ESG foi criada pela lei 785 de 20/08/1949, com a finalidade
de ser um instituto de altos estudos para o desenvolvimento de uma Doutrina de
Segurança Nacional. Desde o inicio sua atuação foi bastante controversa, chegando
a ter sua existência ameaçada no final do governo Vargas, devido ao clima golpista
que reinava na instituição 82 .
Com os militares no poder os teóricos da ESG, buscavam em troca
do alinhamento com Washington, apoio econômico. Para mostrar que suas
intenções eram sinceras, rompeu relações com Cuba em maio de 1964, e chegou a
enviar tropas à República Dominicana, com o declarado objetivo de impedir que a
guerra civil naquele país levasse ao estabelecimento de um regime similar ao de
Fidel Castro. Esta postura era vista com antipatia pelos demais países latino-
americanos, pois o Brasil parecia não se interessar pelos problemas da região e
comportava-se como se estivesse prestes a entrar no seleto clube dos países do
Primeiro Mundo a qualquer momento.
Castelo criticava o neutralismo da PEI, identificando-o com a
passividade, falta de determinação e fuga da realidade internacional. O presidente
também afirmava que a independência completa era uma utopia, pois nenhum país
era capaz de se defender sozinho, e, portanto, o alinhamento a um dos blocos, no
caso obviamente o norte-americano era indispensável.
André Reis da Silva observa que esse discurso calcado na Guerra
Fria utilizado, sobretudo para consumo interno. O “perigo comunista” legitimava a
intervenção realizada pelos militares e até o próprio regime. Já no plano
externo,assim como Jânio,Castelo Branco usava a possibilidade de uma revolução
como elemento de barganha com os EUA para obter recursos que impulsionassem o
81
82
http://www.ilea.ufrgs.br/nerint/artigos/andreReis/CasteloBranco.rtf acessado em 03/12/2006.
MIYAMOTO e GONÇALVES, 1991, p.07.57
desenvolvimento do país. Apesar do discurso, o governo manteve as relações
comerciais com os soviéticos sem maiores crises de consciência 83 .
Assim que o novo regime assumiu, sua equipe constatou que o
Brasil só retomaria o crescimento se recebesse grandes investimentos do exterior.
Os EUA foram considerados os parceiros ideais nessa busca por divisas, pois esta
aproximação proporcionava vantagens comerciais e justifica internamente o regime.
Porém, em nenhum momento o governo brasileiro abriu mão de seus próprios
interesses comerciais em prol dos norte-americanos, mas sim se considerava um elo
entre os EUA e a América Latina, e guardião dos valores democráticos ocidentais na
região.
A ESG, centro aglutinador da elite militar, apelidada “Sorbonne” foi
responsável pela formulação da Doutrina de Segurança Nacional (DSN) e por um
projeto de grandeza: o Brasil Potência. É nesta Escola que surgem os primeiros
estudos fazendo referência a idéia de que a capacidade do País era sempre sub-
aproveitada e o papel de destaque que o Brasil teria no cenário internacional se
seus recursos fossem corretamente utilizados. Neste tema destacam-se Carlos de
Meira Mattos e Golbery do Couto e Silva, cujos trabalhos voltavam-se principalmente
para o binômio segurança e desenvolvimento.
O general Meira Mattos, em textos produzidos entre 1975 e 1977,
procurou demonstrar a viabilidade do projeto Brasil – Potência. Segundo ele uma
potência deve preencher alguns pré-requisitos como dimensão e ocupação
geográfica, população e recursos naturais, capacidade militar e coesão interna,
sendo que os dois primeiros itens já encontravam-se satisfatoriamente preenchidos.
Fica bastante clara a influencia das idéias de Hans Morgenthau que, aliás,
adicionaria a essa lista mais alguns elementos bastante subjetivos, como o caráter a
e moral nacionais. Todavia, Morgenthau lista também fatores que podem limitar o
poder nacional, como as alianças entre os Estados, a balança de poder e a opinião
pública internacional. O resultado de todos estes itens determina o alcance do Poder
Nacional de cada país no teatro das relações internacionais.
No entanto, não há uma única metodologia universalmente aceita
para que um país seja considerado uma potência. Por exemplo, de acordo com
Kenneth Organski, o principal critério para aferir o desenvolvimento de um país é
83
http://www.ilea.ufrgs.br/nerint/artigos/andreReis/CasteloBranco.rtf acessado em 03/12/2006.58
seu PNB, segundo este critério o Brasil possuía a décima economia do mundo.
Todavia, segundo Wayne Selcher, o Brasil era uma potência média, mas com
dificuldades de ascensão devido a relativa pobreza mineral e a seus problemas
internos, como a dependência tecnológica, a dívida externa altíssima e até a
dificuldade em produzir alimentos (em 1980, o Brasil teve que importar trigo) 84 .
Quando Médici falava em Brasil Potência estava mais preocupado
em calar críticas internas do que qualquer outra coisa. Além disso, havia entre os
economistas
duas
correntes
constantemente
em
atrito.
A
primeira,
dos
mercantilistas, que priorizavam o comércio e acreditavam que o Brasil poderia
chegar ao nível de potencia mundial, e os depedentistas, como Pinto Ferreira e
outros ligados á CEPAL que viam a atual posição de potencia mediana como o grau
máximo que o Brasil poderia atingir, e pregavam que o melhor era aceitar as
desigualdades históricas como inevitáveis e procurar o desenvolvimento dentro de
possibilidades limitadas.
Outra característica do período foi o apego total ao Direito
Internacional,
reivindicando
a
autodeterminação
dos
povos
e
o
não-
intervencionismo, bandeiras típicas de países em desenvolvimento. Apesar disso,
durante o governo Médici, a crítica brasileira restringiu-se aos foros multilaterais e
em nenhum momento o Brasil confrontou seriamente os interesses das grandes
potencias.
Shiguenoli Miyamoto faz uma análise interessante sobre a
inviabilidade dos sonhos de grandeza dos militares no final do seu livro “A
Geopolítica e o Brasil – Potência”,
Um país que não tem condições sequer de ser auto-suficiente em
abastecimento, lembra-nos Gramsci, é um país secundário.Como
considerar-se uma potência se não dispõe de condições para impor a
manutenção de pactos? […]Os países que não forem capazes de romper
essas barreiras nunca passarão de coadjuvantes no cenário
internacional.Poderão no máximo ter direito de voto, mas nunca direito de
veto nas grandes decisões internacionais, porque calculado na perspectiva
de uma guerra a possibilidade de intervenção é reduzida.Devem portanto
contentar-se com uma posição de destaque apenas ao nível regional.Por
sua vez, uma potência regional é apenas uma potência média, porque a sua
capacidade de ação encontra-se delimitada geograficamente ao seu próprio
85
subsistema .
84
85
MIYAMOTO, 1985, p.34.
Ibidem, 1985, p.35.59
Mesmo com todos esses pontos negativos, o regime brasileiro
perseguiu o crescimento por meio da ênfase nos grandes projetos como a
construção de usinas hidrelétricas e nucleares, o estimulo às exportações e a
criação de uma indústria de guerra através da IMBEL-Indústria de Material Bélico,
que cresceu rapidamente.
Já o conceito de Segurança foi mudando de acordo com o contexto
interno. Como havia a necessidade que o grupo detentor do poder tomasse medidas
impopulares como o arrocho salarial para executar suas idéias desenvolvimentistas
a repressão a oposição foi realizada em nome da Segurança Nacional. Assim
também eram todos os setores importantes de um governo como saúde, educação,
transportes eram vistos sob o prisma do Poder e da Segurança 86 .
Depois de dois conflitos mundiais, era firme a convicção de que um
terceiro era apenas questão de tempo, devido às crescentes tensões entre EUA e
URSS, e, portanto, o Brasil deveria estar preparado. De acordo com o ex-presidente
Ernesto Geisel, a ESG foi criada com colaboração e influência de oficiais norte-
americanos. Era uma escola em que civis e militares, ambos selecionados,
realizavam um intercambio e discutiam vários aspectos da vida nacional, em termos
de desenvolvimento e até sobre qual seria o papel da população civil num eventual
esforço de guerra. Era importante para a ESG que os civis se conscientizassem de
que a defesa do país não era uma atribuição exclusiva dos militares, mas de um
esforço conjunto de toda a sociedade 87 .
Contudo, não foi a ESG que trouxe ao Brasil o conceito de “guerra
total”, mas apenas o adaptou ao contexto da Guerra Fria. Tal conceito foi
popularizado pelo general alemão Erich Von Ludendorff, em livro homônimo.
Segundo ele, o modelo de guerra localizada contra inimigos conhecidos e definidos
estava ultrapassada, pois com a ascensão das superpotências e seu poder de
destruição, o conflito passaria a ser global existindo em todos os níveis inclusive
interno. No caso brasileiro o inimigo interno era o comunismo e os movimentos
sociais de esquerda. Como Ludendorff acreditava que o estado de guerra passaria a
ser a regra e não mais a exceção, a Nação e os Estados deveriam se colocar a
serviço do Exército 88 .
86
MIYAMOTO, 1985, p.15
D’ARAUJO e CASTRO 1997, p.109.
88
PEREIRA, 1988, p.253.
8760
Segundo Ubiratan Borges de Macedo, a doutrina da ESG representa
a evolução do nacionalismo de Alberto Torres e Oliveira Vianna. O primeiro
preocupava-se com a organização e futuro do Estado Brasileiro, criando uma
soberania real e não apenas protocolar. Vianna, por sua vez, criou a propagou o
conceito de Política Nacional, referindo-se ao conjunto de objetivos maiores e
duradouros de um país 89 . Segundo a doutrina elaborada pela ESG a função das
elites é de levar ao povo imaturo os chamados objetivos nacionais permanentes.
Tais objetivos consistiam na preservação do território, na integração nacional, no
aperfeiçoamento políticos dos princípios democráticos, na melhoria da qualidade de
vida da população, e na reafirmação da soberania e autodeterminação brasileiras 90 .
De acordo com o autor, a grande contribuição da ESG foi a inclusão do tema
“Segurança Nacional” em nível acadêmico. Nas constituições brasileiras, a
segurança nacional já tinha certo destaque desde a primeira constituição
republicana de 1891, cujo artigo 14 dizia que a função das forças armadas era
defender a pátria no exterior e zelar pela manutenção das leis no interior. Esta
sentença serviria como justificativa para todas as intervenções militares até 1964.
O pensamento central propagado pela ESG é que a segurança
nacional é condição para o desenvolvimento de um País. Frente a nova conjuntura,
porém a Escola mostrou-se mais pragmática e passou a aceitar a possibilidade do
estabelecimento de relações comerciais sólidas fora do grupo dos países
desenvolvidos, agindo, portanto, de acordo com a necessidade do momento.Ao
invés da política de alinhamento pura e simples, pela primeira vez a ESG vislumbrou
a possibilidade de não-alinhamento 91 .
O grande problema da Doutrina de Segurança Nacional foi que na
prática resultou na segurança do governo contra a nação, pois conceitos extraídos
de livros de política internacional quando transpostos para a política interna
transformavam adversários políticos em inimigos mortais. Segundo Maria Moraes
Rocha, o fato de a ESG ter elaborado uma Doutrina de Segurança Nacional desde
seus primórdios na década de 1950 foi, a um só tempo, uma resposta política e a
materialização de um programa de ação configurado por setores das forças armadas
brasileiras para fazer frente à necessidade de redefinição das funções do Estado.
89
MACEDO, 1988, p.216.
Ibidem, p.217
91
ROCHA, 1996, p.156
9061
A ESG via um regime puramente militar como período de exceção,
(opinião claramente compartilhada por Geisel e Golbery), pois no seu pensamento,
se
tal
situação
perdurasse
muito
poderia
levar
à
revoltas
sociais
que
comprometeriam o projeto de nação proposto pela Escola. Para esta cabia aos
militares o papel de guardiões da nação e do Estado e o de estabelecer objetivos
políticos, estratégicos e materiais 92 .
Segundo Shiguenoli Miyamoto, não se pode superestimar a
influência esguiana. É fato que a Doutrina de Segurança Nacional, diretrizes de
política interna e externa realmente já vinham sendo elaboradas pela instituição
desde sua fundação. Mas não passa de mito a idéia de que a ESG estaria por trás
de cada passo dado pelos militares: a conspiração do golpe, o endurecimento do
regime, a extinção do pluripartidarismo, etc
93
. Miyamoto afirma que os textos
produzidos pelos esguianos, salvo alguns acadêmicos de destaque, não eram
levados em consideração quando o governo precisava adotar medidas de ordem
prática, especialmente quando tinham que escolher entre o ideário esguiano e
propostas vantajosas do ponto de vista comercial.
Mesmo tendo sua opinião ignorada em várias ocasiões, a ESG
acabava por apoiar a determinação governamental, jamais tomando uma posição de
confronto. Após alguma relutância em aceitar, por exemplo, o estabelecimento de
relações com a China, a ESG aplaudiu o “pragmatismo” do governo pelas divisas
que trouxe ao país. Ainda segundo o autor, com exceção de Castelo Branco e
Golbery do Couto e Silva, a instituição não teve membros nos altos escalões do
governo e reverberou muita teoria e pouca prática. Ou seja, a ESG surgiu
basicamente para retransmitir internamente para uma elite, um determinado modelo
econômico (capitalista), dirigido pela elite, dotado de uma ideologia (segurança
nacional), e de uma opção estratégica (o Mundo Ocidental liderado pelos EUA).
Para Amado Cervo o pensamento brasileiro em termos de política
internacional não possui base teórica e teria se originado da intelectualidade do meio
político, diplomático e militar, mas de forma totalmente heterogênea 94 .Eugênio
Vargas Garcia lembra que, em suas origens, os exércitos foram criados para
defender um território de ameaças externas e que, portanto a instituição tem em seu
92
ROCHA, 1996, p.163
MIYAMOTO, 1987, p. 90
94
CERVO, 1986 p.18
9362
âmago a preocupação com a política externa não só em tempos de guerra, mas
também em questões estratégicas e de tecnologia. Em termos teóricos, autores
como Clausewitz, Aron e Morgenthau eram os favoritos dos militares 95 .
Após o golpe foi criado o Conselho de Segurança Nacional.
Segundo Pereira, o CSN talvez fosse o principal instrumento da Doutrina, superior
até mesmo à Lei de Segurança Nacional, pois fornecia os meios para que a Doutrina
permeasse todos os níveis da sociedade 96 .Tratava-se do mais elevado órgão de
assessoria direta do Presidente da República. Integravam-no o vice-presidente da
república, todos os ministros de Estado, os chefes do gabinete civil e militar da
presidência, o chefe do SNI (Serviço Nacional de Informação), o chefe do estado
maior das forças armadas e os chefes dos estados maiores da Marinha, Exército e
Aeronáutica. O Conselho de Segurança Nacional estabelecia os Objetivos Nacionais
Permanentes e as bases da política nacional. Os Objetivos Nacionais Permanentes,
definidos como a expressão dos “anseios duradouros da nacionalidade”, consistem
na integridade territorial, na integração nacional, na democracia, no progresso na
paz social e na soberania 97 .
Paralelamente aos Objetivos Nacionais Permanentes havia os
Objetivos Nacionais Atuais que eram as etapas a serem vencidas para a
concretização dos Objetivos Permanentes. De acordo com Pereira houve uma
grande discrepância entre a teoria da DSN e sua prática. Entre eles citamos o fato
de a DSN, ao tentar fortalecer a segurança do Estado e a Defesa da Nação, acabou
por fortalecer e defender o Estado contra a nação. Além disso, não percebia os
conflitos inerentes a uma sociedade democrática e pluralista como algo normal.
Buscava eliminar toda forma de conflito, sufocando assim a democracia. Segundo
Spektor, a idéia de que a abertura resultaria num governo civil eleito pelo povo só
surgiria mais tarde 98 .
Mesmo vendo a reabertura política como algo inevitável, os militares
não queriam perder seu poder de polícia no combate à esquerda, pois temiam que o
processo poderia se tornar absolutamente caótico se não fosse controlado pelas
forças armadas. A transição para um governo civil, iniciada no governo Geisel,
deveria ser feita de uma forma em que o governo se mantivesse autoritário e
95
GARCIA, 1989 p.29
PEREIRA, 1988, p.263
97
GRILLO, 1988, p.81
9663
disciplinador. Para Geisel e Golbery a descentralização deveria partir do Estado 99 .De
acordo com Cavagnari, a idéia de permitir a criação de novos partidos políticos no
fim do regime nada tinha a ver com democracia, mas sim com a idéia de fragmentar
a oposição entre a sociedade civil o tanto quanto possível 100 .Embora os militares
não aceitassem de bom grado a submissão ao poder civil, tinham a consciência de
que este, por representar a maioria traz consigo a estabilidade política e a
legitimidade ao regime. Além disso, após um período em que o aparelho militar
sobressaiu-se (governo Médici), Geisel, contando com colaboração de alguns
setores militares insatisfeitos com o excesso de autoritarismo, começou a preparar o
terreno para a abertura política, pois como dito anteriormente, havia o receio de que
as forças armadas sofressem um desgaste excessivo como instituição confiável.
