Cantigas de Santa Maria (302 – 425), Alfonso el sabio

PDF: Cantigas de Santa Maria (302 – 425), Alfonso el sabio
Cantigas de Santa Maria (302 – 425)
Alfonso el sabio
fonte: http://brassy.club.fr/index.html
Cantigas










































Cantiga 302
Cantiga 303
Cantiga 304
Cantiga 305
Cantiga 306
Cantiga 307
Cantiga 308
Cantiga 309
Cantiga 310
Cantiga 311
Cantiga 312
Cantiga 313
Cantiga 314
Cantiga 315
Cantiga 316
Cantiga 317
Cantiga 318
Cantiga 319
Cantiga 320
Cantiga 322
Cantiga 323
Cantiga 324
Cantiga 325
Cantiga 327
Cantiga 328
Cantiga 329
Cantiga 330
Cantiga 332
Cantiga 333
Cantiga 334
Cantiga 335
Cantiga 339
Cantiga 340
Cantiga 341
Cantiga 342
Cantiga 343
Cantiga 344
Cantiga 347
Cantiga 348
Cantiga 349
Cantiga 350
Cantiga 351
A MADRE DE JESUCHRISTO
POR FOL TENNO QUEN NA VIRGEN
AQUELA EN QUEN DEUS
SENPRE DEVEMOS NA VIRGEN
POR GRAN MARAVILLA
TOLLER POD’A MADRE
DE TODO MAL POD’A VIRGEN
NON DEVEN POR MARAVILLA
MUITO PER D’EVA REYNA
O QUE DIZ QUE SERVIR
NON CONVEN QUE SEJA FREITA
ALI U TODOS LOS SANTOS
QUEN SOUBER SANTA MARIA
TANT AOS PECCADORES
PAR DEUS, NON E MUI SERGUISA
MAL S’A END ACHAR
QUEN A DEUS E A SA MADRE
QUEN QUER MUI BEN
SANTA MARIA LEVA
A VIRGEN, QUE DE DEUS
ONTRE TODA LAS VERTUDES
A SENNOR QUI MUI BEN SOUBE
CON DEREIT A VIRGEN
PORQUE BEN SANTA MARIA
SABOR A SANTA MARIA
MUITO PER E GRAN DEREITO
QUAL E A SANTIVIGADA
ATAN GRAN PODER O FOGO
CONNOSCUDAMENTE MOSTRA
DE RESORGIR OME MORTO
COM’EN SI
EN QUANTAS GUISAS
VIRGEN MADRE GRORIOSA
COM’A GRAN PESAR
CON RAZON RAS CREATURAS
A MADRE DO QUE O DEMO FEZ
OS QUE A SANTA MARIA
A MADRE DE JHESUS CHRISTO
BEN PARTE SANTA MARIA
(387) MUITO PRAAZ A VIRGEN SANTA
SANTA MARIA SENNOR
A QUE DEUS AVONDOU TANTO•










































Cantiga 352
Cantiga 353
Cantiga 354
Cantiga 355
Cantiga 358
Cantiga 359
Cantiga 360
Cantiga 361
Cantiga 362
Cantiga 365
Cantiga 366
Cantiga 367
Cantiga 368
Cantiga 370
Cantiga 371
Cantiga 373
Cantiga 374
Cantiga 375
Cantiga 376
Cantiga 377
Cantiga 378
Cantiga 380
Cantiga 381
Cantiga 383
Cantiga 384
Cantiga 385
Cantiga 386
Cantiga 387
Cantiga 388
Cantiga 389
Cantiga 390
Cantiga 391
Cantiga 392
Cantiga 393
Cantiga 395
Cantiga 399
Cantiga 400
Cantiga 407
Cantiga 418
Cantiga 419
Cantiga 421
Cantiga 424
Cantiga 425
FREMOSOS MIRAGRES
QUEN OMAGEN
ENO POUCO E NO MUITO
O QUE A SANTA MARIA
A QUA SAS COUSAS COITADAS
A MAOS DA SANTA VIRGEN
LOAR DEVEMOS A VIRGEN
NULL’ OME PER REN
BEN PODE SANTA MARIA
(327) BEN TIRA SANTA MARIA
A QUE EN NOSSOS
GRANDES MIRAGRES
COMO NOS DA CARREYRAS
LOEMOS MUIT’A VIRGEN
TANTOS VAY SANTA MARIA
A DE QUE DEUS
MUITA QUER SANTA MARIA
EN TODO NOS FAZ MERCEE
A VIRGEN, CUJA MERCEE
SEMPRA VIRGEN GRORIOSA
MUITO NOS FAZ GRAN MERCEES
SEN CALAR
DESTO DIRE UN MIRAGRE
OFFONDO DO MAR
POR MY GRAN FREMOSURA
DE TODA ENFERMIDADE
A QUE AVONDOU DO VINNO
(349) MUITO PRAAZ A VIRGEN SANTA
QUE POR AL NON DEVESS
A QUE PERA PARAYSO
SEMPRE FAZ O MELLOR
COMA POD’A GRORIOSA
MACAR E SANTA MARIA
MACAR E DOOR
(165) NIUN PODER D’ESTE
QUEN USAR NA DE DEUS MADRE
PECARRO CANTIGAS DE LOOR
COMO O DEMO CONFONDER
OS SETE DOES
DES QUANDO DEUS SA MADRE
NEMBRE SSE TE MADRE
POIS QUE DOS REYS NOSTRO SENOR
ALEGRIA, ALEGRIAA Madre de Jhesu-Cristo,
– 302 –
Como Santa Maria de Monsarrat descobriu un furto que se fez na sa ygreja.
A Madre de Jhesu-Cristo, que é Sennor de nobrezas,
non soffre que en sa casa façan furtos nen vilezas.
E dest’ un mui gran miragre vos direi que me juraron
omees de bõa vida e por verdade mostraron
que fezo Santa Maria de Monssarrat, e contaron
do que fez un avol ome por mostrar sas avolezas.
A Madre de Jhesu-Cristo, que é Sennor de nobrezas…
Este con outra gran gente vo y en romaria,
e acolleu-ss’ a un ome con que fillou conpania;
e quando chegou a noite, os dinneiros que tragia
lle furtou da esmolneira por crecer en sas requezas.
A Madre de Jhesu-Cristo, que é Sennor de nobrezas…
Outro dia de mannãa, des que as missas oyron,
os que ali albergaron da eigreja sse sairon;
mas el en sair non pode, e esto muitos o viron,
ca non quis Santa Maria, que é con Deus nas altezas,
A Madre de Jhesu-Cristo, que é Sennor de nobrezas…
Ata que ben repentido foss’ e ben mãefestado
e todo quanto furtara ouvess’ ao outro dado,
e que dissess’ ante todos de com’ avia errado,
e sayss’ en con vergonna por sas maas astruguezas.
A Madre de Jhesu-Cristo, que é Sennor de nobrezas…
Tod’ aquest’ assi foi feito, ca o quis a verdadeira
Madre de Deus piadosa, santa e mui justiceira,
que non quis que en ssa casa fossen per nulla maneira
feitas cousas desguisadas nen cobiiças per pobrezas.
A Madre de Jhesu-Cristo, que é Sennor de nobrezas…
Por fol tenno quen na Virgen
– 303 –
Como ha omagen de Santa Maria falou nas olgas de Burgos
a a moça que ouve medo.Por fol tenno quen na Virgen non á mui grand’ asperança,
ca noss’ esforç’ é nos medos e nas coitas amparança.
Desto direi un miragre que conteu no mõesteiro
de Burgos, e se m’ oirdes, direi-vo-lo tod’ enteiro,
que mostrou Santa Maria por toller med’ e fazfeiro
da moça que avia tod’ esto sen dovidança.
Por fol tenno quen na Virgen non á mui grand’ asperança…
Costum’ é que as menas que ena orden criadas
son, que grandes travessuras fazen algas vegadas;
poren freiras que as guardan lles dan, per que castigadas
sejan e non façan cousas per que caian en errança.
Por fol tenno quen na Virgen non á mui grand’ asperança…
Onde daquesto avo que ha moça fazia
amiud’ i travessuras que pesavan a ssa tia;
e castigava-a ende, ca mayor ben lle queria
ca ssi nen a outra cousa. E porende, sen dultança,
Por fol tenno quen na Virgen non á mui grand’ asperança…
Atan gran medo avia dela, que sol non ousava
apparecer u a visse quand’ alga vez errava.
E a ffreira da parte a feri’ e castigava,
e da outra lle fazia muit’ algu’ e muita criança.
Por fol tenno quen na Virgen non á mui grand’ asperança…
Onde un dia ll’ avo que fez mui gran travessura,
por que aquela sa tia ouve dela gran rancura
e buscou-a por feri-la; mas ela, por sa ventura
bõa, foi-ss’ aa omagen da Virgen sen demorança.
Por fol tenno quen na Virgen non á mui grand’ asperança…
E chorando e tremendo diss': «Ai, Virgen groriosa,
acorre-m’ a esta coita tu que es tan piadosa
que acorre-los coitados; poren, Sennor preciosa,
fais que est’ erro que fige que cáia en obridança
Por fol tenno quen na Virgen non á mui grand’ asperança…
De mia tia, que aquesto nunca lle venna emente.»
Respos-ll’ enton a omagen manss’ e en bon contente:
«Aquesto que me tu rogas farei eu de bõa mente,
tanto que oi mais teu feito non[o] metas en balança.»
Por fol tenno quen na Virgen non á mui grand’ asperança…Desto que diss’ a omagen foi a moça espantada,
pero recebeu esforço de que foi mui conortada;
e pois vo outro dia, ssa tia a ouv’ achada,
e depois que soub’ o feito, ouve na Virgen fiança.
Por fol tenno quen na Virgen non á mui grand’ asperança…
E a [ssa] sobrynna logo pera ssa casa levou-a,
e des ali adeante amou-a muit’ e onrrou-a,
e en logar de com’ ante a feria, faagou-a,
e do que sabor avia fez-ll’ end’ amor e pitança.
Por fol tenno quen na Virgen non á mui grand’ asperança…
Aquela en que Deus
– 304 –
Esta é como Santa Maria de Ribela non quer
que arça outr’ oyo ant’ o seu altar senon d’ olivas
que seja ben claro e muit’ esmerado.
Aquela en que Deus carne prendeu e nos deu por lume,
das cousas limpias se paga sempre, tal é seu costume.
E desto mostrou miragre a Virgen Santa Maria
grand’ en ha ssa eigreja, e demostra cada dia,
en un’ aldea que nome á Ribela, u soya
aver ben d’ antiguedade mõesteir’ a costume
Aquela en que Deus carne prendeu e nos deu por lume…
D’ ordin de San Beito. E ora chus da eigreja
non ficou, que é da Virgen que sempre beita seja,
en que á ben cinc’ altares, u gran vertude sobeja
mostra Deus no que é dela: Ca non pod’ y arder lume
Aquela en que Deus carne prendeu e nos deu por lume…
D’outr’ oyo senon d’ olivas mui linpi’ e muit’ esmerado;
ca macar ard’ ant’ os outros de linaga, sol penssado
non é que ant’ o da Virgen arça; e est’ é provado
muitas vezes eno ano, e áno ja por costume.
Aquela en que Deus carne prendeu e nos deu por lume…
Ca o provan ameude cavaleiros, lavradores,
clerigos, monges e frades descalços, preegadores;
ca pero y acenderon outros oyos ardedores,atan toste se matavan, que sol non deitavan lume.
Aquela en que Deus carne prendeu e nos deu por lume…
E porend’ os dessa terra non ousan seer ousados
d’outr’ oyo alique [i] maren, ca saen por denodados
ende cada que o provan, e por esto son tornados
a queimar oyo d’ oliva nas lampadas por costume.
Aquela en que Deus carne prendeu e nos deu por lume…
Senpre devemos na Virgen
– 305 –
Como Santa Maria fez a carta de peedença
que tragia a moller pesar mais en a balança
que ouant’ aver poseron na outra
Senpre devemos na Virgen a ter os corações,
ca per ela guaannamos de Deus mui grandes per dões.
E poren dizer-vos quero, se me mui ben ascuitardes,
un mui fremoso miragre; e se y mentes parardes,
gran prol de vossa fazenda vos terrá, se vos guardardes
de fazer per que perçades d’ aver de Deus galardões.
Senpre devemos na Virgen a ter os corações,
ca per ela guaannamos de Deus mui grandes per dões.
Esto foi da mesqynna moller que pecador era,
e confessou-s’ a un frade dos pecados que fezera;
e por aver perdon deles avia coita tan fera,
que do perdon pediu carta, mostrando muitas razões
Senpre devemos na Virgen a ter os corações,
ca per ela guaannamos de Deus mui grandes per dões.
Por que a aver devia ao frade que lla désse.
E el deu-lla de tal guisa, mandando-lle que fezesse
serviç’ a Santa Maria per que sa mercee ouvesse,
e ja[j]as[s]’ as sas festas e oysse seus sermões.
Senpre devemos na Virgen a ter os corações,
ca per ela guaannamos de Deus mui grandes per dões.
Tod’ esto lle pos en carta, e des i ar seelou-a;
e a moller mui de grado a fillou e pois guardo[u]-a
en seu so, e tan toste pera ssa casa levou-a.
Mas atan muit’ era pobre que pidia as rações;Senpre devemos na Virgen a ter os corações,
ca per ela guaannamos de Deus mui grandes per dões.
E u quer que ela ya, sempre sa carta levava
dentr’ en ha seeleira en que a mui ben guardava;
mas pola Virgen beita as rações demandava,
sofrendo frio e fame e muitas trebolações.
Senpre devemos na Virgen a ter os corações,
ca per ela guaannamos de Deus mui grandes per dões.
E ela assi andando, chegou a ha cidade
e viu seer na rua, com’ eu achei por verdade,
un canbiador que canbiava d’aver mui gran quantidade,
esterlis e to[r]neses, burgaleses, pepiões,
Senpre devemos na Virgen a ter os corações,
ca per ela guaannamos de Deus mui grandes per dões.
E ynda daquestes novos e dos pretos e da guerra;
e ela pediu-lle algo por aquela que non erra.
El disse: «Faze-lo quero sobre pennor, ca na terra
u somos non é costume de dar d’outra guisa dões.»
Senpre devemos na Virgen a ter os corações,
ca per ela guaannamos de Deus mui grandes per dões.
Ela respondeu-lle logo: «Juro-vos per mia creença
que non trag’ erg’ esta carta, que é de mia pedença»
E diss’ el: «Vee-la quero, e meterei y femença
se é carta de soltura ou se é de petições.»
Senpre devemos na Virgen a ter os corações,
ca per ela guaannamos de Deus mui grandes per dões.
El enton leeu a carta, e ante que lla tornasse
disse-lle que lle daria sobr’ ela quanto pesasse,
e que esto lle faria, e d’al non sse traballasse
per ren, ca el non amava truães nen arlotões.
Senpre devemos na Virgen a ter os corações,
ca per ela guaannamos de Deus mui grandes per dões.
Ela avendo na Virgen, Madre de Deus, gran fiança,
outorgou-lle que posesse a carta ena balança;
mas que lle désse o peso dela logo sen tardança,
que non morresse de fame a ‘scusa polos rancões.
Senpre devemos na Virgen a ter os corações,
ca per ela guaannamos de Deus mui grandes per dões.Ela meteu na balança a carta, e tan pesada
se fez logo, que na outra non pode pois meter nada
que tanto per ren pesasse, esto foi cousa provada,
e o canbiador con sanna depenava seus grannões.
Senpre devemos na Virgen a ter os corações,
ca per ela guaannamos de Deus mui grandes per dões.
O cambiador fillou outra balança mayor daquela,
e coidou aquela carta per mayor peso vence-la;
mas pero non meteu tanto na balança que move-la
per ren podesse de terra. Enton fillou dous bolssões
Senpre devemos na Virgen a ter os corações,
ca per ela guaannamos de Deus mui grandes per dões.
Que meteu na balança, chos de prata e d’ouro;
mas mui mais pesou a carta en que avia tesouro
daquel que perdõar pode crischão, judeu e mouro,
atanto que en Deus ajan ben firmes sas entenções.
Senpre devemos na Virgen a ter os corações,
ca per ela guaannamos de Deus mui grandes per dões.
Quand’ o canbiador viu esto, pediu por Santa Maria ,
mercee que sse leixasse do peso, e lle daria
quant’ ela do seu quisesse, per que sempre viviria
ben e avondadamente. E molleres e barões,
Senpre devemos na Virgen a ter os corações,
ca per ela guaannamos de Deus mui grandes per dões.
Quantos este feito viron, tan toste lle consellaron
que o fezess’, e foi feito; e log’ a Virgen loaron
por tan fremoso miragre, e con gran prazer choraron
todos, gollos ficados con mui grandes devoções.
Senpre devemos na Virgen a ter os corações,
ca per ela guaannamos de Deus mui grandes per dões.
Toller pod’ a Madre
– 307 –
Como Santa Maria tolleu a gran tempestade de fogo en terra de Çeçilla.
Toller pod’ a Madre de Nostro Sennor
toda tempestade, se ll’ en prazer for.
E dest’ en Cezilla mostrou ha vezun mui gran miragre a Sennor de prez
que é madr’ e filla daquel Deus que fez
a terra e pos os ceos en redor.
Toller pod’ a Madre de Nostro Sennor…
Cezilla é ha inssoa de mar
rica e viçosa, com’ oý contar,
de toda-las cousas que pod’ om’ achar
por aver avondo e vic’ e sabor.
Toller pod’ a Madre de Nostro Sennor…
En aquesta terra un mui gran mont’ á
que veen de longe os que van alá,
que Mongibel chaman, e de fogos dá
chamas aas vezes, ond’ an gran pavor
Toller pod’ a Madre de Nostro Sennor…
Todo-los da terra. Onde conteceu
que en aquel monte fogo s’ acendeu
mui grande, e toda a terra tremeu,
e choveu tan muito come no mayor
Toller pod’ a Madre de Nostro Sennor…
Inverno do mundo chove, com’ oý,
volta con gran pedra, e ar outrossy
cayan coriscos tantos ben aly
que cuidaron todos morrer a door.
Toller pod’ a Madre de Nostro Sennor…
Quaraenta dias aquesto durou
e quarenta noites, que nunca quedou
ata que Santa Maria se mostrou
a u bon ome con gran resprandor.
Toller pod’ a Madre de Nostro Sennor…
E disse-ll’ a Reynna esperital:
«Se tu queres que sse tolla este mal,
un cantar me façan que seja [a] tal
qual a mi conven, ben feit’ a mia loor.»
Toller pod’ a Madre de Nostro Sennor…
O ome bõo, que aquesto veer
foi en vison, muit[o] ouve gran prazer;
des i começou seu cantar a fazer
rimado segund[o] el soube mellor.Toller pod’ a Madre de Nostro Sennor…
E segund’ as paravias lle fez o son,
e depois cantó- o con gran devoçon;
e a tempestade quedou log’ enton,
e perdeu en logo a gente temor.
Toller pod’ a Madre de Nostro Sennor…
Muito per dev’ a Reynna
– 310 –
Esta é loor de Santa Maria.
Muito per dev’ a Reynna
dos ceos seer loada
de nos, ca no mundo nada
foi ben come Fror d’Espynna.
Ca sempre santivigada
foi des que a fez seu padre
eno corpo de sa madre,
u jouve des pequenyna.
Muito per dev’ a Reynna…
E ar foi de Deus amada,
ca sempre fez bõa vida,
e de todo ben comprida
ar foi seendo menynna.
Muito per dev’ a Reynna…
E porende saudada
foi do angeo atanto
que lle disso: «Deus o santo
de ti nacerá agynna.»
Muito per dev’ a Reynna…
E depois ficou prennada
de Deus poderos’ e forte,
que por nos prendeu morte
e resorgiu man[n]anya.
Muito per dev’ a Reynna…
E con Deus é eixalçada,e el lle deu tal vertude
que por dar a nos saude
no-la deu por meeza.
Muito per dev’ a Reynna…
E poren, Sennor onrrada,
ta mercee en mi seja
que me leves u te veja
daquesta vida mesqa.
Muito per dev’ a Reynna…
O que diz que servir
– 311 –
Como Santa Maria de Monsarrat resusçitou
un ome que ya alá en romaria e morreu na carreira.
O que diz que servir ome aa Virgen ren non é,
aquest’ é de mal recado e ome de maa fe.
Ca se en fazer serviço a un bon ome prol ten,
quanto mais na Virgen santa ond’ avemos todo ben;
e quen aquesto non cree, sa creença non val ren,
ca descre’ en Deus, seu Fillo, e en ela que Madr’ é.
O que diz que servir ome aa Virgen ren non é
E de tal razon miragre vos quero ora mostrar,
que d’ entender é mui bõo a quen y mentes parar,
que a Virgen groriosa de Monssarraz quis mostrar
por un ome que a senpre servia con mui gran fe.
O que diz que servir ome aa Virgen ren non é…
El ali en romaria ya dous vezes ou tres
no ano, e amizade avia con u borges;
e rogou-lli que na festa qu’ é en meogo do mes
d’Agosto de ssu fossen, dizendo: «Logar sant’ é.»
O que diz que servir ome aa Virgen ren non é…
Enton ambos s’ acordaron por en romaria yr
a Monssarraz. Mas primeiro, per quant’ end’ eu puid’ oyr,
passaron per Barçalona; e u quiseron sayr
da vila, começou logo mal tempo, per bõa fe.
O que diz que servir ome aa Virgen ren non é…E fezo ventos mui grandes e começou de chover
e alampos con torvões des i coriscos caer,
assi que feriu u deles aquel ome, que morrer
o fez logo mantenente; ca do corisc’ assi é
O que diz que servir ome aa Virgen ren non é…
Que en quen fer log’ afoga ou talla ou queimar faz.
Mais aquel om’ afogado foi, que pera Monssarraz
ya sempre, com’ oistes; e seu compannon assaz
chorou por el e ar disse paravlas contra a ffe,
O que diz que servir ome aa Virgen ren non é…
Dizendo: «Par Deus, amigo, muito empregasti mal
quanto a Santa Maria servist’, e pois te non val
nen [te] guardou desta morte, per que o dem’ infernal
levou ja de ti a alma; e, mal peccad’, assi é.»
O que diz que servir ome aa Virgen ren non é…
E outro dia por ele ha missa dizer fez,
des i que o soterrassen, ca tal era come pez
tornado daquel corisco; e ar disse dessa vez
paravras contra a Virgen onde naceu nossa fe,
O que diz que servir ome aa Virgen ren non é…
Indo con el aa cova chorand’ e dizend’ assi:
«Mal empregasti teu tenpo na Virgen, com’ aprendi,
demais perdisti grand’ algo que lle desti; mais a mi
nunca averrá aquesto, ca o meu na arca é.»
O que diz que servir ome aa Virgen ren non é…
El aquest’ assi dizendo, resorgiu o mort’ enton
e assentou-sse no leito e diss’ aquesta razon:
«Mentes a guisa de mao, ca mia alm’ a perdiçon
fora, se non foss’ a Virgen, que chav’ é de nossa fe,
O que diz que servir ome aa Virgen ren non é…
Que me livrou de sas mãos u era en poder seu;
e porend’, ençuant’ eu viva, sempre no coraçon meu
a terrei pera servi-la, e nunca me será greu
de ren que por ela faça, ca mui ben enpregad’ é.»
O que diz que servir ome aa Virgen ren non é…
Quand’ esto viron as gentes, deron todos gran loor
aa Virgen groriosa, Madre de Nostro Sennor,que sempre seja loada ençuanto o mundo for,
ca é nossa avogada, des i padrõa da ffe.
O que diz que servir ome aa Virgen ren non é…
Ali u todo los santos
– 313 –
Esta é da nave que andava en perigoo do mar,
e os que andavan en ela chamaron Santa Maria de Vila-Sirga,
e quedou logo a tormenta.
Ali u todo los santos non an poder de põer
consello, pono a Virgen, de que Deus quiso nacer.
Ca razon grand’ e dercito é de mais toste prestar
sa graça ca d’outro santo, pois que Deus quiso fillar
sa carn’ e fazer-se ome por nos per ela salvar,
e feze-a de vertudes font’ e deu-lle su poder.
Ali u todo-los santos non an poder de põer
E poren dizer-vos quero dela un miragr’, e sei
que loaredes seu nome; aynda vos mais direi:
connoceredes de certo que sabença do gran Rei,
seu Fillo, de pran á ela por tal miragre fazer.