Oliveira defende a tese de que foi esta resistência ao autoritarismo que, apesar de
difusa e não-organizada impediu o aparelho repressor de desenvolver toda a sua
capacidade. Afinal, Geisel e Golbery não teriam força para levar a cabo sozinhos o
processo de distensão 101 .
Os chamados “castelistas”, derrotados pela auto-imposição de Costa
e Silva ao poder se espalharam por diversos órgãos do governo seguinte. Durante o
mandato de Médici, estavam em pontos estratégicos como a Petrobrás (Ernesto
Geisel), Superior Tribunal Militar (Augusto Fragoso) e um dos cargos mais
importantes, o ministério do Exército (Orlando Geisel).Durante sua gestão na
Petrobrás, a empresa diminuiu suas atividades em solo nacional e passou a investir
mais em perfurações realizadas no exterior, além do refino e distribuição de
derivados, ambos investimentos muito mais seguros.Os resultados
mais
expressivos do período foram: a descoberta de petróleo em São Mateus (ES), a
inauguração da refinaria de Paulínia (SP)e da usina protótipo de Irati no município
de São Mateus do Sul (PR),
a criação da Disbrás, subsidiária destinada a
distribuição de derivados de petróleo, e da Braspetro, criada para prospeções no
exterior. Em junho de 1973 Geisel foi lançado como candidato do governo a
presidência da República.
Em seu último discurso como presidente da Petrobrás afirmou que o
monopólio estatal da empresa não era uma finalidade em si, mas um meio e que a
98
SPEKTOR, 2004, p.21
OLIVEIRA, 1994, p.59
100
CAVAGNARI, 1989 p.68
9964
auto-suficiência em petróleo também não era o objetivo primordial da empresa, pois
tratava-se de algo que dependia também de fatores externos alheios a vontade
governamental 102 .
2.2 GEISEL E O “PRAGMATISMO RESPONSÁVEL”
Ao chegar ao poder e enfrentar a oposição ao seu projeto de
abertura, Geisel tratou de espalhar aliados pelos comandos de maneira a tornar um
golpe contra seu governo dificílimo, e fazendo o que seus antecessores não fizeram:
centralizar de fato a presidência da República e o comando das Forças Armadas.
Em termos de política externa os seus antecessores haviam se
portado de maneira bem diferente. Em 1967, com o General Costa e Silva, a
chamada “linha-dura” chegava ao poder. Naquele ano foi promulgada uma nova
Constituição, que basicamente institucionalizava as medidas repressivas que já
vinham sido adotadas. No entanto, em termos de política externa, a “linha-dura”
possuía uma visão mais nacionalista, bastante semelhante a dos seus adversários
esquerdistas e bem diferente do plano de alinhamento à Washington. O então
chanceler Magalhães Pinto formulou a chamada “Diplomacia da Prosperidade”,
visando a autonomia e ao desenvolvimento do País, e definindo o Brasil como
pertencente ao Terceiro Mundo e disposto a colaborar com seus colegas para mudar
as regras do sistema internacional. Este discurso valeu ao representante brasileiro
na II UNCTAD, a indicação para o recém-criado Grupo dos 77, que era um
movimento de paises do Terceiro Mundo que visavam o desenvolvimento, uma
espécie de versão econômica dos não-alinhados 103 .
O governo Costa e Silva procurou ignorar o conflito leste-oeste e dar
ênfase ao norte-sul (países desenvolvidos x subdesenvolvidos). O Brasil buscou
maior autonomia econômica e menor ingerência norte-americana. Para isso dirigiu-
se a novos mercados e ao acesso a energia atômica e, por isso, recusou-se a
assinar o Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP). Para o governo, a política
externa deveria ser condizente com as ambições de um país decidido a crescer de
forma acelerada e, por isso, não se opunha a entrada de capital estrangeiro no país.
101
OLIVEIRA, 1994, p.29
Disponível em: http://www.cpdoc.fgv.br/dhbb/verbetes_htm/2304_3.asp, acessado em
09/10/2006.
10265
A política externa regida por Magalhães Pinto preconizava que a grande ameaça á
paz mundial não era a Guerra Fria, mas sim a desigualdade entre os países 104 .
Dando continuidade ao plano de Castelo Branco, Costa e Silva, em
discurso realizado na reunião dos Chefes de Estado Americanos em abril de 1967
afirmou que a energia nuclear seria a mais poderosa ferramenta utilizada pelos
países em desenvolvimento para diminuir a distancia entre estes e o Primeiro
Mundo. No ano anterior o Brasil havia, inclusive, assinado um convênio com Israel,
visando a utilização de energia nuclear para fins pacíficos. Apesar disso, o
embaixador Sérgio Correa da Costa admitia fabricar ou adquirir pequenos explosivos
que pudessem ser utilizados em obras de infra-estrutura 105 .
O sucessor de Costa e Silva, Emilio Garrastazu Médici, manteve a
proposta desenvolvimentista de seu antecessor, mas abandonou a solidariedade
com os países vizinhos tratando de aparar as arestas com os EUA. Este programa
foi denominado “Diplomacia do Interesse Nacional”, e, em alguns aspectos foi o
embrião do que viria a ser a diplomacia de Geisel. Novamente o Brasil, seguia uma
linha individualista de inserção no cenário mundial, tratando os países latino-
americanos como potenciais consumidores de produtos brasileiros.
No governo Médici em que a África finalmente mereceu uma
atenção maior, o mar territorial foi ampliado para 200 milhas e o Brasil manteve a
recusa em assinar o TNP. Não que a aproximação com a África fosse exatamente
uma novidade, pois já havia sido ensaiada antes, mas ainda não com um caráter tão
evidentemente comercial. Dois temas principais se apresentaram a Barboza: o
regime do apartheid sul-africano e a questão das ex-colônias portuguesas. Em
relação ao primeiro tema, a posição do país na ONU sempre foi a condenação da
segregação racial que ocorria na África do Sul, mas jamais cogitou a possibilidade
de romper relações comerciais com aquele país, adotando uma postura chamada
“diplomacia econômica”. Segundo o governo brasileiro seria contraproducente isolar
o regime de Johanesburgo, e a melhor forma de contribuição para o fim daquele
regime seria mostrando aos sul-africanos o exemplo brasileiro de convivência entre
as etnias 106 .
103
VIZENTINI, 2003, p.47
MIYAMOTO, 1985, p.143
105
Ibidem, p.148
106
MIYAMOTO, 1985, p.156
10466
Em outubro de 1973, numa referência a Guerra do Yom Kippur entre
árabes e israelenses, Barboza afirmava que o Brasil não se considerava neutro no
conflito, conceituando esta palavra como tendo uma conotação de passividade. A
posição brasileira seria, portanto de eqüidistância, deixando que o conflito fosse
solucionado pelas instâncias competentes da ONU. Durante o governo Médici, a
diplomacia se notabilizou pela recusa radical a ingerência nos assuntos internos dos
demais países. A partir deste ponto inicia-se a aproximação com os países árabes,
devido ao progressivo aumento do preço do petróleo, que já vinha desde 1971. Dois
anos depois eclodiria a crise.
O aumento vertiginoso do preço do barril de petróleo atingiu em
cheio os planos de desenvolvimento brasileiros. Como o governo havia priorizado a
abertura de estradas em detrimento do transporte ferroviário e hidroviário, a
necessidade do combustível era muito grande, e as alternativas, escassas. Outro
efeito colateral da crise foi a diminuição de importações de produtos brasileiros e de
investimentos externos
107
. Em
relação a América Latina, a integração fez parte do
discurso oficial, com o país ajudando inclusive a construir rodovias no Paraguai e
firmando o tratado que resultaria na construção da hidrelétrica binacional de
Itaipu 108 .
Em março de 1974, Ernesto Geisel, assumiria o poder. Segundo
Nilson Borges Filho, a escolha de Geisel para ser o quarto presidente militar foi uma
vitória dos “castelistas”, que consideravam que o trabalho de Médici, um “linha-dura”,
já estava feito no que dizia respeito a repressão da esquerda, e que era chegada a
hora da volta de um membro da ala mais intelectualizada do regime. Geisel foi
escolhido para colocar em prática o binômio “desenvolvimento e segurança”,
elaborado pela ESG e introduzido na Doutrina de Segurança Nacional 109 .
No plano econômico, Geisel decidiu manter as altas taxas de
crescimento do chamado “milagre econômico”. Entre 1968 e 1973, o país havia
crescido 11,4% marca que no pós-guerra só fora alcançada pelo Japão. Pela
primeira vez o Brasil assistia a criação de um mercado doméstico massificado e o
crescimento econômico ao menos na época não foi acompanhado pelo aumento da
desigualdade social. Cabia ao Estado elevar o PIB mediante a substituição de
107
108
VIZENTINI, 2003, p.50
MIYAMOTO, 1985, p. 16367
importações e a sofisticação da indústria. Segundo Rogério Ferreira, o Brasil foi
beneficiado devido a uma enorme capacidade ociosa da indústria no plano interno e
a uma explosão do comércio e fluxos de capital no externo. Para atingir o grau de
crescimento almejado, o governo ofereceu créditos para as indústrias de bens de
consumo duráveis e para a construção civil.
Em 1974 o ministro Reis Velloso afirmou em discurso que o Brasil
tinha condições de manter o nível de crescimento mesmo diante de um contexto
externo desfavorável. No período 1974-1979, o Brasil cresceu 6,8% 110 .Segundo
Ferreira, tal crescimento foi possível porque a reciclagem dos petrodólares dos
países produtores de petróleo garantiu a disponibilidade de recursos no exterior, o
que permitiu o prosseguimento no desequilíbrio da balança de pagamento,
resolvendo ao mesmo tempo o problema dos financiamentos dos investimentos que
tornaram possíveis as altas taxas de crescimento 111 .
O II PND (Plano Nacional de Desenvolvimento) procurou ajustar a
política econômica à conjuntura da crise do petróleo, dando ênfase a diminuição da
dependência externa do país em relação a fontes de energia para o
desenvolvimento da indústria de comunicação e a construção de novos portos,
estradas e ferrovias que facilitassem o escoamento da produção. Estas obras
ficaram a cargo do governo enquanto que a função de fornecer equipamento e
matéria-prima foi entregue à iniciativa privada nacional. O Ministro da Indústria e
Comércio, Severo Gomes, teve sérios atritos com seu colega da pasta da Fazenda,
Mário Henrique Simonsen quanto à participação do capital estrangeiro no País. O
primeiro temia a concorrência estrangeira e a dependência externa, enquanto o
último pedia maior liberdade para as multinacionais.
Outro problema do período foi o desequilíbrio na balança de
pagamentos e a solução adotada pelo presidente Geisel foi a elaboração de
contratos de risco entre a Petrobrás e empresas estrangeiras para a prospeção de
petróleo na plataforma continental do País. O Ministro das Relações Exteriores,
Azeredo da Silveira, e o Ministro da Indústria e Comercio Severo Gomes se
opuseram a principio, mas Geisel, como sempre, fez valer sua opinião.
109
BORGES, 1985, p.267
FERREIRA, 1999, p.27
111
FERREIRA, 1999, p.28
11068
No plano externo, a idéia desta vez era transformar o Brasil em
potência por meio de uma política externa independente e acompanhada da
implementação de grandes obras. Todavia, este projeto, longe de ser unanimidade,
causou profunda cisão nas forças armadas, especialmente no que diz respeito ao
estabelecimento de relações comerciais com países como a China, a segunda maior
potência do bloco socialista, que exasperaram o general Sílvio Frota, um dos
expoentes da “linha-dura” que dizia que tal ato estimularia a escalada do “perigo
comunista” no Brasil.
Naquele momento, com a crise do petróleo já instalada ficava claro
para o governo brasileiro que, para sobreviver economicamente, o país deveria,
entre outras medidas, (como o incentivo à pesquisa de fontes alternativas de
energia) aproximar-se comercialmente dos países árabes, obtendo divisas para a
compra de petróleo. O chanceler Antônio Azeredo da Silveira formula a diplomacia
do “Pragmatismo Responsável”: uma política externa que, segundo sua própria
definição repudiava discussões semânticas e afastava os extremos 112 .
Segundo o ex-presidente Geisel
O pragmatismo responsável resultou de conversas com o Ministro Silveira.
[…] Eu achava que a nossa política externa tinha que ser realista, e tanto
quanto possível, independente. […] Um problema de política exterior que eu
considerava de grande interesse para o Brasil […] no sentido econômico era
o relacionamento com os países do Hemisfério Norte […] o problema do
nosso desenvolvimento passa pelo Hemisfério Norte. Procurei intensificar
esse relacionamento principalmente com a Inglaterra, a Alemanha, a França
e o Japão. […] Com os árabes, desde que presidi a Petrobrás, procurei
maior aproximação e passamos a ter relações amistosas. […], por causa do
suprimento de petróleo e do mercado para os nossos produtos,
113
principalmente alimentos . (p.335-338)
O “Pragmatismo Responsável” baseava-se em quatro premissas:
1-Houve uma maior aproximação com o Japão e com a Europa
Ocidental, sobretudo a então Alemanha Ocidental. Com este país foi realizado o
Acordo de Cooperação nuclear de 1975, visando diminuir a dependência tecnológica
do Brasil em relação aos EUA, adquirir armas nucleares e alcançar a auto-
suficiência energética.
2-Aproximação com os países árabes e conseqüente afastamento
de Israel, principal aliado norte-americano no Oriente Médio. No campo econômico
esta política possibilitou a venda e troca de equipamento militar brasileiro por
112
113
VIZENTINI, 2002, p. 205
D’ARAUJO e CASTRO 1997, p.335-338.69
petróleo e petrodólares no mundo árabe. Tal aproximação também se evidenciou na
política com o Brasil votando favoravelmente a uma resolução da ONU condenando
o racismo, sendo o sionismo uma de suas formas.
3-Intensificação de relações com a África Negra e condenação mais
firme do regime de apartheid na África do Sul.
4-Reaproximação
com
os
paises
latino-americanos.
Iniciou
negociações para resolver divergências com a Argentina sobre a construção de
Itaipu e assinou o Tratado de Cooperação Amazônica com os países da região, em
1978 114 . Nota-se claramente em cada um desses itens a busca de autonomia e o
choque com a política norte-americana.
Os conceitos do pragmatismo eram típicos do realismo político. Como
exemplo, Matias Spektor cita a crença, refletida em atitudes concretas que o país
era capaz de transcender sua posição de potência regional; a adoção retórica da
ética e da autocontenção e a redefinição de suas relações com os EUA. Porém, a
política externa de Geisel também pode ser vista como o auge de um processo que
já se desenhava desde a Política Externa Independente (1961-64) de Jânio Quadros
e João Goulart, que resultou na diversificação de parcerias 115 . A novidade em
relação às políticas anteriores estaria na maneira de lidar com os principais
parceiros: mudaram as relações com os EUA, com a África, com o Oriente Médio e
houve mudanças drásticas nas relações com Israel e Portugal. O chanceler Azeredo
da Silveira propôs que o Brasil pautasse sua política externa em seu interesse
imediato, especialmente no que se refere ao comércio. Ou seja, os interesses
nacionais ficariam acima de qualquer alinhamento ou compromisso ideológico, e se
projetavam em todas as direções, ajustadas de acordo com a realidade e o interesse
de cada parceiro nas relações bilaterais ou multilaterais de maneira bastante
dinâmica.
Segundo Miyamoto, o que o Brasil buscava na época e que,
aliás, continua buscando era uma maior flexibilização das barreiras protecionistas
dos países desenvolvidos em relação aos produtos oriundos de países em
desenvolvimento. Para isso, Azeredo da Silveira adotou uma postura agressiva,
propondo uma reformulação do GATT, (Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio, em
inglês, General Agreement on Tariffs and Trade), principalmente no que diz respeito
114
115
PASSOS, 1998, p.03
SPEKTOR, 2004, p. 0770
a salvaguardas e direitos compensatórios. Em setembro de 1975, sugeriu a
implementação de uma tarifa diferenciada para os países em desenvolvimento. A
resposta do Primeiro Mundo foi que um crescimento econômico global seria
insustentável do ponto de vista ecológico e que poderia causar uma grande
catástrofe ambiental. Esta súbita preocupação com o meio ambiente vinda
justamente de quem mais o polui não convenceu Silveira, mas deixou claro que o
Brasil não teria sucesso em seu intento 116 .De qualquer forma, Azeredo acreditava
que a ousadia era a única forma de romper alguma barreira na rígida hierarquia das
nações,
substituindo
a
interdependência
vertical,
de
submissão,
pela
interdependência horizontal, de cooperação e oportunidades iguais 117 .