Ali u todo-los santos non an poder de põer…
Aqueste miragre fezo, assi com’ aprendi eu,
a Virgen Santa Maria de Vila-Sirga con seu
poder; e parad’ y mentes e ren non vos seja greu,
ca eu de loar seus feitos ei sabor e gran prazer.
Ali u todo-los santos non an poder de põer…
Ha nave periguada andava, com’ aprendi,
pelo mar en gran tormenta, e quanta gent’ era y
estavan en mui gran coita; e, assi com’ eu oý,
a nav’ era ja quebrada. Des i o mar a crecer
Ali u todo-los santos non an poder de põer…
Começou tan feramente e engrossar cada vez,
e volvendo-s’ as aras; des i a noite sse fez,
cona tormenta mui forte, negra ben come o pez,
demais viian da nave muitos a ollo morrer.
Ali u todo-los santos non an poder de põer…E porende braadavan e chamavan «Sennor Deus»,
e «San Pedr’» e «Santiago», «San Nicolas», «San Mateus»,
e santos muitos e santas, outorgando que romeus
de grado seus seerian se lles quisesse valer.
Ali u todo-los santos non an poder de põer…
Todos en perigoo eran e en gran coita mortal,
e ben cuidavan que fossen mortos, non ouves[s]’ y al;
mais u crerigo que era y, pois viu a coita tal
e oyra dos miragres da Santa Virgen dizer
Ali u todo-los santos non an poder de põer…
Que ela en Vila-Sirga fez e faz a quantos van
y mercee e ajuda pedir das coitas que an,
des i das enfermidades son ben guaridos de pran,
o seu corp’ e os da nave lle foi logo offrecer.
Ali u todo-los santos non an poder de põer…
E diz: «Varões, chamemos ora de bon coraçon
a Virgen Santa Maria de Vila-Sirga, e non
se faça end’ om’ afora, e peçamos-lle perdon,
ca a ssa vertude santa no-nos á de falecer.
Ali u todo-los santos non an poder de põer…
E os gollos ficaron como poderon mellor,
e o crérigo dizendo: «Madre de Nostro Sennor,
pois guaan[n]as de teu Fillo perdon ao pecador,
a nossos erros non cates por mercee; mas doer
Ali u todo-los santos non an poder de põer…
Te queras de nos, coitados, e valla-nos o teu ben
e a ta virgidade, per que ss’ o mundo manten.
Acorre-nos, Sennor bõa, pois poder ás end’ e sen,
ca sen ti no-nos podemos desta coita deffender.
Ali u todo-los santos non an poder de põer…
Pois que tu en Vila-Sirga aos cegos lume dás
e ressuscita-los mortos pela vertude que ás,
acorre-nos, Virgen santa, ca non cuidamos a cras
chegar; mais tu esta coita nos podes toda toller.»
Ali u todo-los santos non an poder de põer…
O crerigo, pois diss’ esto, os ollos a ceo alçou
e logo de mui bon grado «Salve Regina» cantoua onrra da Virgen Madr'; e ha poomba entrou
branca en aquela nave, com’ a neve sol caer.
Ali u todo-los santos non an poder de põer…
E a nav’ alumeada aquela ora medes
foi toda con craridade; e cada u enpres
a fazer sas orações aa Sennor mui cortes,
des i todos começaron o seu nom’ a beizer.
Ali u todo-los santos non an poder de põer…
[E] o mar tornou mui manso, e a noit’ escrareceu,
e a nav’ en otro dia en salvo porto prendeu,
e cada u dos da nave, assi como prometeu
offerta a Vila-Sirga, e non quise falecer.
Ali u todo-los santos non an poder de põer…
E da offerta fezeron u calez mui grand’ assaz
que o crengo adusse a Vila-Sirga, u faz
a Virgen muitos miragres, assi com’ a ela praz.
E porende lle roguemos que nos faça ben viver.
Ali u todo-los santos non an poder de põer…
Quen a Deus e a ssa Madre
– 318 –
Como Santa Maria sse vingou do crerigo que furtou a prata da cruz.
Quen a Deus e a ssa Madre escarn[n]o fazer quiser,
muito será gran dereito se ll’ ende pois mal ver.
E desto, se m’ ascuitardes, vos direi, per com’ oý,
un miragre mui fremoso, e creo que foi assi;
que fez a que do lin[n]age deceu do bon Rei Davi,
e tal miragre com’ este de contar é u xe quer.
Quen a Deus e a sa Madre escarnno fazer quiser…
En Fita conteceu esto, en ha vila que jaz
eno reino de Toledo, e é logar fort’ assaz,
ena eigreja da Madre de Deus, a que muito praz
con nosso ben e acorre nos cada u é mester.
Quen a Deus e a sa Madre escarnno fazer quiser…
Ali un crerig’ avia de missa, que devoçoninostrav’ acá aa gente, mais non era assi, non;
e bõa paravl’ avia, mas dentro no coraçon
en com’ era de mal cho vos direi, se vos prouguer.
Quen a Deus e a sa Madre escarnno fazer quiser…
Este cada que podia mui de grad’ ya furtar;
e furtou na sa eigreja, per com’ eu oý contar,
ha cruz grande coberta de prata e esfolar
a foi toda, e a prata deu a ha sa moller.
Quen a Deus e a sa Madre escarnno fazer quiser…
Outro di’ aa eigreja foi, como soya yr,
e mostrou a cruz a todos chorando, e enfengir
se foi que ren non sabia daquel feit’ e a mentir
se fillou, dizendo muito: «Om’ ou moller que souber
Quen a Deus e a sa Madre escarnno fazer quiser…
De como foi este feito e o non diz, dé-lle Deus
compridamente sa yra, e perça lume dos seus
ollos.» E diss': «Ai, beita Virgen, dos miragres teus
mostra sobre quen tal feito fez; e o que non disser
Quen a Deus e a sa Madre escarnno fazer quiser…
«Pater nostro» por aquesto, Deus lo cofonda poren.»
E poi-lo todos disseron, a que o mundo manten
o cegou d’ambo-los ollos que deles sol non viu ren,
nen ar valer non lle pode fisica de Monpisler.
Quen a Deus e a sa Madre escarnno fazer quiser…
E outra lijon mui forte sen esto lle conteceu:
que se lle fez atan grande o nariz, que lle deceu
sobre la boca, e d’ambas partes tanto s’estendeu
que chegou aas orellas. E quen verdade quiser
Quen a Deus e a sa Madre escarnno fazer quiser…
Dizer: per ren non podia pouco nen muito comer,
se ant’ aquel nariz todo non ll’ alçassen, nen bever;
e mil vezes eno dia desejava de morrer.
Poren tenno por mui louco quen desto graças non der
Quen a Deus e a sa Madre escarnno fazer quiser…
Aa Virgen grorosa, Reynna esperital,
que non quis matar aqueste, mas pose-lle tal sinal
por que quantos lo pois vissen leixassen de fazer mal;
e dereit’ é que tal aja quena en pouco tever.
Quen a Deus e a sa Madre escarnno fazer quiser…Quen quer mui ben
– 319 –
Esta é como Santa Maria guariu en Terena ha manceba raviosa.
Quen quer mui ben pod’ a Virgen groriosa
de door guarir, non será tan coitosa.
Ca tan muitas graças deu e piadades
a ela seu Fillo, que enfermidades
de muitas maneiras toll'; e ben creades
que a quena chama non é vagarosa.
Quen quer mui ben pod’ a Virgen groriosa…
Poren quer’ eu dela un miragr’ onrrado
dizer, se m’ oyrdes; e poi-lo contado
ouver, saberedes que faz mui guisado
o que faz serviço a esta piadosa.
Quen quer mui ben pod’ a Virgen groriosa…
Riba d’ Odian’ á ha ssa eigreja
desta Virgen santa que beita seja,
que chaman Teren'; e quen quer que deseja
saud’ en seu corpo de door dultosa
Quen quer mui ben pod’ a Virgen groriosa…
Que aja de ravia ou d’outra doença,
logo daly são vai pela sabença
desta Virgen santa, que nos atrevença
dá que a sirvamos come graciosa.
Quen quer mui ben pod’ a Virgen groriosa…
A alen Badallouz en Xerez morava
un ome que muito na Virgen fiava;
e ha ssa filla a que muit’ amava
docceu de ravia, e foi tan raviosa
Quen quer mui ben pod’ a Virgen groriosa…
Que a non podian ter en prijões,
nen valian ervas nen escantações,
nen aynda santos a que orações
fazian por ela, tant’ era queixosa.
Quen quer mui ben pod’ a Virgen groriosa…Vivian en coita con ela mui fort’ e
non avian dela ja neun conorte
nen sabian que lle valves[s]’ ergo morte;
seu padr’ era ‘ n coita, sa madre chorosa
Quen quer mui ben pod’ a Virgen groriosa…
Por ela, ca outro fillo non avian.
Des i prometeron que a levarian
a Terena, ca ja per al non sabian
que saud’ ouvesse. E poren trigosa
Quen quer mui ben pod’ a Virgen groriosa…
Foi desto sa madr’ e levou-a correndo
daly a Terena, gran doo fazendo
e pela carreira ynd’ assi dizendo:
«Virgen de Deus Madre santa preciosa,
Quen quer mui ben pod’ a Virgen groriosa…
Sobr’ esta mia filla mostra ta vertude
que a ta mercee santa y ajude;
fonte de bondades, tu lle dá saude,
ca mui ben [a] podes dar, Virgen fremosa.»
Quen quer mui ben pod’ a Virgen groriosa…
Foi a bõa dona tanto demandando
a Santa Maria mercee, chorando
muito dos seus ollos, que foron chegando
preto da eigreja da de Deus esposa.
Quen quer mui ben pod’ a Virgen groriosa…
Tanto que a moça que era doente
viu a eigreja, logo mantente
foi mui ben guarida; e diss’ aa gente
que a desliassen, ca a merceosa
Quen quer mui ben pod’ a Virgen groriosa…
Madre de Deus, Virgen, saude lle dera
tal que se sentia que ben sãa era.
A companna toda gran lediça fera
ouve deste ffeito e foi mui goyosa.
Quen quer mui ben pod’ a Virgen groriosa…
Ela diz: «Amigos, as sogas tallade,
ca ja saa soon pola piadade
de Santa Maria; ca da ssa bondade,
ao que a chama, é muit’ avondosa.Quen quer mui ben pod’ a Virgen groriosa…
Seu padr’ e sa madre gran prazer ouveron
quand’ a filla viron sãa, e fezeron
aly ssa vegia e offertas deron
quanto ss’ atreveron aa saborosa
Quen quer mui ben pod’ a Virgen groriosa…
Que é de Deus Madr’, e muito a loaron;
des i a ssa terra con ela tornaron
sãa e guarida, e da virgen contaron
que a ssa mercee non é dovidosa.
Quen quer mui ben pod’ a Virgen groriosa…
Santa Maria leva
– 320 –
De loor de Santa Maria.
Santa Maria leva
o ben que perdeu Eva.
O ben que perdeu Eva
pola sa neicidade,
cobrou Santa Maria
per sa grand’ omildade.
Santa Maria leva…
O ben que perdeu Eva
pela sa gran loucura,
cobrou Santa Maria
cona sa gran cordura.
Santa Maria leva…
O ben que perdeu Eva,
a nossa madr’ antiga.
cobrou Santa Maria
u foi de Deus amiga.
Santa Maria leva…
O ben que perdeu Eva
du perdeu parayso,
cobrou Santa Maria
pelo seu mui bon siso.Santa Maria leva…
O ben que perdeu Eva
u perdeu de Deus medo,
cobrou Santa Maria
creend’ en el mui cedo.
Santa Maria leva…
O ben que perdeu Eva
britand’ o mandamento,
cobrou Santa Maria
per bõo entendemento.
Santa Maria leva…
Quanto ben perdeu Eva
fazendo gran folya,
cobrou a groriosa
Virgen Santa Maria.
Santa Maria leva…
A Virgen, que de Deus Madre éste,
-322 –
Como Santa Maria guariu u ome en Evora
que ouvera de morrer dun osso que se ll’ atravessara na garganta.
A Virgen, que de Deus Madre éste, Filla e criada,
d’acorrer os pecadores sempr’ está apparellada.
Ca nos non acorr’ en dia sinaado nen en ora,
mais sempre en todo tempo d’acorrer no-nos demora
e punna en todas guisas como non fiquemos fora
do reino de Deus, seu Fillo, ond’ é Rea algada;
A Virgen, que de Deus Madre éste, Filla e criada…
Demais sinaadamente nas grandes enfermidades
de doores e de cuitas acorre con piadades.
E de tal razon com’ esta vos direi, se m’ ascuitades,
un gran miragre que fezo esta Sennor muit’ onrrada.
A Virgen, que de Deus Madre éste, Filla e criada…
En Evora foi un ome que ena Virgen fiava
muyto e que cada dia a ela s’ acomendava;
e avo-ll’ ha noite en sa casa, u cava,
que ouver’ a seer morto a desora, sen tardada.
A Virgen, que de Deus Madre éste, Filla e criada…Ca el gran comedor era e metia os bocados
muit’ ameude na boca, grandes e desmesurados;
e aa noite cava dus cõellos assados,
atravessou-xe-ll’ un osso na garganta, e sarrada
A Virgen, que de Deus Madre éste, Filla e criada…
A ouve de tal maneira que cuidou ser afogado;
ca aquel osso ll’ avia o gorgomel’ atapado
assi que en pouca d’ora o ouve tan fort’ inchado,
que folego non podia coller nen ar falar nada.
A Virgen, que de Deus Madre éste, Filla e criada…
Assi esteve gran tempo que sol comer non podia
nen bever nenga cousa senon cald’ ou agua fria,
ata que chegou a festa da Virgen Santa Maria,
que cae no mes d’agosto, quand’ ela foi corõada.
A Virgen, que de Deus Madre éste, Filla e criada…
Enton todos seus parentes e amigos o fillaron
e aa egreja desta nobre Sennor o levaron,
e tendo-o por morto ant’ o altar o deitaron.
E tev’ y aquela noite; e contra a madurgada,
A Virgen, que de Deus Madre éste, Filla e criada…
Quand’ a missa ja dizian, filló-o tosse tan forte,
que todos cuidaron logo que era chegard’ a morte.
Mas a Virgen groriosa, que dos cuitados cõorte
éste, non quis que morresse ali daquela vegada,
A Virgen, que de Deus Madre éste, Filla e criada…
Mas guisou que en tos[s]indo lle fez deitar mantente
aquel osso pela boca, ante toda quanta gente
y estava; e tan toste loores de bõa mente
deron a Santa Maria, a Madre de Deus amada.
A Virgen, que de Deus Madre éste, Filla e criada…
Ontre toda-las vertudes
– 323 –
Como Santa Maria ressucitou u menynno en Coira,
ha aldea que é preto de Sevilla.
Ontre toda-las vertudes que aa Virgen son dadas,
é de guardar ben as cousas que lle son acomendadas.
Ca ela, que é guardada, pode guardar sen contenda
ben o que ll’ a guardar deren e ter en sa comenda.
E porend’ un gran miragre direi, se Deus me defenda,que fez esta que ja outros á feitos muitas vegadas.
Ontre toda-las vertudes que aa Virgen son dadas,
é de guardar ben as cousas que lle son acomendadas.
En Coira, cabo Sevilla, foi este miragre feyto
no tempo que Aboyuçef passou ben pelo estreito
d’Algizira e a terra de Sevilla tod’ a eito
correu, e muitas aldeas foron dos mouros queimadas.
Ontre toda-las vertudes que aa Virgen son dadas,
é de guardar ben as cousas que lle son acomendadas.
Ali era un bon ome que un filynno avia
pequeno, que tant’ amava com’ a vida que vivia;
a este deu ha fever e foi mort’ a terçer dia.
O padre, con coita dele, en sas faces deu palmadas
Ontre toda-las vertudes que aa Virgen son dadas,
é de guardar ben as cousas que lle son acomendadas.
E depenou seus cabelos e fez por ele gran doo
dizendo: «Ai eu, meu fillo, como fico de ti soo;
quisera eu que tu visses min com’ eu vi teu avoo,
meu padre, que me fazia muitas mercees grãadas.»
Ontre toda-las vertudes que aa Virgen son dadas,
é de guardar ben as cousas que lle son acomendadas.
E el aquesto dizendo, os mouros logo deitaron
sas algaras e correron e roubaron quant’ acharon;
e os de Coira correndo todo o logar leixaron
e fugircin, e ficaron as casas desamparadas.
Ontre toda-las vertudes que aa Virgen son dadas,
é de guardar ben as cousas que lle son acomendadas.
Aquel ome que seu fillo pera soterrar estava,
quando viu correr a vila, o fillo desamparava
e aa Virgen beita logo o acomendava
e todo quant’ el avia, chorando a salujadas.
Ontre toda-las vertudes que aa Virgen son dadas,
é de guardar ben as cousas que lle son acomendadas.
Fois-ss’ o ome; e os mouros tod’ aquel logar correron,
mais na casa daquest’ ome non entraron nen tangeron;
e pero todo-los outros quant’ avian y perderon,
non perdeu o ome bõo valor de tres deiradas.
Ontre toda-las vertudes que aa Virgen son dadas,
é de guardar ben as cousas que lle son acomendadas.Ca log’ en aquela casa entrou a Sennor conprida
de todo ben, e tan toste deu ao minynno vida
e guardou as outras cousas, que non achou pois falida
ome de ren en sa casa, nen sol as portas britadas.
Ontre toda-las vertudes que aa Virgen son dadas,
é de guardar ben as cousas que lle son acomendadas.
E achou seu fillo vivo e preguntou-lle que era,
ond’ e como resorgira, ca por morto o tevera;
e el lle disse que ha dona con el estedera
que o guardara dos mouros; e sas cousas ben guardadas…
Ontre toda-las vertudes que aa Virgen son dadas,
é de guardar ben as cousas que lle son acomendadas.
Foran, que sol non tangeran en elas, nen niun dano
fezeran nen eno leito nen na mesa nen no ‘scano.
Quand’ est’ oyu o bon ome, com’ era mui sen engano,
foi chamar a seus vezos; e pois lles ouve mostradas
Ontre toda-las vertudes que aa Virgen son dadas,
é de guardar ben as cousas que lle son acomendadas.
Todas estas maravillas, loores porende deron
aa Virgen groriosa; e a quantos ilo disseron
beizeron o seu nome e gran festa lle fezeron,
e ouv’ y con alegria muitas lagrimas choradas.
Ontre toda-las vertudes que aa Virgen son dadas,
é de guardar ben as cousas que lle son acomendadas.
A Sennor que mui ben soube
– 324 –
Como Santa Maria guareceu en Sevilla u mudo que avia dous anos que non falara.
A Sennor que mui ben soube pe[r] sa lingua responder
a Gabriel, mui ben pode lingua muda correger.
Daquest’ un mui gran miragre vos direi, sen ren mentir,
mui fremos’ e muit’ aposto, e saboroso d’oyr,
que mostrou Santa Maria, aquela que foi parir
Deus e ome Jhesu-Cristo, que por nos quis pois morrer.
A Sennor que mui ben soube pe[r] sa lingua responder
a Gabriel, mui ben pode lingua muda correger.Aquesto foi en Sevilla, per quant’ end’ eu aprendi,
da omagen mui bela que trouxera el Rey y
da Virgen Santa Maria, que eu per meus ollos vi
fazer mui grandes miragres en enfermos guarecer.
A Sennor que mui ben soube pe[r] sa lingua responder
a Gabriel, mui ben pode lingua muda correger.
Esta era tan fremosa e de tan bõa façon,
que quen quer que a viia folgava-ll’ o coraçon;
e porend’ el Rei e todos avian gran devoçon
en ela, e amyud’ i a yan poren veer.
A Sennor que mui ben soube pe[r] sa lingua responder
a Gabriel, mui ben pode lingua muda correger.
Ond’ avo pois na festa do dia en que naceu
esta Virgen groriosa que nos muito mal tolleu
que o demo nos fazia e ena graça meteu
de seu Fillo Jhesu-Christo, que quis om’ e Deus seer;
A Sennor que mui ben soube pe[r] sa lingua responder
a Gabriel, mui ben pode lingua muda correger.
Esse dia que vos digo el Rei sa missa oyu
na grand’ eigreja da See, que se nunca en partiu
ata que foi toda dita; mais o poblo lle pediu
que aquela sa omagen lles fezess’ aly trager.
A Sennor que mui ben soube pe[r] sa lingua responder
a Gabriel, mui ben pode lingua muda correger.
[E] el Rei con amor grande que avia do logar,
porque seu padr’ e sa madre fezera y soterrar,
outorgou-lles a omagen, que non quis per ren tardar
que lla non trouxesse logo, sen fillar neun lezer.
A Sennor que mui ben soube pe[r] sa lingua responder
a Gabriel, mui ben pode lingua muda correger.
E foi log’ a ssa capela, que se non deteve ren,
e levou-lles a omagen apostament’ e mui ben
con mui grandes procissões, com’ a tal feito conven,
loand’ a que é loada e deve sempre seer.
A Sennor que mui ben soube pe[r] sa lingua responder
a Gabriel, mui ben pode lingua muda correger.
E tanto que a omagen aa eigreja chegou,
u mudo que dentr’ estava per sinas enpreguntou
que er'; e pois llo disseron, a lingua se lle soltou
faland’, e [a] Virgen santa ccomeçou a beizer.A Sennor que mui ben soube pe[r] sa lingua responder
a Gabriel, mui ben pode lingua muda correger.
Dous anos foron que nunca falara el tal nen qual;
mais o que primeiro disse foi: «Santa Maria, val,
ca por ti sõo guarido, ai, Sennor esperital.»
E começoti log’ as mãos contra os ceos erger.
A Sennor que mui ben soube pe[r] sa lingua responder
a Gabriel, mui ben pode lingua muda correger.
El Rey e quantos y eran deron poren gran loor
aa Virgen groriosa, Madre de Nostro Sennor,
porque a el e a todos lles mostrou atal amor,
que tan fremoso miragre foi ben ant’ eles fazer.
A Sennor que mui ben soube pe[r] sa lingua responder
a Gabriel, mui ben pode lingua muda correger.
Con dereit’ a Virgen santa
– 325 –
Como Santa Maria de Tudia sacou ha manceba de cativo.
Con dereit’ a Virgen santa á nome Strela do Dia,
ca assi pelo mar grande come pela terra guia.
Ca a que nos abr’ os braços e o inferno nos serra,
tan ben faz pelo mar vias come pela chãa terra;
e quen aquesto non cree maravillosament’ erra
e de Deus en niun tempo perdon aver non devia.
Con dereit’ a Virgen santa á nome Strela do Dia,
ca assi pelo mar grande come pela terra guia.
E de tal razon com’ esta direi mui maravilloso
miragre que fez a Virgen, e d’oyr mui saboroso;
e quen parar y ben mentes terrá-o por piadoso
e averá mais fiança eno seu ben todavia.
Con dereit’ a Virgen santa á nome Strela do Dia,
ca assi pelo mar grande come pela terra guia.
Na terra d’Affrica ouve en Tanjar ha cativa
moller a que davan pa cada dia muit’ esquiva
con pouco pan e mui mao, e mui mais morta ca viva
era, se lle non valvesse la Virgen Santa Maria.Con dereit’ a Virgen santa á nome Strela do Dia,
ca assi pelo mar grande come pela terra guia.
Aquesta natural era do gran reino de Sevilla,
dun logar en que miragres faz a de Deus Madr’ e Filla,
que Tudia é chamado; e d’oyr a maravilla
que avo deste feito muito m’ende prazeria.
Con dereit’ a Virgen santa á nome Strela do Dia,
ca assi pelo mar grande come pela terra guia.
Esta con outra cativa jazian en prijon forte
da moura que o demo fillou pera sy en sorte,
que enfermidade grande adusse mui tost’ a morte;
mais enante que morresse amba-las chamar fazia.
Con dereit’ a Virgen santa á nome Strela do Dia,
ca assi pelo mar grande come pela terra guia.
E conssellou-lles que fossen mouras e crischãidade
leixassen, e fossen fora daquela catividade,
e lles faria grand’ algo e dar-lles-ya herdade,
e que con mouros mui ricos a ambas casa-las faria.
Con dereit’ a Virgen santa á nome Strela do Dia,
ca assi pelo mar grande come pela terra guia.
E se fazer non quisesse[n] esto, logo nas cadas
ambas mete-las faria e dar-lles tan grandes pas
que lles non ficassen sãos coiros nen nervos nen vas,
e demais, sobre tod’ esto, escabeça-las faria.
Con dereit’ a Virgen santa á nome Strela do Dia,
ca assi pelo mar grande come pela terra guia.
A ha disse con medo que o faria de grado;
mais a outra mui sannuda disse: «Sol non é penssado,
ca mia alma e meu corpo todo ei acomendado
aa eigreja da Madre de Deus que é en Tudia.»
Con dereit’ a Virgen santa á nome Strela do Dia…
Con dereit’ a Virgen santa á nome Strela do Dia,
ca assi pelo mar grande come pela terra guia.
A moura con mui gran sanna mandou-as log’ essa ora
no carcer deitar ontranbas; mais aquela sen demora
adormeceu, e a Virgen lle disse: Sal acá fora
deste logar e trei migo, ca eu te porrei na via.»
Con dereit’ a Virgen santa á nome Strela do Dia,
ca assi pelo mar grande come pela terra guia.Pois a cativa esperta foi, achou-ss’ en u camo
ancho e chão, sen pedras, e andou-o mui festynno,
que pan non comeu bocado nen beveu agua nen vo,
ata que preto de Silve foi quando aluzeçia.
Con dereit’ a Virgen santa á nome Strela do Dia,
ca assi pelo mar grande come pela terra guia.
E ascuitou ha peça e oyu falar os mouros
que yan cavar as vas, deles brancos, deles louros;
e oyu mogir as vacas e oyu bruyar os touros,
e diss': «En terra de Tanjar me sõo como soya.»
Con dereit’ a Virgen santa á nome Strela do Dia,
ca assi pelo mar grande come pela terra guia.
A pouco rato pois esto vyu gran peça de crischãos
que yan veer sas vas, todos sas lanças nas mãos;
e entendeu que seus sonnos non foron falssos nen vãos,
mais verdade mui certeira qual con seus ollos viia.
Con dereit’ a Virgen santa á nome Strela do Dia,
ca assi pelo mar grande come pela terra guia.
E pois entrou ena vila, foi-sse log’ aa eigreja
da Virgen Santa Maria, que é beita e seja,
e viu estar ajuntada y mui gran gente sobeja,
e de com’ o feito fora todo lle-lo retraya.
Con dereit’ a Virgen santa á nome Strela do Dia,
ca assi pelo mar grande come pela terra guia.
E eles grandes loores deron logo da primeira
aa Virgen groriosa, Madre de Deus verdadeira;
mais o colar da cada toller per nulla maneira
do colo non llo poderon, nen per nulla maestria.
Con dereit’ a Virgen santa á nome Strela do Dia,
ca assi pelo mar grande come pela terra guia.
Enton a moller lles disse: «Eu sõo pobr’ e mesqynna,
e se m’alg’ a dar avedes por Deus, dade-mio aga,
e yr-m-ei pera Tudia, a cas da Santa Rea
que me sacou de cativo u mui coitada jazia.»
Con dereit’ a Virgen santa á nome Strela do Dia,
ca assi pelo mar grande come pela terra guia.
Eles deron-ll’ algu’, e foi-sse. E logo que foi entrada
en Tudia na eigreja da Reynna corõada,
caeu-ll’ o colar do colo, que sse non deteve nada;
e o sancristan tan toste a gran campãa tangia.Con dereit’ a Virgen santa á nome Strela do Dia,
ca assi pelo mar grande come pela terra guia.
E quantos aly estavan e este feito souberon,
todos aa Virgen santa porende loores deron;
des y aa moller bõa porend[e] algo fezeron,
e ela dend’ adeante ena eigreja servia.
Con dereit’ a Virgen santa á nome Strela do Dia,
ca assi pelo mar grande come pela terra guia.
Porque ben Santa Maria sabe os seus dões dar,
– 327 –
Como Santa Maria guariu o crerigo que se lle tornaran as pernas atras
porque fez us panos mores dun pano que furtou de sobelo altar.
Porque ben Santa Maria sabe os seus dões dar,
muito per faz gran folia quen lle vai o seu furtar.
Onde, se m’oyr quiserdes, daquesto vos contarei
un miragre mui fremoso que fez a Madre do Rey
Jhesu-Crist’ en Odimira, como vos ora direi,
u ela fez ende muitos outros en aquel logar.
Porque ben Santa Maria sabe os seus dões dar…
Mas este foi muit’ aposto e feito con gran razon;
ca ha moller seu pano foi dar en offereçon
a ha eigreja sua, feita des mui gran sazon,
que está fora da vila, assi com’ oý contar.
Porque ben Santa Maria sabe os seus dões dar…
Pouco mais ca ha vara o pan’ era, com’ oy,
e era mui ben teçudo e mui delgad’ outrossi;
e porend’ a moller bõa fora-o põer aly
na eigreja, u o vissen estar sobelo altar.
Porque ben Santa Maria sabe os seus dões dar…
Un crerigo da eigreja que o viu aly seer,
creceu-ll’ en tal cobiiça que o foi log’ en toller,
e levou-o a ssa casa e mandou ende fazer
panos con que cobriss’ ende o con que ya peccar.
Porque ben Santa Maria sabe os seus dões dar…
E pois que os ouve feitos e con eles sse cobryu,
deitava-ss’ a dormir logo; mais pero pouco dormiu,
ca os calcannares anbos pelos lombos os sentiu
que ll’ entraron tan de rijo que os non pod’ en tirar.Porque ben Santa Maria sabe os seus dões dar…
E con mui gran coita fera que avia de door,
braadou muit’ e dizendo: «Ai, Madre do Salvador,
rogo-te que eu non moira assi, se t’ en prazer for.»
E do erro que fezera fillou-s’ a mãefestar
Porque ben Santa Maria sabe os seus dões dar…
Ante todos, e chorando ar fillou-ss’ a repentir,
e dun gran pano de lenço fez log’ o altar cobrir.
E porende, meus amigos, quen este miragr’ oyr
nunca seja atrevudo ena Virgen desonrrar.
Porque ben Santa Maria sabe os seus dões dar…
E sobr’ esto à eigreja o levaron manaman,
e todos por el rogaron a Sennor do bon talan;
e ela guariu-o logo, que non prendeu y afan;
poren todos começaron o seu nome de loar.
Porque ben Santa Maria sabe os seus dões dar…
Sabor á Santa Maria
– 328 –
Esta é como Santa Maria fillou un logar pera si eno reino de Sevilla
e fez que lle chamassen Santa Maria do Porto.
Sabor á Santa Maria, de que Deus por nos foi nado,
que seu nome pelas terras seja sempre nomeado.
Ca se ela quer que seja o seu nom’ e de seu Fillo
nomeado pelo mundo, desto non me maravillo,
e corrudo del Mafomet e deitado en eixillo
el e o diab’ antigo que o fez seu avogado.
Sabor á Santa Maria, de que Deus por nos foi nado,
que seu nome pelas terras seja sempre nomeado.
E desto mui gran miragre a que éste Madr’ e Filla
mostrou, e mui saboroso d’oyr a gran maravilla,
preto de Xerez, que éste eno reino de Sevilla
un logar que Alcanate soya seer chamado.
Sabor á Santa Maria, de que Deus por nos foi nado,
que seu nome pelas terras seja sempre nomeado.
Este logar jaz en terra mui bõa e mui viçosa
de pan, de vynno, de carne e de fruita saborosa
e de pescad’ e de caça; ca de todo deleitosa
tant’ é, que de dur seria en un gran dia contado.Sabor á Santa Maria, de que Deus por nos foi nado,
que seu nome pelas terras seja sempre nomeado.
Ca este logar é posto ontr’ ambos e dous os mares,
o grand’ e o que a terra parte per muitos logares,
que chaman Mediterrano; deis i ambos e dous pares
s’ajuntan y con dous rios, per que ést’ o log’ onrrado.
Sabor á Santa Maria, de que Deus por nos foi nado,
que seu nome pelas terras seja sempre nomeado.
Guadalquivir é u deles, que éste mui nobre rio
en que entran muitas aguas e per que ven gran navio;
o outro é Guadalete, que corre de mui gran brio;
e en cada u daquestes á muito bõo pescado.
Sabor á Santa Maria, de que Deus por nos foi nado,
que seu nome pelas terras seja sempre nomeado.
Ond’ en este logar bõo foi pousar ha vegada
el Rey Don Affonso, quando sa frota ouv’ enviada
que Çalé britaron toda, gran vila e muit’ onrrada,
e o aver que gãaron, de dur seria osmado.
Sabor á Santa Maria, de que Deus por nos foi nado,
que seu nome pelas terras seja sempre nomeado.
El pousand’ en aquel logo e ssa frota enviando
e yndo muitas vegadas a Cadiz e ar tornando,
e do que mester avia a frota ben avondando,
per que fosse mais aga aquel feit’ enderençado,
Sabor á Santa Maria, de que Deus por nos foi nado,
que seu nome pelas terras seja sempre nomeado.
Non catou al, senon quando o alguazil mui sannudo
de Xerez a ele vo, mouro mui riqu’ e sisudo,
dizendo: «Sennor, com’ ousa seer null’ om’ atrevudo
d’Alcanate, u pousades, aver-ll’ o nome canbiado
Sabor á Santa Maria, de que Deus por nos foi nado,
que seu nome pelas terras seja sempre nomeado.
E ar dizer-ll’ outro nome, de que an gran desconorto
os mouros, porque lle chaman Santa Maria del Porto,
de que ven a nos gran dano e a vos fazen y torto.
E atal feito com’ este deve ser escarmentado.»
Sabor á Santa Maria, de que Deus por nos foi nado,
que seu nome pelas terras seja sempre nomeado.El Rei, quand’ oyu aquesto, ouve gran sanna provada,
e mandou a ssa jostiça que logo sen detardada
que pola ost’ ascuita[n]do de pousada en pousada
andass’, e a quen oysse tal nome, foss’ açoutado.
Sabor á Santa Maria, de que Deus por nos foi nado,
que seu nome pelas terras seja sempre nomeado.
Sobr’ esto muitos chrischãos foron mui mal açoutados
e outros a paancadas os costados ben britados,
e ar outros das orellas porende foron fanados,
e per tod’ esto non pode aquel nom’ aver vedado.
Sabor á Santa Maria, de que Deus por nos foi nado,
que seu nome pelas terras seja sempre nomeado.
Ante quanto mais punnava e provava e queria
de vedar aquele nome, a gente mais lo dizia;
ca a Virgen groriosa, Reynna Santa Maria,
queria que do seu nome foss’ aquel logar chamado.
Sabor á Santa Maria, de que Deus por nos foi nado,
que seu nome pelas terras seja sempre nomeado.
Ond’ el Rei en mui gran coita era daquesto, sen falla,
temendo que non crecesse sobr’ esto volt’ ou baralla
ontre mouros e crischãos; mais a Virgen, que traballa
por nos, tragia o preito d’outra guisa ordado.
Sabor á Santa Maria, de que Deus por nos foi nado…
Ca ao alguazil mouro fezo logo que falasse
con el Rei e por mercee lle pediss’ e lle rogasse
que aquel logar tan bõo pera crischãos fillasse.
El Rey, quand’ oyu aquesto, foi en mui ledo provado,
Sabor á Santa Maria, de que Deus por nos foi nado,
que seu nome pelas terras seja sempre nomeado.
Ca entendeu ben que Cadiz mais toste pobrad’ ouves [s]e;
mas temendo que o mouro por engano o fezesse,
non lle quis responder nada a cousa que lle dissesse.
Ond’ o alguazil por esto foi en mui maravillado
Sabor á Santa Maria, de que Deus por nos foi nado,
que seu nome pelas terras seja sempre nomeado.
E disso com’ en sannudo al Rei: «Non saya dest’ ano
se esto que vos eu rogo o faço por null’ engano,
mas por meter paz na terra e por desviar gran dano
que pode seer, se este feito non for acabado.»
Sabor á Santa Maria, de que Deus por nos foi nado,que seu nome pelas terras seja sempre nomeado.
E demais lle deu con este logar toda a ribeyra
d’outras aldeas que eran do Gran Mar todas na beira,
Esto fez a Virgen santa, a Sennor dereitoreira,
de cujo nome o mundo será cho per meu grado.
Sabor á Santa Maria, de que Deus por nos foi nado,
que seu nome pelas terras seja sempre nomeado.
Muito per é gran dereito
– 329 –
Como deus fez a un mouro que fillou a oferta do altar de Santa Maria
que se non mudasse do logar.
Muito per é gran dereito de castigado seer
quen s’ atrev’ ao da Virgen per a furtar con tanger.
E com’ é om’ atrevudo de penssar nen comedir
de furtar ren do da Virgen, que faz os ceos abrir
e dar-nos de Deus sa graça, tal é como quen cospir
quer suso contra o ceo, e vai-lle na faz caer.
Muito per é gran dereito de castigado seer
quen s’ atrev’ ao da Virgen per a furtar con tanger.
Dest’ un fremoso miragre avo, com’ aprendi,
en Tudia, na eigreja da Virgen, e foi assi
que de mouros mui gran gente veron correr aly
tod’ en redor pela terra e mui gran dano fazer.
Muito per é gran dereito de castigado seer
quen s’ atrev’ ao da Virgen per a furtar con tanger.
E con quant enton roubaron foron ben aly pousar
tod’ en redor da eigreja, e do seu foron fillar
meallas d’our’ e deiros que poseron no altar
a onrra da Virgen santa, de que Deus quiso nacer.
Muito per é gran dereito de castigado seer
quen s’ atrev’ ao da Virgen per a furtar con tanger.
Ca, segund’ lles deu escrito Mafomat no Alcoran,
ben creen mouros sen falla, e desto dulta non an,
que do Esperito Santo s’ enprennou sen null’ afan
prender nen dan’ a sa carne, e assi foi conceber
Muito per é gran dereito de castigado seerquen s’ atrev’ ao da Virgen per a furtar con tanger.
Virgen; e des que foi prenne ar pariu fillo baron
e depois ar ficou virgen, e demais ouve tal don
que sobrelos anjos todos quantos eno ceo son
a fezo Deus mais onrrada e de todos mais valer.
Muito per é gran dereito de castigado seer
quen s’ atrev’ ao da Virgen per a furtar con tanger.
Onde, pero que os mouros non teman a nossa fe,
tod’ esto da Virgen santa ten [que] gran verdad’ é;
e porend’ aly oraron u a ssa eigreja sé,
e cada u do que teve foi sobr’ o altar põer.
Muito per é gran dereito de castigado seer
quen s’ atrev’ ao da Virgen per a furtar con tanger.
Quand’ aquest’ ouveron feito, logo sse partiron en;
mas un mour’ avizimao, atrevud’ e de mal sen,
leixou ir os outros todos e foi en mui gran desden
fillar quant’ offereceron e en ssa bulssa meter.
Muito per é gran dereito de castigado seer
quen s’ atrev’ ao da Virgen per a furtar con tanger.
E pois los ouve fillados, atan tost’ yr-se cuidou;
mais ante que aa porta chegasse, cego tornou
e perdeu todo o siso, e tan yrto se parou
ben come madeiro duro, que se non pode mover.
Muito per é gran dereito de castigado seer
quen s’ atrev’ ao da Virgen per a furtar con tanger.
Os outros seus companneiros cataron-s’ a derredor
e acharon este mos, e ouveron gran pavor
de se [for] mort’ ou cativo; e o alcaide mayor
mandou que busca-lo fos[s]en e pera el o trager.
Muito per é gran dereito de castigado seer
quen s’ atrev’ ao da Virgen per a furtar con tanger.
Eles a busca-lo foron e chegaron ben alá
aa eigrej’, e un deles lles diss': «Entremos acá;
ca mui toste os crischãos o fillaron, e está
ascondudo na eigreja pera quand’ escurecer
Muito per é gran dereito de castigado seer
quen s’ atrev’ ao da Virgen per a furtar con tanger.
O levaren.» E tan toste entraron, com’ apres’ ei,
ena eigreja, e viron estar aquele sen leicegu’ e ataicom’ ha pedra. Diz hu deles: «¿Que farei?
Aquest’ om’ está já morto ou mui preto de morrer.»
Muito per é gran dereito de castigado seer
quen s’ atrev’ ao da Virgen per a furtar con tanger.
E u deles foi a ele e falou-ll’ e o tangeu,
mais aquel per nulla guisa non falou nen se moveu;
outros ao altar foron, e de quant’ offereceu
a compan[n] a que se fora, non viu y ren seer.
Muito per é gran dereito de castigado seer
quen s’ atrev’ ao da Virgen per a furtar con tanger.
Entonce disseron todos: Quiçai aqueste rapaz
foi furtar a offerenda, que lle Deus [aqu]esto faz;
e catemos se a trage e tornemo-la en paz
sobrelo altar u ante a foron off[e]recer.»
Muito per é gran dereito de castigado seer
quen s’ atrev’ ao da Virgen per a furtar con tanger.
Aquel mouro que estava mui mais negro que o pez
foi todo escodrunnado, e logo aquela vez
acharon-ll’a offerenda e aa Sennor de prez
a deron outra vegada. E aquel mouro s’erger
Muito per é gran dereito de castigado seer
quen s’ atrev’ ao da Virgen per a furtar con tanger.
Foi, e os ollos tan toste se ll’abriron, e a luz
viu polo prazer da Madre daquel que morreu na cruz.
E o miragre sabudo foi ben daqui ata Suz,
e dos mouros os crischãos o ouveron de saber.
Muito per é gran dereito de castigado seer
quen s’ atrev’ ao da Virgen per a furtar con tanger.
Qual é a santivigada
– 330 –
Esta é de loor de Santa Maria.
Qual é a santivigada
ant’ e depois que foi nada?
Madre de Deus, Nostro Sennor,
de Deus, Nostro Sennor,
e Madre de nosso Salvador.A qual diss’ «Ave Maria»
Gabriel e que seria
Madre de Deus, Nostro Sennor…
Qual é a que sen mazela
pariu e ficou donzela?
Madre de Deus, Nostro Sennor…
En qual per sa omildade
s’ ensserrou a Tridade?
Madre de Deus, Nostro Sennor…
Qual é a que sempre bõa
foi e dos santos corõa?
Madre de Deus, Nostro Sennor…
Qual é a que per seu siso
nos fez ayer paraiso?
Madre de Deus, Nostro Sennor…
Atan gran poder o fogo non á per ren de queimar
– 332 –
Esta é como en u mõesteiro en[o] reino de Leon leva[n] tousse fogo de noite,
e mató-o a omage deSanta Maria con o veo que tiinna na cabeça.
Atan gran poder o fogo non á per ren de queimar
como á Santa Maria, quando quer, de o matar.
Ca, macar grand’ elemento foi Deus do fogo fazer
e de queimar toda cousa lle foi dar tan gran poder,
mayor o deu a sa Madre, de que ele quis nacer
e pois ena carne dela foi os infernos britar.
[A] tan gran poder o fogo non á per ren de queimar…
Ond’ un mui maravil[loso] miragre vos contarei
que avo en Carriço, per com’ en verdad’ achei,
un mõesteiro que éste preto de Leon, e sei
que o fez Santa Maria por sa vertude mostrar.
Atan gran poder o fogo non á per ren de queimar…
Aquel mõesteiro éste desta ordin de Cistel,
e á y ha omagen que ten seu Fillo, mui belmeno, ontre seus braços, e sé en u chapitel
fremos’ e mui ben lavrado, posto sobelo altar.
Atan gran poder o fogo non á per ren de queimar…
As donas daquel convento todas mui gran devoçon
an en aquesta omagen, e van y de coraçon
cada noit’ e cada dia e fazen grand’ oraçon,
e ven con sas candeas por o log’ alumear.
Atan gran poder o fogo non á per ren de queimar…
Onde foi ha vegada que palla deitaron y
muita na eigreja toda, e era mester assy
por gran frio que fazia, e ar deitaron log’ y
estadaes encendudos, como soyan deitar.
Atan gran poder o fogo non á per ren de queimar…
E un estadal daqueles ha monja encendeu
ontr’ o altar e o coro, e o fogo s’ aprendeu
del aa palla, e logo tan feramente correu
a chama del, que ss’ ouvera ao altar a chegar.
Atan gran poder o fogo non á per ren de queimar…
Mais a Virgen groriosa non quis esto consentir,
nen quis que aquele fogo podesse adeant’ yr;
e porend’ a ssa omagen fillou logo, sen mentir,
o veo da ssa cabeça e ant’ o fogo lançar
Atan gran poder o fogo non á per ren de queimar…
O foi. E depois o fogo sol non queimou nulla ren,
ante foi tan toste morto polo prazer da que ten
en poder os elementos; ca nen u non vai nen ven,
senon quanto o seu Fillo quer en eles ordar,
Atan gran poder o fogo non á per ren de queimar…
Que ordou que o veo delgado mais ca cendal
podess’ amatar o fogo e non soffrer que mais mal
fezesse do que fezera, por vertud’ esperital
da Virgen, ond’ a omagen avia o semellar.
Atan gran poder o fogo non á per ren de queimar…
Entonce a sancreschãa, que dormia, s’ espertou
e para tanger os sinos duas consigo levou
monjas e aa eigreja foi; e pois que dentr’ entrou,
viu tod’ esto que ja dixe e foy-o logo contar
Atan gran poder o fogo non á per ren de queimar…
Ao convent’ u durmia, e disse: «Por esto vin,
por vos mostrar gran miragre que ora conteu a min;
e sei que poi-lo oyrdes, diredes, par San Martin,
que d’outro mayor daqueste nunca oystes falar.»
Atan gran poder o fogo non á per ren de queimar…Log’ enton a abadessa, que era bõa moller,
foi alá, e o convento ar foi y mui volonter;
e pois viron o miragre, disseron: «Muit’ é mester
que dest’ a Santa Maria sabiamos loores dar.»
Atan gran poder o fogo non á per ren de queimar…
Enton começaron todos cantando a dar loor
aa Virgen groriosa, Madre de Nostro Sennor;
e pois deitaron-s’ a prezes cab’ o altar en redor,
rezando per seus salteiros quanto podian rezar.
Atan gran poder o fogo non á per ren de queimar…
De resorgir ome morto
– 334 –
Como Santa Maria de Terena resorgiu uu ome
que morrera de sandece e tornó-o são.
De resorgir ome morto deu Nostro Sennor poder
a sa Madr’ e toda cousa guardar de se non perder.
E desto fez en Terena, ond’ averedes sabor,
un miragr’ a Virgen santa, Madre de Nostro Sennor,
que ou[v]’ ha vez guarido u mancebo lavrador
dun mui gran mal que a[via], que lle fezeran fazer.
De resorgir ome morto deu Nostro Sennor poder…
Este, per quant’ ei apreso, en Aroches gran sazon
morou con u bõo ome que el mui de coraçon
servia muit’ e amava; e polo guardar enton
de mort’, ouv’ en ssi fillado tal mal ond’ ouv’ a morrer.
De resorgir ome morto deu Nostro Sennor poder…
Daquesto dizer-vos quero assi como conteceu;
Bartolomeu a aqueste chamavan, e doeceu;
des i o ome, seu amo, pesou-ll’ en muit’ e prendeu
seus bois con que lavrar fosse, pois viu que sse non erger
De resorgir ome morto deu Nostro Sennor poder…
Seu mancebo non podia; e porende o leixou
e que mui ben del penssassen a ssa companna mandou.
E sa moller con maldade enton vynno tenperou
con ervas, como o désse a seu marid’ a bever,
De resorgir ome morto deu Nostro Sennor poder…E diss[e] a o mancebo: «Se ora podess[es] yr
ao agro a teu amo, punnarei en cho gracir,
e levasses-ll’ este vo, podes el e mi servir
muit'; e sei ora con ele, por Deus, ante [de] comer.
De resorgir ome morto deu Nostro Sennor poder…
E dar-ll-ás aqueste vo, e fas como te direi:
non bevas [en] nemigalla, e ven-t’ e eu te darei
algo, se esto fezeres, e demais gracir-cho-ei,
e a mi e a teu amo farás ora gran prazer.»
De resorgir ome morto deu Nostro Sennor poder…
O mancebo oyu aquesto e foi logo sospeitar
que no vinno mal avia, e diz: «Pero me mandar
foi mia ama que llo désse a meu am’, ant’ eu provar
o quero. « E pois provou-o e foi log’ enssandecer.
De resorgir ome morto deu Nostro Sennor poder…
E assy andou u ano tolleit’ e fora de sen,
que siira non avia. E seus parentes poren
levárono a Terena, que long’ é de Santaren;
e yndo pela carreira, ouve morte de prender.
De resorgir ome morto deu Nostro Sennor poder…
E atal morto com’ era levárono ben assy
dereitament’ a Terena e posérono log’ y
ant’ o altar da mui nobre Virgen; e, com’ aprendi,
resorgiu e foi são como soya seer.
De resorgir ome morto deu Nostro Sennor poder…
Com’ en si
– 335 –
Como Santa Maria converteu un gentil que adorava os ydolos,
porque avia en si piadade e fazia caridade aos pobres.
Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade,
assi naturalment’ ama os en que á caridade.
En amar os que ben fazen, Deus, Deus, non me maravillo,
pois aquel que é bondade conprida se fez seu Fillo,
que fez os montes mui grandes e fez o grão do millo,
por mostrar en nos sas obras quaes son e sa bondade.Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade…
E por dar a cada úu segundo o que merece,
fez todo quanto veemos e o al que non parece;
e o que non cree esto muito per faz gran sandece
e que a cabeça toda ten cha de vãidade.
Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade…
E de tal razon com’ esta mostraron gran maravilla
Jesu-Cristo e a Virgen que é sa Madr’ e sa Filla,
eno tempo dos gentiis a u ome en Cezilla,
que rico e avondado era d’aver e d’erdade.
Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade..
E pero que gentil era e que en Deus non criia,
dava de grad’ aos pobres o mais do que el avia.
Esto muit’ a Jhesu-Cristo prougu’ e a Santa Maria,
e a provar o veron por saber en mais verdade.
Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade…
Onde foi que aquel ome bõo e sen tod’ engano
quanto de comer avia dera en u mao ano
e caro todo a pobres, que non catou prol nen dano
que ll’ ende poren vesse. Mais a que por omildade
Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade…
Soube de Deus seer Madre appareceu-ll’ en figura
de moller con fill’ en braço con mui pobre vestidura,
e disse-ll': «Ai, ome bõo, pora esta creatura,
por Deus, dade-lle que cómia, e a nos mentes parade
Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade…
Com’ andamos lazerados con est’ ano tan minguado.»
Respondeu-ll’ o ome bõo: «Esto faria de grado;
mais todo quanto tia a pobres lo ei ja dado.»
Diss’ enton a moller bõa: «Vel da fara me dade,
Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade…
De que papelynnas faça que dé a este meno,
que me non moira de fame, ca non pego pan nen vo.»
O ome bõo, con doo dela, ergeu-sse festynno
e fillou-a pela mão e disse-ll': «Acá entrade,
Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade…
E yrei catar as arcas se me ficou y farynna.»E achou ende mui pouca e fillou-a muiy’agynna
en sas mãos, e foi logo dereito aa cozynna
e diss’ enton a seus omes: «Da agua me caentade.»
Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade…
Eles fezérono logo; e des que foi ben caente,
fillou-s’ aquel ome bõo e non quis outro sergente,
mas el per sy fez as papas mui ben e apostamente
e levou-as en sa mão de mui bõa voontade.
Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade…
E a bõa moller logo foi catar u a leixara,
pera dar-ll’ aquelas papas que a seu fill’ adubara
e achar sol nona pode, e cuidou que se mudara
por pedir a outras portas, e diss’ aos seus: «Buscade
Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade…
Ha moller con seu fillo, que agor’ aqui estava.»
Eles se partiron logo, e cada u a buscava
quanto mais buscar podia, mais neu nona achava.
Enton s’acordaron todos que fazian neiçidade
Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade…
Buscar o que non podian achar per nulla maneira;
enton tornaron a ele e disseron: «Verdadeira-
mente non ficou [na] vila rua, nen cal nen carreira,
que buscada non ajamos, sen duvida end’ estade.»
Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade…
Pois que ll’ aquesto disseron, a ssa casa deu tornada
e achou-a toda cha de triigu’ e de cevada,
e as arcas de fara chas, e tan avondada
que avondar poderia a todo-los da cidade.
Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade…
Enton aquel bõo ome seve gran peça cuidando
de como viu este feito, e muito mentes parando;
e fez chamar os gentiles e esteve-lles rogando
muito que daquesta cousa lle dessen certãidade,
Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade…
Se podi’ aver ontr’ eles alga tal deoessa
que fill’ en braço trouxesse, ou que nom’ avia essa,
que ll’ a verdade dissessen, e fez[o] -lles gran promesa.
E eles lle responderon: «Atal allur a catade.»Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade…
Quando ll’ est’ ouveron dito, el foi log’ aos crischãos
e mostrou-lles este feito e disse-lles: «Ai, irmãos,
se á ontre vos omagen que non an estes pagãos,
de moller con fill’ en braço, de duvida m’ en sacade.»
Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade…
Eles disseron: «Avemos a Virgen mui groriosa,
que de Deus foi Madr’ e Filla, e criada e esposa,
e pariu e ficou virgen, cousa mui maravillosa.»
Enton diss’ o gentil logo: «A omagen m’ amostrade.»
Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade…
Eles log’ aa eigreja muit’ agynna o levaron
e a omagen da Virgen, Madre de Deus, ll’ amostraron,
con seu meno en braços, e o feito lle contaron
de seu Fillo Jesu-Cristo, om’ e Deus en Tridade.
Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade…
Quand’ o gentil oyu esto, rogou que o batiçassen,
e esto foi logo feito; e ar rogou que rogassen
a Virgen e a seu Fillo, e consigo o levassen,
quando do mundo saisse, aa santa craridade.
Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade…
E deste miragre todos deron mui grandes loores
aa Virgen groriosa, que é Sennor das sennores,
que mostra grandes miragres sempre aos peccadores,
por fazer que sejan bõos e se partan de maldade.
Com’ en si naturalmente a Virgen á piadade…
En quantas guisas
– 339 –
Esta é como Santa Maria guardou ha nave que non perigoasse no mar.
En quantas guisas os seus acorrer
sab’ a Virgen, non se pode dizer.
Ca acorre en coit’ e en pesar
e en door a quena vai chamar,
e acorre nas tormentas do mar;ond’ un miragre quero retraer.
En quantas guisas os seus acorrer…
No reino de Murça un logar é
mui forte e mui nobre e que sé
sobelo mar, e jur’ en bõa fe
que muit’ adur pod’ om’ atal veer.
En quantas guisas os seus acorrer…
Este logar Alecante nom’ á,
e omes per mar muitos van alá
e per terra, ca en logar está
d’as gentes muit’ y de sa prol fazer.
En quantas guisas os seus acorrer…
Porend’ en Cartagena se partiu
ha nave, e eu vy quena viu;
e ynd’ alá, pelo fondo s’abriu
assi que muita d’agua foi coller.
En quantas guisas os seus acorrer…
Os que na nave yan log’ enton
aos santos fezeron oraçon;
mais u ome bõo lles disse: «Non
á y quen nos possa tanto valer
En quantas guisas os seus acorrer…
Como a Virgen, que Madr’ é de Deus,
que senpr’ ajuda e acorr’ os seus;
e porend’ ora, ai, amigos meus,
mercee lle peçamos sen lezer.»
En quantas guisas os seus acorrer…
E eles o fezeron log’ assy,
e pois cataron a nave des y
per u entrara a agua, e y
foron todos por consell’ y põer.
En quantas guisas os seus acorrer…
E o consello deles foi atal
que sacassen, e non fezessen al,
a agua da nave. Mais a que val
aos coitados lles foi y valer:
En quantas guisas os seus acorrer…Ca per u a nave se foi abrir
foy y tres peixes enton enxerir,
assi que non pod’ entrar nen sayr
agua per y pois nen enpeccer.
En quantas guisas os seus acorrer…
Aos da nave foi enton gran ben
quand’ esto viron, e deron poren
graças a aquela que nos manten;
des i foron logo porto prender
En quantas guisas os seus acorrer…
En Alecant’. E logo que chegou
a nav’, o maestre dela catou
per u entrara a agu’ e achoti
tres peixes engastõados jazer
En quantas guisas os seus acorrer…
Na nave, que non á tan sabedor
maestre nen tan calafetador
que podesse calafetar rnellor
per cousa que y podesse meter.
En quantas guisas os seus acorrer…
Enton o maestr’ os peixes prendeu
e os dous que eran mortos comeu;
e o que ficava vivo tendeu
ant’ o altar polo todos veer
En quantas guisas os seus acorrer…
Na eigeja da Madre do gran Rei,
que fez muitos miragres, com’ eu sei,
por que a loo sempr’ e loarei
enquant’ en aqueste mundo viver.
En quantas guisas os seus acorrer…
Virgen Madre groriosa
– 340 –
Esta é de loor de Santa Maria.
Virgen Madre groriosa,
de Deus filla e esposa,
santa, nobre, preciosa,quen te loar saberia
ou podia?
Ca Deus que é lum’ e dia,
segund’ a nossa natura
non viramos sa figura
senon por ti, que fust’ alva.
Virgen Madre groriosa…
Tu es alva dos alvores,
que faze-los peccadores
que vejan os seus errores
e connoscan sa folia,
que desvia
d’aver om’ o que devia,
que perdeu por sa loucura
Eva, que tu, Virgen pura,
cobraste porque es alva.
Virgen Madre groriosa…
Tu es alva dos mesqos,
que non erren os camos,
a grandes, a pequenos;
ca tu iles mostras a via
per que ya
o teu Fillo todavia,
que nos sacou da escura
carreira maa e dura
per ti que es nossa alva.
Virgen Madre groriosa…
Tu es alva dos culpados,
que cegos por seus pecados
eran; mais alumeados
son per ti, Santa Maria.
Quen diria,
nen quen osmar poderia
teu ben e ta gran mesura?
Ca sempre en ty atura
Deus a luz ond’ es tu alva.
Virgen Madre groriosa…
Tu es alva per que visto
foi o sol, que éste Cristo,
que o mund’ ouve conquisto
e sacado du jazia
e jaria,
e de que non sairya;
mais Deus por ti da alturaquis de ti, sa creatura,
nacer, e fez de ti alva.
Virgen Madre groriosa…
Tu es alva dos que creen
e lume dos que non veen
a Deus, e que por mal ten
o ben per sa bavequia
d’eresia,
que é maa ousadia,
e Deus non á destes cura;
mais pela ta gran cordura
lles dás lume come alva.
Virgen Madre groriosa…
Tu es alva que pareces
ante Deus e escrareces
os ceos, e que mereces
d’averes sa conpania.
E querria
t’ eu ver con el, ca seria
quito de maa ventura
e metudo na folgura
u es con Deus, u es alva.
Virgen Madre groriosa…
Os que a Santa Maria saben fazer reverença,
– 344 –
Como Santa Maria de [Tudia] fez a ha cavalgada de crischãos
e outra de mouros que maseron ha noite cabo
da sa eigreja e non se viron, por non averen ontr’ eles desavença.
Os que a Santa Maria saben fazer reverença,
macar se non amen eles, ela met’ y avença.
Ca a que éste comprida de ben de santidade,
ama paz e avença e amor e lealdade.
E dest’ un mui gran miragre direi, e ben m’ascuitade,
que ela fez en Tudia; e meted’ y ben femenga.
Os que a Santa Maria saben fazer reverença,
macar se non amen eles, ela met’ y avença.
No tempo quando de mouros foi o reino de Sevilla,
en aquela ssa eigreja de Tudia maravillaconteceu ha vegada; e mui gran sabor me filla
de dizer como foi esto por averdes mais creença.
Os que a Santa Maria saben fazer reverença,
macar se non amen eles, ela met’ y avença.
Gran cavalgada de mouros sayu pera os crischãos
correr e fazer-lles dano, e passou serras e chãos
e chegaron a Tudia, todos sas langas nas mãos,
e ben a par da eigreja pousaron sen deteença.
Os que a Santa Maria saben fazer reverença,
macar se non amen eles, ela met’ y avença.
Assi foi que essa noite muit’ en paz aly jouveron;
e d’outra parte crischãos sa cavalgada fezeron,
e cabo dessa eigreja bes os outros maseron,
ca daquel logar partir-sse non ouveron atrevença.
Os que a Santa Maria saben fazer reverença,
macar se non amen eles, ela met’ y avença.
E tan cerca essa noite us d’outros albergaron,
que mais cerca non podian; e na font’ abeveraron
seus cavalos a beveren, e tanto non braadaron
que s’oyssen nen se vissen nen soubessen connocença.
Os que a Santa Maria saben fazer reverença,
macar se non amen eles, ela met’ y avença.
Assi tod’ aquela gente foi de ssu albergada
a derredor da eigreja, que sol non sentiron nada
us d’outros por vertude da Reynna corõada,
a que todos essa noite fezeron obedeença.
Os que a Santa Maria saben fazer reverença,
macar se non amen eles, ela met’ y avença.
Outro dia madurgada todos daly se partiron;
e depois que cavalgaron e sen sospeita se viron,
muito s’en maravillaron; des i treguas se pediron
por averen deste feito como fora connocença.
Os que a Santa Maria saben fazer reverença,
macar se non amen eles, ela met’ y avença.
Pois que a tregua ouveron e eles todos juntados
foron e de com’ o feito fora, foron acordados
en como fora miragre; e partiron-sse pagados,
e fo[ro]n-s’ us a Elvas, os outros a Olivença.
Os que a Santa Maria saben fazer reverença,
macar se non amen eles, ela met’ y avença.Ben parte Santa Maria
– 348 –
Como Santa Maria demostrou a u rey que trobava
por ela gran tesouro d’ouro e de prata.
Ben parte Santa Maria sas graças e seus tesouros
aos que serven seu Fillo ben e ela contra mouros.
Desto direi un miragre que avo en Espanna,
que mostrou Santa Maria, a piadosa sen sanna,
contra un rei que de gente levava mui gran companna
por onrrar a fe de Cristo e destroyr a dos mouros.
Ben parte Santa Maria sas graças e seus tesouros…
Ben parte Santa Maria sas graças e seus tesouros
aos que serven seu Fillo ben e ela contra mouros.
Aquel rei tesouros grandes despendera que avia
pera conquerer a terra que chaman Andaluzia;
mais atan muito fiava na Virgen Santa Maria,
que nunca jamais cuidava aver mingua de tesouros.
Ben parte Santa Maria sas graças e seus tesouros
aos que serven seu Fillo ben e ela contra mouros.
Onde foi ha vegada que sacara mui grand’ oste,
e os que o seu guardavan non ll’acorreron tan toste,
nen er achava deiros muitos ena sa reposte
per que manter podesse muito a guerra dos mouros.
Ben parte Santa Maria sas graças e seus tesouros
aos que serven seu Fillo ben e ela contra mouros.
El en aquesto cuidando, ha noite en dormindo
viu a Virgen groriosa e foi contra ela yndo,
chorando muito dos ollos e mercee lle pedindo
que sse del amercasse per que ouvesse tesouros.
Ben parte Santa Maria sas graças e seus tesouros
aos que serven seu Fillo ben e ela contra mouros.
Ela lle disse: «Teu rogo de meu Fill’ é ja cabudo;
onde por mingua que ajas non dés ren, mais atrevudo
sei ben, ca mui gran tesouro te darei que ascondudo
jaz sso terra, que meteron y mui peyores ca mouros.»
Ben parte Santa Maria sas graças e seus tesouros
aos que serven seu Fillo ben e ela contra mouros.Quando ll’ aquest’ ouve dito, foi-sse. E el rey pagado
ficou muito daquel sonno, e chamou u seu privado
e disse-ll’ o que sonnara; e pois llo ouve contado
foi aly u el cuydava achar aqueles tesouros.
Ben parte Santa Maria sas graças e seus tesouros
aos que serven seu Fillo ben e ela contra mouros.
E ja ant[e] lle disseron que aquel aver sen falla
jazia omees certos, non achou y nemigalla
e disso con mui gran coita: «Santa Maria me valla,
porque a minguar non aja de fazer gran mal a mouros.»
Ben parte Santa Maria sas graças e seus tesouros
aos que serven seu Fillo ben e ela contra mouros.
Assi quis Deus que daquela vez non achass’ el rey nada.
Mais depois ben a u ano fez oste sobre Grãada,
e yndo pera a oste fez per aly ssa passada;
e mostrou-lle d’outra parte a Virgen grandes tesouros
Ben parte Santa Maria sas graças e seus tesouros
aos que serven seu Fillo ben e ela contra mouros.
De prata, d’our’ e de pedras mui ricas e mui preçadas,
e panos muitos de seda e çitaras ben lavradas
e outras dõas mui nobres de prata, todas douradas,
dos judeos, seus emigos, a que quer peor ca mouros.
Ben parte Santa Maria sas graças e seus tesouros
aos que serven seu Fillo ben e ela contra mouros.
Quand’ el rey achou tod’ esto, foi mui led’ a maravilla
e bezeu muit’ a Virgen, que é de Deus Madr’ e Filla;
e tan tost’ est’ aver dado enviou pera Sevilla
pera servir Deus e ela dest’ e dos outros tesouros.
Ben parte Santa Maria sas graças e seus tesouros
aos que serven seu Fillo ben e ela contra mouros.
Muito praz aa Virgen santa
– 349 et 387 –
Como Santa Maria mostrou muitos miragres por ha sa omagen
que tragia u Rei en sa capela.
Muito praz aa Virgen santa que Deus fillou por parenta
de quen ll’ as saudações de Don Gabriel ementa.Ca pero é mais que santa, sempre lle creç a vertude
quando oe quen ll’ ementa do angeo a saude;
e de que quer que lle roguen enton con seu ben recude,
porque do Santi Spirito log’ outra vez s’ escaenta.
Muito praz aa Virgen santa que Deus fillou por parenta
de quen ll’ as saudações de Don Gabriel ementa.
Onde daquest’ un miragre vos direi, se m’ascuita[r]des,
mui fremos’ a maravilla; e se y mentes para[r]des,
sa mercee averedes dela, e se [a] guardardes,
do inferno seeredes quitos e de ssa tormenta.
Muito praz aa Virgen santa que Deus fillou por parenta
de quen ll’ as saudações de Don Gabriel ementa.
Un rey consigo tragia ha omagen fremosa
daquesta Virgen beita, Madre de Deus groriosa,
que a quantos la viyan era atan graciosa
que achar non poderian tal ontre mil e setenta.
Muito praz aa Virgen santa que Deus fillou por parenta
de quen ll’ as saudações de Don Gabriel ementa.
Aquesta fazia muytos miragres e maravillas,
sãand’ omees e molleres, e seus fillos e sas fillas.
E os que aquest’ oyan de mais longe ca cen millas
vyan por seer sãos por esta que acrecenta
Muito praz aa Virgen santa que Deus fillou por parenta
de quen ll’ as saudações de Don Gabriel ementa.
Nosso ben per ssa vertude que ela grande mostrava
en sãar enfermidades; e esta se lle dobrava
quand’ o avangeo santo dezia como falava
o angeo de Deus con ela, u ela disse: «Sergenta
Muito praz aa Virgen santa que Deus fillou por parenta
de quen ll’ as saudações de Don Gabriel ementa.
Sõo do Sennor que dizes e estou apparellada
de receber a ssa graça.» E por aquesto dobrada
ouv’ a omagen vertude quando ll’ era ementada
esta saude tan nobre; e poren ben quare[e]nta
Muito praz aa Virgen santa que Deus fillou por parenta
de quen ll’ as saudações de Don Gabriel ementa.
Sãou d’omees e molleres enfermos e mal coitados
en prazo de poucos dias. E loores poren dados
foron aa Virgen santa, porque senpr’ aos culpados,
macar é mui josticeira con piadad’ escarmenta.Muito praz aa Virgen santa que Deus fillou por parenta
de quen ll’ as saudações de Don Gabriel ementa.
A que Deus avondou tanto
– 351 –
Esta é como Santa Maria acrecentou o vo na cuba en Arconada,
ha aldea que é preto de Palença.
A que Deus avondou tanto que quiso dela nacer
ben pod’ avondar as outras cousas e fazer crecer.
E desta razon miragre [mui] fremoso vos direi,
que mostrou Santa Maria, com’ eu en verdad’ achei,
na eigreja d’A[r]conada, h’ aldea que eu sey
que é preto de Palença; e oyde-m’ a lezer.
A que Deus avondou tanto que quiso dela nacer…
Ena ssa festa d’Agosto mui gran gente ven aly
por oyr toda-las oras, e é costumad’ assy
que tragen y pan e vo en carretas, e ben y
o dan por seu amor dela a queno quer receber.
A que Deus avondou tanto que quiso dela nacer…
Ond’ avo, non á muito, tenpo, que ss’ y ajuntou
gran gent’ a aquela festa, e cada u punnou
en fazer grand’ alegria: quen soube luitar, luitou,
e quen soube chacotares bõos, y os foi dizer.
A que Deus avondou tanto que quiso dela nacer…
Outros ar corrian vacas que fazian pois matar,
que cozia[n]en caldeiras grandes e ýanas dar
a pobres que as comessen. En tod’ est’ a lazerar
ouve per força o vo, ca del foi grand’ o bever.
A que Deus avondou tanto que quiso dela nacer…
E pero que ben comian, non tyan que era ren,
se daquele bõo vo non bevessen a seu sen;
e porende foi minguando, ca aquesto sempr’ aven:
que du tollen e non põen, que é sempr’ a falecer.
A que Deus avondou tanto que quiso dela nacer…
Ond’ ha gran cuba cha devo pararon talque, sse non foi a madeira, en ela non ficou al.
Entonce disseron todos: «Se nos a Virgen non val,
con coita deste bon vo nos poderemos perder.»
A que Deus avondou tanto que quiso dela nacer…
E porend’ aquela gente se quisera yr enton;
mas chegou u ome bõo, que lles diss’ esta razon:
«Vaamos catar a cuba e tiremo-ll’ o tapon
mais de ffond’, e per ventura pod’ y algun pouc’ aver.
A que Deus avondou tanto que quiso dela nacer…
Enton log’ aquela gente aa cuba sse chegou,
e o que lles diss’ aquesto ben per cima a catou
e achou-a toda cha e a todos la mostrou,
e porend’ a Virgen santa fillaron-ss’ a beizer.
A que Deus avondou tanto que quiso dela nacer…
E os que ante choravan começaron de ryir
e beveron daquel vo e juraron, sen mentir,
que nunca atal beveran; e os enfermos guarir
foron, quantos del beveron, e pois mui sãos seer.
A que Deus avondou tanto que quiso dela nacer…
Quen a omagen
– 353 –
Como un meninno que criava un abade en sa castra tragia
de comer ao menin[n]o que tiin[n]a a omagen
enos seus braços, e disso-ll’ a omagen que comeria con ele mui çedo.
Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.
E de tal razon com’ esta vos direi, se vos prouguer,
miragre que fez a Virgen, que sempre nosso ben quer,
per que ajamos o reyno de seu Fill’, ond’ a moller
primeira nos deitou fora, que foi malament’ errar
Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.
En comer ha maçãa, que ante lle defendeu
Deus que per ren non comesse, e porque dela comeu
e fez comer seu marido Adan, logo lles tolleu
o reino do Parayso e foy-os end’ eixerdar.Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.
Mas depois Santa Maria, en que á bondad’ e sen,
buscou e busca carreiras com’ ajamos aquel ben
de Deus, seu Padr’ e seu Fillo, que el pera os seus ten,
en que vivan con el senpre sen coita e sen pesar.
Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.
Este miragre mui grande foi, segundo que oý
dizer a omees bõos, que o contaron a my,
dun ric-ome que morava en terra de Venexi,
a que morrian os fillos, que non podian durar.
Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.
E con mui gran pesar desto, u deles, que lle ficou,
g u abade mui santo dun mõesteir’ enviou
o deu-llo que llo criasse, e tan muito o rogou,
que o fillou por seu rogo e feze-o ben criar
Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.
Consigo no mõesteiro; e, per com’ aprendi eu,
cada que o faagava chamava-lle «fillo meu»
e dizia-ll’ ameude: «Quant’ aqui á, tod’ é teu.»
E mandava-lle que fosse pela claustra trebellar.
Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.
Andand’ assi trebellando, na eigreja ‘ntrou e viu
omagen da Virgen santa con seu Fillo, e cousiu
com’ era mui fremoso, e cató-o e riyu,
e log’ en sa voontade o fillou muit’ a amar.
Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.
E tan gran ben lle queria que ameude veer
o ya muitas vegadas, ca en al neu prazer
tan grande non recebia; pero, porque de comer
non viia que lle davan, fillou-ss’ a maravillar.
Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.E log’ en aquela ora pos eno seu coraçon
que daquelo que lle davan que lle déss’ en seu q[u]on;
e des y foi comer logo, e apartou da raçon
sua a mayor partida e foi-lla logo guardar.
Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.
E pois comeu, trebellando começou-sse logo d’ir
aa eigreja correndo, e eno altar sobir
foi de pees, e daquelo que lle davan a servir
se fillou ant’ o meno e começou-ll’ a rogar
Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.
Que comesse, e dizendo: «Cada dia t’ adurey
desta raçon que me deren e tigo a partirey;
e poren te rog’, amigo, que cómias, ca mui ben sei
que sse desto non comeres, outro non cho verrá dar.»
Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.
Depois ben a quinze dias o menynno esto fez
cada dia; mais o Fillo da Virgen de mui bon prez
lle diss’ un dia: «Contigo non comerei outra vez,
se cras mig’ e con meu Padre non quiseres yr jantar.»
Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.
O abad’ ao menyrmo viu-lle cambiar a faz
e ar enmagrecer muito, e disso com’ en solaz
ao meno: «Meu fillo, se tu non comes assaz,
eu te darei ben que cómias, ca te vejo magr’ andar.»
Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.
Enton respos o meno: «Carne e vynno e pan
vossos omees, ai, padre, me dan ben e sen afan;
mas eu ao bon meno daquelo que mi a min dan
dou end’ a mayor partida e vou-llo sempre levar.»
Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.
Quand’ est’ oyu o abade, disse-ll': «Ai, fill’ e sennor!
E qual é aquel meno a que fazes ess’ amor?»
Diss’ el: «O fillo da dona que sé no altar mayor,
a que non dan ren que cómia, e vejo-o lazerar.»Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.
Enton lle diss’ o abade, a que chamavan Fiiz:
«Meu fillo, o que lle levas come-o, ou que che diz?»
Diss’ el: «Come cada dia; mas des que ll’aquesto fiz,
nunca m’ante falou nada, mais foi-m’ oje convidar
Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.
Que con el e con seu padre eu fosse a jantar cras.»
Enton lle diss’ o abade: «Pois que tu est’ oyd’ ás,
e creo certãamente que con eles jantarás,
rogo-t’ eu que vaa tigo comer de tan bon manjar.»
Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.
Enton sse foi o abade e chamou os monges seus
e disse-lles: «Ai, amigos, cras m[e] ireieu, par Deus,
esto sei certãamente; e porend’ a Don Mateus,
vosso monge, por abade escolled’ en meu logar.»
Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.
E contou-lles en qual guisa esto sabia e qual
razon en con seu criado ouvera, e diss': «Atal
galardon aos que ama a Sennor esperital
dá, con seu Fillo beito, a quena ben sab’ amar.»
Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.
Aquela noite passada, outro dia ant’ a luz
o abad’ e o menynno enfermaron, com’ aduz
o feito deste miragre; e à sesta, quand’ en cruz
morreu por nos Jhesu-Christo, morreron eles a par.
Quen a omagen da Virgen e de seu Fillo onrrar,
deles será muit’ onrrado no seu ben, que non á par.
Eno pouco e no muito
– 354 –
Como Santa Maria guardou de morte
ha bestiola que chaman doneza.Eno pouco e no muito, en todo lles faz mercee
aos seus servos a Virgen, Madre do que todo vee.
Desto direi un miragre grande que fez a Reynna,
Madre de Deus Jhesu-Cristo, a u rey que muito tia
en ela sa asperança, ca lle fez veer agynna
pesar e prazer mui grande da ren por sa mercee.
Eno pouco e no muito, en todo lles faz mercee
aos seus servos a Virgen, Madre do que todo vee.
Este pesar fei por ha bestiola que muit’ amava
el Rei, que sigo tragia e a que mui ben criava,
a que chaman doneza os galegos, e tirava
con ela aves das covas, e de taes ome vee.
Eno pouco e no muito, en todo lles faz mercee
aos seus servos a Virgen, Madre do que todo vee.
Pero esta outras cousas muitas e bõas fazia
trebellando e saltando, onde gran prazer avia
aquel Rei; e por aquesto atan gran ben lle queria
que tiia que fezera Deus en dar-lla gran mercee.
Eno pouco e no muito, en todo lles faz mercee
aos seus servos a Virgen, Madre do que todo vee.
E por esto lle fezera de fust’, en que a guardava,
ha arca mui ben feita, e dentro a ensserrava
porque mal non recebesse, ca muito se receava
do gato, que ena noite mellor ca no dia vee.
Eno pouco e no muito, en todo lles faz mercee
aos seus servos a Virgen, Madre do que todo vee.
Onde ll’ avo u dia, yndo per ha carreira,
que a quis tirar da arca; e com’ ela é ligeira,
caeu ontr’ os pes das bestas, e foi en atal maneira
que el Rei con coita disse: «Santa Maria, mercee!
Eno pouco e no muito, en todo lles faz mercee
aos seus servos a Virgen, Madre do que todo vee.
Guarda-me mia doneza que a non perça per morte.»
E quantos ali estavan ouveron gran desconorte;
ca lle pose o cavalo del Rey o pe atan forte
sobr’ ela, e el Rei disse: «Ai, varões, quena vee?
Eno pouco e no muito, en todo lles faz mercee
aos seus servos a Virgen, Madre do que todo vee.Dade-mia qual quer que seja, sequer viva, sequer morta,
e conortar-m-ei con ela come quen se mal conorta.»
Enton fez Santa Maria, a que é dos ceos porta,
que de so o pe saisse viva pola sa merece.
Eno pouco e no muito, en todo lles faz mercee
aos seus servos a Virgen, Madre do que todo vee.
Enton quantos aly eran e viron tal maravilla
que fezo a Groriosa, que é de Deus Madr’ e Filla,
en fazer que o cavalo, que con seu pe tan mal trilla,
nona matasse. E esto fez aquel que todo vee
Eno pouco e no muito, en todo lles faz mercee
aos seus servos a Virgen, Madre do que todo vee.
Per prazer da Groriosa, sa Madr’, a que comendada
a ouv’ el Rey, u do pee do cavalo foi trillada.
Poren seja el beito e ela seja loada,
e sempr’ ambos de nos ajan piedade e mercee.
Eno pouco e no muito, en todo lles faz mercee
aos seus servos a Virgen, Madre do que todo vee.
A que às cousas coitadas
– 358 –
Como Santa Maria do Porto mostrou per sa vertude un logar u jaziam muitos cantos
lavrados,
que meteron ena sa ygreja.
A que às cousas coitadas d’ajudar muit’ é tuda,
non vos é gran maravilla se x’ela a si ajuda.
Desto fezo eno Porto que de seu nom’ é chamado
gran miragr’ a Groriosa, que será per min contado,
no lavor da sa ygreja que faziam per mandado
de Don Affonso que éste seu rey, cousa é sabuda.
A que às cousas coitadas d’ ajudar muit’ é tuda…
Ali omes lavravam cada dia ben quinnentos
e tragiam muitas pedras pera fazer fundamentos;
mas o mar foi mui torvado un tenpo per grandes ventos,
que a mor pedra delas non podia seer movuda
A que às cousas coitadas d’ajudar muit’ é tuda…
Per barcas nen per engen[n]os, nen per arte nen per manna.Enton diss’ a maestr’ Ali un ome de sa conpanna:
«Eu vos mostrarei un canto da medida tamanna
que, se muitos end’ ouverdes, a lavor será creçuda
A que às cousas coitadas d’ajudar muit’ é tuda…
Mui tost': «E log’ amostrou-llo, e sacárono de fondo
de terra; e pois lo viron quadrado, ca non redondo,
cavaron, e d’outros taes acharon tan grand’ avondo,
per que a lavor mui toste foi mui de longe veuda.
A que às cousas coitadas d’ajudar muit’ é tuda…
Pois maestr’ Ali viu esto, empero que x’era mouro,
entendeu que ben guardadas tevera com’ en tesouro
a Virgen aquelas pedras que tan preçadas com’ ouro
foran pera lavrar toste e mais ca pedra muda.
A que às cousas coitadas d’ajudar muit’ é tuda…
Enton, quando todos viron que assi foran achados
aqueles cantos so terra, grandes e mui ben quadrados,
por que a lavor foi feita tost’ e os muros yguados
e as torres acabadas, est’ é cousa connoçuda,
A que às cousas coitadas d’ajudar muit’ é tuda…
Deron porende loores aa Virgen gloriosa,
que quis pera ssi ygreja fazer nobr’ e mui fremosa
e fort’, en que s’ acollesse a gente, que pavorosa
era porque non avia ant’ u fosse deffenduda.
A que às cousas coitadas d’ajudar muit’ é tuda…
Loar devemos a Virgen
– 360 –
Esta e de loor de Santa Maria.
Loar devemos a Virgen porque nos sempre guanna
amor de Deus e que punna de nos guardar de sa sanna.
Ca enquant’ é de Deus filla e criada e amiga,
en rogar-lle que nos ame sol non á Deus que lle diga,
e enquant’ el é seu Fillo, pero o mundo juyga,
de nos perdõar por ela non é cousa muit’ estranna.
Loar devemos a Virgen porque nos sempre gaana…E pois Deus quis seer ome fillando a carne dela,
dali nos fez seus parentes pora amar-nos por ela;
e per esta razon mesma dev’ el a perder querela
de nos e guardar do demo, que nos engana per manna.
Loar devemos a Virgen porque nos sempre gaana…
Demais que dirá Deus Padre a seu Fill’ o dia forte
do juyzo, quando ll’ ele mostrar a cruz u pres morte
e as chagas eno corpo que pres pera dar conorte
a nos: «Nunca piedade foi nen será ja tamanna.»
Loar devemos a Virgen porque nos sempre gaana…
E demais, como Deus pode seer contra nos irado
quando lle sa Madr’ as tetas mostrar con que foi criado
e disser: «Fillo, por estas te rogo que perdõado
este meu poboo seja e contigu’ en ta companna.»
Loar devemos a Virgen porque nos sempre gaana…
E por aquesto te rogo, Virgen santa corõada,
pois que tu es de Deus Filla e Madr’ e nossa vogada,
que esta merçee aja por ti de Deus acabada,
que de Mafomet a seita possa eu deitar d’Espanna.
Loar devemos a Virgen porque nos sempre gaanna…
Null’ ome per ren
– 361 –
Como Santa Maria fez nas olgas de Burgos
a a sa omagen que se volveu na cama u a deitaron.
Null’ ome per ren non deve a dultar nen a ter
que non pode na omagem da Virgen vertud’ aver.
E dest’ un mui gran miragre, meus amigos, vos direy
que avo na cidade de Burgos, e mui ben sey
que foi e é gran verdade, ca por as[s]i o achei
provad'; e porende quero del un bon cantar fazer
Null’ ome per ren non deve a dultar nen a ter
que non pode na omagem da Virgen vertud’ aver.
A loor da Virgen santa, a Sennor de mui gran prez,
que fezo no mõesteyro das Olgas, que el Rey fez
Don Afonso de Castela, aquel que prime[i]ra vez
vençeu o sennor dos mouros pola fe de Deus cre[c]er.Null’ ome per ren non deve a dultar nen a ter
que non pode na omagem da Virgen vertud’ aver.
En aquele mõesteiro, segund[o] aprendi eu,
Don Affonso, seu bisneto, ha omagen y deu
da Virgen Santa Maria, ca aquel Rey todo seu
era dela, e porende a mandou ali põer.
Null’ ome per ren non deve a dultar nen a ter
que non pode na omagem da Virgen vertud’ aver.
En esta tan gran vertude meteu Deus, com’ aprendi,
que as monjas que moravan en aquel logar, assi
tiinnam por gran dereito de pedir-lle, que log’ y
lles comprisse sas demandas, e non lle davan lezer
Null’ ome per ren non deve a dultar nen a ter
que non pode na omagem da Virgen vertud’ aver.
De pedir-llas; e tan toste a Reynna espirital
fazia por sa omagen come se fosse carnal,
ca lles dava seu conorte e guardava-as de mal
e fazia-lles saudes de sas doores aver.
Null’ ome per ren non deve a dultar nen a ter
que non pode na omagem da Virgen vertud’ aver.
Demais era tan ben feita e de tan omil fayçon,
que quen quer que a viia en ela gran devoçon
avia. Porend’ as monjas todas mui de coraçon
a onrravan e servian a todo o seu poder.
Null’ ome per ren non deve a dultar nen a ter
que non pode na omagem da Virgen vertud’ aver.
Ond’ avo ena noite de Navidad’, en que faz
Santa Ygreja gran festa, que as monjas por solaz
fezeron mui rico leito, e come moller que jaz
deitaron y a omagen e fezerõ-na jazer
Null’ ome per ren non deve a dultar nen a ter
que non pode na omagem da Virgen vertud’ aver.
Come moller que parira. E as monjas arredor
do leito pousaron todas, e seend’ a gran sabor
catand’ aquela omagen, viron-lle mudar coor
na façe e du lado ao outro revolver.
Null’ ome per ren non deve a dultar nen a ter
que non pode na omagem da Virgen vertud’ aver.Enton todo o convento se fillou muit’ a chorar,
porque tan gran maravilla lles quisera Deus mostrar
pola sa beyta Madre, en que el quis encarnar
e en tal noyte com’ esta por nos sen door naçer.
Null’ ome per ren non deve a dultar nen a ter
que non pode na omagem da Virgen vertud’ aver.
E enton toda-las monjas s’ergeron cantando ben:
«Santa Virgen sen mazela, que per bondad’ e per sen
feziste que Deus o Padre, que o mundo en si ten
e en que os ceos caben, que podess’ en ti caber.»
Null’ ome per ren non deve a dultar nen a ter
que non pode na omagem da Virgen vertud’ aver.
Ben pode Santa Maria
– 362 –
Como Santa Maria fez cobrar seu lume a un ourivez en Chartes.
Ben pode Santa Maria seu lum’ ao çego dar,
pois que dos pecados pode as almas alumar.
E de tal razon com’ esta vos quer’ eu ora dizer
un miragre mui fremoso que foi en França fazer
a Virgen Santa Maria, que fez un çego veer
ben ena vila de Chartes, como vos quero contar.
Ben pode Santa Maria seu lum’ ao çego dar…
Este çeg’ ourivez fora que non ouvera mellor
en tod’ o reyno de França ne-nas terras arredor,
e en servir sempr’ a Virgen avia mui gran sabor;
e porend’ h’ arca d’ouro fora mui rica lavrar
Ben pode Santa Maria seu lum’ ao çego dar…
Pora trager as reliquias sempre ena preçisson.
E poren vende la fora ena See de Leon
e dera dela por algo e dela dera en don,
pois que soube que avian as reliquias y andar.
Ben pode Santa Maria seu lum’ ao çego dar…
Esta foi aquela arca de que vos eu ja falei
que tragian pelo mundo por gãar, segund’ achei
escrito, porque ss’ a vila queimara, como contei
outrossi, e a ygreja toda senon o altarBen pode Santa Maria seu lum’ ao çego dar…
U estas reliquias eran. E tan toste manaman
as fillou logo correndo un que era y dayan
e levou-as pelas terras e soffreu mui grand’ affan
por gãar con elas algo con que podessen cobrar
Ben pode Santa Maria seu lum’ ao çego dar…
La ygreja que perderan. E grandes miragres fez
por elas Santa Maria, como vos dix outra vez;
ea eran y sas reliquias desta Sennor de gran prez,
e queria Deus por elas grandes miragres mostrar.
Ben pode Santa Maria seu lum’ ao çego dar…
Andand’ assi pelas terras, a Chartes ouveron d’ir
u aquel ourivez era çego; e pois foy oyr
da arca com’ era feita, disso logo sen falir:
«Par Deus, eu fiz aquel’ arca ante que fosse çegar.»
Ben pode Santa Maria seu lum’ ao çego dar…
E mandou-sse levar logo alá a omees seus,
dizendo: «Se alá chego, ben ei fiuza en Deus
e na sa Madre beyta que veerei destes meus
ollos, que por meus pecados muit á sse foron serrar.»
Ben pode Santa Maria seu lum’ ao çego dar…
E pois que foi ant’ a arca, se deitou e lle pediu
merçee muito chorando; e da agua que sayu,
con que a arca lavaran, trouxe pelo rostr’ e viu
mui mellor que ante vira. E fillou-ss’ a braadar,
Ben pode Santa Maria seu lum’ ao çego dar…
Chamando «Santa Maria, Madre do bon Rey Jesu,
porque vejo dos meus ollos mui beyta sejas tu;
e pois m’este ben feziste, quando me for mester, u
teu Fillo sever julgando, queyras por mi razõar.»
Ben pode Santa Maria seu lum’ ao çego dar…
Ben tira Santa Maria
– 365 –
Esta CCC e LXV. é como Santa Maria tirou de dulta un frade noviço
que dizia que a alma non era nada,
no mõesteiro de Fontefria en Narbona.Ben tira Santa Maria pela sa gran piedade
ao pecador de dulta e de maa torpidade.
E sobr’ aquest’ un miragre ora contar-vos querria
que por un monje noviço mostrou a Virgen Maria,
que era dum mõesteiro que chaman de Fontefria,
que [é] no arçobispado de Narbona a çidade.
Ben tira Santa Maria pela sa gran piedade…
Este monje con loucura grande que ll’o demo dava,
sempre a noit’ e o dia en seu coraçon dultava
que alma nada non era senon vento que passava
tost’ e que se desfazia come fum'; e en verdade
Ben tira Santa Maria pela sa gran piedade…
Tiinna de tod’ en todo aquesto que assi era.
Assi andava perdudo per sen que ll’ o demo dera,
que o metia en dulta, e cuidava y mui fera-
ment[e] a noit’ e o dia por sua gran ne[i]çidade.
Ben tira Santa Maria pela sa gran piedade…
E est’ andava cuidando tanto, que disse sen falla
que na ordin non querria viver: «ca, ssi Deus me valla,»
diss’ el, «pois qu’ é esta alma atal como nemigalla,
quer’ oy mais andar viçoso e comprir mia voontade.»
Ben tira Santa Maria pela sa gran piedade…
a noit’ assi jazendo, cuido[u] como se saysse
do mõesteir’ e da ordin que o nengu non visse;
vistiu-sse log’ e calçou-sse, ca ata que non comprisse
seu cuido non folgaria. E por fazer tal maldade
Ben tira Santa Maria pela sa gran piedade…
Pareçeu-ll’ a Gloriosa con d’angeos gran companna
qúe levavam ha alma dun pobre mans’ e sen sanna
a çeos, con claridade e alegria tamanna
que contar non saberia. E diss’ ela: «Estade, estade,
Ben tira Santa Maria pela sa gran piedade…
E verá aqueste monje que anda en gran loucura
en cuidar que non é nada a alma, ca da altura
deçeu meu Fill’ e pres morte por ela fort’ e mui dura;
e quen non cree aquesto ment’ e faz gran falsidade.»
Ben tira Santa Maria pela sa gran piedade…Quand’ aquesto viu o monje, teve-sse por mui culpado
e tornou-s’ ao dormidoiro e foi mui led’ afficado
daquela vison que vira e de [sa] dulta tirado,
e viveu senpr’ en sa orden con ben e con omildade.
Ben tira Santa Maria pela sa gran piedade…
A que en nossos cantares
– 366 –
Esta CCC e LXV é como Santa Maria do Porto
fez cobrar a Don Manuel un açor que perdera.
A que en nossos cantares nos chamamos Fror das flores,
maravilloso miragre fez por us caçadores.
E de tal razon com’ esta ha maravilla fera
avo ja en Sevilla eno tempo que y era
el Rey, e que de Grãada de fazer guerra vera
aos mouros des sa terra, que y eran moradores,
A que en nossos cantares nos chamamos Fror das flores,
maravilloso miragre fez por us caçadores.
E outros muitos genetes que d’Affrica y passaran;
ca todos fillaron dano dele, qual nunca fillaram,
en pães, ortas e vinnas e en quanto lles acharan.
E pois aquesto foi feito, el Rey con seus lidadores,
A que en nossos cantares nos chamamos Fror das flores,
maravilloso miragre fez por us caçadores.
Quand’ este feito fezerom, tornaron pera Sevilla.
E el Rey mui mal doente foi y a gran maravilla,
mais guariu pela merçee da que é Madre e Filla
de Deus, que o guareçera ja d’outras grandes doores.
A que en nossos cantares nos chamamos Fror das flores,
maravilloso miragre fez por us caçadores.
E enquant’ el guareçia, Don Manuel, seu yrmão,
vo y e foy enfermo; e pois guariu e foi são,
fillou-sse con seus falcões que mudara no verão
a caçar, que é dos viços do mundo un dos mayores.
A que en nossos cantares nos chamamos Fror das flores,
maravilloso miragre fez por us caçadores.E ind’ a aquela caça, levou poucos cavaleiros,
mais levou outra gran gente de mui bõos falcõeyros
que levavan seus falcões de garça, e ar grueyros;
mais ante que se tornasse perdeu u dos mellores,
A que en nossos cantares nos chamamos Fror das flores,
maravilloso miragre fez por us caçadores.
Que se foi da outra parte d’Aguadalquivir voando,
de guisa que foi perdudo. E andárono buscando
ben preto de tres domaas e sempre apregoando,
cuidando que o achara algun desses lavradores
A que en nossos cantares nos chamamos Fror das flores,
maravilloso miragre fez por us caçadores.
Que os achan a vegadas e os ten ascondudos
e os van vender a furto por non seeren connosçudos.
Poren mandou o infante que fossen aperçebudos
seus falcõeyros, e logo fillou dos mais sabedores
A que en nossos cantares nos chamamos Fror das flores,
maravilloso miragre fez por us caçadores.
E foi con eles a caça ao Chão de Tablada,
en dereyto da aldea que Coyra éste chamada;
e viron da outra parte, no Exarafe, coitada
ha ave que tragia un falcon dos montadores
A que en nossos cantares nos chamamos Fror das frores…
Por filla-la. E tan toste aquel falcon con nos çeron
que era o que perderan, e en el mentes meteron,
e o falcon e a ave viron como se mergeron
e foron caer en terra. Mais os que con[n]osçedores
A que en nossos cantares nos chamamos Fror das flores,
maravilloso miragre fez por us caçadores.
Eran de connosçer aves, que doral era ben viron.
E Don Manuel e todos logo merçee pidiron
a[a] Virgen do gran Porto, de que falar muit’ oyron,
que se lles o falcon désse, que de çera con loores
A que en nossos cantares nos chamamos Fror das flores,
maravilloso miragre fez por us caçadores.
Un falcon lle dessen feito, que mui de grado farian,
e que ena sa ygreja ant’ o seu altar porriam;
e pois esto ouveron dito, chamaron quanto podian
o falcon que lles vesse. Mais macar braadadores
A que en nossos cantares nos chamamos Fror das flores,maravilloso miragre fez por us caçadores.
Eran muito en chama-lo, nen per siso nen per arte
sol vir non lles queria; ca falcon, tra u se farte
da caça que á fillada, con medo que o enarte
o que o trage en toller-lla, punna d’aver seus sabores
A que en nossos cantares nos chamamos Fror das flores,
maravilloso miragre fez por us caçadores.
En comer quanto mais pode. Mais Don Manuel, con manna
d’aquele falcon ave-lo, apartou-se da companna
e chamou o mui de rigio; e maravilla estrãya
foi, ca log’ a ele vo en un campo u aradores
A que en nossos cantares nos chamamos Fror das flores,
maravilloso miragre fez por us caçadores.
Con seus boys ali aravan. O falcon passou aginna
de Guadalquivir o rio con seu doral que tiinna
e pos-lo ant’ o Infante, que loou muit’ a Reynna
dos çeos, Santa Maria, que é Sennor das sennores.
A que en nossos cantares nos chamamos Fror das flores,
maravilloso miragre fez por us caçadores.
Grandes miragres
– 367 –
[C]omo Santa Maria do Porto guareçeu a[l] rey don Affonso
da grand’ enfermedade de que lle ynchavan as pernas
tan muito que lle non podiam caber enas calças.
Grandes miragres faz Santa Maria
e fremosos a quem s’ en ela fia.
Ca en aquele que s’ a ela chama
e a serv’ e a loa e a ama,
macar jaça en leito ou en cama
con gran door, sãa-o todavia.
Grandes miragres faz Santa Maria…
Dest’ un miragre quero que sabiades
que fez mui grande na que esperades
todos merçee e u a achades
en todo tempo, de noit’ e de dia.
Grandes miragres faz Santa Maria…Aquest’ avo al Rey de Castela
e de Santiago de Compostela
quand’ ya veer a ygreja bela
que el fezera na Andaluzia,
Grandes miragres faz Santa Maria…
Que en mui pouco tenpo acabada
foi a onrra da Virgen corõada,
e de torres e de muro cercada,
segund’ aquel logar mester avia.
Grandes miragres faz Santa Maria…
Aquel Rei fora enferm’ en Sevilla
de grand’ enfermidade a maravilla,
de que guariu por aquela que trilla
mui mal o demo cho de perfia.
Grandes miragres faz Santa Maria…
E pois [guariu] desta enfermidade,
el Rey ouv’ enton mui gran voontade
d’ir a logar u tan gran santidade
á com’ ali; e el en romaria
Grandes miragres faz Santa Maria…
Foi alá logo per mar e per terra.
E macar l[l]’ o tenpo fez mui gran guerra,
guió-o ben aquela que non erra
a quena serve ben sen oufania.