Cabe aqui abrir um parêntese para exemplificar como a escolha do
ministro foi importante para a mudança na política externa do Brasil. Azeredo da
Silveira tornou-se embaixador do Brasil na Argentina em 1969. Sua maneira de
trabalhar diz muito sobre o que seria mais tarde o pragmatismo responsável. Com o
inicio da elaboração dos planos da construção da Itaipu binacional, a Argentina
passou a protestar veementemente. Tradicionalmente, a postura brasileira sempre
foi as de procurar contemporizar e tentar acomodar as demandas argentinas, pois
havia a idéia de que, se havia um país capaz de mobilizar o Cone Sul contra o
Brasil, este país era a Argentina. Pela primeira vez, surgiram vozes no Itamaraty que
reagiram á essa acomodação. Para Silveira, o contexto agora era outro e a
Argentina não se encontrava mais em posição de confrontar o Brasil. Era hora de se
impor e romper com tradições obsoletas 118 . Silveira afirmou que a Declaração de
Montevidéu, assinada em 1933 para regular o uso das águas internacionais da
Bacia do Prata, não mais podiam ser aplicada na década de 1970 e deveria ser
substituída. Ou seja, para ele, normas, tratados e acordos eram obviamente
importantes, mas apenas se agregasse valor a direção geral do interesse nacional.
Em seus anos de formação Silveira adquiriu a convicção de que as preocupações
econômicas e comerciais têm prioridade sobre outros aspectos.
Segundo Matias Spektor, essa mudança de atitude frente à
Argentina pode se repetir nas relações internacionais do Brasil de maneira geral
devido a várias mudanças estruturais no cenário internacional, como o crescimento
116
MIYAMOTO, 1985, p. 172
Ibidem, p.180
118
SPEKTOR, 2004, p.18
11771
da China, a demonstração de força da OPEP, a descolonização da África e a
recuperação econômica de Europa e Japão 119 . Além dessas mudanças. a literatura
especializada sobre o período aponta ainda outros dois fatores que propiciaram a
mudança de rumos: primeiro, o surgimento de idéias sobre a capacidade de os
países do Terceiro Mundo se desenvolverem e introduzirem uma agenda de
reformas na economia internacional. E segundo, a liderança individual, ou seja, as
ações do presidente Geisel enquanto Chefe de Estado fizeram a diferença. Foi
certamente o governo do período militar que mais centralizou sua liderança no
presidente da república.
O modelo de Silveira, de basear as relações diplomáticas no
interesse comercial brasileiro levou o governo a tomar medidas polêmicas, como o
estabelecimento
de
relações
diplomático-comerciais
com
a
China
reconhecimento do recém-instaurado governo marxista em Angola.
e
o
Segundo
Walder de Góes, quando o presidente decidiu estabelecer relações com a republica
chinesa, consultou previamente o Conselho de Segurança Nacional, o mais alto
nível de assessoramento direto do Presidente da República. Os sete membros
militares votaram contra a proposta, inclusive os Chefes do Estado Maior do
Exército, Marinha e Aeronáutica. Mesmo com a negativa Geisel não desistiu e
mandou um emissário pedir aos oficiais que mudassem seus votos. Cinco deles o
fizeram dando assim base militar a decisão presidencial 120 .Já em relação a Angola e
Moçambique, perturbava os militares a idéia de que governos marxistas e lusófonos
encontravam-se em linha reta com o Brasil separados “apenas” pelo oceano
Atlântico.
Segundo Góes, no entanto, o reconhecimento do MPLA (Movimento
Popular de Libertação de Angola) foi um belo exemplo do pragmatismo geiseliano:
se o Brasil não reconhecesse o MPLA, seria muito difícil manter a missão brasileira
em Luanda, e com ela proteger os interesses brasileiros no país 121 .O MPLA derrotou
militarmente a FNLA (Frente Nacional de Libertação de Angola) e a UNITA (União
Nacional pela Total Independência de Angola), apoiada pelos EUA e África do Sul. A
MPLA recebeu ajuda da URSS para combater a ditadura fascista com a qual muitos
militares simpatizavam, mas Geisel, pragmático, via nos países africanos de língua
119
Ibidem, p. 06
GÓES, 1978, p.32
121
GÓES, 1978, p.38
12072
portuguesa, um grande mercado para os produtos brasileiros. Por outro lado a
diplomacia brasileira sempre se posicionou contra a aproximação com o regime
racista sul-africano colocando-se assim contra os interesses de alguns setores das
Forças Armadas. Algumas vezes, portanto, houve choques entre as linhas de
pensamento dos chefes das pastas ligadas à economia ao planejamento ao
Itamaraty.
Para
alguns
geopolíticos
argentinos,
contudo,
o
imediato
reconhecimento do novo governo angolano não passava de uma manobra para
ocupar o vácuo criado pela saída de Portugal do cenário e desempenhar o papel de
nova potência dominadora. De fato, a queda do regime de Marcelo Caetano, em
Portugal no ano de 1974, fez com que o Brasil aderisse em definitivo ao
anticolonialismo. Mas o interesse do Brasil era puramente comercial, pois via na
independência das ex-colônias portuguesas de Angola, Moçambique e Guiné-Bissau
uma oportunidade de aproveitar um nicho de mercado baseado em afinidades
lingüísticas e culturais. Durante o governo Geisel, o Brasil já mantinha relações com
quarenta dos cinqüenta e dois estados africanos independentes, e doze deles
abriram representações diplomáticas no Brasil 122 .
Além dos casos da China e de Angola/Moçambique outra causa de
conflito foi a oposição do MRE à realização de um encontro em Buenos Aires sobre
a questão do Atlântico Sul. Este encontro, que reunia também argentinos e norte-
americanos, melindrou os parceiros comerciais da região sul da África, que viam no
encontro uma afronta aos seus interesses. Este é um bom exemplo da diferença
entre o pensamento militar, que vê tudo pela ótica da guerra e da estratégia, e a
ótica diplomática, pois o primeiro parece pouco se importar se algumas atitudes
agressivas podem porventura prejudicar as relações comerciais brasileiras. O
Itamaraty, contudo, tranqüilizou os africanos com um discurso a favor da
autodeterminação dos povos e da não-intervenção na política interna de cada país,
além do apoio aos movimentos de libertação nacionais.
Azeredo formulou também o conceito de ecumenismo, uma espécie
de volta á solidariedade com os países do Terceiro Mundo preconizada por
Magalhães
Pinto,
sugerindo
uma
interdependência
entre
os
países
em
desenvolvimento para que a discrepância em relação ao Primeiro Mundo fosse
122
DECUADRA,1991 p.8373
atenuada. Segundo Azeredo da Silveira, o ecumenismo possui dois aspectos
principais: primeiro a recusa de qualquer forma de hegemonia, e por outro lado, a
prática da interdependência, propondo cooperação e oportunidades iguais para
todos os Estados 123 . Entende-se melhor o conceito do “pragmatismo responsável” se
analisarmos o contexto interno daquele governo: um dos principais projetos de
Geisel já no inicio do seu governo era o encaminhamento do processo de abertura
política.Como acreditava que o regime estava chegando ao seu limite,decidiu
antecipar-se aos fatos e assumir o controle sobre a transição,evitando desgastes
maiores nas forças armadas enquanto instituição 124 .
De acordo com Luís Souto Maior, chefe de Gabinete nos anos de 1974 e
1975 do ministro Azeredo da Silveira, a designação dada a política externa em
discussão só pode ser entendida à luz do plano interno. Da mesma forma que a
abertura deveria ser “lenta, gradual e segura”, o pragmatismo deveria ser
“responsável”, ou seja, a ruptura com as políticas dos governos militares anteriores
não poderia ser completa, da mesma forma que a transição para a democracia não
poderia ocorrer de forma abrupta 125 .
Em sua primeira reunião ministerial, em março de 1974, Geisel
definiu que sua política externa seria pautada principalmente pelos interesses do
comércio exterior brasileiro, na garantia de suprimentos, matéria-prima e tecnologia,
e, para tanto, o Brasil faria todos os realinhamentos necessários 126 .
No discurso de Geisel é recorrente a idéia
da diversificação de
parceiros comerciais e obtenção de tecnologia para que se diminuísse a diferença
entre os países desenvolvidos e o Brasil. Segundo o então presidente 127
A idéia de integração latino-americana não exclui o inter-relacionamento do
Brasil com todo o resto do mundo. […] Temos relações com praticamente
todos os países […] e procuramos com ele manter boas relações políticas
[…] culturais e econômicas, dentro do objetivo comum de melhorar as
condições de vida e de trazer para o Brasil os melhores benefícios
possíveis. Não creio que as ideologias tenham prejudicado sensivelmente
esse pragmatismo e ecumenismo. Haja visto o comércio que o Brasil tem
com a URSS […] e cito mesmo o recente tratado comercial que assinou com
a China.
123
PASSOS, 1998, p.04
VIZENTINI, 2002, p. 49
125
Apud PASSOS, 1998, p.07
126
PASSOS, 1998, p.08
127
D’ARAUJO e CASTRO 1997, p. 49-50.
12474
O presidente também teve o cuidado de frisar que a relação com
países que seguissem ideologias diferentes do Brasil não comprometeria as boas
relações do país com os EUA, embora o país desejasse, doravante, seguir sua linha
independentemente da opinião de Washington.
Como não poderia deixar de ser, o Pragmatismo Responsável
despertou a oposição tanto de setores conservadores da política nacional como dos
EUA. Segundo Vizentini, foi somente a partir dessa aproximação comercial com
países socialistas que o Brasil passou a ser mais duramente atacado pela mídia
internacional como país que violava sistematicamente os direitos humanos,
fenômeno que não ocorreu no governo Médici 128 .
Apesar da preocupação em não manchar as boas relações com os
norte-americanos, Geisel nunca escondeu sua insatisfação com o fato de que o
comércio entre Brasil e EUA só não era incrementado, porque segundo ele, as
exigências e as taxações sobre a importação de produtos brasileiros eram
“descabidas”
129
. Segundo o próprio Geisel, em entrevista à Maria Celina D’Araújo e
Celso Castro,
Andávamos demasiadamente a reboque dos Estados Unidos. Sei que a
política americana nos levava a isso, mas tínhamos que ter um pouco mais
de soberania, um pouco mais de independência e não sermos
subservientes em relação aos Estados Unidos. Tínhamos que viver e tratar
com os Estados Unidos, tanto quanto possível, de igual pra igual, embora
eles fossem muito mais fortes, muito mais poderosos do que nós. Tínhamos
que conversar e dizer as coisas como elas são, tínhamos que ser realistas
no tratamento dos nossos interesses, querendo reciprocidade. Nossa
política tinha que ser pragmática, mas também responsável. O que
fizéssemos tinha que ser feito com convicção e no interesse do Brasil, sem
130
dubiedades.
Ao longo da parceria Geisel-Azeredo, as relações com os EUA
entraram num período de tensão nunca visto. Enquanto a maior polemica do
governo Médici fora a questão da ampliação do mar territorial para 200 milhas, o
projeto de Geisel de tornar o Brasil auto-suficiente em termos industriais e
energéticos desagradou muito o governo de Washington. Nos foros internacionais
fortalece os laços com o Primeiro Mundo e ao mesmo tempo declarava seu apoio às
reivindicações do Terceiro Mundo. E no pensamento pragmático tais atitudes não
eram incoerentes. Como diz Vizentini “nenhum alinhamento ou concordância será
128
VIZENTINI, 2002, p.204
D’ARAUJO e CASTRO 1997, p.337.
130
D’ARAUJO e CASTRO 1997, p.336.
12975
irrestrito e nenhuma discordância será irreconciliável 131 .” A tomada de posições
contrárias à política norte-americana, visava modificar a imagem do Brasil no exterior
de um país autoritário e aprofundar vínculos com a Europa Ocidental, América
Latina, África e Oriente Médio 132 .
Em relação ao programa nuclear brasileiro, suas aplicações civis (na
medicina, por exemplo) seriam plenamente justificáveis. No entanto, como as
universidades foram alijadas do programa a hipótese de uso militar do acordo
nuclear com a Alemanha foram reforçadas. Além disso, no pensamento militar a
construção de Itaipu e o programa nuclear poderiam se explicar reciprocamente no
contexto das relações Brasil-Argentina 133 .
Com a ascensão de Jimmy Carter à Casa Branca, os problemas entre Brasil
e EUA seriam maiores no campo político. A abstenção brasileira relativa à
suspensão das sanções a Cuba e o voto na ONU a favor da resolução que
considerava o sionismo como uma forma de racismo são dois exemplos. Porém, a
verdadeira fonte de atritos entre os dois países foi a decisão brasileira de não só
buscar fontes alternativas de energia, mas de também eleger a energia atômica
como fonte mais viável. Desde o final da II Guerra que uma das principais
preocupações norte-americanas era evitar a proliferação nuclear em sua área de
influência. Tal procedimento levava os países vizinhos e depender totalmente dos
EUA nessa questão, que por sua vez, forneciam tecnologia nuclear incompleta e
ultrapassada.
Em 1956, o Brasil havia elaborado as “Diretrizes Governamentais
para a Política Nacional de Energia Nuclear”, programa que por sinal foi mantido por
Jânio Quadros e era justificado na época pela possibilidade de esgotamento dos
recursos hidrelétricos do país. Com o golpe de 1964 esse pretexto deixou de ser
utilizado: Castelo Branco afirmava que o Brasil não tinha tanta pressa em
desenvolver-se nuclearmente justamente pela abundância de recursos hídricos 134 .
Em 1967, o Brasil assinou o Tratado de Tlatelolco, que permitia ao país realizar
experiências nucleares para fins pacíficos. Por este motivo, o Brasil recusou-se,
meses mais tarde, a assinar o Tratado de Não Proliferação justamente porque este
proibia tais experiências.
131
VIZENTINI, 2002, p.213
BANDEIRA, 2004, p.226
133
OLIVEIRA, 1994, p. 90
13276
Entretanto, ao contrário da Argentina, que optara pelo urânio natural,
do qual poderia obter plutônio, o Brasil escolheu o urânio enriquecido, cuja
tecnologia era dominada apenas pelos EUA no continente americano. Como já
vimos os norte-americanos se preocupavam em repassar a tecnologia de uma forma
que os outros países não obtivessem o ciclo completo do enriquecimento, que
permitiria a construção de artefatos atômicos. O Brasil possui grandes jazidas de
urânio, especialmente em Itatiaia, no Ceará, Lagoa Real, na Bahia e Poços de
Caldas, Minas Gerais, mas não possuía a tecnologia para o enriquecimento do
minério.
Como evidentemente não podia contar com os EUA, decidiu buscar
na Europa o conhecimento que precisava, e assinou com a Alemanha o Acordo de
Cooperação Cientifica e Tecnológica. No que tange a energia nuclear, o referido
acordo previa a assistência técnica para o domínio do ciclo completo em médio
prazo 135 . De acordo com o ex-presidente Geisel
Nós nos orientamos para a Alemanha porque considerávamos que, se ao
longo do tempo iríamos construir usinas nucleares, tínhamos que ter o ciclo
completo da produção da fonte energética, isto é, tínhamos que produzir o
urânio enriquecido. E os EUA sempre foram contrários a isso, sempre
quiseram que o Brasil ficasse preso a eles. […] A França produz urânio
enriquecido, o Japão também, mas o único país que se dispôs a transferir
tecnologia para nós foi a Alemanha. […] O Brasil deve conhecer a tecnologia
do enriquecimento de urânio. Se algum dia […] num caso extremo,
necessitar da bomba atômica, conhecendo a sua tecnologia poderá fazê-la.
Suponham que o Brasil tenha uma guerra e nos bombardeiem com a
bomba atômica. O Brasil vai abrir mão, a priori de poder revidar?[…] Eles
(EUA) pressionaram a Alemanha para que não fizesse o acordo e
136
pressionaram a nós .
Do ponto de vista alemão, era uma forma de assegurar o acesso às
jazidas de urânio brasileiras,libertando-se da dependência dos EUA. O Acordo
Nuclear foi assinado no dia 27 de junho de 1975, e além do acordo em si, havia um
outro contrato referente à cooperação industrial e que incluía também a
transferência de tecnologia. Os EUA se sentiram duplamente afetados: pelo lado
econômico perdia o monopólio da instalação de usinas nucleares, e politicamente
sentia a relação com o maior país da América Latina se enfraquecer. No final de
1977, Jimmy Carter pressionou os bancos norte-americanos Chase Manhattan e
Eximbank a suspender os financiamentos e cancelou a venda de urânio enriquecido
134
Ibidem,.p.216.
OLIVEIRA, 1994, p. 220
136
D’ARAUJO e CASTRO 1997, p.339-341.
13577
à Alemanha. Carter exigia a desistência do acordo ou o cancelamento dos planos de
construção da usina nuclear, o que, no fundo, daria no mesmo. Geisel, então
denunciou o Acordo Militar que o Brasil possuía com os EUA desde 1952, um ato
mais simbólico que prático, mas que representou para os militares um marco
conceitual na via de autonomia estratégica. A nacionalização dos meios, e redução
da dependência e a maior liberdade de manobra logística eram reivindicações
antigas dos militares para atingir a plena soberania 137 .