Grandes miragres faz Santa Maria…
E ind’ el Rei per mar, tanto ll’incharon
as pernas ambas e se lle pararon
assi vermellas que todos cuidaron
que daquel mal mui tarde sãaria.
Grandes miragres faz Santa Maria…
Ca ja de tal guisa inchad’ aviam
que enas osas caber non podiam;
demais os coiros delas se fendian
e agua amarela en saya.
Grandes miragres faz Santa Maria…
Mais el Rei, que toda sa esperança
avia ena Virgen sen dultança,non quis por esto fazer demorança,
mais foi-ss’ ao Porto quant’ yr podia.
Grandes miragres faz Santa Maria…
E chegou vernes aa ssa ygreja
daquesta Virgen que beyta seja,
e con esta enfermidade sobeja
foi ant’ o seu altar ter vegia.
Grandes miragres faz Santa Maria…
E quando os madudin[n] os começaron
os seus clerigos, que os ben cantaron,
log’ amba-las pernas lle desincharon
e guareceu daquela maloutia.
Grandes miragres faz Santa Maria…
E el Rei log’ e toda sa companna,
que viron a maravilla tamanna,
loaron muit[o] a que nos gaanna
de Deus saud’ e nos dá alegria.
Grandes miragres faz Santa Maria…
Como nos dá carreyras
– 368 –
Como Santa Maria do Porto guariu a moller da coobra
que tragia eno ventre, e avia ben tres anos.
Como nos dá carreyras a Virgen que façamos
ben, outrossi nos mostra como mal non ajamos.
De tal razon com’ esta un miragre mui grande
direi, que fez a Virgen, a que queyra que ande
eu ena sa companna e ao demo mande
que no inferno more, u nunca o vejamos.
Como nos dá carreyras a Virgen que façamos…
a moller morava cabo Santa Maria
de Cordova, a Grande, e o seu nom’ avia;
e dentro no seu corpo cuydava e creya
que tragia coobra, donde nos espantamos.
Como nos dá carreiras a Virgen que façamos…E con aquesta coita ben per Estremadura
passou e a Castela foi; e tal aventura
ll’avo, que en sonnos lle disseron: «Loucura
fazes porque a Silos non vas, u nos moramos,
Como nos dá carreyras a Virgen que façamos…
Que fomos end’ abade; e dar-t-emos consello
per que ben guarir possas, ca non é por trebello
esto que te dizemos; que a que é espello
de nos todo-los santos e por Sen[n]or catamos,
Como nos dá carreyras a Virgen que façamos…
Guiará ta fazenda, per que sejas guarida.»
E ela foi-ss’ a Silos; e pois que fez sa ida,
ar disseron-ll’ en sonnos: «Ainda tu comprida
non ás ta romaria, per como nos cuidamos.
Como nos dá carreiras a Virgen que façamos…
Mais se tu perder queres doores e pesares,
vay-t’ a Santa Maria que jaz ontre do[u]s mares,
que chaman o Gran Porto; e pois que y chegares,
log’ averás consello, desto non dovidamos.»
Como nos dá carreyras a Virgen que façamos…
A moller outro dia meteu-sse na carreyra;
e quando foi no Porto da Sennor verdadeyra,
tevo y sa vigia, e jazendo senlleyra
dormindo, viu en sonnos quem lle disse: «Vaamos
Como nos dá carreiras a Virgen que façamos…
A Caliz atan toste que for a madurgada,
aa See que éste de Santa Cruz chamada,
en que meu Fillo posto foy, ond’ eu fuy prennada,
e averás saude, ca nos por ti rogamos.»
Como nos dá carreiras a Virgen que façamos…
Ela fez outro dia ben como lle mandaron,
e logu’ en a barca entrou, e pois entraron
no mar ela e outros; e pois Caliz cataron
e viron a ygreja, disseron: «Deus loamos
Como nos dá carreiras a Virgen que façamos…
E a Virgen, sa Madre, a que non á parella.»
Enton abriu a boca a moller, e vermella
deitou ha cohobra per ela, a semellada anguia grossa; de çerto o creamos.
Como nos dá carreiras a Virgen que façamos…
Quantos aquesto viron foron maravillados,
e a Deus e sa Madre foron loores dados;
e pois foron de Caliz ao Porto tornados,
loaron muit’ a Virgen, cujo ben asperamos.
Como nos dá carreiras a Virgen que façamos…
Loemos muit’ a Virgen
– 370 –
Esta é de loor de Santa Maria.
Loemos muit’ a Virgen Santa Maria,
Madre de Jesu-Crist’, a noit’ e o dia.
Devemos-lle dar mais de cen mil loores,
pois que a Deus progue, Sennor dos sennores,
que dela pres carn’ e as nossas doores
en ssi quis soffrer, como diss’ Ysaya.
Loemos muit’ a Virgen Santa Maria…
E de a servir sol non nos enfademos,
outrossi temer e loar, ca sabemos
que nos gãará dos erros que fazemos
perdon pera sempr’ e vid’ e alegria.
Loemos muit’ a Virgen Santa Maria…
Esta nos quis dar Deus por noss’ a vogada
quando fez dela Madr’ e Filla juntada;
e poren deve seer de nos loada,
e atal Sennor, quen-na non loaria?
Loemos muit’ a Virgen Santa Maria…
Tantos vay Santa Maria
– 371 –
Como Santa Maria do Porto guariu a moller
que perigoara da pinaça e caera no mar.Tantos vay Santa Maria eno seu Porto fazer
de miragres, que trobando non poss’ os mos dizer.
Pero direi un daqueles que pouco temp’ á que fez
mui grande e mui fremoso esta Reynna de prez
en Barrameda, que éste muit’ a preto de Xerez;
e polo mellor saberdes, oyde-mio a lezer:
Tantos vay Santa Maria eno seu Porto fazer…
Quando el Rey Don Affonso pobrava aquel logar
do Porto da Santa Virgen e fezera ja lavrar
a ygreja, e vera y de Sevilla per mar
por veer como pobravan e aver ende prazer,
Tantos vay Santa Maria eno seu Porto fazer…
Muitas gentes y viinnan a aquel logar enton,
os us en romaria, avend’ i gran devoçon,
os outros pera pobrarem e por averen quinnon
das herdades que partissem, segundo podess’ aver.
Tantos vay Santa Maria eno seu Porto fazer…
Outros viinnam per lavraren e gãar y seu jornal
que lles davan por britaren pedra ou por fazer cal
ou por lavrar na ygreja da Sennor espirital;
e poren de muitas partes viinnam y guareçer.
Tantos vay Santa Maria eno seu Porto fazer…
Porem per mar e per terra punnavam y de vir
muitos e de longas terras, e por quant’ yam oyr
que os mortos resurgia e os doentes guarir
fazia ali a Virgen, e yam-no y veer.
Tantos vay Santa Maria eno seu Porto fazer…
Onde foi que de Sevilla ha pinaça chegou
carregada de farinna, e d’omees y entrou
companna e de molleres, e tanto sse carregou
que feriu en as penas e ouve de pereçer,
Tantos vay Santa Maria eno seu Porto fazer…
Assi que morreron todos quantos andavam ali;
mais ha moller y era e chamou, segund’ oý,
Santa Maria do Porto, dizendo: «Eu vou a ty;
porem livra-me de morte pelo teu muy gram poder.»
Tantos vay Santa Maria eno seu Porto fazer…Quando aquest’ ouve dito, travou logo manamam
dum gram saco de farirma e deitou-ss’ em el de pram
de peytos; e macar era mui pesado, tornou tam
leve come se de pallas fosse por non se merger.
Tantos vay Santa Maria eno seu Porto fazer…
Ant’ ya sobre la agua como se fosse un batel,
e ela ençima dele, chus liviãa que froxel,
chamando: «Santa Maria, Madre de Deus Manuel.»
Assi chegou a Sam Luchas, u a foron reçeber
Tantos vay Santa Maria eno seu Porto fazer…
As gentes aa ribeyra. E pois que souberon ben
seu feit’ em com’ escapara, loaron muito porem
a Madre de Jhesu-Cristo, que o mund’ en poder ten,
e ela foi-ss’ ao Porto aa Virgen offereçer.
Tantos vay Santa Maria eno seu Porto fazer…
Muito quer Santa Maria, a sennor de ben conprida
(Almogavares)
– 374 –
Como us almogavares, que senpre entravan a terra de mouros e eran desbaratados,
teveron vigia na capela do al[ca]çar de Xerez e prometeron-lle a dõa, e entraron en
cavalgada e gan[n]aron muy grand’ algo.
Muito quer Santa Maria, a Sennor de ben conprida,
que quand’ aos seus ajuda, que seja deles servida.
Desto direy un miragre grande que me foi mostrado
que fezo Santa Maria, de que Deus quis seer nado,
en Xerez, na sa capela do alcaçar, que gãado
foi de mouros per sa graça que nunca será falida
Muito quer Santa Maria, a Sennor de ben conprida,
que quand’ aos seus ajuda, que seja deles servida.
Desto direy un miragre grande que me foi mostrado
que fezo Santa Maria, de que Deus quis seer nado,
en Xerez, na sa capela do alcaçar, que gãado
foi de mouros per sa graça que nunca será falida
Muito quer Santa Maria, a Sennor de ben conprida,
que quand’ aos seus ajuda, que seja deles servida.
Aos que a aver querem. E porend’ us peõ[e]s,almogavares muy bõos, pero ja quanto ladrões,
foram mal fazer a mouros con muy bõos corações;
mais gãar ren non podian d’entrada nen de sayda,
Muito quer Santa Maria, a Sennor de ben conprida,
que quand’ aos seus ajuda, que seja deles servida.
Ca sempr’ eram descubertos e muy mal desbaratados.
Mais depois que entenderon que esto per seus pecados
era, logo mantenente se teveron por culpados,
e en correger cuidavan muyto depois en sa vida.
Muito quer Santa Maria, a Sennor de ben conprida,
que quand’ aos seus ajuda, que seja deles servida.
E ouveron seu acordo que fossen ter vegia
ena fremosa capela da Virgen Santa Maria
e logo en cavalgada movessen en outro dia,
e se gãassem, a Virgen ouves[s]’ en de sa partida
Muito quer Santa Maria, a Sennor de ben conprida,
que quand’ aos seus ajuda, que seja deles servida.
A cousa que mais fremosa e mais rica y fillassen.
E porend’ a Gloriosa lles fez que desbaratassen
ha recova mui grande de mouros, e que achassen
a purpura muy rica, feyta d’ouro, muy velida.
Muito quer Santa Maria, a Sennor de ben conprida,
que quand’ aos seus ajuda, que seja deles servida.
E tan toste que a viron non ouv’ y quen non dis[s]es[s]e
que aquel pano tan rico Santa Maria ouvesse;
e logo offerer-llo foron e deron queno posesse
ant’ o altar, e tamanno foi com’ ele per medida.
Muito quer Santa Maria, a Sennor de ben conprida,
que quand’ aos seus ajuda, que seja deles servida.
E logo dessa companna foi a Virgen muy loada,
e des ali adeante non fezeron cavalgada
en que non gãassen muito, ca a Virgen corõada
lles guisou cada que foron que fezeron bõa yda.
Muito quer Santa Maria, a Sennor de ben conprida,
que quand’ aos seus ajuda, que seja deles servida.
Aos que a aver querem. E porend’ us peõ[e]s,
almogavares muy bõos, pero ja quanto ladrões,
foram mal fazer a mouros con muy bõos corações;
mais gãar ren non podian d’entrada nen de sayda,Muito quer Santa Maria, a Sennor de ben conprida,
que quand’ aos seus ajuda, que seja deles servida.
Ca sempr’ eram descubertos e muy mal desbaratados.
Mais depois que entenderon que esto per seus pecados
era, logo mantenente se teveron por culpados,
e en correger cuidavan muyto depois en sa vida.
Muito quer Santa Maria, a Sennor de ben conprida,
que quand’ aos seus ajuda, que seja deles servida.
E ouveron seu acordo que fossen ter vegia
ena fremosa capela da Virgen Santa Maria
e logo en cavalgada movessen en outro dia,
e se gãassem, a Virgen ouves[s]’ en de sa partida
Muito quer Santa Maria, a Sennor de ben conprida,
que quand’ aos seus ajuda, que seja deles servida.
A cousa que mais fremosa e mais rica y fillassen.
E porend’ a Gloriosa lles fez que desbaratassen
ha recova mui grande de mouros, e que achassen
a purpura muy rica, feyta d’ouro, muy velida.
Muito quer Santa Maria, a Sennor de ben conprida,
que quand’ aos seus ajuda, que seja deles servida.
E tan toste que a viron non ouv’ y quen non dis[s]es[s]e
que aquel pano tan rico Santa Maria ouvesse;
e logo offerer-llo foron e deron queno posesse
ant’ o altar, e tamanno foi com’ ele per medida.
Muito quer Santa Maria, a Sennor de ben conprida,
que quand’ aos seus ajuda, que seja deles servida.
E logo dessa companna foi a Virgen muy loada,
e des ali adeante non fezeron cavalgada
en que non gãassen muito, ca a Virgen corõada
lles guisou cada que foron que fezeron bõa yda.
Muito quer Santa Maria, a Sennor de ben conprida,
que quand’ aos seus ajuda, que seja deles servida.
En Todo Nos Faz Mercee
– 375 –
Como Santa Maria do Porto guariu un cavalo dun escrivan del Rey que lle queria
morrer.En todo nos faz merçee
a Sennor que todo vee.
Merçee por humildade
nos faz, e por sa bondade
acorre con piadade
a quen lle pede merçee.
En todo nos faz merçee
a Sennor que todo vee.
Sequer enas bestias mudas
nos mostra muitas ajudas
grandes e mui con[n]osçudas
a Sennor que todo vee.
En todo nos faz merçee
a Sennor que todo vee.
E de tal razon fremoso
miragre maravilloso
a Madre do Glorioso
fez; [e] comprida merçee
En todo nos faz merçee
a Sennor que todo vee.
Na çibdade de Sevilla,
que é grand’ a maravilla,
mostrou a Madr’ e a Filla
de Deus que nos senpre vee,
En todo nos faz merçee
a Sennor que todo vee.
A Bonamic, que avia
seu caval’ e lle morria.
Porend’ a Santa Maria
do Porto pidiu merçee
En todo nos faz merçee
a Sennor que todo vee.
Que, se ll’ o cavalo désse
vivo, poren[de] posesse
un de cera que sevesse
ant’ ela que todo vee.
En todo nos faz merçee
a Sennor que todo vee.
Este escrivan del Rey era,que do cavalo presera
mui gran coita e soubera
que morria; e merçee
En todo nos faz merçee
a Sennor que todo vee.
Pidiu aa Gloriosa
que é Sennor piadosa,
que de llo dar poderosa
é, ca nossas coitas vee.
En todo nos faz merçee
a Sennor que todo vee.
E u jazia tendudo
ja come mort’ e perdudo,
fez-llo a que noss’ escudo
é viver por sa merçee.
En todo nos faz merçee
a Sennor que todo vee.
E tan toste deu levada
e comeu muita çevada.
E porem foi mui loada
a Sennor que todo vee.
En todo nos faz merçee
a Sennor que todo vee.
A Virgen, cuja merçee
– 376 –
Como un ome levava un anel a Don Manuel,
irmão del rey, e perdé-o na carreira,
e fez-llo Santa Maria cobrar.
A Virgen, cuja merçee é pelo mundo sabuda,
fazer achar pod’ a cousa aos que a an perduda.
Ca non é gran maravilla d’enderençar, ben sabiades,
as cousas mui mal paradas a que faz as voontades
enderençar dos culpados. Poren nunca vos partades,
amigos, nas vossas coitas de demandar sa ajuda.
A Virgen, cuja merçee é pelo mundo sabuda,
fazer achar pod’ a cousa aos que a an perduda.E dest’ un muy gran miragre aveo a vegada
na çibdade de Sevilla, u fazia sa morada
el Rey por guardar a terra e que fosse ben pobrada
e ouvesse per mar frota, per que fosse mais temuda.
A Virgen, cuja merçee é pelo mundo sabuda,
fazer achar pod’ a cousa aos que a an perduda.
El en Sevilla morando, avo que seu irmão
Don Manuel con el era, que o amava de chão;
e o ben que ll’ el fezera non lle sayra en vão,
ca en servi-lo sa vida [el] avia despenduda.
A Virgen, cuja merçee é pelo mundo sabuda,
fazer achar pod’ a cousa aos que a an perduda.
Porend’ el Rey o amaya, e gran dereito fazia.
E u estavan falando el Rey e ele un dia,
un anel lle mostrou logo el Rey, que sigo tragia,
que dun jaspis mui riq’ era, pedra nobre connosçuda,
A Virgen, cuja merçee é pelo mundo sabuda,
fazer achar pod’ a cousa aos que a an perduda.
E disse que lla daria. E pois foi en sa pousada
Don Manuel, el Rey logo non quis mais fazer tardada,
mais enviou-ll’ a sortella, en ouro engastõada,
per un ome de sa casa e diz: «Muito me sauda
A Virgen, cuja merçee é pelo mundo sabuda,
fazer achar pod’ a cousa aos que a an perduda.
Don Manuel e dá-lle este anel que ll’ ey prometudo.»
E o ome foi-sse logo; mais non foi aperçebudo
de o guardar com’ ouvera a guarda-lo, e perdudo
o ouve ena carreyra. E com’ a cousa muda
A Virgen, cuja merçee é pelo mundo sabuda,
fazer achar pod’ a cousa aos que a an perduda.
Nemigalla non falava, mais diss’ en sa voontade:
«Muit’ é mester que me valla, Sennor, a ta piedade,
Santa Maria do Porto, e prometo-ch’ en verdade
seis livras de bõa çera que en ta casa arduda
A Virgen, cuja merçee é pelo mundo sabuda,
fazer achar pod’ a cousa aos que a an perduda.
Seja, Sennor, e tu val-me a esta coita tan fera.»
El dizendo est’, outr’ ome que logo pos el vera
achou aquela sortella e viu ben que sua era
daquele que a levava; e pois que ouv’ entendudaA Virgen, cuja merçee é pelo mundo sabuda,
fazer achar pod’ a cousa aos que a an perduda.
Esta cousa, foi pos ele en tal que o preguntasse
se aquel anel perdera, e dessi que o fillasse.
E o outro tornou logo, dizendo-lle se achasse
tal sortella, que lla désse e non lle foss’ asconduda.
A Virgen, cuja merçee é pelo mundo sabuda,
fazer achar pod’ a cousa aos que a an perduda.
E o outr’ o anel logo lle deu, dizendo-lle: «Amigo,
non querria por mia culpa que vos valia dun figo
perdessedes; mais tomade- o logo, ca ben vos digo
que se outro a achasse, de vos non fora veuda
A Virgen, cuja merçee é pelo mundo sabuda,
fazer achar pod’ a cousa aos que a an perduda.
Esta sortella.» E logo foy-sse con ela correndo
u Don Manuel pousava, que o estav’ atendendo,
e deu-lla; e pois lo feyto lle contou, com’ eu aprendo,
tornou-sse al Rei. E pois ll’ ouve esta cousa retrauda,
A Virgen, cuja merçee é pelo mundo sabuda,
fazer achar pod’ a cousa aos que a an perduda.
El Rey e quantos y eram deron porende loores
aa Virgen gloriosa que merçees e amores
nos faz en muitas maneiras, macar somos pecadores,
e d’acorrer-nos nas coitas está sempr’ aperçebuda.
A Virgen, cuja merçee é pelo mundo sabuda,
fazer achar pod’ a cousa aos que a an perduda.
Sempr’ a Virgen groriosa
– 377 –
Como un Rey deu a escrivania da vila a un seu criado,
e avia muitos contrarios que o estorvavan contra el Rey,
e prometeo algo a Santa Maria do Porto, e fez-ll’ aver.
Sempr’ a Virgen groriosa ao que s’en ela fia
ajuda-o per que vença gran braveza e perfia.
E de tal razon com’ esta fez un miragr’ a Reynna
Santa Maria do Porto por un ome que se tiinna
con ela e os seus livros pintava ben e agin[n]a,assi que [a] muitos outros de saber pintar vençia.
Sempr’ a Virgen groriosa ao que s’en ela fia…
E porend’ ha vegada ha obra mui fremosa
pintava da Santa Virgen, Madre de Deus groriosa;
e el Rey, cuj’ om’ el era, por amor da preçiosa
Sennor, que el muit’ amava, prometeu que lle daria
Sempr’ a Virgen groriosa ao que s’en ela fia…
Herdade ou outra cousa que ele dar-lle podesse,
en tal que aquesta obra sempre a mui ben fezesse;
mais o ome por merçee lle pediu que lle désse
en Vila-Real a meya da sa escrivania.
Sempr’ a Virgen groriosa ao que s’en ela fia…
El Rey enton outorgou-lla e mandou que sen tardada
a carta desta merçee aberta lle fosse dada;
mays o que tiinna os seelos lla ouve mui mal parada
ben preto de quinze dias; mais el Rey nono sabia.
Sempr’ a Virgen groriosa ao que s’en ela fia…
Mais depois que a verdade deste feyt’ ouve sabuda,
mandou logo que a carta non lle fosse detuda
e que lle déss’outra toste, se non, pa connosçuda
lle faria que peytasse, en que al non averia.
Sempr’ a Virgen groriosa ao que s’en ela fia…
Mais aquele, por meaças que el Rey ll’ameaçasse,
sol fazer nono queria, mais dizia que leyxasse
aquel[e] outro a carta e que dela se quitasse,
ca seu amig’ o outr’ era que a meadade avia.
Sempr’ a Virgen groriosa ao que s’en ela fia…
Sobr’ esto muitas vegadas mandou el Rey que lla dessen
e que per nulla maneyra de dar non lla detevessen,
e se non, que a sa ira averian, se fezessen
contra esto; mais aqueles alongavan cada dia.
Sempr’ a Virgen groriosa ao que s’en ela fia…
Mais aquel Pedro Lourenço que a carta demandava
rogou, a Santa Maria do Port’, en que se fiava,
que se el a cart’ ouvesse e per ela a gãava,
que maravedis duzentos lle désse, ou a valia.
Sempr’ a Virgen groriosa ao que s’en ela fia…Tanto que esta promessa el ouv’ assi prometuda,
logo foi Santa Maria de tod[o] en sa ajuda
e fez contra o notario que el Rey cara san[n]uda
lle mostro[u], e log’ a carta ouv’ aquel que a pedia.
Sempr’ a Virgen groriosa ao que s’en ela fia…
Quand’ esto Pedro Lourenço viu, loores deu porende
la Virgen groriosa que aos seus [ben] deffende,
e teve por de mal siso quen contra ela contende;
e fillou logo sa carta e foi ela sa via.
Sempr’ a Virgen groriosa ao que s’en ela fia…
MUITO NOS FAZ GRAN MERCEES
-378-
Como un ome bõo con sa moller, que morava na colaçon de San Salvador de
Sevilla,
tiin[n]a a sa filla doente pera morte, e jouve .III. dias que non falou;
e prometérona a Santa Maria do Porto, e guareçeu.
Muito nos faz gran merçee Deus Padre, Nostro Sennor,
u fez sa Madr’ avogada e seu Fillo Salvador.
Ca pois ela avogada é e nossa razon ten,
non pod’ al fazer seu Fillo senon juygar-nos ben;
porend’ estorvo do demo nono temos en ren,
macar s’el muito traballa de nos seer destorvador.
Muito nos faz gran merçee Deus Padre, Nostro Sennor,
u fez sa Madr’ avogada e seu Fillo Salvador.
Ca nos torva na saude fazendo-nos enfermar
creendo o seu consello con que nos faz el pecar,
e faz mal aos meninos polo seu poder mostrar…
que é de ffazer nemiga, ca dos maos é peor.
Muito nos faz gran merçee Deus Padre, Nostro Sennor,
u fez sa Madr’ avogada e seu Fillo Salvador.
Mais a nossa avogada, que ten ben nossa razon,
roga por nos a seu Fillo que nos de sa tentaçon
daquel astroso nos guarde e nos livre d’ocajon
e que nos dia saude cada que nos mester for.
Muito nos faz gran merçee Deus Padre, Nostro Sennor,
u fez sa Madr’ avogada e seu Fillo Salvador.Onde daquest’ en Sevilla fez ela miragr’ atal
qual vos ora contar quero; e des que oyrdes qual
foi, por grande o terredes, ca ela que pod’ e val
mostrou y sa gran vertude, ca sempre fez o mellor.
Muito nos faz gran merçee Deus Padre, Nostro Sennor,
u fez sa Madr’ avogada e seu Fillo Salvador.
E porend’ atal miragre é d’oyr, se vos prouguer,
que fezo Santa Maria do Porto, e quen quiser
sabe-lo, que en Sevilla avo da moller
que era mui ben casada con un ome mercador.
Muito nos faz gran merçee Deus Padre, Nostro Sennor,
u fez sa Madr’ avogada e seu Fillo Salvador.
Estes avian sa filla que amayan mais c’a ssi,
a que pres enfermidade tan grande, com’ aprendi,
que per narizes e ollos e da boca outrossi
deitava tanto de sangre, que foi perder a coor.
Muito nos faz gran merçee Deus Padre, Nostro Sennor,
u fez sa Madr’ avogada e seu Fillo Salvador.
[E] esteve ben tres dias e noytes que non falou;
e tendo-a por morta, a mortalla lle mandou
tallar seu padr’ e agynna as candeas ar comprou.
Mais [un] seu conpadre logo se fez seu consellador
Muito nos faz gran merçee Deus Padre, Nostro Sennor,
u fez sa Madr’ avogada e seu Fillo Salvador.
E disse: «Se vos fezerdes o que vos quero dizer,
esta menyn’ ao Porto yde logo prometer
da Virgen Santa Maria, e sse sãar, offreçer
lla yde, e mantenente perderá esta door.
Muito nos faz gran merçee Deus Padre, Nostro Sennor,
u fez sa Madr’ avogada e seu Fillo Salvador.
Ca eu mia moller tiinna que ja queria transir,
Mais pois lla ouv’outorgado, Santa Maria guarir
a fez; e poren vos rogo que me queyrades oyr,
e prometede-ll’ a filla, e seede sabedor
Muito nos faz gran merçee Deus Padre, Nostro Sennor,
u fez sa Madr’ avogada e seu Fillo Salvador.
Que logo que offrecerdes, que a menyna guarrá.»
E eles lle prometeron que a levassen alá
con sas offertas mui grandes; e a moça log’ acá
viveu e abriu os ollos e catou enderredor.Muito nos faz gran merçee Deus Padre, Nostro Sennor,
u fez sa Madr’ avogada e seu Fillo Salvador.
E pois pediu que comesse, e deron-lle manamam
un ov’ assado mui mole, e comé-o con do pan.
E todos enton loaron a Sennor do bon talan,
dizendo: «Beyta sejas, que dos teus es guardador.»
Muito nos faz gran merçee Deus Padre, Nostro Sennor,
u fez sa Madr’ avogada e seu Fillo Salvador.
Enton a moça fillaron e foron-sse dessa vez
dereitament’ ao Porto e passaron per Xerez;
e pois foron na ygreja da Raynna de gran prez,
teveron y sas noveas sempr’ ant’ o altar mayor.
Muito nos faz gran merçee Deus Padre, Nostro Sennor,
u fez sa Madr’ avogada e seu Fillo Salvador.
Sen calar
– 380 –
Esta é de loor de Santa Maria.
Sen calar
nen tardar
deve todavia
om’ onrrar
e loar
a Santa Maria.
Ca ela non tardou
quando nos acorreu
e da prijon sacou
du Eva nos meteu,
u pesar
e cuidar
sempre nos creçia;
mais guiar
e levar
foi u Deus siia.
Sen calar…
E amar outrossi
devemos mais d’al ren;
e, com’ eu veg’ e vi,
sempre quer nosso ben,ca britar
e deitar
foi da sen[n]oria
quem mezcrar
e buscar
mal con Deus queria
Sen calar…
A nos que somos seus
quitamente sen al
dela, porque de Deus
é Madre que nos val
quand’ errar
e peccar
per nossa folia
ymos, ar
perdõar
nos faz cada dia.
Sen calar…
Ar en dar-lle loor
avemos gran razon,
ca Deus a fez mellor
de quantas cousas son;
que sen par,
sen dultar,
ést’. E quem diria
en trobar
nen cantar
quant’ i converria?
Sen calar…
Poren non quedarei
de sempre lle pedir
merçee, e rogar-ll-ey
que se de mi servir
quer e dar
me logar
u quant’ eu querria
eixalçar
e poiar
seus feitos Maria.
Sen calar…Desto direi un miragre
– 381 –
Como Santa Maria do Porto resuscitou un menino que morrera,
fillo dun ome bõo que morava en Xerez.
Como a voz de Jesu-Cristo faz aos mortos viver,
assi fez a de sa Madre un morto vivo erger.
Desto direi un miragre que no Porto conteçeu
que é de Santa Maria, dum menino que morreu,
de Xerez, por que sa madre poren tal coita prendeu
que a poucas a mesquinna ouvera d’ensandeçer.
Como a voz de Jesu-Cristo faz aos mortos viver,
assi fez a de sa Madre un morto vivo erger.
Seu padre deste meninno morava na colaçon
de San Marcos, e Johane avia nom'; e enton
de sa moller Deus lle dera aquele fillo baron,
con que muito ss’ alegrava e prendia gran prazer.
Como a voz de Jesu-Cristo faz aos mortos viver,
assi fez a de sa Madre un morto vivo erger.
Sancha sa madre chamavan per nome, com’ aprendi,
e amava aquel fillo atanto, segund’ oý,
que mais amar non podia outra ren; e foi assi
que ben como llo Deus dera, assi llo ar foi moller.
Como a voz de Jesu-Cristo faz aos mortos viver,
assi fez a de sa Madre un morto vivo erger.
Ca enfermou o meninno da gran fever mortal,
e o padre e a madre con coita del, non por al,
levárono ao Porto da Raynna espirital;
e tendo-o a madre nos braços, lle foi morrer.
Como a voz de Jesu-Cristo faz aos mortos viver,
assi fez a de sa Madre un morto vivo erger.
Sa madre, pois viu que morto era, a gran voz deu
dizend': «Ay, Santa Maria, dá-m’ aqueste fillo meu;
se non, leva-me con ele, ca mais non viverei eu
eno mundo.» E con coyta foi logo esmoreçer.
Como a voz de Jesu-Cristo faz aos mortos viver,
assi fez a de sa Madre un morto vivo erger.
Da gran voz que deu a madre quando a Virgen chamou,
Jhesu-Cristo, o seu Fillo, aquel que resusçitouLazaro de quatro dias e per nome o chamou,
fez levantar o menino tan tost’ e vivo seer
Como a voz de Jesu-Cristo faz aos mortos viver,
assi fez a de sa Madre un morto vivo erger.
Mui são e muyt’ alegre. E quantos eno logar
estavan e esto viron, começaron de chorar,
e en chorando a Virgen ar fillaron-ss’ a loar
por tan fremoso miragre que fora ali fazer.
Como a voz de Jesu-Cristo faz aos mortos viver,
assi fez a de sa Madre un morto vivo erger.
O ffondo do mar
– 383 –
[C]omo Santa Maria de Següença guardou ha moller que queria
entrar en ha nave e caeu no mar, e guareçeu e sacó-a Santa Maria.
O ffondo do mar tan chão faz come a terra dura
aos seus Santa Maria, Sen[n]or de muy gran mesura.
Dest’ avo un miragre grand’ e muy maravilloso,
que fezo a Santa Virgen, Madre do Rey glorioso,
por ha moller que tiinna o coraçon desejoso
de a servir noit’ e dia. E foy en Estremadura,
O ffondo do mar tan chão faz come a terra dura…
Na çibdade de Segonça que é mui rico bispado;
e cabo da grand’ ygreja á un logar apartado
que chamam Santa Maria a Vella, a que de grado
ya essa moller bõa, e en est’ era sa cura.
O ffondo do mar tan chão faz come a terra dura…
Esta moller ha filla avia que muyt’ amava,
e a cada ha delas ena voontad’ entrava
d’iren veer o Sepulcro de Jerusalem, e dava
do seu a quena guiasse por poder yr mais segura.
O ffondo do mar tan chão faz come a terra dura…
E pois aquest’ ouve feyto, foy-sse logo sa carreyra
e levou si o sa filla por que non fosse senlleyra,
ca achar non poderia pera ssi tal companneira.
E passou per muitas terras, e atal foi sa venturaO ffondo do mar tan chão faz come a terra dura…
Que passou o mar en salvo sen neun detemento,
ca enquanto per el foron sempr’ ouveron muy bon vento;
e des que foron en Acre, sen outro delongamento
foron veer o Sepulcro no tempo da caentura.
O ffondo do mar tan chão faz come a terra dura…
E poi-lo ouveron visto, ar fezeron romarias
pelos logares mais santos des[s]a terra u Mes[s]ias
Jhesu-Cristo, Deus e ome, andou; e a poucos dias
foron en Acre tornadas, mais non como quen atura
O fondo do mar tan chão faz come a terra dura…
Fazendo mui gran morada en Acre; non y ficaron,
mais agyn[n]a se colleron ao porto e rogaron
a aquel cuja nav’ era que as levass’, e punnaron
d’entrar mui toste na nave. Mais foi tan grand’ a presura
O ffondo do mar tan chão faz come a terra dura…
D’y entrar, e en querendo sobir per ha encaeyra
do batel e[n] essa nave, sobiu a filla primeyra-
mente, e depois a madre cuidou a seer arteyra
de sobir tost’, e na agua caeu con sa vestidura.
O ffondo do mar tan chão faz come a terra dura…
E en caendo, chamando a grandes braados ya:
«Acorre-me, Gloriosa, a Vella Santa Maria
de Segonça, en que fio, e fays que mia romaria
acabe compridamente.» E tan toste da altura
O ffondo do mar tan chão faz come a terra dura…
Dos çeos a Virgen santa acorreu-a e passou-a
bes per fondo da agua so a nave, e sacou-a
mui longe da outra parte eno mar, e pois torno[u]-a
arriba viva e sãa con fremosa catadura.
O ffondo do mar tan chão faz come a terra dura…
Todos quantos esto viron foron mui maravillados,
e os gollos en terra ouveron logo ficados
e aa Virgen mui santa prende loores dados,
dizendo: «B[e]yta sejas, dos coytados cobertura.»
O ffondo do mar tan chão faz come a terra dura.
E pois esta moller bõa pela Virgen foi g[u]ardadaassi como ja oystes, e a ssa terra tornada,
teve na Vella ygleja noveas, e mui loada
foi logo Santa Maria per ela, e fez cordura.
O ffondo do mar tan chão faz come a terra dura…
A que por gran fremosura
– 384 –
Como Santa Maria levou a alma dun frade que pintou o seu nome de tres coores.
A que por gran fremosura é chamada Fror das frores,
mui mais lle praz quando loam seu nome que d’outras loores.
Desto direi un miragre, segundo me foi contado,
que avo a un monge bõo e ben ordin[n]ado
e que as oras desta Virgen dizia de mui bon grado,
e mayor sabor avia desto que d’outras sabores.
A que por gran fremosura é chamada Fror das frores…
Este mui bon clerigo era e mui de grado liia
nas Vidas dos Santos Padres e ar mui ben escrivia;
may[s] u quer que el achava nome de Santa Maria
fazia-o mui fremoso escrito con tres colores.
A que por gran fremosura é chamada Fror das frores…
A primeyra era ouro, coor rrica e fremosa
a semellante da Virgen nobre e mui preçiosa;
e a outra d’azur era, coor mui maravillosa
que ao çeo semella quand’ é con sas [e]splandores.
A que por gran fremosura é chamada Fror das frores…
A terçeyra chamam rosa, porque é coor vermella;
onde cada a destas coores mui ben semella
aa Virgen que é rica, mui santa, e que parella
nunca ouv’ en fremosura, ar é mellor das mellores.
A que por gran fremosura é chamada Fror das frores…
Ond’ aqueste nome santo o monge tragia sigo
da Virgen Santa Maria, de que era muit’ amigo,
beyjando-o ameude por vençer o emigo
diabo que sempre punna de nos meter en errores.
A que por gran fremosura é chamada Fror das frores…Onde foi a vegada que jazia mui doente
da grand’ enfermidade, de que era en possente;
e pero assi jazia, viinna-lle sempre a mente
de seer da Virgen santa un dos seus mais loadores.
A que por gran fremosura é chamada Fror das frores…
O abade e os monges todos veer-o veron,
e poi-lo viron maltreito, un frade con el poseron
que lle tevesse companna; e pois ali esteveron
un pouco, foron-se logo. Mais a Sennor das sennores
A que por gran fremosura é chamada Fror das frores…
Apareçeu ao frade que o guardav’, en dormindo,
e viu que ao leyto se chegava passo yndo,
e dizia-lle: «Non temas, ca te farey ir sobindo
mig’ ora a parayso, u veerás os mayores.
A que por gran fremosura é chamada Fror das frores…
Ca por quanto tu pintavas meu nome de tres pinturas,
leva[r]-t-ey suso ao çeo, u verás as aposturas,
e eno Livro da Vida escrit’ ontr’ as escrituras
serás ontr’ os que non morren, nen an coitas nen doores.»
A que por gran fremosura e chamada Fror das frores…
Enton levou del a alma sigo a Santa Reynna.
E o frade espertou logo e foy ao leyt’ agynna;
e pois que o achou morto, fez sõar a campaynna
segund’ estableçud’ era polos seus santos doctores.
A que por gran fremosura é chamada Fror das frores…
Mantenente o abade chegou y cono convento,
que eram y de companna ben oyteenta ou çento;
e aquel monge lles disse: «Sennores, por cousimento
o que vi vos direy todo, se m’ en fordes oydores.»
A que por gran fremosura é chamada Fror das frores…
Enton contou o que vira, segundo vos ey ja dito;
e o abade tan toste o fez meter en escrito
pera destruyr as obras do emigo maldito,
que nos quer levar a logo u sempr’ ajamos pavores.
A que por gran fremosura é chamada Fror das frores…
E pois souberon o feyto, loaron de voontade
a Virgen Santa Maria, a Sennor de piedade;
e se en alga cousa ll’ erraran per neçidade,pun[n]aron de sse g[u]ardaren que non fossen peccadores.
A que por gran fremosura é chamada Fror das frores…
De toda enfermidade
– 385 –
Como Santa Maria do Porto guareçeu un ome
da pedrada mui grande de que nunca cuidara a guareçer,
ca tiinna a tela sedada e tornou-se paralitico,
e guareçé o Santa Maria.
De toda enfermidade maa e de gran ferida
pode ben sãar a Virgen, que de vertud’ é comprida.
Est’ avo en Sevilla per vertude da Raynna
dos çeos, Santa Maria do Porto, u muit’ aginna
ygreja, u mui loada fosse, fez y na marinna
pera guardar os creschãos dos mouros e ser bastida
De toda enfermidade maa e de gran ferida…
Pera guerrejar or mouros d’Espann’ e os afriçãos.
E porende en aquel logo mostrou miragres çertãos
de muitos que y veron enfermos e foron sãos,
ca os que a ssa merçee mester an nunca oblida.
De toda enfermidade maa e de gran ferida…
E tan gran sabor aviam os omes de que sãava
os enfermos, que quen coita avia logo chamava:
«Santa Maria do Porto, val-me» e s’acomendava
a ela; e pois guarian, fazian alá su yda.
De toda enfermidade maa e de gran ferida…
Ond’ avo en Sevilla que deron a pedrada
a un ome na cabeça mui grand’, assi que britada
ll’ouveron toda a fronte e a tea assedada,
assi que nunca cuidava da chaga aver guarida.
De toda enfermidade maa e de gran ferida…
E pois viu que non sãava, prometeu que ao Porto
da Virgen Santa Maria fosse, que éste conorto
dos coitados, se daquela ferida non fosse morto,
e que de çera levasse un estadal sen falida.
De toda enfermidade maa e de gran ferida…Mais ante çelorgiãos mostrou com’ era maltreito,
dizendo que o sãassen; mais esto non foi en preito
que consello lle posessen. Porend’ o ome contreyto
ouve a sseer dun lado, e foi daquela partida
De toda enfermidade maa e de gran ferida…
En que a chaga avia, u foi da pedra ferido.
E el, quando viu aquesto, teve-sse por escamido;
mais acomendou-sse logo ao Port’, e foi guarido
e são, ben com’ aqueles que tornam de mort’ a vida.
De toda enfermidade maa e de gran ferida…
E porende deu loores aa Virgen e noveas
foi ter ena sa casa e levou y sas candeas
de çera, ca non de sevo nen d’azeyte nen de teas
nen como d’outras que arden en alga pobr’ ermida.
De toda enfermidade maa e de gran ferida…
Muito praz aa Virgen santa
– 349 et 387 –
Como Santa Maria mostrou muitos miragres por ha sa omagen
que tragia u Rei en sa capela.
Muito praz aa Virgen santa que Deus fillou por parenta
de quen ll’ as saudações de Don Gabriel ementa.
Ca pero é mais que santa, sempre lle creç a vertude
quando oe quen ll’ ementa do angeo a saude;
e de que quer que lle roguen enton con seu ben recude,
porque do Santi Spirito log’ outra vez s’ escaenta.
Muito praz aa Virgen santa que Deus fillou por parenta
de quen ll’ as saudações de Don Gabriel ementa.
Onde daquest’ un miragre vos direi, se m’ascuita[r]des,
mui fremos’ a maravilla; e se y mentes para[r]des,
sa mercee averedes dela, e se [a] guardardes,
do inferno seeredes quitos e de ssa tormenta.
Muito praz aa Virgen santa que Deus fillou por parenta
de quen ll’ as saudações de Don Gabriel ementa.
Un rey consigo tragia ha omagen fremosadaquesta Virgen beita, Madre de Deus groriosa,
que a quantos la viyan era atan graciosa
que achar non poderian tal ontre mil e setenta.
Muito praz aa Virgen santa que Deus fillou por parenta
de quen ll’ as saudações de Don Gabriel ementa.
Aquesta fazia muytos miragres e maravillas,
sãand’ omees e molleres, e seus fillos e sas fillas.
E os que aquest’ oyan de mais longe ca cen millas
vyan por seer sãos por esta que acrecenta
Muito praz aa Virgen santa que Deus fillou por parenta
de quen ll’ as saudações de Don Gabriel ementa.
Nosso ben per ssa vertude que ela grande mostrava
en sãar enfermidades; e esta se lle dobrava
quand’ o avangeo santo dezia como falava
o angeo de Deus con ela, u ela disse: «Sergenta
Muito praz aa Virgen santa que Deus fillou por parenta
de quen ll’ as saudações de Don Gabriel ementa.
Sõo do Sennor que dizes e estou apparellada
de receber a ssa graça.» E por aquesto dobrada
ouv’ a omagen vertude quando ll’ era ementada
esta saude tan nobre; e poren ben quare[e]nta
Muito praz aa Virgen santa que Deus fillou por parenta
de quen ll’ as saudações de Don Gabriel ementa.
Sãou d’omees e molleres enfermos e mal coitados
en prazo de poucos dias. E loores poren dados
foron aa Virgen santa, porque senpr’ aos culpados,
macar é mui josticeira con piadad’ escarmenta.
Muito praz aa Virgen santa que Deus fillou por parenta
de quen ll’ as saudações de Don Gabriel ementa.
Que por al non devess
– 388 –
Como Santa Maria apareçeu en vision a un rey
que a servia en todas aquelas cousas
que el sabia e podia, e semellava-lle
que se omildava contra el en gualardon do serviço que lle fezera.
Que por al non devess’ om’ a Santa Maria servir,
deve-o fazer por quan ben sabe serviço gracir.E daquest’ un gran miragre vos quer’ ora retraer
que mostrou Santa Maria, per com’ eu pud’ aprender,
a un Rei que sas figuras mandava sempre fazer
muit’ apostas e fremosas; e fazia-as vestir
Que por al non devess’ om’ a Santa Maria servir…
De mui ricos panos d’ ouro e de mui nobre lavor,
e põya-lles nas testas pera parecer mellor
corõas con muitas pedras ricas, que grand’ esprandor
davan senpr’ aa omagen e fazíana luzir.
Que por al non devess’ om’ a Santa Maria servir…
E outrossi nas sas festas ar fazia-lle mudar
senpr’ outros panos mais ricos pola festa mais onrrar,
e ben assi as fazia põer sobelo altar;
demais trobava per ela, segund’ oý departir.
Que por al non devess’ om’ a Santa Maria servir…
Des i aqueles cantares eran dos miragres seus
muitos e maravillosos que mostra por ela Deus,
e faz y mui gran dereito; ca segun diz San Mateus
e San Yoan e San Marcos, sa Madr’ éste sen falir.
Que por al non devess’ om’ a Santa Maria servir…
Onde por estas razões a servia aquel Rey
e loava e dizia muito ben, com’ apres’ ei,
dela; e poren ll’ avo o que vos ora direy,
onde vos rog’, ai, amigos, que o queirades oyr.
Que por al non devess’ om’ a Santa Maria servir…
Onde foi a ha Pasqua mayor, que Deus resorgiu,
que el Rey fez sa omagen da Virgen; e poi-la viu
ben feita e ben fremosa, ricamente a vestiu
e sobr’ o altar a pose, e fez monjas y vir
Que por al non devess’ om’ a Santa Maria servir…
Que a vissen com’ estava e ouvessen devoçon
en ela e que rogassen por el Rei de coraçon.
E elas assi fezeron; e a Virgen en vijon
lles diss': «O que me rogades farey-o, se el Rei vir.»
Que por al non devess’ om’ a Santa Maria servir…
Ha delas mantente foi al Reie o chamou;
e el Rei vo tan toste, e logo que y chegou,a omagen os gollos ant’ el en terra ficou
e as mãos que beijasse lle começou a pedir.
Que por al non devess’ om’ a Santa Maria servir…
Mas el Reideitou-s’ en terra ant’ ela, tendud’ en cruz,
chorando muit’ e dizendo: «A ti, Sennor, que es luz,
beijarei pees e mãos, ca ta vertude m’ aduz
sempre saud’ e me guarda dos que me queren nozir.»
Que por al non devess’ om’ a Santa Maria servir…
«Non,» diss’ ela, «mais as vossas mãos vos beijarei eu
por quanta onrra fazedes a mi sempr’ e ao meu
Fillo, que é Deus e ome; e poren no reino seu
vos meterei pois morrerdes, esto será sen mentir.»
Que por al non devess’ om’ a Santa Maria servir…
Pois s’ as monjas espertaron desta vison, foi-lles ben,
e al Reien outro dia llo contaron e de ren
nada non lle faleceron; e ele logo poren
chorou, muit’ ant’ a omagen e fez tod’ est’ escrevir.
Que por al non devess’ om’ a Santa Maria servir…
E des ali adeante serviu mais, com’ aprendi,
aa Virgen groriosa e loou-a mais des i;
e ela fez-lle mercees grandes, segund’ eu oý,
e de muitas de maneiras, a queno ben comedir.
Que por al non devess’ om’ a Santa Maria servir…
Como pod’ a Groriosa
– 391 –
Como Santa Maria do Porto corregeu ha moça contreyta
dos nenbros que levaron alá en romaria.
Como pod’ a Groriosa os mortos fazer viver,
ben outrossi pod’ os nembros dos contreytos correger.
Desto direy un miragre que eno gran Porto fez,
que é seu desta Reynna gloriosa de gran prez,
a a moça que vo y contreyta de Xerez,
que bes assi naçera, segun que oý dizer.
Como pod’ a Groriosa os mortos fazer viver,
ben outrossi pod’ os nembros dos contreytos correger.E esta en tal maneyra os pees tortos assi
avia: o qu’ é adeante, atras, com’ eu aprendi,
tragia. Poren seu padre en romaria ali
a troux’ e teve noveas por daquel mal guareçer.
Como pod’ a Groriosa os mortos fazer viver,
ben outrossi pod’ os nembros dos contreytos correger.
Ond’ avo a noite que gran door a ffillou
aos pees en dormindo, e tan toste despertou;
e a door foi tan grande, e tan forte braadou,
come se ferida fosse ou que cuydass’ a morrer.
Como pod’ a Groriosa os mortos fazer viver,
ben outrossi pod’ os nembros dos contreytos correger.
E seu padre, que jazia cabo dela, preguntar
lle foi por que braadara; diss’ ela: «Porque britar
me foi os pees a Virgen e tornou-ss’ a sseu altar,
e ouve door tan grande qual nunca cuidei aver.»
Como pod’ a Groriosa os mortos fazer viver,
ben outrossi pod’ os nembros dos contreytos correger.
Logo foron ajuntados quantos y eran enton,
e os pees lle cataron e vironos de ffeyçon
que os a ter devia, e tan ben sãos que non
podian mellor see-lo. E porende beyzer
Como pod’ a Groriosa os mortos fazer viver,
ben outrossi pod’ os nembros dos contreytos correger.
Se fillaron a Reynna que taes miragres faz,
e cada u chorando poso en terra sa faz,
dizendo: «Beyta sejas, ca toda mesura jaz
en ti e toda merçee pora nos sempr’ acorrer.
Como pod’ a Groriosa os mortos fazer viver,
ben outrossi pod’ os nembros dos contreytos correger.