Os EUA, por sua vez passaram a divulgar na sua mídia a violação dos
direitos humanos pelo regime militar brasileiro, dando a entender à opinião publica
internacional que um país que não respeitava seu próprio povo não se encontrava
pronto para possuir armas atômicas. Contudo, a pressão foi diminuindo à medida
que ficou claro que o acordo não vingaria devido a problemas técnicos e financeiros.
No mandato de Geisel, o Brasil também se aproximou de outros dois
importantes países europeus. Em abril de 1976, Geisel tornou-se o primeiro
presidente brasileiro a visitar oficialmente a França. Foi assinado um acordo em que
o país europeu investiria dois bilhões e meio de dólares no Brasil e que dois terços
deste montante seriam gastos na compra de produtos brasileiros. Ainda houve um
comprometimento de se liberar quinhentos milhões de dólares em obras de infra-
estrutura no norte/nordeste brasileiro. Em seguida o presidente Geisel foi à
Inglaterra onde acordos da ordem de quase dois bilhões de dólares foram assinados
principalmente na área de siderurgia e metalurgia 138 .A viagem seguinte foi ao Japão
onde foi criada uma empresa de desenvolvimento agrícola para promover culturas
agrícolas na região do cerrado mineiro, contando com recursos de 623 milhões de
dólares, quase metade dos quais de origem japonesa. Além disso, a Companhia
Vale do Rio Doce assinou contratos que elevaram as exportações brasileiras de 17
milhões para 31 milhões de toneladas de minério de ferro e asseguraram a venda de
seis milhões de toneladas de minério semi-industrializado ao Japão durante 15 anos.
Ficou acertada também a participação de 49% de capital japonês na implantação de
uma fábrica de alumínio (a Albrás, Alumínio Brasileiro S/A) em Belém, e o
financiamento para a construção de um terminal portuário para a exportação de
minério e do primeiro estágio da usina siderúrgica de Tubarão (ES), além da venda
137
138
GARCIA, 1989 p.31
Disponível em: http://www.cpdoc.fgv.br/dhbb/verbetes_htm/2304_6.asp, acessado em 13/10/2006.78
anual, também durante 15 anos, de 105 mil toneladas de polpa de celulose brasileira
àquele país 139 .
Por mais que o Pragmatismo Responsável possa parecer uma
ruptura, na verdade pode-se considerá-lo a acentuação de um movimento iniciado
por Médici. A grande diferença é que, devido à crise mundial de energia, Geisel
propôs que o país buscasse se tornar auto-suficiente em sua indústria de base e que
desenvolvesse sua infra-estrutura, o que confrontava os interesses econômicos
norte-americanos, coisa que Médici jamais ousou fazer.
Internamente, o Pragmatismo sofreu pesadas críticas, pois muitos
empresários e políticos não estavam vendo ganhos comerciais significativos na
aproximação com a China e o Mundo Árabe, que valessem o risco de se indispor
com os EUA. A imprensa, já com um pouco mais de liberdade também não poupou
críticas à política externa de Geisel, principalmente o Jornal do Brasil, que cobrava
os fantásticos índices prometidos pelo governo e que segundo o jornal foram
“decepcionantes”
140
. Como a política externa no período Geisel nunca foi
unanimidade, Miyamoto/Wiliams levantam a dúvida: no governo Geisel, quem
realmente decidia na política externa? Para Saraiva Guerreiro não há dúvidas:
Geisel era centralizador e era ele quem decidia. Todos os demais são assessores e
ele era tão somente o principal assessor para assuntos de política externa. Os
ministérios, portanto apenas colocavam em prática as determinações de Geisel 141 .
Entretanto, a política de Geisel foi muito elogiada no exterior,
sobretudo na Europa. Quando Geisel foi á França e à Inglaterra sua política foi
enaltecida e qualificada como dinâmica, inteligente e moderada 142 .
Pode-se afirmar que o grande trunfo do Pragmatismo Responsável foi sua
agilidade em buscar respostas aos novos desafios da conjuntura internacional. Em
relação às reivindicações dos países do Terceiro Mundo, a postura do Brasil era de
apoio, mas não de engajamento. O plano brasileiro era de desenvolver-se
economicamente por meio do comércio exterior, e não se envolver demais em
causas políticas, ainda mais aquelas que pudessem de alguma forma, atrapalhar as
relações comerciais. Para Geisel, o importante era priorizar os países desenvolvidos
139
Ibidem.
Jornal do Brasil, 14/08/1978, p.02.
141
MIYAMOTO, 1985, p.35
140
142
CERVO, 1992, p.372.79
dotados de demandas essenciais ao Brasil em área vitais, e, ao mesmo tempo
contemplar as idéias de ecumenismo elaboradas por Azeredo da Silveira e não
aceitar condições desfavoráveis impostas pelo Primeiro Mundo, principalmente pelos
EUA.
De acordo com Bueno e Cervo, a política de Geisel pode ser
compreendida num período maior, que vai de 1967 e 1979. Havia três níveis de
metas ligadas à política exterior que levavam a uma busca pela autonomia: a
consolidação do parque industrial intermediário entre 1967 e 1973, dos setores
estratégicos da economia entre 1974 e 1979 e da conquista tecnológica na década
de 1980
143
.O governo pretendia transformar o Brasil numa potência média com voz
ativa no cenário internacional. Ao contrário dos governos anteriores, Geisel não
considerava os norte-americanos como aliados preferenciais. Um dos principais
motivos para essa mudança foi a recusa dos EUA em transferir tecnologia industrial
atômica e do ciclo completo do combustível nuclear. Por isso, o Brasil busca diminuir
sua dependência daquele país e diversificar suas parcerias com outros países. Não
se pode descartar também uma tentativa de mudar perante outros países do
Terceiro Mundo a imagem de país excessivamente pró-EUA 144 .Para multilateralizar
suas relações e alcançar seus objetivos, o Brasil investiu na ampliação de suas
relações bilaterais com países os quais o intercambio era incipiente e aprofundou as
relações com Europa Ocidental, Ásia e América Latina.
Azeredo
da
Silveira,
em
aula
magna
realizada
na
UFPE
(Universidade Federal de Pernambuco), em 1974, afirmou que a política externa
brasileira
erigia-se
sobre
três
conceitos:
pragmatismo,
responsabilidade
e
ecumenismo:
O pragmatismo diria respeito à eficiência material e a uma perspectiva
realista na avaliação das circunstancias. A responsabilidade serviria para
proteger o pragmatismo do epíteto de antiético. E, finalmente, o
ecumenismo estaria ligado à aversão do Estado Brasileiro ao isolamento,
bem como aos preceitos de respeito e fraternidade internacional que
145
presidem a conduta do país .
Em outra passagem da mesma aula Azeredo diz que:
A política exterior do Brasil é pragmática porque se opõe ao apriorismo e ao
idealismo verbal. Funda-se na apuração realista dos fatos e na avaliação
143
Apud PASSOS, 1988, p.18
Ibidem, p. 28-29
145
VIZENTINI, 2002, p.208
14480
ponderada das circunstancias. Visa à eficácia material e não à coerência
146
formal na consecução dos objetivos nacionais .
Percebe-se que o chanceler dourou a pílula. Em outras palavras, o
pragmatismo era a busca de vantagens no cenário internacional, assumindo uma
postura de total indiferença á questões ideológicas. A responsabilidade era a de não
deixar ideologias contrárias ao regime atrapalharem a política externa e ecumenismo
seria a ampliação das parcerias a nível mundial para além do alcance da hegemonia
norte-americana.
Outro ponto crucial para Geisel desde sua chegada ao Palácio do
Planalto era fazer seu sucessor. Contudo as dificuldades econômicas e o
pragmatismo da política externa levaram a acirradas tensões nos círculos internos
do regime. A chamada “linha dura” dizia que os ideais da “Revolução de 64”
estavam sendo esquecidos. Um dos maiores atritos ocorreu quando o ministro
Severo Gomes enviou à Cuba a primeira delegação oficial do país desde 1964, para
participar de uma reunião do Grupo Executivo de Países Latino-Americanos e do
Caribe Exportadores de Açúcar. Dias depois numa discussão com o empresário
Carlos Lousada. Severo Gomes foi chamado por este de “ministro esquerdista” e
pressionado por Golbery a renunciar, acabou substituído por Ângelo Calmon de
Sá. 147
Enquanto isso, a candidatura do Ministro do Exército Sílvio Frota á
presidência da República continuava a ser articulado pela “linha dura”. Um exemplo
do tom de desafio a Geisel adotado por Frota foi sua decisão unilateral de enviar
tropas a fronteira com o Uruguai para impedir o retorno do ex-governador gaúcho
Leonel Brizola, sendo que o próprio presidente estudava autorizar o pedido feito por
familiares de autorizar o seu retorno desde que ficasse confinado a uma cidade do
país 148 .A candidatura de Frota foi crescendo entre os que apoiavam uma postura
mais conservadora do regime e surgiriam rumores de que Geisel receberia um
ultimato para apoiar Frota como seu sucessor. Ao saber disto, Geisel demite Frota e
o substitui pelo General Fernando Bethlem.
146
PASSOS, 1998, p.04
Disponível em http://www.cpdoc.fgv.br/dhbb/verbetes_htm/2304_7.asp, acessado em 14/10/2006.
148
Ibidem
14781
No final de 1977, Geisel anuncia oficialmente a Figueiredo que o
indicaria como seu sucessor. No começo do ano seguinte é formalizada oficialmente
a chapa Figueiredo/Aureliano Chaves.
2.3 FIGUEIREDO E O “UNIVERSALISMO”
Finalmente empossado,Figueiredo procurou aparar as arestas
internas do regime, no que obteve sucesso. No entanto, herdou o ônus do “milagre
econômico”, a insatisfação tanto dos setores privados que apoiavam o regime, como
de grande parte da população que não se viu beneficiada pelo tão propalado
“milagre” 149 .
Pode-se fazer um paralelo entre o Pragmatismo Responsável e a
Política Externa Independente de Jânio Quadros/João Goulart, principalmente no
fato de ambas apresentarem-se como indiferentes a ideologias, a posição favorável
ao multilateralismo e a percepção de que o mundo caminhava para uma integração
econômica global. A mais evidente diferença, no entanto era o caráter político da
Política Externa Independente, como a condecoração do revolucionário cubano
Ernesto “Che” Guevara, por exemplo, e que pressupunha um programa de reforma
social enquanto o Pragmatismo fez questão de despolitizar seus procedimentos, até
porque fazia parte da tática de abertura “lenta, gradual e segura” ousar mais no
âmbito externo e manter o status quo no plano interno. Além disso, na década de
1970, o Brasil encontrava-se numa situação econômica melhor, que permitia tal
comportamento.
É interessante notar que a política externa brasileira foi rotulada de
acordo com o estilo de cada presidente. Vasco Leitão da Cunha e Juracy
Magalhães, chanceleres de Castelo Branco, apenas executaram as diretrizes
traçadas pelo presidente numa política externa marcada pela luta contra o
comunismo. Magalhães Pinto, ministro de Costa e Silva, privilegiou a oposição
Norte-Sul. Já Mário Gibson Barboza implementou a política do interesse nacional no
governo Médici,período em que o Brasil recusou-se a assinar o TNP,estendeu para
200 milhas o mar territorial e aproximou-se da África,retomando medidas similares á
PEI de Jânio Quadros.Azeredo da Silveira,ministro de Geisel executou a política de
149
Ibidem, p. 27182
riscos calculados.Fez acordo nuclear com a Alemanha,denunciou o acordo militar
com os EUA,diversificou os parceiros,priorizou as relações bilaterais,votou contra
Israel na ONU e aproximou-se dos árabes.E,por fim,Saraiva Guerreiro,titular da
pasta do MRE no governo Figueiredo aproximou-se da América Latina e
desenvolveu a indústria bélica brasileira 150 .
Em tese, todas as medidas adotadas nesses governos tiveram
orientação presidencial, sendo este, portanto, em ultima instância o grande
responsável pelos rumos da política externa, acertando ou errando. Todavia, como
diplomacia, economia e interesses estratégicos muitas vezes se sobrepunham,
eventualmente ocorriam choques entre estes setores, dando muitas vezes a
impressão de uma política externa desarticulada. No entanto, segundo Miyamoto, tal
fato é absolutamente normal já que além do confronto de interesses a grande
dependência de recursos externos faz com que o país opere neste sentido em várias
frentes 151 .
Outro aspecto notável é a coerência da política externa brasileira.
Desde quando assumiu o cargo ate transmiti-lo a seu sucessor, Saraiva Guerreiro,
Silveira combateu a hegemonia, o alinhamento as grandes potências e pregou a
ampliação do leque de parceiros comerciais, considerando afinidades históricas e
culturais, conforme seu interesse e sem se curvar a pressão de outrem.
O General João Baptista Figueiredo assumiu em março de 1979
enfrentando uma grave crise econômica e pressões tanto da oposição quanto da
direita, que era contra a redemocratização. Economicamente, o Brasil sofreu dois
duros golpes, o chamado segundo choque do petróleo (a alta dos preços causada
pela instabilidade política do Irã revolucionário e que se estenderia com a guerra Irã-
Iraque), e o aumento da taxa dos juros, promovida no intuito de resolver problemas
da economia norte-americana.
Todos esses fatores levaram a uma severa recessão no biênio 1982-
83. Para a população o custo de vida aumentou, enquanto os salários
permaneceram estagnados. Eclodem greves no ABC paulista, Minas Gerais e Rio
de Janeiro.
150
151
MIYAMOTO, 1987, p.22-23
MIYAMOTO, 1987, p.2783
No que diz respeito à política externa, o chanceler Saraiva Guerreiro
conservou muitos dos traços do Pragmatismo, denominado sua política de
“Universalismo”. Segundo o ministro eram intrínsecas a este conceito a defesa dos
interesses nacionais e a projeção da diplomacia brasileira no mundo 152 . O Brasil
identificou-se como parte do Terceiro Mundo (embora mantendo a linha não
militante, ou seja, mantendo distância das causas que pudessem prejudica-lo
comercialmente), reduziu o intercâmbio com a África (devido a grave situação
econômica do continente) e com Europa/Japão. Houve, contudo, um incremento nas
relações com a China e o Oriente Médio. Este último, mais uma vez em conflito,
aumentou a compra de armas e de veículos blindados brasileiros 153 .
De acordo com Ronaldo Sardenberg, citado por Miyamoto, a política
externa de Figueiredo tinha três pedras de toque: em primeiro lugar, a certeza de
que o Brasil não aceitava hegemonias e nem a reivindicava para si. O país só falaria
por si e também não aceitaria ser guardião de interesses alheios ou elo entre países.
Em segundo lugar também não se aceitava o automatismo. A política exterior era
fruto de uma combinação de variáveis que envolvia riscos e oportunidades. E, por
fim, a consciência da limitação de recursos e da atuação da política externa
brasileira 154 .
Guerreiro propunha a realização no plano das relações Sul-Sul, de
maior união e cooperação para que fossem feitas reivindicações em conjunto aos
paises do Norte. Como se vê, mantiveram-se os mesmos problemas da gestão
anterior. Aos críticos que diziam que o Brasil deveria se aproximar dos países ricos
ao invés de países que supostamente não podiam comprar produtos nacionais, dizia
que para o País, assim como a crise do petróleo levara a busca por fontes
alternativas de energia, a crise econômica deveria levar a diversificação de
parcerias. Podemos aferir essa mudança de foco por meio dos números: em 1967
as exportações para o Terceiro Mundo correspondiam a 12, 8 % das exportações
nacionais. Já em 1981, chegava a 35, 7%, um salto de US$1,1 para US$8,3 bilhões
de dólares 155 .
Segundo Sonia de Camargo, um dos traços do governo Figueiredo
foi a inserção de assuntos econômicos e financeiros na agenda dos diplomatas do
152
Idem, 1985, p.197
Ibidem, p.276
154
MIYAMOTO, 1985, p.200-201
15384
Itamaraty. A despolitização da economia foi quase completa, assim como a
autonomia do governo foi seriamente limitada 156 . De fato, foi um período marcado
pelas discordâncias entre os ministérios. Roberto Campos, famoso economista e ex-
ministro do planejamento de Castelo Branco, era da opinião de que a inclinação
“terceiro-mundista” da diplomacia era puramente ideológica e sem nenhum valor
prático, postura esta compartilhada por Aureliano Chaves, que via no Primeiro
Mundo o caminho para o Brasil sair da crise na qual se encontrava. Saraiva
Guerreiro, embora mantendo a postura polida indispensável em sua profissão, não
se furtou a fazer críticas incisivas a aqueles que queriam ver o Brasil gravitando na
órbita norte-americana 157 .