Onde te damos loores com’ a tan bõa Sennor
que perdõas os peccados e sõas toda door;
o porende te rogamos que, sse ta merçee for,
que no santo parayso nos faças tigo caber.»
Como pod’ a Groriosa os mortos fazer viver,
ben outrossi pod’ os nembros dos contreytos correger.Niun poder deste mundo
– 165 ET 395 –
Como Santa Maria de Tortosa d’ Ultramar
defendeu a vila do soldan.
Niun poder deste mundo de gente nada non val
contra o poder da Virgen, ca x’ é tod’ espirital.
En Ultramar dest’ avo miragre grand’ e mui bel
que mostrou Santa Maria, Madre de Deus Manuel,
a un soldan poderoso, porque era mui cruel
e porend’ aos crischãos desamava mais que al.
Niun poder deste mundo de gente nada non val
contra o poder da Virgen, ca x’ é tod’ espirital.
A este soldan chamavan per seu nome Bondoudar,
que Egito e Alapa avia a seu mandar
e Domas e a Camela; e porende guerrejar
queria sempr’ a crischãos e fazer-lles muito mal.
Niun poder deste mundo de gente nada non val
contra o poder da Virgen, ca x’ é tod’ espirital.
Este seus omes tragia con crischãos toda vez
por saber mais sa fazend’, e un deles saber-lle fez
que, sse fillasse Tortosa, gãaria y gran prez,
demais quen lla defendesse non avia tal nen qual.
Niun poder deste mundo de gente nada non val
contra o poder da Virgen, ca x’ é tod’ espirital.
Log’ o soldan con grand’ oste moveu,’quand’ aquest’ oyu,
e mui preto de Tortosa en [un] outeiro sobyu,
e parou mentes na vila, e tan pouca gent’ y viu
que teve que aquel mouro non lle fora mentiral.
Niun poder deste mundo de gente nada non val
contra o poder da Virgen, ca x’ é tod’ espirital.
Quand’ a gente de Tortosa viron atan gran poder
de mouros vir sobr’ eles, cuidaron mortos seer;
e foron-ss’ aa eigreja sas orações fazer,
dizend': «Ai, Santa Maria, pois ta mercee non fal
Niun poder deste mundo de gente nada non val
contra o poder da Virgen, ca x’ é tod’ espirital.
A quantos que a demandan, vel a nos que somos teus,
guarda-nos que non caiamos en poder destes encreusque per nulla ren non creen que tu es Madre de Deus;
e porend’ en este feito mostra algun gran sinal.»
Niun poder deste mundo de gente nada non val
contra o poder da Virgen, ca x’ é tod’ espirital.
Pois ssa oraçon fezeron, per quant’ end’ eu aprendi,
contaron-se quantos eran, mais poucos s’ acharon y.
Enton a mui grandes vozes todos disseron assi:
«Sennor, se nos non acorres, preit’ é mui descomal.»
Niun poder deste mundo de gente nada non val
contra o poder da Virgen, ca x’ é tod’ espirital.
O soldan log’ outro dia sas gentes armar mandou
pera fillaren a vila, mas non foi com’ el cuidou;
ca pois sse chegou a ela, tal gente lle semellou
que estava alá dentro, que non ficava portal
Niun poder deste mundo de gente nada non val
contra o poder da Virgen, ca x’ é tod’ espirital.
Nen torre nen barvacãa nen muro per nulla ren
u gente muita non fosse, armados todos mui ben.
Quando viu o soldan esto, teve-sse por de mal sen,
e chamou porend’ o mouro: «Mao, falsso, mentiral,
Niun poder deste mundo de gente nada non val
contra o poder da Virgen, ca x’ é tod’ espirital.
Di, e porqué me feziste con mia ost’ aqui vir,
dizendo que esta vila non sse podia bastir
d’ omes d’ armas, de maneira que me podesse guarir,
e, eu vejo-a bastida como non vi outra tal?»
Niun poder deste mundo de gente nada non val
contra o poder da Virgen, ca x’ é tod’ espirital.
O mouro, con mui gran medo, lle respos esta razon:
«Sennor, quanto vos eu dixe verdad’ [éste] e al non;
mas tod’ estes cavaleiros, vedes que dos Ceos son,
ca chus brancos son e craros que é neve nen cristal.»
Niun poder deste mundo de gente nada non val
contra o poder da Virgen, ca x’ é tod’ espirital.
Enton o soldan lle disse: «E que buscaron acá?»
Diss’ o mouro: « Per mandado da Virgen, Madre d’Içá,
veron, que un’ eigreja dentro ena vila á,
que está preto dos muros da parte do aral.»
Niun poder deste mundo de gente nada non val
contra o poder da Virgen, ca x’ é tod’ espirital.O soldan diss’ ao mouro: «Eno Alcoran achey
que Santa Maria virgen foi sempr'; e pois esto sey,
guerra per nulla maneira con ela non fillarey,
e daqui me torno logo, e fas tange-lo tabal.»
Niun poder deste mundo de gente nada non val
contra o poder da Virgen, ca x’ é tod’ espirital.
E quand’ aquest’ ouve dito, foi-sse logo manaman,
e desta guisa sa vila guardou a do bon talan;
mas ante que ss’ en partisse, deu y grand’ alg’ o soldan
por amor da Virgen santa, Reynna celestial.
Niun poder deste mundo de gente nada non val
contra o poder da Virgen, ca x’ é tod’ espirital.
Quen usar na de Deus Madre
– 399 –
Esta .CCCXCVIIII. é como ena vila d’Elvas a moller quiso matar seu fillo
e meteu-lle ha agulla pela cabeça,
e apareceu-lle Santa Maria ante que o matasse e disse-lle que tomasse pedença.
Quen usar na de Deus Madre falar e amiga,
non lle falirám razões muy bõas que diga.
Ca ben assi cada dia lle creçe vertude,
como creç’ a Deus, seu Fillo, assi el m’ajude;
e porende o poder dela e u del recude
a creçeren en ben sempre e toller nemiga.
Quen usar na de Deus Madre falar e amiga…
Porend’ un miragre dela direi muy fremoso
que mostro[u] na vila d’Elvas, e maravilloso,
a ha moller mui pobre, e des i astroso,
que quisera dun seu fillo seer emiga.
Quen usar na de Deus Madre falar e amiga…
Ela se preçava muito de sa fremosura,
e avia hun seu fillo, bela creatura;
mais tanto cobiiçava a fazer loucura,
que non dava por mata-lo sol ha formiga.
Quen usar na de Deus Madre falar e amiga…Ond’ avo que un dia, seend’ enserrada
en sa casa, foi cuidando muit’ a malfadada
como matass’ o menino; ca desenbargada
seria se o colgasse sequer da viga.
Quen usar na de Deus Madre falar e amiga…
E pois cuidou muit’ aquesto, fillou eno braço
o menino e deitó-o eno seu regalo,
buscando redor si pedra; e achou un malo,
e fillou ha agulla longa com’ espiga,
Quen usar na de Deus Madre falar e amiga…
E diss’ assi: «Par Deus, fillo, mui pouco me presta
de perder por ti meu tenpo.» E logo na testa
lle foi põer a agulla, e diss': Oge festa
será pera mi ta morte.» Mais a que abriga
Quen usar na de Deus Madre falar e amiga…
Os pobres e os coitados pareçeu-lle logo,
seend’ as portas serradas, e diss': «Eu te rogo
que non mates o menino, mais a un moogo
te vay confessar correndo. Ca Deus, que castiga
Quen usar na de Deus Madre falar e amiga…
Os maos feitos, dar-t-ia porende maa morte,
e levaria o demo ta alma en sorte;
mais contra todas tas coitas darei gran conorte;
poren maa voontade de ti derrayga.
Quen usar na de Deus Madre falar e amiga…
E poren fill’ a teu fillo nos braços privado
e vay log’ aa ygreja dizer teu pecado,
e tan toste nas tas coitas porrei eu recado;
e come moller non faças maa que se triga
Quen usar na de Deus Madre falar e amiga…
A ffazer mal ssa fazenda.» E foi-ss’ a Reynna
dos çeos, pois ll’esto disse. E log’ a mesquinna
maenfestou-s’ e en orden entrou muit’ aginna,
e contra o demo froque vestiu por loriga.
Quen usar na de Deus Madre falar e amiga…
Quantos aque[ste] miragre tan grande souberon
a Santa Maria graças logo poren deron;
des i aquele menino criar-o fezeron,e a madre polo demo non deu ha figa.
Quen usar na de Deus Madre falar e amiga…
Pero cantigas de loor
– 400 –
Esta é de loor de Santa Maria.
Pero cantigas de loor
fiz de muitas maneiras,
avendo de loar sabor
a que nos dá carreiras
como de Deus ajamos ben,
sol non tenno que dixe ren:
ca atant’ é comprida
a loor da que nos manten,
que nunca á fida.
Pero fiz com’ oý dizer
que fez Santa Soffia,
que sa mealla offreçer
foy, ca mais non avia,
a Deus de mui bon coraçon;
mais o meu é mui mor don
que lle dou mui de grado,
e cuid’ end’ aver gualardon
mui grand’ e muit’ onrrado.
Ca pero o don mui pouc’ é,
segund’ a mia pobreza,
non catará est’, a la ffe,
a Sennor da franqueza;
ca por un don, esto sey ja,
que ll’eu dé, çento me dará
dos seus mui nobres dões,
e a mia mingua comprirá
conos seus gualardões.
E poren lle quero rogar
que meu don pequen[inn]o
reçeb’ e o queyra fillar
por aquel que meninno
no seu corpo sse figurou
e sse fez om’ e nos salvou
por nos dar parayso,
e pois consigo a levou,
e foi y de bon siso.E daquestes sete dões
– 418 –
Os sete dões que dá
Deus, a sa Madr’ os deu ja.
E daquestes sete dões vos quer’ ora departir
como os deu a sa Madre, por que quantos lo oyr
foren punnen en servi-la e se guarden de falir,
por que sa merçee ajam; ca beyt’ é quena á.
Os sete dões que dá
Deus, a sa Madr’ os deu ja.
O primeyro destes sete dões é pera saber
todo ben compridamente, por fazer a Deus prazer;
aqueste Santa Maria ouv’ en si, por que prender
vo Deus en ela carne, con que nos pois julgará.
Os sete dões que dá
Deus, a sa Madr’ os deu ja.
D’entendemento mui grande, este o segundo é;
aqueste Santa Maria ouv’ en si, per bõa ffe,
por que fez dela sa Madre Deus, e cabo dele ssé
nos çeos, onde sa graça envia a nos acá.
Os sete dões que dá
Deus, a sa Madr’ os deu ja.
O terceyro de consello ést’, e con mui gran razon
o ouve Santa Maria; porque quantas ora son
molleres nen foron ante non ouveron beycion
de Deus com’ aquesta ouve, nen outra non averá.
Os sete dões que dá
Deus, a sa Madr’ os deu ja.
O quarto é fortaleza; e aquesta ouv’ en ssi
tan grande, per que o demo perdeu seu poder dali
u Deus en ela pres carne e foi ome, ca des i
foi britad’ e mal apreso, e ja mais non cobrará.
Os sete dões que dá
Deus, a sa Madr’ os deu ja.
O quinto don é çiente, que ouve grand’ e bon sen
a Virgen Santa Maria, que a fez responder ben
quando ll’ o angeo disse que do que todo mantem
seria Madr’, e diss’ ela: Por serva m[e] achará.»Os sete dões que dá
Deus, a sa Madr’ os deu ja.
O sesto don piadade é que ouv’ e á de pran
a quantos nas grandes coitas a chamam e chamarán;
e poren Santa Maria os peccadores la an
ante Deus por avogada, e por sempr’ assi será.
Os sete dões que dá
Deus, a sa Madr’ os deu ja.
O septimo destes dões é aver de Deus temor;
aquest’ ouv a Groriosa, pero sempre con amor;
e por aquesto foi ela Madre de Nostro Sennor
Jhesu-Christo, Deus e ome, que por sempre regnará.
Os sete dões que dá
Deus, a sa Madr’ os deu ja.
Onde por aquestes sete dões lle devemos dar
loores e ar rogar-lle que nos faça perdõar
a seu Fillo os pecados, e que nos guarde d’errar,
de guisa que no seu regno vivamos con el alá.
Os sete dões que dá
Deus, a sa Madr’ os deu ja.
Des quando Deus sa Madre
– 419 –
Esta .IX. é da vigilia de Santa Maria d’Agosto,
como ela passou deste mundo e foi levada ao çeo.
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
Ca pois levou aquela que nos deu por sennor
e el fillou por madre, mostrou-nos que amor
muy grande nos avia, non podia mayor,
ca pera o seu reyno logo nos convidou.
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
Mais como passou ela deste mundo contar
vos quer’, e en qual guisa a vo Deus levar
consigo ao çeo, u a foi corõar
por Reyn[n]a dos santos, tan muito a onrrou.Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
Assi foi que o dia que Deus morte prendeu,
a ssa beyta Madre viu quanto padeçeu
na cruz por nos; e logo tal pesar reçebeu
que a fillou quartãa, que nunca en sãou.
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
E depois morou sempre dentr’ en Jerusalem,
e non vinna a ela enfermo que logu’ en
são se non partisse; mais a ela per ren
non leixou. a quartãa ates que finou.
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
Mas no templ’ u estava a comprida de ffe,
un angeo lle disse: «Madre de Deus, ave:
o teu Fillo te manda dizer que ja temp’ é
que leixes este mundo mao u t’e[1] leixou.»
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
E un ramo de palma lle deu log’ en sinal
que dend’ a tercer dia, non averia al,
que verria por ela o Rey espirital,
seu Fillo Jhesu-Christo, que en ela encarnou.
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
Disso-ll’ a Santa Virgen: «Sennor, e qual nom’ ás?»
O angeo respos-lle: «Esto non saberás,
ca meu nom’ é mui grande; mas çedo veerás
os apostolos tigo, que Deus vir mandou
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
Por onrrar-t’ en ta morte.» E foi-sse logu’ enton
o angeo. E ela foi fazer oraçon
ben a Mont’ Olivete, u aquela sazon
morava, e tan toste en seu banno entrou.
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.E vestiu os mellores panos que pod’ aver,
e San Johan fez logo chamar, e a dizer
lle começou seu feito de como a veer
o angeo vera que lle Deus enviou.
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
E disse-lle chorando: Nenbre-te, San Johan,
de com’ en ta comenda o do mui bon talan
me leixou, o meu Fillo; poren guardar de pran
me deves en mia morte, pois te mi acomendou.
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
E com’ eu ei oydo, estes maos judeus,
que mataron meu Fillo como falsos encreus,
meaçan de queimaren a carn’ e estes meus
ossos, pois for passada; un deles mio contou.»
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
Enquant’ eles en esto falavan entre ssi,
has nuves mui craras adusseron log’ y
os Apostolos onze; e non vo ali
Santo Thomas con eles, ca chegar non oviou.
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
E logo que chegaron, com’ a escritura diz,
os reçebeu mui leda a Sant’ Anperadriz
e disso-lles: «Amigos, este dia fiiz
foi que Deus vos adusse aqui e vos juntou.
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
E pois juntados sodes, esto vos rogarei
que vigiedes migo; ca eu de certo sei
que cras en aquel dia deste mundo m’irei,
ca un angeo santo comig’ esto falou.»
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
Eles, quand’ est’ oyron, choraron log’ assaz;
pois disseron: «Faremos, Sennor, o que vos praz.
E rezaron seus psalmos com’ ena lee jaz,
e ela en seu leito ant’ eles se deitou.Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
Outro dia San Pedro a voz de Deus oyu
que lles diss: «Aqui sõo vosqu’. «E logo sentiu
tod’ aquela companna mui bon odor e viu
claridade que todo o log’ enlumeou.
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
Mais a ora da sesta, direi-vo-lo que fez
Deus, que foi Padr’ e Fillo desta Virgen de prez:
vio levar-ll’ a alma, que el ja outra vez
lle metera no corpo u a santivigou.
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
E disso a San Pedro: «Direi-ch’ o que farás:
pois mia Madr’ é finada, non esperes a cras,
mas enterra seu corpo no Val de Josaphas,
en atal sepultura com’ ela t’ensinou.»
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
Esto foi en agosto, en meyante do mes,
que Jhesu-Christ’ a alma de sua Madre pres;
e o corpo San Pedro fillou con set’ e tres
Apostolos e en Josafas lo enterrou.
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
E pois la enterraron en sepulcro mui bel,
foron-ss’ aa cidade; mais logo San Miguel
levou o corpo dela con outro gran tropel
d’angeo que veeron, e cada un cantou.
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
Eles indo cantando, Santo Thomas sobir
os viu, que Deus fezera ena nuve vir;
e viu Santa Maria entr’ eles todos yr,
e por saber quem era, logo lles preguntou.
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.E ela respondeu-lle: «Tomas, amigo meu,
a mia alma meu Fillo levou, ben ti dig’ eu,
e meu corp’ ora levan pera o reyno seu
estes angeos santos, e con eles me vou.»
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
E San Tomas lle disse: «Sennor, mui m’ é mester,
por que creudo seja desto, se vos prouguer,
que algun sinal aja, que quando o disser
que eu amostrar possa.» E ela lle lançou
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
A cinta que çingia, que vos non foi don vil,
ant’ era mui ben feita e d’obra mui sotil.
E el deu end’ a ela poren loores mil,
e sa cinta na mão, aa vila chegou.
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
Os onze, poi-lo viron, disseron: «Tol-t’ alá,
e que te Deus non ama gran mostra ch’ en feit’ á,
que non viste sa Madre morrer, nen fust’ acá
u a nos soterramos; tanto te despreçou.»
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
Santo Thomas chorando respondeu-lles adur:
«Dized’ u a metestes; mais sei eu que nenllur
achar nona podedes quant’ o Breton Artur,
ca eu a vi na nuve sobir, e me chamou.
.Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
E por que me creades esta çinta me quis
dar, e que de seu feito sejades todos fis;
que eu vi o seu corpo mui mais branco ca lis
ir sobind’ aos çeos, e mui pouc’ y tardou.»
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
Enton disse San Pedro: «Tenno que será prol
d’irmos provar aquesto que nos diz este fol;
e se non for verdade, ha folla de col
non demos mais por ele, ca sempr’ este dultou.Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
Enton foron dizendo: «Mentira nos aduz.»
E cataron a fossa daquela que na cruz
viu morrer o seu Fillo; mais pero, se non luz,
nulla ren non acharon. E muito se sinou
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
San Pedr[o], e os outros todos a ha voz
en terra se deitaron, pedindo per Ayoz
perdon a Santo Thomas; e diss’ el: «Ha noz
non daria por esto, pois con verdad’ estou.»
Des quando Deus sa Madre aos çeos levou,
de nos levar consigo carreira nos mostrou.
Nenbre-sse-te, Madre
– 421 –
Esta .XI., en outro dia de Santa Maria,
é de como lle venna emente de nos ao dia do juyzio
e rogue a seu Fillo que nos aja merçee.
Nenbre-sse-te, Madre
de Deus, Maria,
que a el, teu Padre,
rogues todavia,
pois estás en sa compania
e es aquela que nos guia,
que, pois nos ele fazer quis,
sempre noit’ e dia
nos guarde, per que sejamos fis
que sa felonia
non nos mostrar queira,
mais dé-nos enteira
a ssa grãada merçee,
pois nossa fraqueza vee
e nossa folia,
con ousadia
que nos desvia
da bõa via
que levaria
nos u devia,
u nos daria
sempr’ alegriaque non falrria
nen menguaria,
mas creçeria
e poiaria
e compriria
e ‘nçimaria
a nos.
Pois que dos Reys Nostro Sennor
– 424 –
Esta segunda é de como os tres Reis Magos veron a Beleen aorar a Nostro Sennor
Jesu-Cristo e lle ofereron seus dões.
Pois que dos Reys Nostro Sennor
quis de seu linage decer,
con razon lles fez est’ amor
en que lles foi apareçer.
Esto foi quand’ en Beleen
de Santa Maria naçeu
e a treze dias des en
aos tres Reys apareçeu,
que cada u per seu sen
ena estrela connoçeu
com’ era Deus Rey; e poren
de longe o foron veer,
Pois que dos Reys Nostro Sennor
quis de seu linage decer,
con razon lles fez est’ amor
en que lles foi apareçer.
Ben das insoas de Sabá
e de Tarsso, que son no mar,
e d’Arabia, u gran gent’ á
e muitas terras de passar.
Mas pero eran lonj’ alá
mui toste os fezo chegar
a Beleen aquel que á
sobre todas cousas poder.
Pois que dos Reys Nostro Sennor
quis de seu linage decer,
con razon lles fez est’ amor
en que lles foi apareçer.
Ena estrela lles mostrou
com’ era om’ e Rey e Deus;poren cada u lle levou…
oferta dos tesouros seus.
E a estrela os guyou
ate ena terra dos judeus,
u Erodes lles demandou:
«Que vestes aqui fazer?»
Pois que dos Reys Nostro Sennor
quis de seu linage decer,
con razon lles fez est’ amor
en que lles foi apareçer.
Eles responderon-ll’ assi:
«Na estrela vimos que Rey
mui nobre naçera aqui,
Sennor dos judeus e da lei.»
Diss’ Erodes: «Creed’ a mi,
ca bon conssello vos darei:
id’, e pois tornardes des i,
ar y-lo-ei eu connoçer.»
Pois que dos Reys Nostro Sennor
quis de seu linage decer,
con razon lles fez est’ amor
en que lles foi apareçer.
Eles foron-sse logu’ enton
e viron a estrela yr
ante ssi de mui gran randon,
e começárona seguyr;
mas quand’ en Beleen foi, non
se quis de sobr’ ela partir,
ata que entraron u Don
Jesu-Cristo viron seer
Pois que dos Reys Nostro Sennor
quis de seu linage decer,
con razon lles fez est’ amor
en que lles foi apareçer.
Nos braços da que muit’ afan
sofreu con el e muito mal.
E eles logo manaman
deron-lle sa oferta tal:
ouro de que aos reis dan,
encensso por espirital,
mirra de que os mortos van
ungir por nunca podreçer.
Pois que dos Reys Nostro Sennor
quis de seu linage decer,
con razon lles fez est’ amoren que lles foi apareçer.
Esto, ca non maravidis,
ofereron a Deus los Reys;
porend’ assi os guardar quis
aquele que juntou as leis,
que per sonnos os fez ben fis,
que sonnaron vel cinc’ ou seis
vezes que fossen a Tarssis
passa-lo mar por guareçer.
Pois que dos Reys Nostro Sennor
quis de seu linage decer,
con razon lles fez est’ amor
en que lles foi apareçer.
Alegria, alegria
– 425 –
Esta terceira é como Nostro Sennor resurgiu
e como se mostrou aos apostolos e aas tres Marias.
Alegria, alegria
façamos ja todavia.
Mui grand’ alegria fazer
devemos, ca Deus quis morrer
por nos e a morte vençer
morrendo, que nos vençia.
Alegria, alegria
façamos ja todavia.
Quen tan grand’ alegria viu
com’ esta? Ca nos reemiu
Deus por sa mort’ e resurgiu
do sepulcr’ a terçer dia.
Alegria, alegria
façamos ja todavia.
Grand’ alegria nos creçeu
quando do ceo deçendeu
o angeo, e que tremeu
a terra u el deçia.
Alegria, alegria
façamos ja todavia.Grand’ alegria nos deu Deus
quando con pavor os judeus
do angeo, esses encreus,
cada un deles caya.
Alegria, alegria
façamos ja todavia.
Grand’ alegria, a la fe,
foi pois Maria Salome
e Jacobe con aloe
e Madalena Maria,
Alegria, alegria
façamos ja todavia.
Mui grand’ alegria nos dar
foi Deus u o foron buscar
ao mõyment’, e achar
niha delas podia.
Alegria, alegria
façamos ja todavia.
[G]rand’ alegria ouv’ ali
enton quando lles diss’ assi
o angeo «non ést’ aqui
que sobr’ a pedra seya.
Alegria, alegria
façamos ja todavia.
Grand’ alegria, sen mentir,
foi u lles disse: «Resurgir
quis Jeso-Crist’, e se vos yr
queredes u el dizia,
Alegria, alegria
façamos ja todavia.
Grand’ alegria vos será;
ca o veeredes alá
en Galilea, u está
segund’ vos el dit’ avia.»
Alegria, alegria
façamos ja todavia.
Alegria de coraçon
ouveron elas; e enton
foron alá, e Simeon
Pedr’ y foi, a que prazia.Alegria, alegria
façamos ja todavia.
Mai-la alegria mayor
foi a da Madre do Sennor,
que resurgiu, e gran sabor,
porque viu o que creya.
Alegria, alegria
façamos ja todavia.