O Brasil passou também a valorizar mais as relações com os países
do cone sul, até como forma de auto-proteção, pois os governos militares viam as
pressões norte-americanas por redemocratização como uma forma de desestabilizar
politicamente a região. Foi a primeira vez desde a instauração do regime militar em
que a América Latina foi prioridade na política externa brasileira. Todavia, a
acachapante derrota da Argentina na Guerra das Malvinas contribuiu para abater os
ânimos dos militares que comandavam os países vizinhos e o Caribe se tornou uma
área importante na Guerra Fria, devido ao regime cubano, um bastião do
comunismo a poucos quilômetros da costa oeste norte-americana. Na questão da
Guerra das Malvinas, a postura brasileira foi bastante ambígua, tentando manter um
bom relacionamento tanto com Inglaterra como com Argentina sem tomar partido de
nenhum e conclamando à solução negociada.
Já as relações com os EUA se tornaram ainda mais difíceis com a
eleição de Ronald Reagan. Após a derrota no Vietnã e o escândalo Watergate, o
governo norte-americano reassumiu uma postura incisiva, característica da Era
Reagan, intervindo onde fosse necessário para “combater o comunismo”. Reagan
também procurou sabotar qualquer forma de articulação dos países do terceiro
mundo.
Os EUA assumiram também uma postura agressiva em relação ao
Brasil, tentando forçar a abertura do mercado brasileiro e o fim de medidas
protecionistas ao mercado interno. Figueiredo chegou a cortar totalmente os
155
Ibidem, p.207
CAMARGO e OCAMPO,1988,p.156
157
MIYAMOTO, 1985, p.281-282
15685
incentivos aos plantadores de café por exigência de Washington, que considerava a
medida “desleal”
158
.Porém, em 1982, Reagan visitou o Brasil e amenizou seu
discurso, pois no pensamento norte-americano, se a ação brasileira ficasse
demasiado cerceada,haveria a possibilidade de o Brasil buscar outros parceiros,
como ocorrera com a questão nuclear. Em outras frentes, o Brasil se aproximou da
Índia, da URSS e dos países da América Central, postura que também não agradou
os EUA.
Em relação ao Oriente Médio, o governo Figueiredo manteve
basicamente as mesmas características do governo Geisel: venda de alimentos e
armas em troca de petróleo. Com o segundo choque, o primeiro país a garantir o
abastecimento ao Brasil foi a Líbia. Embora não pudesse baixar os preços devido à
pressões da OPEP, facilitava condições de pagamento e demonstrava boa vontade
na compra de produtos brasileiros. A relação era tão boa que a Braspetro era a
única empresa latino-americana a operar naquele país 159 .
Foi um período de incremento nas relações, aumentando suas
exportações de automóveis, armas, aviões, bens e produtos manufaturados, com os
quais pagava suas importações de petróleo. Os principais parceiros brasileiros eram
Iraque, Arábia Saudita, Irã, Síria, Líbia, Egito e Argélia. Destacaram-se a venda de
120 aviões tucanos ao Egito e 800 milhões de dólares em blindados, tanques e
lança – mísseis ao Iraque 160 .No período, a aproximação com os árabes foi também
adquirindo contornos políticos mais evidentes. Em 1980, o Ministro do Petróleo dos
Emirados Árabes Unidos, Mana Said al Otaiba recebeu a Grã-Cruz da Ordem do Rio
Branco, ocorrendo o mesmo com o ministro das finanças do Kuwait Abdel-Rahman
Al-Atik.
Portanto, dos principais fatores que levaram à relação tão favorável
com os países árabes foi o apoio explicito a OLP desde o governo Geisel. O Brasil
reconhecera a OLP como legitima representante do povo palestino em 1975 e no
inicio do governo Figueiredo, em 1979, finalmente o escritório da Organização para
a Libertação da Palestina em Brasília foi aberto, sob protestos da diplomacia
israelense. Ao abrir a XXIV Assembléia Geral da ONU, o chanceler Saraiva
Guerreiro afirmou que era um absurdo que os palestinos, uma das partes
158
VIZENTINI, 2002, p.285
Ibidem, p 334
160
Ibidem, p.343
15986
interessadas, não tivesse representantes nas negociações de paz e que o
unilateralismo de Israel estava fadado ao fracasso 161 .
Em relação à venda de armamentos, embora muitos documentos
ainda não estejam disponíveis à pesquisa, sabe-se que o Brasil manteve contatos
com o Ministro da Defesa saudita oferecendo armas, foguetes e submarinos, além
do avião Embraer IIM, de patrulha marítima. O interesse dos sauditas baseava-se no
fato de poder pagar em petróleo ao invés de dólares e também por uma
necessidade de diminuir sua dependência dos norte-americanos na área. No final de
1979, o ministro da Fazenda Delfim Netto viajou ao Iraque e à Arábia Saudita, e na
volta, anunciou que, após muitas negociações a proposta que mais agradou ambos
os lados foi a troca de produtos brasileiros (comprados pelo governo dos setores
privados) em cruzeiros e a troca destes por petróleo no equivalente em dólares.
O governo Figueiredo também sofreu forte oposição ao aceitar a já
citada indenização pelo maior poço já descoberto pela Braspetro e um dos maiores
do mundo, o Majnoon, situado em zona conflagrada da guerra Irã-Iraque. O acordo,
uma indenização milionária (US$300 milhões de dólares mais 405 mil barris por dia)
foi renegociado posteriormente e reduzido para apenas 106 mil barris/dia, a preços
privilegiados e 300 mil a preço de tabela. Este dado causou revolta na oposição, que
por meio do deputado Mauricio Fruet, acusou o ministro Shigeaki Ueki de mentir
quando afirmava que o campo não estava sendo negociado 162 .O deputado também
criticou a existência da Braspetro. Segundo ele, esse dinheiro seria mais bem
investido se fosse destinado à busca por poços em território brasileiro.
Os dois modelos de política externa do período final do regime
militar resgataram as linhas gerais da Política Externa Independente e obtiveram
grandes resultados no que diz respeito à diversificação do comercio com todo o
globo, independentemente de matizes ideológicas. À exceção do período Castelo
Branco, a política externa foi uma ferramenta de apoio ao desenvolvimento
econômico e industrial, buscando assim uma maior autonomia na cena internacional.
O Brasil passou a exportar produtos primários para países do leste europeu, China e
Japão, e manufaturados para África, Oriente Médio e Ásia.
Segundo Vizentini, o período Geisel/Figueiredo foi o auge do
multilateralismo na política externa: o Brasil atuou não só na frente Norte-Sul, mas
161
162
VIZENTINI, 2002, p.336
Ibidem, p.34087
também na Sul-Sul (com América Latina, Oriente Médio e África) e Sul-Leste (com
paises comunistas).Contudo, faltou a ambos governantes a ousadia interna proposta
pela Política Externa Independente. O termo “Pragmatismo Responsável” é
interpretado por Vizentini como uma idéia de modernização econômica sem reforma
social, ao contrario da PEI que seria “irresponsável” 163 .
De qualquer forma, o Brasil se tornou no período a décima economia
mundial e o único país abaixo da linha do equador a possuir um parque industrial
completo. O multilateralismo seria mantido ate o inicio da década de 1990, quando a
onda neoliberal e o conceito de globalização alinham o Brasil a um sistema
interdependente e instável. Segundo Raimundo dos Santos Jr.a interdependência é
um modelo que coloca em evidência a força das transnacionais e as crescentes
interações sociais, econômicas, técnicas e culturais, que ocorrem fora do controle do
Estado, embora sem tentar descartar a importância deste como principal ator das
Relações Internacionais, até porque mesmo as transnacionais recorrem ao poder
estatal quando lhes convém, mas sim tentar combinar aspectos que possam ajudar
a explicar a dinâmica de um mundo em constante transformação 164 .Um exemplo
disso foi a própria crise do petróleo: países militarmente fracos impuseram aos mais
fortes o embargo do combustível.Neste episodio evidenciou-se que poder militar e
poder econômico não eram mais tão similares.No modelo de interdependência,os
Estados não se comunicam mais apenas por meio dos canais formais,mas também
por
empresas,bancos
e
Organizações
Não-Governamentais
(ONG’s).Outra
característica da interdependência é o entrelaçamento da política interna com a
externa,já que muitas vezes uma medida adotada por um órgão internacional como
a OMC reflete instantaneamente na política interna de um país.Seu grande ponto
frágil,porém é justamente a instabilidade do mercado,já que,como num efeito dominó
a crise financeira de um país na Ásia pode gerar quedas nas bolsas,especulação e
diminuição de investimentos em todo o globo.
O Pragmatismo Responsável não foi uma revolução ou uma
novidade na política externa brasileira. Na verdade foi o auge de um movimento em
busca do desenvolvimento por meio da diversificação de parcerias que já vinha de
governos bem anteriores como o de JK, foi ampliado nos governos Jânio Quadros e
João Goulart, retraiu-se com Castelo Branco e foi retomado nos governos seguintes
163
164
VIZENTINI, 2002, p.363
SANTOS,2004,p.24788
com maior ou menor intensidade. O diferencial do governo Geisel foi a conjuntura
em que governou,quando a crise do petróleo fez com que o incremento das
exportações,especialmente para o Oriente Médio fosse um imperativo e não
meramente uma opção.Foi também um período de afastamento dos EUA e
aproximação com a Europa Ocidental,especialmente com a Alemanha,com quem o
Brasil iniciou um projeto nuclear.Geisel votou contra o sionismo e denunciou um
acordo militar com os norte-americanos que,apesar de inoperante já durava mais de
duas décadas e cujo rompimento foi altamente simbólico.Foi uma política externa
baseada em riscos calculados, fazendo assim jus ao nome com que foi batizada.89
3 BRASIL E IRAQUE: UMA RELAÇÃO ÍNTIMA
O atual Iraque é constituído pela Mesopotâmia, berço das
civilizações da Suméria, Acádia, Caldéia, Babilônia e Assíria, e foi alvo de disputas
entre romanos, partas e sassânidas. Após a conquista árabe (633-642), a região se
tornou uma das mais importantes do mundo islâmico. Em 750, os abássidas, com
apoio dos xiitas fundaram Bagdá, a sua capital em 762. Conflitos entre turcos e
mongóis ocorreram durante todo o período subseqüente.
Entre 1515 e 1546, o império otomano efetivou a conquista daquele
território, porém concedeu autonomia relativa à região. Os otomanos promoveram
também a tentativa de ocidentalizar a área como fazia parte do plano que Mustafá
“Ata Turk” Kemal levaria a cabo quatro séculos depois.
Durante a Primeira Guerra Mundial, a região foi invadida por tropa
anglo-indianas. Com a derrota turca e conseqüente desmanche do império otomano,
a Grã-Bretanha através da recém-criada Sociedade das Nações, obteve o mandato
sobre a região. Foi instalado no poder o hashemita (membro do clã dos hashem,
descendentes do profeta Muhammad), Faiçal Ibn Hussein, herói da revolta árabe no
Hedjaz e na Síria (1916-1918), e reinou no Iraque como Faiçal I, de 1921 a 1933.O
distrito de Mossoul , reivindicado pela Turquia, foi atribuído ao Iraque em 1925.Dois
anos depois seria fundada a IPC (Iraq Petroleum Company).Em 1930, o Iraque
obteve uma independência simbólica, que manteve fortes laços com os britânicos.
Em 1941, uma facção pró-eixo, liderada por Rachid Ali Gailani toma o país.
Imediatamente, a Grã-Bretanha invade o Iraque e destitui este governo. O pós-
guerra foi dominado por Nuri Al-Said, pró-britânico. Como vimos anteriormente, em
1958, o general Kassem tomaria o poder e proclamaria a república. Os adeptos do
nacionalista Nasser foram esmagados no ano seguinte, assim como os curdos.
Em 1963, os nasseristas chegariam ao poder por meio de um golpe
que conduziria Abdul Salam Aref, sucedido em 1966 por seu irmão Abdul Rahman
Aref. Este, por sua vez, seria apeado do poder pelo partido Baath, de inspiração
socialista, em 1968. A IPC foi nacionalizada em 1972. Três anos depois os curdos
foram deportados para o sul do país. Juntamente com os xiitas foram as principais
minorias perseguidas pelo Baath. Em 1979, nova mudança no poder. Ahmad
Hassan Bakr, foi deposto por Saddam Hussein.90
Tanto Brasil quanto Iraque ambicionavam a hegemonia em suas
regiões, o que colaborou para o desenvolvimento das relações bilaterais nos
campos da indústria bélica e no desenvolvimento de energia atômica. No entanto,
devido a Guerra Fria, os chamados países emergentes tinham que ser cautelosos
nas suas negociações entre si, para não incorrer em sanções por parte das
superpotências. Com a segunda crise energética, ocorrida em 1979, e a
instabilidade no fornecimento de petróleo causada pela Revolução Iraniana, a
relação entre os dois países é incrementada devido á necessidade brasileira do
combustível. Como o Iraque era um importante fornecedor de petróleo para o
Ocidente e seu governo considerado pelas superpotências como amistoso em
comparação com o Irã e outras nações vizinhas, foi feita uma aproximação com
aquele país. Além disso, o Iraque representava, aos olhos das superpotências, um
dique de contenção do chamado fundamentalismo islâmico, e foi provido pelos EUA
com armamento pesado e teve acesso a tecnologias sensíveis na guerra contra o
Irã. O Brasil beneficiou-se muito deste contexto de tolerância às transgressões
iraquianas, vendendo todo tipo de produtos ao Iraque, e mesmo nunca conseguindo
equilibrar sua balança comercial com Bagdá, não mostrou sinais de desânimo. Um
exemplo disso é que ás vésperas da invasão do Iraque ao Kuwait, em 1990, o Brasil
negociava com os iraquianos a venda de um satélite militar. Seria um dos últimos
lances de uma história que começara quase três décadas antes.
Por vários anos, o Iraque foi um dos principais parceiros do Brasil,
sendo o maior importador de serviços de engenharia e produtos industrializados
brasileiros. O que facilitou de sobremaneira o comércio entre os dois países e
principalmente o Brasil era o Barter Trade, uma espécie de escambo de petróleo por
mercadorias. A partir de 1973, ano da crise do petróleo o superávit dos países
produtores aumentou de forma impressionante saltando de 6, 6 bilhões de dólares
para 67, 6 bilhões de dólares 165 .
Em contrapartida, o déficit dos países compradores também
aumentou drasticamente. Com a intensificação do comércio entre Brasil e Oriente
Médio, esta região do globo que, em 1970 correspondia a apenas 4,2% das
exportações brasileiras, chegou em 1980 a 34%. 166 Com o aumento das taxas de
juro decorrentes do segundo choque do petróleo sobrecarregaram os pagamentos
165
166
ATTUCH, 2003, p.11
Idem, p.1291
da dívida externa do Brasil e pressionou ainda mais a abertura do país para as
exportações, pois necessitava dispor de mais divisas. Foi nesse momento que o
Brasil privilegia o Iraque como principal abastecedor de petróleo e montando uma
ampla infra-estrutura para permitir a exportação de bens duráveis brasileiros aos
iraquianos 167 .
As compras brasileiras neste país passaram de 795 milhões de dólares
em 1978 para mais de três bilhões em 1980. Em 1978, o Iraque era o quarto
fornecedor de petróleo ao Brasil depois do Japão, Arábia Saudita e EUA. Em 1980,
o Iraque já era o maior fornecedor responsável por 20,51% do total das compras
brasileiras no exterior, deslocando os EUA para o segundo lugar 168 .
O Iraque, próspero, atraiu a atenção do mundo todo. Saddam
Hussein decidiu lançar um grande programa de desenvolvimento no país em termos
de infra-estrutura, educação e desenvolvimento bélico. No ano de 1978,o governo
iraquiano enviou à São Paulo um grupo de enfermeiras para estagiar em hospitais,
conforme o tratado de cooperação técnica que havia sido assinado no ano anterior.
No início da década de 1970, o Iraque nacionalizou seu petróleo, até então
explorado pela IPC. Apesar da ameaça de embargo por parte dos EUA e da Grã-
Bretanha, vários países como Itália, França, Hungria, Espanha e Brasil
reconheceram a nacionalização e passaram a importar o produto iraquiano. O
reconhecimento imediato da nacionalização por parte do Brasil nunca seria
esquecido pelos iraquianos, que sempre tratariam o Brasil de forma especial. O
governo brasileiro preocupado com uma possível crise de energia criou a Braspetro,
um braço internacional da Petrobrás, que foi criada com o objetivo de prospectar
petróleo em regiões distantes. Segundo o ex-presidente Ernesto Geisel:
Criou-se a Braspetro, uma empresa que começou a trabalhar no exterior
com o objetivo principal, além de pesquisar e produzir óleo, inclusive para o
nosso abastecimento, de conhecer e familiarizar-se com as modalidades de
contrato joint-venture celebrados por diversos países com as empresas
petrolíferas visando a produção de óleo.[…]A Petrobrás conhecia todas
essas questões, mas teoricamente, porque estava muito isolada. Era
necessário termos maior contato internacional […]A abertura de contratos de
risco ,no meu governo,foi uma decorrência da crise que sofremos com a
169
quadruplicação do preço do petróleo pela OPEP .
167
MONTENEGRO, 1992, p. 58.
Idem, p.84-85
169
D’ARAUJO e CASTRO 1997, p.245.
16892
Em outubro de 1974, a Braspetro deu inicio á fase de perfuração de
área em território iraquiano, onde fora autorizada a pesquisar e explorar por meio de
contrato assinado em agosto de 1972. A empresa esteve na Argélia, na Líbia e no
Iraque. E o que encontrou lá superou qualquer expectativa. No delta dos rios Tigre e
Eufrates, um campo chamado Majnoon com capacidade de produção de dez bilhões
de barris, uma quantidade equivalente a toda a produção atual do Brasil 170 .
As negociações sobre a forma de exploração daquelas reservas duraram anos. Os
técnicos brasileiros previam que seria necessário um investimento de cerca de
US$2,5 bilhões de dólares para começar a extrair o petróleo. Pelo acordo original, a
Petrobrás exploraria o poço, tendo o direito de adquirir 405.000 barris/dia, a preços
25% abaixo do mercado. Outros 300.000 barris/dia ainda seriam vendidos ao Iraque,
com base nas cotações em vigor por um período de vinte anos. No entanto, com
eclosão da guerra entre Irã e Iraque e a advertência, por parte do governo iraniano
de que a área onde se encontrava Majnoon seria considerada zona conflagrada, fez
com a Petrobrás mudasse de estratégia tratando de negociar uma indenização para
o Brasil. Armando Guedes, da Petrobrás e Shigeaki Ueki, ministro das Minas e
Energia em conversações com a equipe do presidente da companhia petrolífera
iraquiana, a Somo obteve para o país uma indenização de trezentos milhões de
dólares pelo que foi gasto em pesquisas geológicas, mais um fornecimento de cento
e cinqüenta mil barris por dia durante quinze anos 171 .
Armando Guedes, ex-presidente da Petrobrás, conta que certa vez ao chegar a
Bagdá numa das mais de cem viagens que fez a cidade naqueles anos, obteve
atendimento preferencial de Ramzi Al-Hussein, presidente da Somo que vendeu as
400 mil toneladas que Guedes lhe pediu pelo preço que transacionava normalmente,
numa época em que havia ágio de até cinqüenta por cento 172 .
O perito Fernando César da Silva, que pesquisou os arquivos da Petrobrás
entre 1978 e 1988por determinação da Justiça de Minas Gerais no processo que
envolvia a Construtora Mendes Júnior e o Banco do Brasil, descobriu que neste
período em que o Brasil trocou automóveis, engenharia e alimentos, a Petrobrás
pagava 23,12 dólares o barril enquanto no mercado internacional pagava-se quase
29 dólares. Isto gerou ao país uma economia de 17,1 bilhões de dólares. Um dos
170
ATTUCH, 2003, p.21
Idem, p.22
172
Ibidem, p.24
17193
principais fatores para esta relação especial foi a entrada da Construtora Mendes
Júnior no Iraque, que, com a experiência de quem já havia construído a maior parte
da hidrelétrica de Itaipu e a ponte Rio – Niterói, venceu a concorrência para a
realização de obras suntuosas do governo Saddam. Esta vitória num mercado tão
concorrido como o então emergente Iraque, colocou a Mendes Junior entre as
maiores construtoras do mundo.
Com a receita advinda da venda do petróleo o governo iraquiano
pretendia fazer uma revolução na infra-estrutura do país, construindo ferrovias,
rodovias, pontes, projetos de irrigação, enfim, tudo que um país precisa para se
modernizar estruturalmente. A entrada da Mendes Junior abriu as portas para outras
empresas brasileiras como a Sadia, a Massey-Ferguson e a Volkswagen. A
movimentação financeira era tamanha que, em 1982 foi criado o Banco Brasileiro-
Iraquiano, em associação com o Rafidain Bank. O dinheiro iraquiano era forte na
época, chegando a valer mais de três dólares. O primeiro desafio da construtora
brasileira foi a execução das obras da ferrovia Bagdá-Akashat, que teria nada
menos que 533 quilômetros de extensão. Isto num país que contava com
fornecimento deficiente de cimento, concreto e demais materiais necessários para a
conclusão da obra. E Bagdá exigia que a obra fosse concluída em três anos. A
maior parte da mão de obra era brasileira, que vieram com suas famílias para o
Iraque onde a Mendes Junior montou verdadeiras cidades, com hospitais, colégios,
clubes, restaurantes, etc. Muitos brasileiros conseguiram amealhar um bom dinheiro
no Iraque, pois as refeições e lazer eram gratuitos e, portanto, com exceção das
poucas despesas com a educação dos filhos, por exemplo, não tinham onde gastar
seu salário 173 . Após a conclusão da ferrovia, a Mendes Júnior foi convocada a
realizar novas obras: primeiro uma rodovia que atravessava o país todo, chamada
Expressway e depois uma das principais obras da empresa, o projeto Sifão. Sua
finalidade era tornar agricultável uma grande parte do país cujo solo era
excessivamente salinizado.
Este projeto, no entanto jamais seria concluído devido á eclosão de
um dos mais sangrentos conflitos do século XX: a guerra Irã-Iraque.
A guerra iniciou-se no final de setembro de 1980, quando Saddam
Hussein invade o Irã. O pretexto é o repúdio, por parte do Iraque, ao acordo de Argel
173
Ibidem,p.38.94
(1975), mediado pelo então secretário de Estado americano Henry Kissinger. O
referido acordo define os limites dos dois países ao Shatt al Arab (“Costa árabe”),
um canal de duzentos quilômetros formado pela confluência dos rios Tigre e
Eufrates e que passa entre os dois países. O Iraque alegava necessitar de uma
saída para o mar, o que facilitaria o escoamento de sua produção de petróleo. A
região abriga importantes instalações petrolíferas, tanto do Irã, quanto do Iraque.
Saddam Hussein desejava voltar à situação anterior a 1937, quando o Iraque
detinha soberania sobre a totalidade do curso de água. Para acirrar os ânimos, o
aiatolá Khomeini, líder iraniano, não esquecera que havia sido expulso por Saddam
a pedido do xá Reza Pahlevi, quando de seu exílio em Najaf, e que o líder iraquiano
dera apoio ao movimento contra-revolucionário de Shapur Bakhtiar e do general
Oveissi, conhecido como o carniceiro de Teerã, por ter ordenado os massacres
contra os manifestantes na época dos protestos contra o xá,que levaram a
Revolução Iraniana. A imprensa, na ocasião, chegou a noticiar que Bakhtiar sabia da
invasão iraquiana com um mês de antecedência e que teria um acordo com Saddam
para ser empossado o novo líder iraniano numa eventual vitória do Iraque.
Mas na verdade, tanto o Iraque, quanto seus aliados, subestimaram
a resistência iraniana, devido a aparente desorganização política e econômica do
país no período de transição entre o regime do xá e o novo regime. Outro motivo
que levou Saddam a estar tão confiante era o enfraquecimento do exército inimigo,
já que os principais generais e demais comandantes militares de alta patente do
exército iraniano haviam sido executados pelo regime de Khomeini. O ditador
iraquiano estimou que talvez jamais se repetissem condições históricas tão
favoráveis para o Iraque árabe derrotar o antigo império persa. Era também sua
chance de arrebatar para si o posto de senhor do golfo pérsico, vago desde a queda
de Pahlevi O momento também parecia propício para Saddam ocupar o papel de
líder do mundo árabe, sucedendo o nacionalista egípcio Gamal Abdel Nasser, morto
em 1970.
A guerra Irã-Iraque durou quase oito anos, de setembro de 1980 a
agosto de 1988, quando o Irã aceitou a resolução 598 da ONU. Oficialmente, o
Brasil manteve-se neutro quanto ao conflito. A guerra matou cerca de um milhão e
meio de pessoas, e feriram muitas mais, gerando ainda, milhões de refugiados. No
fim, nenhum dos motivos alegados para o início da guerra foi solucionado. As
fronteiras entre os dois países permaneceram praticamente inalteradas.95
Os impactos do conflito nas obras realizados por brasileiros foram
imediatos. Muitos trabalhadores árabes abandonaram a obra para lutar no front.
Além disso, o porto de Basra, onde desembarcavam todos os produtos necessários
à empresa brasileira, como suprimentos, fora bombardeado pelos iranianos. Porém,
com os ataques, a solução encontrada foi o desembarque em Ácaba, na Jordânia,
levando a empresa a um aumento de gastos considerável. Segundo a revista Veja, a
Mendes Junior pediu, a título de indenização, trezentos milhões de dólares pelos
custos adicionais, e pelos atrasos nos pagamentos decorrentes do esforço de guerra
iraquiano. O Iraque negou o pagamento da indenização, mas em compensação
ofereceu à Mendes Júnior a construção de 345 dos 505 quilômetros da ferrovia entre
Bagdá e Basra no valor de 2,4 bilhões de dólares 174 . Mas, ficaria por conta da
construtora a missão de negociar com o Banco do Brasil o financiamento das obras.
Quando o prejuízo já chegava a quase meio bilhão de dólares a construtora decidiu
paralisá-las. Como o Iraque precisava das mesmas, tanto quanto o Brasil precisava
de petróleo, o Banco do Brasil interveio e passou a emprestar recursos ao governo
de Bagdá para que as obras não fossem paralisadas e o petróleo não parasse de
fluir.
Foi então que o empresário Wolfgang Sauer, presidente da
Volkswagen no Brasil teve uma idéia inusitada: vender automóveis ao Iraque. Como
o país direcionava grande parte de suas verbas ao esforço de guerra, Sauer decidiu
realizar barter trade com o Iraque. Trocaria seus veículos por petróleo e depois
revenderia este à Petrobrás. Foi uma operação complicada, pois, em um país em
guerra, a idéia era atravessar o país com caminhões carregados de petróleo até a
Jordânia, onde o produto seria embarcado para o Brasil. Depois de muita
negociação por intermédio da Interbrás (Petrobrás Comercio Internacional S/A),
finalmente o negócio foi fechado, e a Volkswagen vendeu ao Iraque 175.000
veículos modelo Passat, a maior venda de automóveis de um único modelo já
realizada.
Com esta venda e o aumento da exportação de mais armas, frangos
congelados e açúcar, as vendas do Brasil ao Iraque chegaram próximas ao patamar
de um bilhão de dólares. Em 1984, o ministro do petróleo do Iraque Qassem Ahmed
Taqi, visitou o Brasil e voltou satisfeito com a garantia do governo brasileiro de que o
174
VEJA, 25/01/1984, p.7496
país continuaria comprando 160.000 barris diários com grandes possibilidades de
que este número chegasse a duzentos mil.
Em relação à indústria brasileira de armamentos, manteve-se a
mesma postura pragmática, ou seja, o interesse econômico sempre sobrepujou
eventuais objeções políticas. A idéia era apenas vender e se omitir de qualquer
responsabilidade sobre como seriam (ou contra quem seriam) utilizadas aquelas
armas. A IMBEL (Indústria de Material Bélico) estatal criada em 1975 para concorrer
com as nações mais desenvolvidas, tinha segundo o ex-secretário-geral do Exército,
Arnaldo Calderari seus objetivos centrados em 175
Articulação de campos pioneiros existentes no país, para encontrar
soluções e caminhos inexplorados, que permitissem novas opções para
investimentos, diversificação da pauta de exportações e facilidades para a
importação de bens de capital.
Fortalecimento da iniciativa privada, orientado no sentido de harmonizar e
equilibrar seus esforços com a fabricação militar e, em curto prazo,
estabelecer uma infra-estrutura capaz de atender as necessidades de
segurança, geradas pelo crescente desenvolvimento do País.
Orientação especial à indústria de material bélico, que poderia ser dada
através de uma empresa capaz de instalar, impulsionar e nacionalizar um
moderno parque fabril, conduzindo-o como o já existente no País e em
condições de superar restrições tecnológicas, pressões internas e externas,
e cooperar em outros campos de pesquisa.
A indústria bélica brasileira passou por um crescimento acentuado
desde seu surgimento, concorrendo e chegando a vender aeronaves para gigantes
da área como França, Inglaterra e EUA. Como afirma Miyamoto, para o governo
brasileiro não importava a coloração do regime cliente desde que a moeda fosse o
dólar. Contudo, até o puro comercialismo brasileiro tinha limites, pois o Itamaraty
vetou a venda de aeronaves modelo tucano para o regime racista sul-africano,
alegando que tal atitude poderia prejudicar a imagem do Brasil no mercado 176 .
Durante a década de 1980, o Iraque foi o principal cliente da
indústria de armas brasileira. Seria simplista afirmar que se tratou apenas de uma
troca de mercadorias por petróleo. Na verdade, ainda no programa de “Pragmatismo
Responsável” de Geisel, as relações com o Iraque tinham o objetivo declarado de
fazer com que o Brasil passasse incólume pela segunda grande alta do petróleo de
1979. O Oriente Médio, por se tratar de uma área sempre instável politicamente
constitui um mercado em potencial para a compra de armamentos. Segundo dados
175
Apud. MIYAMOTO, 1985, p.35397
divulgados em 1990, o Brasil teria vendido ao Iraque pelo menos 776 blindados tipo
Cascavel; 380 veículos anfíbios modelo Sucuri; 300 veículos de reconhecimento
chamados Jararaca e uma centena de lançadores tipo Astros. Em apenas sete anos
o Iraque adquiriu do Brasil mais de um bilhão de dólares em armas, helicópteros,
aviões leves, tanques e blindados 177 .
O conflito foi uma vitrine para os produtos brasileiros que logo foram
encomendados também por países como Líbia, Catar e Arábia Saudita. Para outros
tipos de armamentos o grande parceiro do Iraque foi a Avibrás (Aviação Brasileira
S/A), que vendeu a Bagdá mísseis de longo alcance, foguetes, radares, explosivos e
munição, além do principal item da Avibrás, o sistema Astros, que eram lançadores
móveis de mísseis e foguetes com alcance de até sessenta quilômetros. No entanto,
o sistema só tomou impulso de fato a partir de 1984, após a assinatura de um
tratado de cooperação industrial e militar entre Brasil e Arábia Saudita, que financiou
indiretamente a fabricação do sistema Astros por meio de um empréstimo ao Iraque.
Esta operação deu autonomia à Avibrás, que não estava mais vinculada as forças
armadas brasileiras, além de projetar o nome da empresa no mercado internacional.
O governo brasileiro decidiu investir para aproveitar melhor este nicho de mercado.
Para a promoção externa da indústria bélica o governo votou as “Políticas Nacionais
de Material de Emprego Militar”, (PNEMEM), que se tratava de um conjunto de
medidas destinadas a agilizar a burocracia e todos os recursos disponíveis para que
as relações comerciais fluíssem de forma mais rápida. O sistema estabeleceu
créditos e subsídios para a exportação de armas e isentou de impostos diversos
produtos necessários á fabricação de armamentos. Esta política foi reforçada pelo
rompimento do acordo militar com os EUA, que fez com que o Brasil buscasse seu
próprio caminho na indústria armamentista 178 .
A exportação do Brasil para a região durante a década de 1980, situa-
se na faixa de setecentos a oitocentos milhões de dólares anuais. Apenas para o
Iraque as vendas alcançaram o montante de 280 milhões de dólares, em média. A
inserção da indústria de armas na relação com o Oriente Médio em geral e o Iraque
em particular deve ser entendida como uma estratégia do governo muito bem
planejada. Esta cooperação incluiu até projetos na área nuclear.
176
177
MIYAMOTO, 1985, p.361
MONTENEGRO, 1992, p. 30.98
No início da década de 1980 o Iraque possuía um dos principais
exércitos do mundo, mas aspirava dominar a tecnologia nuclear. Para isso o
governo iraquiano assinou com a França um Acordo de Cooperação Nuclear. Tal
acordo, porém logo foi abortado devido a um ataque surpresa do exército de Israel,
que destruiu completamente as instalações de Osirak.
Em 1981, numa negociação que gera polêmica até hoje, o governo
brasileiro vendeu ao Iraque grandes quantidades de urânio, em diferentes graus de
enriquecimento. A edição da revista Veja de 24/06/1981, realizou uma reportagem
de capa sobre o tema. Segundo a publicação, todo o imbróglio a respeito da venda
urânio enriquecido ao Iraque começou com uma nota no jornal inglês The Guardian,
onde foi publicado que um avião comercial do Iraque decolara do aeroporto de São
José dos Campos transportando uma carga de urânio com destino á Bagdá. Esta
notícia, a principio não repercutiu na mídia brasileira. A polêmica toda só surgiu
depois que o Ministério das Relações Exteriores de Israel divulgou uma nota em que
inclui o Brasil num rol de cinco países que poderiam estar fornecendo urânio ao
governo de Saddam Hussein. Esta menção causou um ligeiro incidente diplomático
entre os dois países, pois o Brasil argumentou firmemente que o urânio vendido não
era enriquecido e não podia ser responsabilizado por eventual uso do material para
fins bélicos. A reportagem informava que o urânio em sua forma natural, ou apenas
superficialmente beneficiado, é material abundante e disponível no mercado,
dispensando operações clandestinas para ser obtido.
O autor lembra que o Brasil vendia peças de reposição de caças e
outros veículos de guerra, para o Iraque e outros países produtores de petróleo, e
que desde 1980, o Brasil formava técnicos iraquianos nas diversas fases das
atividades nucleares. O autor lembra as relações especiais entre os dois países,
com o grande fluxo de mercadorias provenientes do Brasil e que, até o bombardeio
do porto de Basra pelos iranianos em 1980, rendia ao Brasil cerca de trezentos
milhões de dólares anuais.
O Brigadeiro Hugo de Oliveira Piva, que chefiou as pesquisas do
Centro Aeroespacial de São José dos Campos apesar de negar que o Brasil
desenvolvesse o processo de enriquecimento de urânio com fins bélicos, admite que
178
Ibidem, p.61-6299
não houve controle das agências internacionais na negociação com o Iraque 179 .
Oficialmente, Piva, que coordenou uma equipe de vinte e quatro cientistas em
Bagdá, estava apenas auxiliando os iraquianos a desenvolverem um sistema de
mísseis ar-ar. Segundo ele, seu trabalho no Iraque durou de 1979 a 1982, e
envolveu tão somente foguetes de curto alcance e veículos militares comprados da
Avibrás. Retornou ao Iraque ainda mais duas vezes, em 1986 e no ano seguinte,
quando ajudou a desenvolver os mísseis ar-ar. Mesmo depois de reformado, Piva,
como vice-presidente da Órbita, que contava com a participação da Embraer, da
Imbel, e da Engesa, continuou trabalhando com o Iraque. Depois que saiu da
empresa, ainda atuaria como consultor da Engesa e com sua própria empresa, a
HOP, sempre com o conhecimento do governo brasileiro.
Em janeiro de 1980, foi assinado um acordo de cooperação nuclear,
que deveria vigorar em 1981, e, em agosto foi estabelecido um acordo de mútua
colaboração na área científico-tecnológica. O acordo nuclear com o Iraque foi
assinado em janeiro de 1980, em Bagdá, estabelecendo uma relação de ampla
cooperação entre as entidades nacionais responsáveis pela energia nuclear em
cada país, a Nuclebrás, brasileira, e a Comissão Nacional de Energia Atômica,
iraquiana. O acordo seria válido por dez anos renováveis por períodos de um ano e
encontrava-se vigente quando a ONU declarou o embargo ao Iraque após a Guerra
do Golfo. A cooperação nuclear seria desenvolvida principalmente nas áreas de
prospeção, exploração, extração mineral e enriquecimento de urânio; fornecimento
de urânio natural e de urânio levemente enriquecido, para o abastecimento dos
reatores; fornecimento de equipamentos e serviços de engenharia para a construção
dos reatores; intercâmbio de know-how do Sistema Internacional de Informações da
AIEA (Agencia Internacional de Energia Atômica); intercâmbios de visitas, realização
de experiências conjuntas e formação de recursos humanos 180 .
Bagdá esperava com esta cooperação desenvolver armas atômicas,
enquanto o Brasil, para a obtenção deste mesmo objetivo também buscava se
aproveitar das relações nucleares que o Iraque possuía com França e URSS para
obtenção de know-how. Em 1981, o CNEN (Conselho Nacional de Energia Nuclear)
embarcou material para a central nuclear de Osirak, que seria bombardeada por
179
180
ATTUCH, Leonardo. Saddam, o amigo do Brasil. (p.153)
MONTENEGRO, 1992100
Israel posteriormente. Uma semana depois, por meio do embaixador Sérgio Correia
da Costa, o Brasil emitiria um voto de protesto contra o ataque no Conselho de
Segurança da ONU.
A propósito, devido as relações especiais que o Brasil tinha com o
Iraque, o governo brasileiro sempre procurou evitar criticar o país árabe,
especialmente nos foros multilaterais, colocando sempre em primeiro plano as
relações comerciais, característica do pragmatismo responsável de Geisel que
permaneceu nos governos Figueiredo e Sarney. Norte-americanos e franceses
agiram de forma semelhante, valorizando o comércio em detrimento da crítica a
posição ditatorial de Saddam Hussein. No caso brasileiro, cooperação nos foros
multilaterais, acordos econômicos e culturais sempre aparecem nos discursos dos
dignitários dos dois países. Em maio de 1986, o Vice – Primeiro- Ministro do Iraque,
Taha Yassin Ramadan, visitou o Brasil. Deste encontro foi emitido um comunicado
conjunto no qual se mencionou a reunião da Comissão Mista Brasil-Iraque, que
cobriu temas econômicos e comerciais, bem como assuntos de cooperação
científica e tecnológica. Em novembro do mesmo ano, o Ministro da Indústria e
Comércio, José Hugo Castello Branco retribuiu a visita, participando da cerimônia de
abertura da Feira Internacional de Bagdá, onde presidiu a celebração do “Dia do
Brasil.” A proximidade entre Brasil e Iraque, pode ser aferida por este discurso do
então vice-presidente do Brasil Aureliano Chaves na ocasião da visita de Ramadan:
“[…] deste novo Iraque que está sendo construído, o Brasil tem sido sócio
nos empreendimentos que exaltam a capacidade de realização valendo
destacar que o Iraque é o maior fornecedor de petróleo para o Brasil, seu
maior cliente no mundo árabe, e um dos dez maiores parceiros do Brasil.
Até dezembro de 1979, o número de brasileiros radicados no Iraque para
trabalhar poderá chegar a dez mil pessoas, ocupados em pesquisas
181
geológicas, construção civil e engenharia ferroviária…”
Somente no ano de 1983, Brasil e Iraque realizaram três pedidos de
votos em diversos foros multilaterais. Em março, o Brasil pediu ao Iraque que o
apoiasse na reeleição no Conselho da Organização da Aviação Civil Internacional,
(ICAO). Em junho, é feito um acordo de troca de votos entre os dois países no
Conselho da Organização Marítima Internacional, (IMO). E, no mês seguinte, o
Iraque pediu ao Brasil que o apoiasse na candidatura daquele país na Junta de
Governadores da Agência Internacional de Energia Atômica, (AIEA). De uma forma
181
Discurso do ex-vice-presidente do Brasil, Aureliano Chaves, na ocasião da visita do vice-
presidente do Iraque, Muyuddin Marouf, em 14 de maio de 1979.101
geral, o Brasil declarava sua solidariedade ao Iraque nos fóruns internacionais e
vice-versa. Em 1984, a empresa brasileira de engenharia Nation desenvolveu um
projeto para construir instalações nucleares no Iraque. No entanto, o programa
nunca foi adiante porque as autoridades iraquianas queriam que as mesmas fossem
capazes de suportar bombardeios. Como o Iraque encontrava-se numa situação
econômica complicada em decorrência do conflito com o Irã o projeto acabou sendo
abandonado.
Como já foi dito a modalidade de comércio mais utilizada nas
relações Brasil-Iraque foi o counter trade, barter ou o comércio compensado. Esta
era uma forma de utilizar a conta petrolífera da Petrobrás como um meio de
financiamento das exportações. Este modelo de comércio não foi utilizado somente
em relação ao Iraque, mas também com outros países exportadores de petróleo
como Nigéria e Argélia. O counter-trade foi realizado da seguinte maneira: havia
sempre um montante máximo e um prazo para a sua execução. Neste caso o
acordo era de 1,2 bilhões de dólares e seria realizado durante três anos de
importação de petróleo. Destinava-se um percentual do total de barris/dia
comprados pelo Brasil, contra o pagamento de produtos adquiridos pelo Iraque.
Exemplo: 50.000 barris por dia, importados durante três anos pagavam 100.000
Passats da Volkswagen, adquiridos pelo Iraque. Os veículos eram embarcados e
seu preço descontado das importações de petróleo brasileiras. 182 .
Após dez anos de comércio bilateral nos moldes acima citados, as
exportações brasileiras para o Iraque raras vezes superavam 10% do valor das
importações de petróleo e o déficit acumulado da balança de pagamento chegou a
mais de dois bilhões de dólares. As exportações brasileiras cresceram até 1983
quando chegou a 420 milhões de dólares, mas depois este valor passou a cair. Em
1987, houve uma tentativa de reaquecer o comércio com um acordo assinado em
Brasília envolvendo a Scania, a Massey Perkins e a Volkswagen. Tal negociação, no
entanto, não vingou, pois uma reclamação por parte do Brasil de uma dívida não
paga não obteve resposta do Iraque fazendo com que o Banco do Brasil cancelasse
os financiamentos.
182
MONTENEGRO, 1992, p. 93.102
Segundo Montenegro,
“…o Brasil exigia a devolução de 143 milhões de dólares devidos à CACEX
por financiamentos não pagos, 276 milhões por equipamentos de
propriedade do BB, 250 milhões de dólares depositados como garantia de
obras, além de 34 milhões de dólares emprestados pelo BB. As empresas
privadas […] se consideravam credoras de: Avibrás, 53 milhões por vendas
não pagas; Promon Engenharia, 1,4 milhões de dólares; Perdigão, 4,7
milhões de dólares; Esusa 3,6 milhões; Mendes Junior, 534 milhões e
183
outras empresas, 2,3 milhões.” (p.102)
A guerra Irã-Iraque causou um grande prejuízo para a construtora
Mendes Júnior. Em pleno esforço de guerra, o governo iraquiano começou a atrasar
seus pagamentos para a empreiteira brasileira. Quando as dívidas já chegavam a
quase meio bilhão de dólares, em 1987, a direção da empresa decidiu suspender as
obras. Apenas dois anos depois a questão foi pelo menos, parcialmente
solucionada, quando o Banco do Brasil assumiu as obrigações da Mendes
decorrentes da obras no Iraque. Com a instabilidade da situação, a construtora
ameaçou por diversas vezes deixar o país, mas logo o Banco do Brasil agia,
emprestando dinheiro ao governo iraquiano. Como o Brasil precisava do petróleo do
parceiro árabe, a Mendes Júnior foi usada como uma espécie de garantia do
fornecimento do produto. Uma vez assinado o contrato, a Mendes Júnior reiniciou as
obras, e o Banco do Brasil comunicou á Câmara de Comércio Internacional de Paris,
que ele passaria a ser o credor do governo de Bagdá. Tudo estava pronto para que
se retomasse o ritmo normal dos trabalhos quando uma nova guerra assinalaria o
fim das relações Brasil-Iraque por um longo período.
O Kuwait, detentor de 10% das reservas mundiais de petróleo, já fez
parte do território iraquiano, e lhe foi tomado quando da partilha arbitrária da região
realizada pela Inglaterra. Saddam Hussein, ao invadir o país vizinho em agosto de
1990, argumentava que o Kuwait estava vendendo petróleo a preços muito abaixo
dos praticados no mercado para agradar os EUA, o que caracterizaria concorrência
desleal.
Segundo Tarek Aziz, então Ministro das Relações Exteriores,
[…] queríamos fazer entender ao presidente Bush que o Iraque não
representava um perigo para os interesses legítimos dos EUA na região.
Estimávamos que as divergências entre os árabes não eram assunto
americano e não desejávamos que os EUA interviessem.É a razão pela
qual Saddam Hussein convocou (a embaixatriz americana) April
Glaspie,antes de nossa entrada no Kuwait.[…]Ela nos disse unicamente
que,quando era funcionária no Kuwait nos ano 60,a posição dos EUA no
183
MONTENEGRO, 1992, p.102103
conflito era de não-intervenção.[…]Conhecíamos esse fato histórico.Na
época ,o Kuwait era uma colônia britânica e os americanos não estavam
presentes.Quando o general Kassem ameaçou o Kuwait em 1961 […]
encontrou diante dele os ingleses e não os americanos.[…]Durante essa
entrevista,houve um chamado do presidente Moubarak.[…]Na sua volta,ele
disse que acabava de ser combinado um encontro entre nós e o Kuwait em
Djeddah.Ele estava otimista.A decisão de invadir o Kuwait foi tomada após
184
o fracasso da reunião. (p.36)
De acordo com Patrick Denaud existe um documento do final de
1989 redigido pelo diretor de segurança do Estado do Kuwait, mencionando um
acordo com a CIA. Os kuwaitianos teriam sido inflexíveis na reunião citada por Aziz
porque possuíam todas as garantias de segurança por parte de Washington. Tarek
Aziz defende no livro de Denaud a idéia de que o Iraque não tinha intenções de
ocupar o Kuwait e seu raciocínio é bastante lógico. Segundo ele, se fosse o caso
seria mais inteligente fazê-lo na década de 1970,quando a URSS era uma
superpotência aliada dos iraquianos,e quando a influência norte-americana ainda
não se fazia sentir de maneira tão acentuada
185
. Porém havia outro motivo para a
invasão iraquiana. Como em tantas outras guerras, a necessidade de uma saída
para o mar foi um dos motivos alegados por Bagdá. Com a invasão do Kuwait, a
ONU decretou um embargo contra o Iraque, que o transformou num paria
internacional, completamente isolado do resto do mundo. O embargo levou cerca de
1,5 milhões de pessoas á morte, metade das quais formada por crianças menores
de cinco anos, números reconhecidos pelas Nações Unidas 186 . O resultado do
embargo para o povo iraquiano foi tão desastroso, que, em março de 2000, o diretor
do programa humanitário da ONU, Hans Von Sponek, renunciou ao cargo, alegando
não suportar mais o peso desta tragédia.
Quando a Guerra do Golfo começou, havia 450 brasileiros no Iraque,
entre funcionários da Avibrás, Mendes Júnior, Volkswagen, e da Cacex (Consultoria
e Acessória de Comércio Exterior). Mesmo com a eclosão da guerra, Saddam exigia
a continuação dos trabalhos, embora o governo brasileiro tivesse acatado a
proibição da ONU de manter qualquer relação de negócios com Bagdá. No início de
1990 o embaixador Flecha de Lima foi enviado a capital iraquiana com a espinhosa
missão de retirar os brasileiros do Iraque. Muitos viram essa missão como um
184
DENAUD, 2003, p. 36
Ibidem, p.37
186
Disponível em http://www.geocities.com/Iraqinfo/sanctions/sanctions.html, acessado em:
30/11/2006.
185104
castigo a um dos idealizadores da relação Brasil-Iraque. Os opositores desta relação
começaram a disseminar boatos de que os brasileiros estavam recebendo maus
tratos. Estes rumores se espalharam a tal ponto, que no dia 10 de janeiro de 1991,
Flecha de Lima enviou um telegrama ao Ministro das Relações Exteriores do Iraque,
Tarek Aziz, relatando a má repercussão na mídia brasileira sobre a lentidão na
liberação dos brasileiros e suas conseqüências na relação Brasil-Iraque. Muitos
brasileiros nos acampamentos começaram a entrar em pânico ante a possibilidade
de viver num país bombardeado pela maior potência bélica mundial. Alguns itens
básicos, como leite, começaram a escassear. Muitos acharam que a empresa não
queria deixá-los retornar ao Brasil. O corpo diplomático brasileiro também passou
por maus momentos. Em telegrama enviado pelo diplomata René Loncan,
classificou a situação dos diplomatas de uma forma geral como reféns do governo
iraquiano, que os usavam como escudos humanos, numa tentativa desesperada de
adiar o máximo possível o ataque. Felizmente, os brasileiros não tiveram tanta
dificuldade de sair do país como estrangeiros oriundos de países participantes da
coalizão montada pelos EUA. Antes de partir, porém, a Mendes Júnior preparou
iraquianos para a manutenção do Projeto Sifão e da Expressway, enquanto eram
divulgados editais para que construtoras locais assumissem a conclusão das obras.
Cerca de US$ 230 milhões de dólares em equipamentos foram abandonados no
Iraque. Entre 13 de agosto de 1990,quando a embaixada brasileira no Iraque
comunicou que os funcionários da Mendes Júnior deveriam ser retirados e 15 de
janeiro de 1991,quando o ultimo funcionário deixou o Iraque,a empresa passou por
momentos de tensão devido as negociações para a liberação dos vistos 187 .
Quando a Mendes Júnior deixou o país, a ferrovia já tinha sido
entregue, assim como 95% da Expressway. O Projeto Sifão era o que encontrava-se
mais atrasado:apenas 30% das obras estavam prontas.
No período de 1979 a 1989, auge das relações Brasil-Iraque, o
Brasil acumulou exportações da ordem de US$ 4 bilhões de dólares,tendo a Mendes
Júnior,como base dessa relação.As importações chegaram a US$22 bilhões.Em
entrevista a Leonardo Attuch,o ex-ministro do planejamento Delfim Netto afirma que
em outros países o Brasil compraria petróleo em condições muito menos favoráveis
187
BORGES e MENDES, 2004, p. 224-225.105
e provavelmente não conseguiria exportar quantia significativa de produtos para o
Oriente Médio,enfrentando um grave colapso no abastecimento de petróleo.
Em janeiro de 1991,quando começaram os bombardeios norte-
americanos, Narciso de Fonseca Carvalho, diretor da Área Internacional do Banco
do Brasil, visitou Bagdá para negociar o contencioso da Mendes Junior com o Banco
Central Iraquiano.
Mas o imbróglio financeiro mal começara: o Brasil como credor,
deveria pagar todas as dívidas da construtora e buscar ressarcimento junto ao
governo iraquiano ou nos fóruns internacionais de arbitragem. No entanto,em 1995,
o Banco do Brasil decidiu executar judicialmente a Mendes Júnior, a despeito de a
empresa ter sido a base de relações lucrativas e favoráveis ao comércio brasileiro.
A História das relações entre Brasil e países árabes só ganha relevância do
ponto de vista econômico na década de 1960. O desconhecimento mútuo entre as
partes sempre foi um entrave para que o comércio fluísse de maneira satisfatória. O
primeiro passo nesta aproximação ocorreu por meio do estabelecimento de
embaixadas, iniciado no governo Médici. Contudo, a conjuntura econômica da crise
do petróleo levou seu sucessor, Ernesto Geisel a estreitar laços com o Mundo
Árabe. A princípio o intercâmbio mais intenso se dava com dois países do norte da
África: Argélia e Líbia, embora ambas as relações sempre tenham sido
especialmente deficitárias para o Brasil,devido ao baixo interesse daqueles países
em importar produtos brasileiros.
Com a Arábia Saudita, maior produtor mundial de petróleo, houve um intercambio
volumoso advindo da comercialização de blindados, tanques e caças. Mas foi com o
Iraque que o Brasil desenvolveu uma relação toda especial que ultrapassou o mero
interesse comercial. Devido a uma solidariedade terceiro-mundista aliado a gratidão
do governo iraquiano ao Brasil por este ter reconhecido a nacionalização do petróleo
daquele país anos antes, o Iraque sempre garantiu ao Brasil o suprimento de
petróleo, mesmo quando este passava por dificuldades financeiras advindas do
segundo choque do petróleo. Não se pode descartar também o fato de que
tratavam-se de dois países em estágio de desenvolvimento semelhante,que
possuíam ambições de hegemonia regionais,e que buscavam satisfazer seus
interesses nacionais evitando maiores atritos com as superpotências. O comércio
entre os dois paises foi denominado barter trade,que poderia ser traduzido em bom
português como “escambo”.106
O Iraque aceitou trocar petróleo por automóveis, blindados,
alimentos, produtos manufaturados, entre outros. A presença brasileira no Iraque se
deu por meio da instalação do braço internacional da Petrobrás, a Braspetro, que
descobriu o poço de Majnoon, um dos maiores do mundo até então e a Construtora
Mendes Junior que executou diversas obras de infra-estrutura no Iraque, como
rodovias e ferrovias. No final da década de 1970, o país liderado por Saddam
Hussein era um dos maiores parceiros comerciais do Brasil, numa relação que
incluiu também diversos acordos culturais, de transferência de tecnologia, e até a
criação de um banco, o Brasileiro-Iraquiano, liquidado na esteira das sanções contra
o Iraque impostas pela ONU em 1990.107
CONSIDERAÇÕES FINAIS
No começo do século XX as relações do Brasil com o então Império
Otomano, cuja área cobria todo o Oriente Médio eram praticamente inexistentes e D.
Pedro II havia sido o único líder brasileiro a visitar a região. A partir daquele
momento e até a década de 1960 as relações com a região foram incipientes, tendo
se tornado mais substanciais somente a partir do governo Médici. Com Geisel na
presidência este processo de aproximação atinge proporções nunca vistas, não só
do ponto de vista comercial, mas político também, com o Brasil votando contra o
sionismo na ONU e trocando votos de apoio com o Iraque em diversos organismos
internacionais. Do ponto de vista econômico, o Brasil, endividado e passando pela
ressaca do projeto que pretendia transformá-lo numa potência, precisava de divisas
e via na exportação uma excelente maneira de equilibrar suas finanças.
A crise do petróleo fez com que o intercâmbio com os árabes se
tornasse um imperativo para que o país não sofresse tanto com a escassez de
combustível. Em troca de petróleo, o Brasil exportou os mais diversos produtos e
aproximou-se não só comercialmente, mas também politicamente do Iraque de
Saddam Hussein e da OLP, de Yasser Arafat, afastando-se de Israel. As
semelhanças entre Brasil e Iraque, como potências médias e regionais e pelas suas
ambições nucleares, fizeram com que este país mesopotâmico merecesse destaque
entre os demais países árabes. O Brasil possuía uma imagem bastante positiva no
mundo árabe, tanto por ter acolhido muitos imigrantes daquela região, como por sua
tradição diplomática de não interferência nos assuntos internos de outros países.
No entanto, é importante lembrar que a intensificação do comércio
com o mundo árabe fazia parte de um projeto maior que era a diversificação de
parcerias e a busca por uma maior autonomia econômica. No pensamento de Geisel
ter boas relações com os EUA era essencial, desde que a soberania do Brasil não
fosse prejudicada.
Apesar de não ter obtido todo o sucesso que se esperava e de ter
recebido severas críticas de setores mais conservadores, o fato é que o mercado
árabe foi desbravado e mantém-se até hoje como uma região de grande potencial, já
que no Golfo Pérsico há países cujas rendas per capita estão entre as mais altas do108
mundo, configurando-se, portanto, em mercados de alto poder aquisitivo. Seguindo
a tendência mundial de união em blocos econômicos, os países árabes têm
procurado se agrupar de forma mais ou menos equânime em termos econômicos no
afã de aperfeiçoar sua capacidade de negociação frente a grupos mais fortes.
As condições para um intercâmbio intenso como o ocorrido na
década de 1970 talvez nunca se repitam, mas certamente o período analisado neste
trabalho configurou-se num interessante exercício de relação Sul-Sul e uma busca
mútua de autonomia e desenvolvimento no contexto de bipolaridade da Guerra Fria.109
FONTES
JORNAL FOLHA DE S. PAULO, São Paulo, 03/12/2003 a 13/12/2003.
REVISTA VEJA São Paulo: Ed. Abril, 02/02/1978 a 18/10/1991.
BIBLIOGRAFIA
AL-SAFI, Mansour Saleh. Arábia Saudita: Política Externa e Aspectos de Suas
Relações com o Brasil 1 a , ed. Brasília: Thesaurus, 1993.
ATTALAH, Paulo Sérgio. Relações Internacionais Entre o Brasil e o Mundo
Árabe: Construção e Perspectivas, Brasília: Fund. Alexandre de Gusmão, 2001.
[Anais de seminário].
ATTUCH, Leonardo. Saddam, o Amigo do Brasil: a História Secreta da Conexão
Bagdá. 1 a .ed. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2003.
________________e MENDES, Murillo. Quebra de Contrato: O Pesadelo dos
Brasileiros. 1 a ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2004.
BANDEIRA, Luiz Alberto Moniz. As relações perigosas: Brasil e Estados Unidos.
São Paulo, Civilização Brasileira, 2004.
BEDIN,Gilmar
Antônio(org).Paradigmas
Internacionais:idealismo,realismo,dependência
interdependência.Ijuí.Ed.Ijuí,2000,304 p.
das
Relações
e
BORGES,Nilson Filho. Forças Armadas e Política Externa: O Governo Geisel.
Brasília: Revista Política e Estratégia. Vol.III, N. 2 Abr – Jun, 1985, p.266-274110
BUENO, Clodoaldo e CERVO, Amado. História da Política Exterior do Brasil. 2 a
ed. Brasília: UnB, 2002.
_______________. A Política Externa Brasileira 1822-1985. São Paulo: Ática,
1986.
CAMARGO,Sônia e OCAMPO,José Maria Vasquez.Autoritarismo e Democracia
na Argentina e no Brasil.Uma Década de Política Exterior (1973-1984).São
Paulo:Convívio,1988.
CAVAGNARI, Geraldo Lesbat Filho. Autonomia Militar e Construção da Potência.
Rio de Janeiro: In: As Forças Armadas no Brasil.1 a ed. Espaço e Tempo s/a,1989
p.57-144
_______________. Avaliação e Perspectivas da P&D Militar. In: Revista de Política
Externa, Vol.3 , Numero 1, Jun-Ago 1994. São Paulo: Paz e Terra. p.17-32.
CERVO, Amado. Revista Brasileira de Política Internacional. Brasília: Número 40,
1997, p.5-26.
_____________. Revista Brasileira de Política Internacional. Brasília: Número 46,
2003, p.2-22.
COSTA, Vanda Maria. A Escola Superior de Guerra e a Nova República. In: Revista
Política e Estratégia. Brasília, Vol.III, Número 2, Abr-Jun 1985, p.259-265.
CHALLITA, Mansour. Arábia Saudita: As mil e uma noites em nossos dias. s/ed.
Rio de Janeiro: Acigi, s/ano.
DECUADRA, Daniel Rótulo. Geopolítica, Política Externa e Pensamento Militar
Brasileiros em Relação ao Atlântico Sul (1964-1990).Dissertação de Mestrado
apresentada ao Instituto de Relações Internacionais da PUC/RJ em 1991.
DEMANT, Peter. O Mundo Muçulmano. s/ed. São Paulo: Contexto, 2004.
DE CHANCIE, John. Nasser. s/ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988.111
DENAUD, Patrick. Iraque, a Guerra Permanente: a Posição do Regime Iraquiano. 1
ed. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2003.
D’ARAÚJO, Celina e CASTRO Celso. (org.s) Ernesto Geisel. 4 a . ed. Rio de Janeiro:
Editora FGV,1997.
_______________ . Dossiê Geisel. 2 a . ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002.
DUROSELLE, Jean Baptiste. Todo Império Perecerá. Brasília: UnB, São
Paulo:Imprensa Oficial do Estado, 2000.
FERREIRA-LOPES, José. As Relações com os Países Árabes: O Conselho Árabe
de Cooperação do Golfo [GCC]. Relatório pessoal [inédito].
FERREIRA, Oliveiros. As Forças Armadas Como Instrumento de Política Externa.
Brasília: Revista Política e Estratégia. Vol. IV Numero 4, Out-Dez 1986, p.548-553.
FERREIRA, Rogério. O Parto do Demiurgo: A Gênese da Estratégia Econômica do
Governo Geisel. (Dissertação-Mestrado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências
Humanas da USP, São Paulo, 1999.
GARCIA, Eugênio Vargas. O Pensamento dos Militares em Política Internacional
(1961-1989) Brasília: Revista Brasileira de Política Internacional, número 40,
1997, p.18-40.
GÓES, Walder. O Brasil do General Geisel. Rio de Janeiro: Nova Fronteira 1978
GRILLO, Vera de Araújo. A Teoria dos Sistemas e o Modelo da ESG: Uma Análise.
Brasília: FUNAG In: Revista Política e Estratégia, Vol. VI, Número 1, Jan-Mar,
1988, p 75-97.
HERZ, Mônica. A Dimensão Cultural das Relações Internacionais e os Atores Não-
Governamentais. Revista do Instituto de Relações Internacionais, Rio de Janeiro:
PUC. Jul-Dez, 1988, p.69-82.
HOURANI, Albert. Uma História dos Povos Árabes. 2. ed. São Paulo: Companhia
das Letras, 1994.
KINZER, Stephen. Todos os Homens do Xá: o golpe norte-americano no Irã e as
Raízes do Terror no Oriente Médio.1 a ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.112
LACKNER, Helen. A House Built of Sand: a Political Economy of Saudi Arabia.
s/ed. Reading: Ithaca Press, 1982.
LESSA,Antônio Moraes Lessa.A Estratégia de Diversificação de Parcerias no
Contexto do Nacional-Desenvolvimentismo (1974-1979). Revista Brasileira de
Política Internacional,Rio de Janeiro,número 38,1995,pp. 24-39.
MACEDO, Ubiratan Borges. A Escola Superior de Guerra, Sua Ideologia e Trânsito
Para a Democracia. Brasília: FUNAG. Revista Política e Estratégia Vol. VI Número
2, Abr-Jun, 1988 (p.215-222)
MAJZOUB, Ismail. Relações Internacionais Entre o Brasil e o Mundo Árabe:
Construção e Perspectivas, Brasília: Fund. Alexandre de Gusmão, 2001. [Anais de
seminário].
MARINHO, Ilmar Penna Jr. Petróleo: Política e Poder. Rio de Janeiro: José
Olympio Editora, 1989.
MATTOS, Carlos de Meira. Brasil: Geopolítica e Destino. 2.ed. Rio de Janeiro:
José Olympio Editora,1979
MILZA, Pierre. Política Interna e Política Externa. IN: RÉMOND. René (org.). Por
Uma História Política. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1996.
MIYAMOTO, Shiguenoli. Do Discurso Triunfalista ao Pragmatismo Ecumênico
[Geopolítica e Política Externa no Brasil Pós-64]. (Tese-Doutorado) Faculdade de
Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1985.
_________________. A Geopolítica e o Brasil Potência. Marilia: UNESP, 1985.
_________________.
UNESP,1987.
Geopolítica
e
Política
Externa
Brasileira.Marilia:
_________________. Escola Superior de Guerra: Mito e Realidade. Brasília
Revista Política e Estratégia Vol. V, Numero 1, Jan – Mar 1987 [p.76-97].
________________. e GONÇALVES, Williams. Militares, Diplomatas e Política
Externa no Brasil Pós-64. Campinas, UNICAMP, 1991.113
MOLIVER, Donald e ABBONDANTE, Paul. The Economy of Saudi Arabia. S/ed.
Westport:Praeger, 1980.
MONTENEGRO, Marcelo. Indústria Bélica e Diplomacia na Relação Brasil-Iraque
(1979-1989). (Dissertação-Mestrado) Departamento de Relações Internacionais,
Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 1992.
NETTO, Rodolpho Gustavo da Paixão. A Segurança Nacional nas Relações
Internacionais. Brasília: Revista Política e Estratégia Vol VI, Numero 2, Abr-Jun,
1988, p.247-251.
OLIVEIRA, Eliezér Rizzo. De Geisel a Collor: Forças Armadas, Transição e
Democracia. Campinas: Papirus,1994.
__________________. Doutrina de Segurança Nacional: Pensamento Político e
Projeto Estratégico.Brasília:Revista Política e Estratégia Vol VI, Numero 2 Abr-Jun,
1988, p.233-246.
________________. As Forças Armadas: Política e Ideologia no Brasil (1964-
1969). Petrópolis: Vozes, 1976
OMAR, Jabr Hussein. Relações Internacionais Entre o Brasil e o Mundo Árabe:
Construção e Perspectivas, Brasília: Fund. Alexandre de Gusmão, 2001. [Anais de
seminário].
PASSOS, Rodrigo Duarte Fernandes. Pragmatismo Responsável e política de
poder: a política externa do Governo Geisel. (Dissertação-Mestrado),
Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.
PEDRAZA, Luis Dallanegra. Bases para uma
Teoria
das Relações
Internacionais a Partir da Visão dos Paises do Sul. Brasília: Revista Política e
Estratégia, Vol. V Número 4,Out – Dez, 1987, p.529-549.
PEREIRA, Antonio Carlos. Aspectos Totalizantes da Doutrina de Segurança
Nacional. Brasília: FUNAG. Revista Política e Estratégia. Vol VI, Número 2, Abr-Jun,
1988, p. 252-271.
PORTO, L. de A. Nogueira. A Política Exterior: Da Independência ao
Pragmatismo. Brasília, Revista Política e Estratégia. Vol.IV, Número 2,Abr-Jun,
1986, p.280-289.114
QUADROS,Jânio.Nova Política Externa do Brasil. Revista Brasileira de Política
Internacional,Rio de Janeiro,ano IV,número 16,dezembro de 1961,pp.150-156.
ROCHA, Maria Selma de Moraes. A Evolução dos Conceitos da Doutrina da
Escola Superior de Guerra nos anos 70. (Dissertação-Mestrado), Faculdade de
Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.
SAFADY, Jorge. A Imigração Árabe no Brasil. 2 vol.( Tese-Doutorado) Faculdade
de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo,
1972.
SANTOS, Norma Breda. A Dimensão Multilateral da Política Externa Brasileira:
Perfil da Produção Bibliográfica. Revista Brasileira de Política Internacional.
Numero 45, 2002, p.26-45.
SILVA, Silvana Romancini. Política Externa Brasileira para os Países Árabes de
1974 a 1984. (Dissertação-Mestrado) Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências
Humanas, Universidade de Brasília, 1988.
SPEKTOR, Matias. Origens e Direção do Pragmatismo Ecumênico e
Responsável. Revista Brasileira de Política Internacional. Numero 47, 2004, p.2-33.
UNGER, Craig. As Famílias do Petróleo: as Relações Secretas entre os clãs
Bush e Saud. Rio de Janeiro: Record, 2004.
VIZENTINI, Paulo Fagundes. Relações Internacionais do Brasil de Vargas a Lula.
São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2003.
___________________. A Política Externa do Regime Militar Brasileiro. 1.ed.
Porto Alegre: ED. UFRGS, 2002.